Dispositivos do Sistema Defensivo da Província do Norte do Estado da Índia: 1521-1739

A Província do Norte constituiu a primeira parcela do Estado da Índia com dimensão e profundidade territorial. Até então, a soberania portuguesa na esfera oriental do Império implantava-se apenas em posições costeiras – cidades ou fortificações – ou pequenas ilhas. Durante o período de existência do território, de 1534 a 1739, as suas quatro cidades desenvolveram extensas cercas abaluartadas cujos vestígios arqueológicos encontram-se ainda, na sua maior parte, em bom estado de preservação. Para além das suas quatro cidades costeiras, o território foi dotado de uma extensa rede de fortificações de menor dimensão e na qual se incluem estruturas de grande diversidade morfológica. Como consequência do modelo de ocupação e administração adoptado para o território, na primeira linha da sua defesa ou segurança estava uma abrangente rede de casas-torre ou casas-senhoriais, muitas das quais foram fortificadas com posições de artilharia. Estas casas constituíam a residência rural dos foreiros portugueses, proprietários das aldeias respectivas.

Também como consequência das características intrínsecas ao processo de apropriação territorial, surgiu uma rede considerável de estruturas religiosas afectas às ordens missionárias do Padroado, das quais se destacam claramente os franciscanos e os jesuítas. Muitas destas edificações detinham cariz defensivo, sendo que uma mão cheia também foi dotada de muralhas e bastiões para artilharia. Para além destas estruturas afectas aos privados e aos religiosos, o Estado edificou uma longa lista de estruturas para defender as povoações mais pequenas e fortificar outros locais de importância estratégica como montanhas, passos e cotovelos fluviais, desfiladeiros, etc. Não apenas pelo seu número, mas também pela sua diversidade – a nível de desenho e de materiais construtivos – e pelas relações estabelecidas entre si, toda esta rede de sítios fortificados, complementada com o modelo miliciano para a sua guarnição e com as armadas militares, constitui um sistema defensivo territorial de elevado interesse histórico, especialmente ao nível da história da arquitectura, urbanismo e paisagem. Este sistema defensivo foi posto à prova repetidas vezes por invasões e ataques, constatando-se a sua evolução face à escala e natureza das ameaças, condicionada também pela quase constante falta de recursos económicos e militares do próprio Estado da Índia, especialmente a partir da perda da hegemonia marítima no Golfo de Cambaia.

Quer no seu conjunto quer a nível individual, os dispositivos deste sistema defensivo permanecem por estudar, com a excepção das referidas quatro cidades, constituindo um tema fundamental não apenas no estudo da história da Província do Norte mas também do Estado da Índia em geral.

  • Tese
  • Sidh Daniel Losa Mendiratta
  • Universidade de Coimbra
  • 2012
  • Coimbra
  • Português
  • Doutoramento em Arquitetura, especialidade em História e Teoria da Arquitetura. Orientador: Prof. Dr. Walter Rossa e Prof. Dr. Paulo Varela Gomes, 670 p., il. color
  • Download

Contribuições

Atualizado em 09/06/2020 pelo tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Jéssica Pedrini).



Imprimir o conteúdo


Cadastre o seu e-mail para receber novidades sobre este projeto


Fortalezas.org > Bibliografia > Dispositivos do Sistema Defensivo da Província do Norte do Estado da Índia: 1521-1739