Bateria de Albufeira

Albufeira, Faro - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

A “Bateria de Albufeira” localizava-se na rua da Bateria, na freguesia e concelho de Albufeira, distrito de Faro, em Portugal.

Inscreve-se no complexo militar de Albufeira, como parte integrante de uma rede de fortificações costeiras erguida no Algarve, fruto da renovação, na época moderna, das torres costeiras medievais, das quais são exemplo o Forte da Quarteira, a Bateria da Baleeira e o Forte de Santo António de Pêra.

Embora atualmente desprovida de elementos caracterizadores suficientes, os seus vestígios são importantes devido à sua localização em pleno núcleo histórico municipal, testemunhando a importância da praça militar de Albufeira ao longo dos séculos.

História

Terá sido erguida ainda no século XVI.

À época da União Ibérica (1580-1640), o engenheiro-militar e arquiteto napolitano Alexandre Massai, na sua “Descripção do Reino do Algarve (…)”, extenso relatório cujo levantamento fora realizado entre 1617-1618 e concluído em 1621, destinando-se a informar o Supremo Conselho (de Guerra e da Fazenda) de sua Majestade sobre as obras e reparos necessários às fortificações litorâneas algarvias, reportou que a Bateria da Albufeira era construída ao uso antigo e que a falésia onde se erguia estava minada por baixo, quase a cair. Apoiava-se, à época, num muro que ligava os dois extremos da antiga muralha do Castelo de Albufeira, e estava artilhada na ocasião com 3 canhões de bronze de berço, de 2 quintais de calibre, um dos quais fora de serviço.

A bateria terá sido reedificada em 1722.

Posteriormente, o então Príncipe-Regente D. João, expediu um Alvará, datado de 1805, pelo qual o Forte da Quarteira, o Forte de Valongo, a Bateria de São João, a Bateria de Albufeira, a Bateria da Baleeira e o Forte de Santo António de Pêra passavam a depender da praça militar de Albufeira.

LOPES (1841), sobre Albufeira, informa que tem "(...) bateria que serve de registo." (LOPES, João Baptista da Silva. "Corografia ou Memoria Economica, Estadistica, e Topografica do Reino do Algarve". Lisboa: Typografia da Academia Real das Sciencias de Lisboa, 1841. p. 300-301.) E complementa: "A sua pequena enseada he defendida pela Bateria da Balieira a O. (junto da qual existe uma grande mina de gesso), e a de S. João a E., (...)." (Op. cit., p. 302)

Prosseguindo a erosão marítima, com a derrocada da falésia, a bateria quase desapareceu.

Data de 14 de março de 1932 a única planta conhecida desta fortificação, com o formato de um trapézio irregular voltado para o mar. Salienta-se que, à época, os vestígios da construção já não permitiam qualquer identificação confiável acerca da organização dos vãos bem como do próprio alçado. As dependências do paiol subterrâneo ainda se encontravam íntegras.

Na segunda metade do século XX, a acelerada degradação da falésia conduziu à ruína dos poucos elementos identificados em 1932 e a queda de praticamente toda a parte oeste da bateria, até ao extremo leste do paiol subterrâneo.

Atualmente dela restam apenas vestígios, separados da cidade por um pequeno muro em parapeito sobre a falésia, a norte. Subsiste parte do paiol subterrâneo de pólvora, de forma vertical, em zona rochosa. A parte leste é composta por uma parede de alvenaria rebocada, com abóbada de berço, definida por um arco de volta perfeita, de ladrilhos. Mantém-se ainda parte do pavimento, igualmente de alvenaria rebocada. Estes restos encontram-se em terreno devoluto, de propriedade da Câmara Municipal.

Características

Exemplar de arquitetura militar, maneirista, hoje incaracterístico estilisticamente, isolado no topo da falésia, a 21 metros acima do nível do mar.

Apresentava planta no formato semicircular voltado para o mar. A construção incluía paredes autoportantes, em alvenaria rebocada e ladrilho. No seu extremo oeste erguia-se a edícula do quartel.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 31/07/2020 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Bateria de Albufeira


  • Battery





  • Portugal


  • Semiconserved Ruins

  • Monument with no legal protection





  • Ruins

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Faro
    City: Albufeira



  • Lat: 37 -6' 48''N | Lon: 8 15' 7''W




  • 1621: 3 canhões de bronze de berço, de 2 quintais de calibre, um dos quais fora de serviço.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Bateria de Albufeira