Castle of Mós

Bragança, Bragança - Portugal

O "Castelo de Mós" localiza-se na freguesia de Mós, concelho de Torre de Moncorvo, distrito de Bragança, em Portugal.

Erguido numa pequena elevação coberta por vegetação e árvores a norte da povoação, dominava a chamada Calçada de Mós, um antigo eixo viário na região. Existe um Castelo de Mos, em Mos, Vigo, na Galiza, e um Castelo de Porto de Mós, em Porto de Mós, no distrito de Leiria, em Portugal.

História

Antecedentes

Acredita-se que a primitiva ocupação humana da atual região de Mós terá tido o seu foco no cabeço que fica a norte da povoação, onde parece ter existido um castro da Idade do Ferro.

O castelo medieval

No mesmo local, veio a erguer-se um castelo, em data incerta, embora tenhamos conhecimento de que Afonso I de Portugal (1143-1185) concedeu carta de foral a Mós em 1162. O seu filho e sucessor, Sancho I de Portugal (1185-1211), de passagem de Trancoso a Braga, no lugar de Chacim, próximo a Mós, fez a doação do reguengo de Cilhade aos seus povoadores, declarando fazê-lo “por Deus e pelo bom serviço que havia recebido e esperava continuar a receber do seu Castelo de Mós.

Sob o reinado de Afonso III de Portugal (1248-1279), as Inquirições de 1258, relatam que o concelho guardava a terça das dízimas da Igreja de Santa Maria de Mós, destinada à reparação e manutenção do castelo da vila. Essa fonte de recursos ainda era utilizada no século seguinte, quando uma carta de Afonso IV de Portugal (1325-1357) declara que o soberano concedia a “terça da (…) Egreja de Móos a Pedro Dias, seu procurador na terra de Bragança, se o muro do dito Lugar de Móos he acabado, e que de futuro quando comprir de se adubar esse muro en alguma cousa, que el o adube pela renda da dita Eigreja” (1335).

No reinado de Fernando I de Portugal (1367-1383), o soberano concedeu a Torre de Moncorvo, por termo, e os lugares de Mós e de Vilarinho da Castanheira, uma vez que “non som taes que se defendam nem possam defender por ssy” (1372).

Ao final da Idade Média acentua-se o processo de despovoamento da vila, em favor de uma povoação vizinha, no termo de Carviçais. Na tentativa de deter o processo, ainda antes de 1450 foi estabelecido um couto de homiziados em Mós, tendo o Concelho solicitado à Coroa novos privilégios a ele relacionados, uma vez que a vila estava muito “desffalecida de jentes que em ella soiam dauer por as guerras e grandes pestelencias que sse sseguyrom”.O “Numeramento” (1527-1532)  refere que a vila encontrava-se cercada, embora essa cerca estivesse "derribada" em alguns trechos. Contava, nessa altura, apenas 43 habitantes contra 54 na vizinha aldeia de Carviçais, no mesmo termo.

Do século XVIII aos nossos dias

No início do século XVIII, registava-se idêntica situação, informando que “nesta villa se vè quasi hum aruinado castello com sua cisterna dentro delle, que mostra ser a villa antigamente povoação de mais conta.” (COSTA, António Carvalho da. “Corografia Portugueza e Descripçam Topografica do Famoso Reyno de Portugal (…)”, 1706-1712.) Nesta fase, havia no castelo apenas 90 fogos, enquanto na vizinha Carviçais, único lugar do termo, contavam-se 250.

No século XIX, o Concelho de Mós foi extinto, integrado no de Torre de Moncorvo.

Os remanescentes do castelo encontram-se classificados como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 40.361, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 228, de 20 de outubro de 1955.

Na década de 1960 parte da muralha medieval ruiu, registando-se uma construção particular sobre um troço muralhado. Na ocasião, fez-se sentir a intervenção do poder público pela ação da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), através da reconstrução de um troço da muralha e de obras na zona envolvente (1963).

Atualmente restam apenas vestígios de alguns troços de muralha com casas de habitação adossadas.

Características

Exemplar de arquitetura militar, românico, de enquadramento rural, na cota de 574 metros acima do nível do mar, O tipo do castelo e de organização do povoado de Mós revela um padrão semelhante aos de Freixo de Espada à Cinta, Urrós e Alva.

Apresentava planta de pequenas dimensões com o formato ovalado, em estilo românico. A muralha, em pedra de xisto miúda, era rasgada a sul pela porta, comunicando com o arrabalde da vila medieval. Intra-muros, a vila estruturava-se em torno da rua Direita, que definia um eixo norte-sul. Extra-muros, diante da porta implanta-se um pequeno largo, onde se ergue a antiga Casa da Câmara e o pelourinho de Mós, e a partir do qual se definem os principais eixos viários da localidade, em direção a Freixo de Espada à Cinta, Barca d’Alva, Torre de Moncorvo e Miranda. A Igreja de Santa Maria ergue-se na direção contrária, anexa ao lado norte da cerca, e no seu exterior, em localização pouco habitual, principalmente por ficar oposta à vila, sendo o único templo aí existente.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 14/12/2015 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Castle of Mós


  • Castle





  • Portugal


  • Conserved Ruins

  • National Protection
    Os remanescentes do castelo encontram-se classificados como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 40.361, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 228, de 20 de outubro de 1955.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Bragança
    City: Bragança



  • Lat: 41 -10' 25''N | Lon: 6 54' 31''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Mós