Castle of Freixo de Espada à Cinta

Freixo de Espada À Cinta, Bragança - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (2)

Images (2)

O "Castelo de Freixo de Espada à Cinta" localiza-se na freguesia e concelho de Freixo de Espada à Cinta, no distrito de Bragança, em Portugal.

É uma das mais antigas fortificações transmontanas, estando documentado desde praticamente o século XII e antecedendo, desse modo, o fenómeno de vilas novas estabelecidas por D. Afonso III e D. Dinis.

História

Antecedentes

A origem da povoação bem como o seu topónimo são muito antigos, mergulhando no terreno da lenda. De acordo com o erudito quinhentista João de Barros (homónimo do cronista), na sua "Geografia de Entre Douro e Minho e Trás-os-Montes", a fundação é atribuída a um fidalgo espanhol, de apelido Feijão, que teria vivido no século X, e em cujas armas constaria um freixo e uma espada. Uma tradição local atribui o topónimo a um guerreiro Visigodo de apelido Espadacinta, que ali se deitou à sombra de um freixo para descansar.

Uma versão ligeiramente diferente é contada por Ivo Xavier Fernandes:

"Um cavaleiro cristão (...), perseguido por um grupo de aventureiros, viu-se em perigo de morte. Então, conseguiu esconder-se entre os ramos de um freixo, aos ramos do qual pendurou a própria espada. Assim se salvou, porque os inimigos vendo um freixo com uma espada, encheram-se de pavor e fugiram. E aí mesmo se lançaram os fundamentos da povoação, a que o seu fundador deu o nome de Espada de Freixo à Cinta." (“Topónimos e Gentílicos”, vol. 2., Porto: Editora Educação Nacional, 1943.)

O castelo medieval

A povoação existia nos primeiros tempos da nacionalidade, marcando a fronteira a oeste do rio Douro. Por essa razão, visando fomentar o seu povoamento e defesa, Afonso I de Portugal (1143-1185), referindo-a como “Fresno”, outorgou-lhe foral desde 1152 (ou 1155-1157), transformando-a em couto de homiziados. Acredita-se que a construção da fortificação tenha ocorrido a partir de então, embora só exista referência documental à mesma um século mais tarde, em 1258. Esse primitivo reduto eventualmente seria complementado por uma cerca envolvendo a povoação.

No reinado de Afonso II de Portugal (1211-1223) foi conquistada pelas forças de Afonso IX de Leão que a mantiveram nos anos de 1212 e 1213.

Em momento anterior a 1236 Sancho II de Portugal (1223-1248) doou Alva ao Concelho de Freixo como sua aldeia, mandando expulsar daquele lugar os habitantes que aí moravam após a ocupação leonesa. Ainda sob o mesmo reinado, na regência de Afonso, conde de Bolonha (futuro Afonso III de Portugal), o foral da povoação foi confirmado como couto de homiziados (1246).

Sob Afonso III de Portugal (1248-1279), as "Inquirições" de 1258 referem que D. Sancho II havia doado a povoação de Alva por termo à vila de Freixo e que a Igreja de São Miguel dava duas partes da renda para o Concelho para as obras do castelo; o mesmo soberano concedia-lhe também o lugar fortificado de Urrós, que estava ermo, por temer que pudesse ser ocupado pelo reino vizinho. D. Afonso III confirmou o foral de Freixo em 1273.

No século XIV, o cronista Rui de Pina informa que Dinis I de Portugal (1279-1325) "povoou de novo e fez" o castelo de Freixo. (“Crónica de D. Dinis”)

Os habitantes de Freixo solicitam a Afonso IV de Portugal (1325-1357) a aplicação da "terça" da Igreja Matriz às obras de conclusão do castelo (1342).

Mais tarde, Fernando I de Portugal (1367-1383), em carta, referiu a construção de "hum apartamento da alcaçere" que o rei mandara fazer em Freixo (1376). Em uma outra carta determinou que as aldeias de Urrós e de Maçores deixassem de prestar a adua para reparação das fortificações da vila do Freixo e passassem a servir nas obras da vila de Torre de Moncorvo. Ainda em seu reinado, em 1381 teve lugar a doação da vila a Fernão Afonso, senhor de Valença.

No contexto da crise de sucessão de 1383-1385 foram empreendidas obras de beneficiação no castelo (1383). Pelo apoio então dado pela vila a João I de Portugal (1385-1433) este, quando em 1406 limitou o privilégio de couto e homízio (exceto para os crimes de aleive e traição) a apenas três vilas no reino, uma delas foi esta, de Freixo.

Durante o século XV, são registadas obras no castelo entre 1412 e 1423, e entre 1435 e 1459, eventualmente visando adaptar o castelo à função de Paço para a habitação dos seus alcaides.

No reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521) a povoação e seu castelo encontram-se figurados por Duarte de Armas (“Livro das Fortalezas”, c. 1509), destacando-se o castelo cercado pela barbacã, e a cerca da vila reforçada por diversas torres, de planta hexagonal e pentagonal, dispostas a intervalos regulares, a maioria ostentando balcões de matacães. Este soberano concedeu o Foral Novo à vila em 1512. No ano seguinte (1513) realizavam-se obras no castelo, nelas estando a trabalhar o mestre de pedraria biscaínho Pêro Lopes.

Sob João III de Portugal (1521-1557), de acordo com o “Numeramento” (1527- 1532), a vila possuia um "bõo castello, forte, cerqado, omde nam uyve mais que o alcayde" e tinha 447 fogos.

Em 1569 o mestre António Fernandes executou obras no castelo por ordem de Sebastião I de Portugal (1557-1578).

A construção do campanário sobre a Torre do Galo terá ocorrido entre os séculos XVII e XVIII. Em meados do século XVIII, em 1758 a guarnição da praça-forte compunha-se de um tenente e doze homens. Ao final do século, em 1800, o castelo encontrava-se em bom estado.

Do século XIX aos nossos dias



No século XIX, a lei de 21 de setembro de 1835 proibiu os enterramentos nas igrejas e obrigou à construção de cemitérios municipais. Em Freixo de Espada à Cinta isso ocorreu no recinto do antigo castelo, tendo sido demolidos alguns troços da muralha para o efeito. O primeiro enterramento foi ali realizado em 8 de julho de 1836.

Encontra-se classificado como Monumento Nacional por Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo n.º 136, de 23 de junho. A ZEP encontra-se definida por Portaria publicada no Diário do Governo, II Série, n.º 19, em 23 de janeiro de 1953.

Trabalhos de intervenção e restauro, a cargo da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) tiveram lugar entre 1940 e 1942.

Uma nova campanha tem lugar na década de 1970, em duas etapas:

- 1970-1973 - demolição de 13 edifícios para desafogo da torre, arranjo do acesso e arruamentos, ajardinamento e valorização da envolvente; neste período foi formulada uma proposta para a remoção do cemitério do interior do recinto muralhado (1972).

- 1973 e 1978 - demolição de 4 edifícios para regularização do terreno e arranjo da zona de acesso.

Uma nova campanha de conservação teve lugar de 1980 a 1987. A torre encontrava-se em avançado estado de degradação e foi alvo de um estudo por parte do "Grupo da Pedra" e análises laboratoriais realizadas pelo INIC (1983).

Em 2000 foi formulado um plano de intervenção na envolvente, com recursos do FEDER.

Características

Exemplar de arquitetura militar em estilo gótico, de enquadramento urbano, na cota de 466 metros acima do nível do mar. Apresenta semelhanças com a dos de Alva, Mós e Urrós.

É constituído por castelejo de planta ovalada e barbacã, de que só restam alguns trechos e uma torre heptagonal coroada por matacães e rematada por merlões biselados, outrora integrada no circuito muralhado do castelejo. O seu primitivo espaço intra-muros é ocupado pelo cemitério, reaproveitando as fundações da muralha dionisina, arruinada.

Destaca-se a torre, em plano elevado, integrada no centro histórico, erguendo-se a norte da Igreja Matriz, e um pouco mais distanciada, a oeste, a Igreja da Misericórdia. Alguns autores sustentam (indevidamente) ter sido esta a torre de menagem atribuindo-a uns ao reinado de D. Dinis, outros ao de D. Fernando. Os moradores denominam-na simplesmente como Torre do Galo ou Torre do Relógio. De planta heptagonal, em "opus vittatum", ergue-se a cerca de 25 metros de altura, com faces de diferentes larguras, variando entre os 5 e os 8 metros. É acedida por uma porta em arco quebrado na face nordeste, em plano elevado, descentrada, a que se acede por escada de dois lanços opostos. O seu interior é dividido em três pavimentos, com abóbadas em arcaria, acedidos por escada, formando caracol no cunhal nordeste, iluminados por pequenas frestas nos muros.

No alto, destaca-se um balcão corrido sustentado por cachorrada e chão perfurado (“machicoulis”). O conjunto culmina com uma torre sineira quadrangular, com cobertura em forma de agulha, tendo nos cunhais pequenas pirâmides boleadas.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 12/12/2015 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (2).


  • Castle of Freixo de Espada à Cinta


  • Castle





  • Portugal


  • Conserved Ruins

  • National Protection
    Encontra-se classificado como Monumento Nacional por Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo n.º 136, de 23 de junho. A ZEP encontra-se definida por Portaria publicada no Diário do Governo, II Série, n.º 19, em 23 de janeiro de 1953.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Bragança
    City: Freixo de Espada À Cinta



  • Lat: 41 -6' 27''N | Lon: 6 48' 17''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Freixo de Espada à Cinta