Fort of Nuestra Señora del Buen Ayre

Buenos Aires, Buenos Aires - Argentina

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (5)

Images (5)

O "Forte de Nossa Senhora de Buenos Aires" localizava-se na margem direita da foz do rio da Prata, atual cidade e província de Buenos Aires, na Argentina.

Tinha a função de defesa do porto da cidade contra os assaltos de piratas e corsários Neerlandeses, Ingleses e Portugueses, tendo sido utilizado como residência pelas autoridades coloniais espanholas até à revolução de Maio de 1810 e pelos “criollos” (exceto em alguns momentos da Confederação Argentina) até vir a ser demolido (1882).

História

Antecedentes

Em 1536, o primeiro governador do Rio da Prata, D. Pedro de Mendoza y Luján, estabeleceu um assentamento fortificado espanhol próximo à foz do riacho de los Navios, que foi colocado sob a invocação de Nuestra Señora del Buen Ayre (ou Santa Maria del Buen Ayre). Naquele mesmo ano os ameríndios atacaram o estabelecimento europeu, que incendiaram e destruíram. Pedro de Mendoza retirou com os seus homens no meio da noite, e refugiou-se no forte em Santa Fé. Já doente decidiu retornar à Espanha, mas veio a falecer em alto mar no ano seguinte (1537).

Mais tarde, em 1580, o capitão Juan de Garay refundou a cidade em torno da "Plaza Mayor" (atual Plaza de Mayo), denominando-a de Santíssima Trinidad, enquanto a área vizinha junto ao porto manteve o nome do assentamento original.

De acordo com as “Leyes de Indias”, na cidade “de la Trinidad” Garay construiu um forte no rio da Prata. No entanto, e apesar das incursões de corsários de diferentes nacionalidades naquela região, entre as quais as do inglês Francis Drake em 1577, Garay apenas deixou livre uma área para construí-lo, não o tendo erguido.

A Real Fortaleza de Don Juan Baltasar de Austria

Quatorze anos mais tarde (1594), o então governador de Buenos Aires, Fernando de Zárate, escreveu uma carta a Filipe II de Espanha (1556-1598), reportando que, na costa brasileira, havia visto recentemente quatro navios ingleses dispostos a navegar para o estreito de Magalhães e que o governador do Rio de Janeiro, Salvador Correia de Sá, lhe dissera que os corsários estavam bem informados sobre a área do Rio da Prata. Na mesma missiva, Zarate solicitava permissão para construir um forte na sua cidade, sem qualquer despesa para o Tesouro Real e que “na obra ajudam muito os vizinhos de Tucuman, porque os desta terra são muito pobres e carentes de índios de serviço”.

Diante do temor de que a Inglaterra efetivamente planeasse apoderar-se de Buenos Aires, o rei determinou a Zarate que realizasse a construção que, na realidade já havia sido principiada, mesmo antes de ter enviado a carta.

O local inicialmente escolhido por Garay para a construção foi a metade oriental da "Plaza Mayor" (lado oeste da atual Plaza de Mayo), mas para permitir que esta tivesse mais espaço, optou-se por erguê-lo numa barranca do rio da Prata, mais a leste da Praça, onde hoje está localizada a Casa Rosada, que encontrava abandonado uma vez que o fundador o havia entregue ao adelantado Juan Torres de Vera y Aragón, que nunca o ocupou.

A fortificação foi batizada como “Real Fortaleza de Don Juan Baltasar de Austria”. Apresentava planta na forma de um quadrado, com as dimensões de 150 varas de lado, e o seu pavimento era de terra apiloada. As muralhas eram também de terra apiloada, envolvidas por um fosso. Foi artilhado com 8 peças de curto alcance.

Zárate faleceu antes do término da obra e, em 1599 o governador Diego Rodríguez Valdez y de la Banda encontrou-o arruinado e com a artilharia por terra. Era acedido a partir da "Plaza Mayor" por uma ponte levadiça. Em seu interior se encontravam as habitações do Governador, as Casas Reais e depósitos.

A Diego Rodríguez Valdés sucedeu Hernando Arias de Saavedra (o “Hernandarias”), que em 1604 informou ao soberano que havia prosseguido com as obras do forte incorporando-lhe uma vigia e dependências para a Alfândega.

Uma vez que as incursões de corsários ingleses, franceses, neerlandeses, portugueses e até dinamarqueses continuavam rotineiras, o governador Diego Marín y Negron solicitou à Coroa, em 1609, obras de ampliação e reforço da fortificação. Entretanto, veio a falecer em 1613, sem que tivesse efetuado qualquer melhoria e, desse modo, o soberano nomeou uma vez mais Hernandarias para o efeito. Este utilizou a mão-de-obra dos escravos africanos “depositados” no "Depósito Geral” e a de nove indígenas com as respetivas mulheres. Deste modo, em 1618 a fortaleza estava envolvida por muralhas com terraplenos e baluartes, empregando como materiais pedras extraídas da ilha de Martin Garcia e madeiras de lei das Missões Jesuíticas.

Ainda assim, o governador Francisco de Céspedes, chegado a Buenos Aires em 1624, manifestou preocupação diante da necessidade de “fortificar las Casas Reales que llaman fuerte por ser tapias de tierra muerta donde están las pocas piezas de artillería.

O seu sucessor, o governador Pedro Esteban D'Ávila fez erigir em 1631 uma nova fortificação, mas que era tão frágil quanto as anteriores. De fato, a Alfândega encontrava-se sob a fortificação, no barranco do rio, e as cheias das águas deste destruíram os baluartes de tal modo que em 1641, já havia aluído o baluarte de San Juan Baltasar de Austria, não restava mais nenhum. Naquele ano, o governador Mujica, sucessor de D'Ávila, informou a Coroa “(…) sus tapias de tierra muerta y derrumbada” não prestava “ya defensa ni seguridad a los soldados”. Entretanto, exceto a construção das chamadas “Cajas Reales” (1649), não se registaram avanços importantes.

Acarette du Biscay, um viajante francês, descreveu a estrutura em 1658:

“(…) [Buenos Aires] tem um pequeno forte de terra que domina o rio, circundado por um fosso e montando dez peças de ferro, sendo a do maior calibre a de doze. Ali reside o Governador e a guarnição é composta de apenas 150 homens em três companhias, comandadas por três capitães, nomeados por este à sua vontade (...).” (CALDERÓN, Elisa Casella de. "Parque Colon - La Aduana Nueva". Revista "Buenos Aires nos cuenta", n° 9, 1994. p. 15.)

O Forte de São Miguel

Melhorias significativas só tiveram lugar na gestão do governador José Martínez Salazar quando, em 1667 (?), foi erguida uma cerca pelo lado do rio, para conter a erosão fluvial. Este governante fez fabricar cal e tijolos, utilizando como mão-de-obra os próprios soldados da guarnição. Para o armazenamento das provisões de guerra (armas, palamenta, munições), fez construir uma galeria de 150 pés de comprimento por 20 de largura, além de um armazém, fornos e silos para armazenamento de provisões. Instalou ainda uma ferraria, com a qual fez reparar as armas e ferragens da fortificação. Foram construídos três baluartes, assim como aberto um fosso que media 416 varas “en redondo” e 46 pés de largura. Concluída em 1720, esta nova estrutura foi rebatizada como “Fuerte de San Miguel de Buenos Aires” (“Castillo de San Miguel”), e recebeu, em um nicho no Portão de Armas, uma imagem do santo, obra do artista português Manuel de Coyto (autor da imagem do “Santo Cristo” atualmente na Catedral de Buenos Aires).

Apesar destas extensas melhorias, ainda muito restou por fazer, especialmente tendo em conta que Filipe IV de Espanha (1621-1665) havia afirmado que o porto de Buenos Aires era “(…) a praça da América espanhola mais cobiçada pelos Estados estrangeiros”.

Em 1674 o então governador Andrés de Robles reportou, entre outras questões, que o fosso ainda não estava completo e que a distância entre ele e o cimento que excedia o muro não era suficiente para a cavalaria. Dedicou-se então a atender vários aspetos, como o reforço da muralha com 300 troncos de alfarrobeira revestidos de alcatrão, e o fabrico de reparos para as oito peças de artilharia de bronze. De qualquer modo, tanto em Espanha quanto em Buenos Aires se reconhecia que o forte estava localizado em um lugar pouco estratégico para a defesa, e que as construções particulares erguidas em torno de si lhe diminuíam a funcionalidade. No mesmo período ergueu-se ao sul deste forte, na foz do riacho, um fortim, sob a invocação de “San Sebastián”.

Desde 1618 que o governador Diego de Góngora (o primeiro a governar com Buenos Aires legalmente separada de Assunção do Paraguai) instituíra uma organização militar mais eficiente na cidade, tarefa que o governador Pedro Esteban D'Ávila concluiu, em 1631, com a instituição da primeira hierarquia militar. No século XVIII, o forte já contava com uma força de cerca de 800 homens e o “Real Cuerpo de Artillería” atendia não apenas as baterias do forte como as demais ao longo da costa.

No início do século XVIII, seguindo os novos preceitos da arquitetura militar, então em voga na Europa inspirados pelo engenheiro francês Vauban, decidiu-se proceder a modernização da praça. Desse modo, entre 1708 e 1710, sob o governo de Manuel de Velazco, o engenheiro José Bermudez revestiu com pedra as muralhas oeste e sul. Em 1725 a fortaleza foi devidamente concluída sob a orientação do biscainho Domingo Petrarca (que já havia trabalhado na construção das defesas de Montevidéu), sob o governo de Bruno Mauricio de Zabala, com um muro de pedra sobre o rio e outros três de tijolos grossos nas demais faces. De planta poligonal orgânica, as muralhas eram rasgadas por canhoneiras e, em cada um de seus vértices havia um baluarte com uma guarita. Pelo lado de terra a fortificação era defendida por um fosso inundado. No lado oeste, a meio do pano da muralha, rasgava-se o Portão de Armas, precedido por uma ponte levadiça sobre o fosso. Ao longo das décadas, os arcos da ponte cederam e os pilares ficaram ameaçados, pelo que, em 1757 foi necessário corrigi-los.

Em 1761 concluiu-se uma nova residência para os Governadores, projeto que havia sido concebido dez anos antes por Diego Cardoso. Em 1766 foram reparadas as ruas que desciam em direção ao rio; em 1768, Bartolomé Howell efetuou o muralhão da costa e, em 1784, o comandante de Engenheiros Carlos Cabrera adicionou uma capela ao conjunto. Um ano depois (1785) Cabrera desenhou o edifício da “Real Audiencia”, com dois andares, e em 1795 construiu-se o novo "Palacio de los Virreyes" junto ao de Maestranza ou "Palacio Viejo", que permitiu dispor as novas autoridades em suntuosos salões com um balcão de esquina “de cajón”, como era usual em Lima, no Perú. Este edifício, que foi desenhado por José García Martínez de Cáceres e dirigido por Francisco García Carrasco, pode considerar-se como o exponente máximo alcançado pela arquitetura civil portenha em fins do século XIX.

Em 1787, onze anos após Carlos III de Espanha (1759-1788) ter elevado a cidade a capital do Vice-reinado do Rio da Prata, construiu-se um palácio para os Vice-reis, e partes da antiga fortificação foram renovadas. Estes trabalhos foram realizados por José García de Cáceres, nascido em Alicante, que em 1802 descreveu o forte como:

Un cuadrado de lados desiguales, fortificado con cuatro baluartes y sus correspondientes certinas, dentro del cual se encuentra el Palacio Real que en piso superior ocupan los Señores Virreyes y en el inferior la Real Academia, Escribanos, Secretarios y Capilla Real y Reales Cajas, encima de estas, la Sala de Armas, capilla antigua para presidiarios, cuerpos de guardia, almacenes, maestranzas, etc. Este fuerte tiene un foso sin contraescarpa revestida y únicamente lo está una porción que corresponde a la puerta principal que tiene puente levadizo y está cubierta por un pequeño tambor; en el frente que mira al río está la puerta del socorro, los muelles de dicho frente están en muy mal estado, especialmente a la entrada por ser la piedra tosca de malísima calidad. Todos los edificios que contiene están construidos de ladrillo y barro, excepto la Capilla Real, almacenes y cajas Reales, que lo están de ladrillo en mezcla de cal y arena.

Do século XIX aos nossos dias

Em 1803 as defesas voltadas ao porto foram reforçadas e pelo lado da praça construiu-se, sobre o fosso, uma parede de tijolos.

Nesta fase o forte perdera a sua função defensiva: o porto defendia-se naturalmente, de vez que agora apresentava pouca profundidade e os bancos de areia obrigavam a que as embarcações fundeassem longe da costa, tornando impossível o pronto desembarque de tropas, caso pretendessem tomar a cidade.

Embora inútil militarmente, continuou a constituir-se num símbolo do poder e serviu como residência para os Vice-reis até 1810. A partir daquele ano, foi usado como habitação e local de expediente pelos titulares dos vários governos nacionais.

No contexto das Invasões Inglesas ao Rio da Prata (1806-1807), em 1806 forças inglesas sob o comando de William Carr Beresford tiveram que tomar o forte por terra uma vez que o banco de areia que se formara naturalmente diante do mesmo, o tornava inacessível pela costa. De acordo com a narrativa de um oficial inglês que participou na operação à época, o mesmo estava então artilhado com 35 peças, porém todas danificadas.

O forte constituiu-se ainda no último reduto, para onde as tropas inglesas retiraram e onde se renderam a Santiago de Liniers, em 12 de agosto de 1806, de acordo com a narrativa de Pastor Obligado:

Cuando Liniers llegaba al pretil de La Merced, viendo Beresford parado bajo el arco de la Recova Vieja, caer muerto a su ayudante Kenner, hizo con la espada señal de retirada y replegando sus tropas entró en la fortaleza, mandando levantar el puente. La densa bruma de un día gris, húmedo, nublado y el humo del combate impidieron ver la bandera blanca flameando en el bastión norte, por lo que continuaron los tiros desde todas las bocacalles de aquel punto.

Na manhã seguinte Liniers foi recebido no salão principal, e lhe entregaram as bandeiras do Regimento n.º 71, pela primeira vez em sua história derrotado, depois de ter combatido na Europa, Ásia, África e América do Norte.

Sob a presidência de Bernardino Rivadavia (1826-1827), este mandou aterrar o fosso, eliminar a ponte levadiça e substituir a grade do portão por um portão de ferro. O Portão de Armas passou a ter um estilo neoclássico, em forma de um arco do triunfo, encimado por barrete frígio, de que apenas se sabe que, em 1910 se encontrava abandonado em um casarão do bairro de Constitución. Complementarmente introduziu móveis luxuosos que adquirira na Europa.

Em 1835, já na época do governo de Juan Manuel de Rosas, o conjunto foi utilizado como aquartelamento de tropas, uma vez que o governo estava instalado na casa que Rosas construiu no atual bairro de Palermo).

Voltou a ser sede do governo em 1853, após a queda de Rosas, mas encontrava-se em muito mau estado. Em 1857 o governador de Buenos Aires, Pastor Obligado (1853-1858), foi autorizado pela Legislatura a demolir o lado sul, que dava para a atual rua Hipólito Yrigoyen e a destruir as muralhas e baluartes de todo o edifício, a fim de poder construir a “Aduana Nueva” sobre terrenos ganhos ao rio. Esta ficou situada de frente para o rio, atrás do forte, com projeto do engenheiro Edward Taylor. A frente reta que dava para o lado oeste, ou seja, sobre a “Casa de Gobierno”, não se apoiava na barranca e apenas usava como pátio de manobras o fosso do antigo forte, com mais de cem metros de largura. A parte de trás da Alfândega, que dava para o que havia sido a frente do forte, estava ao nível do solo, mas posteriores aterros fizeram que ficasse abaixo dele. Do antigo forte restava então apenas o portão de entrada e os edifícios centrais, que foram renovados para que servissem de sede do governo.

O presidente Bartolomé Mitre ocupou, em 1862, o setor norte como sede presidencial, restaurando-o e criando um jardim à sua frente.

Em 1867, o outro setor do forte, sobre a atual avenida Rivadavia, sofreu dois grandes incêndios. Isto levou a que, no ano seguinte, o então presidente Domingo Faustino Sarmiento o reparasse, modificando-o e agregando-lhe um balcão ao primeiro piso, rodeando-o de um jardim e pintando-o de cor-de-rosa. Foi, a partir de então que se começou a chamá-lo de “Casa Rosada”. A nova construção possuía um ar italianizante, que contrastava com os traços ligeiramente neoclássicos da construção anterior.

Em 1873, para o setor sul, que havia ficado baldio desde a demolição do forte por Obligado, Sarmiento, inspirado na arquitetura italiana e francesa da época renacentista, contratou o sueco Carlos Kihlberg para que construísse um edifício para os Correios e Telégrafos. Este foi concluído em 1879.

Finalmente, em 1882 o presidente Julio Argentino Roca ordenou a demolição da chamada “Casa de los Virreyes” e do que Sarmiento havia construído do lado norte, sobre a avenida Rivadavia, terminando assim com os últimos vestígios do forte. Sobre o sítio aberto, separado por uma rua do edifício dos Correios, outro sueco, o arquiteto Gustavo Enrique Aberg, construiu um edifício parecido com o dos Correios, embora de maiores dimensões e com um balcão de cinco arcos. Este novo edifício, junto com um corpo central com pórtico na fachada construído em 1894 pelo italiano Francisco Tamburini sobre a rua que o separava dos Correios e a construção ordenada por Roca, constituem a atual “Casa Rosada”, a sede do Poder Executivo do país. No "Museu da Casa Rosada", uma das canhoneiras ainda pode ser apreciada e parte de uma sala do armazém do antigo "Tesouro Real".

Características

A área total do conjunto setecentista era de 5.000 m². Embora de dimensões muito mais modestas, este forte tinha as características das fortificações da época, como por exemplo a de Cartagena das Índias (Colômbia) ou a de San Juan de Puerto Rico. Na região, a estrutura mais parecida com o Forte de Buenos Aires é o Forte de Santa Teresa, na costa atlântica do Uruguai.

  • Fort of Nuestra Señora del Buen Ayre

  • Real Fuerte de Don Juan Baltasar de Áustria, Fuerte de San Miguel de Buenos Ayres, Castillo de San Miguel

  • Fort

  • 1594 (AC)




  • Spain


  • Featureless and Well Conserved






  • Federal Public Organ

  • 5000,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Argentina
    State/Province: Buenos Aires
    City: Buenos Aires



  • Lat: 34 36' 30''S | Lon: 58 22' 13''W




  • Século XVI: 8 peças
    Século XVII: 10 peças
    Século XIX: 35 peças, danificadas






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort of Nuestra Señora del Buen Ayre