Bateria do Zavial

Vila do Bispo, Faro - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (5)

Images (5)

A "Bateria do Zavial" localiza-se sobre a ponta de mesmo nome, na freguesia da Raposeira, concelho de Vila do Bispo, distrito de Faro, em Portugal.

Situada no topo da falésia entre as praias da Ingrina e do Zavial, sucedeu o "Forte de Santo Ignácio do Zavial", seiscentista, na defesa da praia e porto do Zavial, onde existia uma almadrava (armação) da pesca do atum.

História

Antecedentes

A informação documental mais antiga sobre a área do Zavial é um Alvará, datado de 24 de novembro de 1569, pelo qual Sebastião I de Portugal (1568-1678) nomeou a Pedro Dias como Mandador da Armação de Pesca do Zavial.

Mais tarde, no contexto da Dinastia Filipina (1580-1640), Alexandre Massai relacionava os lugares de Almádena e do Azavial como merecedores de fortificação ("Descripcaõ do Reino do Algarve…", 1617/1618), para proteger as almadravas (armações) da pesca de atum ali existentes e aquele trecho da costa dos ataques de corsários e piratas. Também por Alvará, datado de 2 de janeiro de 1618, Filipe III de Espanha (1598-1621) fez mercê ao padre Vicente Freira da Capelania da Armação de Pesca do Zavial, com a obrigação de dizer missa aos domingos e dias santos, o que demonstra um aumento da importância da área.

O Forte de Santo Ignácio do Zavial

Sob o reinado de Filipe IV de Espanha (1621-1665), D. Luís de Sousa, futuro conde do Prado, tomou posse do cargo de Governador e Capitão General do Reino do Algarve (1629). No ano seguinte (1630), Rodrigo Rebelo Falcão, Provedor das Almadravas do Reino do Algarve, por carta de 15 de maio, solicitou a defesa dos "portos de Almádena e Azavial por estarem expostos e oferecidos a maior perigo". É possível que algum tipo de defesa houvesse sido improvisado à época, uma vez que, de acordo com o relato de D. Luís de Sousa ao Conselho da Fazenda, datado de 20 de outubro de 1633, ao término de seu governo, se informou que existiam duas torres de vigia - a "Torre de Aspa" e a "Torre do Azavial" -, por ele reedificadas, pois que as encontrara "por terra" e "sem nenhum uso". Informa ainda que deu início à construção, às suas expensas, do Forte de Santo Ignácio do Zavial, ficando apenas a cisterna por construir.

O forte foi inspecionado em 1754 por D. Rodrigo António de Noronha e Meneses, Governador do Reino do Algarve, que o encontrou em regular estado de conservação, artilhado com duas peças de bronze dos calibres 12 a 8, registando que necessitava de mais armamento. No ano seguinte (1755), entretanto, o terramoto de 1 de novembro (e consequente maremoto) causou o desmoronamento do forte.

A Bateria do Zavial

Tendo sido priorizadas as obras de reconstrução da defesa de Lagos, no contexto da chamada "Guerra Fantástica" (1762–1763​) em 1 de agosto de 1763 o marquês de Louriçal, Governador do Reino do Algarve, solicitou a D. Luís da Cunha a construção da Bateria do Zavial, para a defesa daquele ancoradouro. Um pouco mais tarde, por relatório de 18 de julho de 1765, o Sargento-Mor de Engenharia, Romão José do Rego, manifestou-se contra a reconstrução do arruinado Forte de Santo Inácio, recomendando a instalação de uma bateria no local. Uma bateria foi então erguida, encontrando-se, entretanto, parcialmente em ruínas já em 1788. Em 1792, a guarnição era composta por um cabo e dois soldados do Regimento de Infantaria de Lagos, e três artilheiros.

Da Guerra Peninsular aos nossos dias

As vésperas da Guerra Peninsular (1807-1814), por Alvará de 27 de setembro de 1805, o Príncipe Regente D. João determinou que todas as fortificações desde a Bateria do Zavial, a Oeste, até ao Forte de São José (Forte da Meia Praia), a Leste, ficariam dependentes da Praça-forte de Lagos. Ficavam extintos, por se encontrarem destruídos ou não ser aconselhável a sua conservação, todos os outros pontos fortificados não incluídos no Alvará.

Os informes subsequentes dão conta do processo de ruína da estrutura: o relatório de 18 de abril de 1821 do tenente-Coronel do Regimento de Artilharia n.º 2, João Vieira da Silva, dá conta de que existiam na Bateria do Zavial, apenas três peças de artilharia de ferro em muito mau estado; em 1840 a Bateria encontrava-se abandonada.

No século XX, por Despacho do Sub-Secretário de Estado da Guerra, datado de 24 de junho de 1938, as ruínas da Bateria do Zavial (prédio militar nº 1 da Praça de Lagos), foram entregues ao Ministério das Finanças. Finalmente, a 21 de abril de 1943 a Bateria do Zavial foi inscrita na Matriz Urbana da Freguesia da Raposeira, como pertencente ao Estado.

Atualmente em ruínas, subsistem apenas vestígios da sua edificação no terreno, sem qualquer tipo de classificação ou proteção legal.

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartado, marítimo.

O Forte de Santo Inácio foi erguido num ilhéu rochoso, junto à arriba costeira, à qual se ligava por ponte dormente e levadiça, após inicialmente ter sido escolhida uma ponta, que foi preterida por o ilhéu oferecer melhores condições de defesa da armação e da própria fortificação. Na planta do forte, nesta ponta está assinalada uma torre de vigia. De planta poligonal, de acordo com a forma do rochedo em que se edificou, possuía alojamentos para os pescadores da armação, que o guarneciam, e possuía uma bateria voltada para o mar.

A bateria, edificada em terra firme, com três faces sobre o mar, era aberta pela “gola” e artilhada com três peças recuperadas do antigo forte, dispostas à barbeta. A parte ocupada pelo corpo da guarda, de planta quadrada, recuada relativamente à bateria e sem comunicação edificada com ela.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 27/05/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (5).


  • Bateria do Zavial

  • Bateria do Azevial, Forte de Santo Ignácio do Zavial

  • Battery

  • 1632 (AC)



  • Philip IV of Spain

  • Portugal


  • Ruins Badly Conserved

  • Monument with no legal protection





  • Ruins

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Faro
    City: Vila do Bispo



  • Lat: 37 -3' 20''N | Lon: 8 52' 34''W




  • 1821: três peças de artilharia de ferro em muito mau estado.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Bateria do Zavial