Reducto de Laguna Cierva

Las Palmas, Chaco - Argentina

Búsqueda de Imágenes de fortificación

Fecha 1 Fecha 2

Medias (2)

Imágenes (2)

O “Reduto de Laguna Cierva” (em castelhano “Reducto de Laguna Cierva”), também referido como “Reducto Cierva” e “Fuerte del Estabelecimento” localizava-se na margem direita do rio Paraguai, fronteiro à Fortaleza de Humaitá, poucos quilómetros a leste da localidade de Las Palmas, em território hoje pertencente ao Departamento Bermejo, Província do Chaco, na República Argentina.

História

Foi erguido por determinação de Francisco Solano López durante a Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), como um reduto que, em cooperação com a Fortaleza de Humaitá, tinha a função de fechar o acesso, por via fluvial, à capital do Paraguai, a cidade de Asunción.

À época do conflito estava defendido por 500 homens e artilhado com 9 peças.

Sofreu quatro tentativas de assalto por parte das forças aliadas no contexto da passagem de Humaitá (19 de fevereiro de 1868), em uma operação conjunta, fluvial e terrestre, esta última a cargo do 16.º Batalhão de Infantaria brasileiro e do 31.º de Voluntários da Pátria (os "capoeiras" da Corte). Destacou-se a força de seis pequenos couraçados (“monitores”) sob o comando de Delfim Carlos de Carvalho, que sob o fogo cruzado paraguaio conseguiu romper as cadeias que fechavam o curso do rio, alcançando Asunción a 24 de fevereiro de 1868, cidade que bombardeou. Por este feito Carlos de Carvalho foi agraciado por Pedro II do Brasil (1840-1889) com o título de Barão da Passagem.

De acordo com a historiografia paraguaia, após repelir o quarto assalto, esgotadas as munições, o comandante do reduto, major Antonio Olavarrieta, ordenou a retirada das tropas paraguaias nas embarcações “Tacuarí” e “Ygurey”, que apoiavam a defesa do reduto, rumo à Fortaleza de Humaitá, na margem oposta do rio.

O militar brasileiro Dionísio Cerqueira, nas suas “Reminiscências da Campanha do Paraguai”, legou-nos uma descrição do momento:

(...) Logo adiante, topamos com um fosso largo e profundo. Do outro lado, erguia-se alto portão, feito de pranchões horizontais pregados em vigas a prumo. Era a ponte levadiça do reduto que estava levantada. Os paraguaios do piquete passaram por uma pequena brecha entre o portão e o parapeito. (...). Atirei-me ao fosso com os meus homens e subimos por um laço de couro cru trançado, que pendia na escarpa, preso a uma viga do portão. A trincheira estava ainda um pouco guarnecida. Entramos na brecha por onde passou o piquete, e gritamos, com todas as forças aos nossos, que avançavam: ‘Corram, venham que não há ninguém!’ Era tarde: os paraguaios subiam, a toda, dos quartéis situados na baixada.” (CERQUEIRA, 1980:219)

Abandonado, o reduto foi ocupado pelas tropas brasileiras. As perdas aliadas foram estimadas em 1200 homens (entre mortos e feridos) e as paraguaias em 150, além das 9 peças de artilharia.

O episódio foi retratado pelo pintor italiano Edoardo De Martino, em obra hoje no acervo do Museu Naval e Oceanográfico do Rio de Janeiro.

DONATO (2001) refere esta fortificação como uma bateria. (Op. cit., p. 284)



 Personajes relacionados


 Imprima Personajes relacionados

Bibliografías relacionadas 


 Imprima Bibliografías relacionadas

Contribuciones

Actualizado en 09/08/2016 por el tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contribuciones con medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (2).


  • Reducto de Laguna Cierva

  • Reducto Cierva, Fuerte del Estabelecimiento

  • Reducto




  • Francisco Solano López Carrillo

  • Paraguay


  • Desaparecida

  • Monumento Sin Protección Legal





  • Desaparecida

  • ,00 m2

  • Continente : Sudamérica
    País : Argentina
    Estado/Província: Chaco
    Ciudad: Las Palmas



  • Lat: 27 3' 30''S | Lon: 58 30' 56''W




  • 1868: 9 peças de artilharia






Imprima el contenido


Registre su correo electrónico para recibir noticias sobre este proyecto


Fortalezas.org > Fortificación > Reducto de Laguna Cierva