Forte de São Marcos

São Luís, Maranhão - Brazil

O Forte de São Marcos está localizado na ponta de São Marcos, na baía do mesmo nome, dominando o canal de acesso ao porto de São Luís, no litoral do Estado do Maranhão. SOUZA (1885) atribui-lhe as coordenadas geográficas como latitude 2º 28'e 22" S e longitude 46º 31' O, levantada a 123 palmos do nível do mar (op. cit., p. 282).

Erguido a partir de 1694 (BARRETTO, 1958:80), inicialmente como uma simples vigia, artilhada com um canhão, que de acordo com o Pe. José de Morais (1759), outrora "pelo repetido dos tiros dava notícia à cidade do número de vasos que pretendiam cometer a sua barra." (MARQUES, 1940:283).

O Relatório sobre as fortalezas de São Luís, pelo Ajudante de Ordens Luís Antônio Sarmento da Maia para o Governador da Capitania, D. Fernando Antônio de Noronha (1792-98), informa "(...) que a vigia de São Marcos, onde S. Exa. mandou proximamente também construir um forte, reduto de fortificação, é muito conveniente, porque daquele lugar se descobre quase toda a baía de São Marcos, e por causa de sua grande altura vê-se os navios em mais de 16 léguas de distância. (...)" (21/mar/1797). Estava artilhado, à época, com três peças de calibre 18 e duas de 12, todas em mau estado (MARQUES, 1970:283).

Esta estrutura desabou, de acordo com informação prestada pelo Governador D. Diogo de Souza à Corte: "(...) que era de grande utilidade estabelecer solidamente uma boa bateria na restinga de São Marcos em lugar da que há dias passados se abateu com a invernada na barreira, um pouco mais acima." (Carta de 26/abr/1799. apud: MARQUES, 1970:283).

O Aviso nr. 45, de 6/mar/1805, concedeu a patente de governador do forte a José Gonçalves da Silva, o Barateiro (MARQUES, 1970:283). Em jul/1824 a sua artilharia bombardeou o Forte de Santo Antônio, cuja guarnição se amotinara (GARRIDO, 1940:38), colocando-a em fuga. Em seu interior, a partir de 1831, passou a operar um farol. Foi avaliada em 13:228$000 réis (23/jan/1840) (MARQUES, 1970:283).

Na década de 1870 erguia-se em alvenaria de pedra e cal, sobre terreno pouco consistente, ocupando uma área de terreno aproximadamente circular com cerca de 500 palmos, delimitada por uma estreita muralha de seis pés. No seu terrapleno ergue-se uma edificação com as dependências de Casa do Comando, Quartel da Tropa e Casa da Palamenta. Destacado do forte, seis braças para o Sul, ergue-se o Paiol de Pólvora, em edifício com teto abobadado. Estava guarnecido por um destacamento de sete praças, um Segundo-Sargento e um Cabo-de-Esquadra. Dois presos da Justiça eram ocupados na faxina do forte. Estava artilhado com uma peça de 36, nove de 32, e três de calibre 9 de bala. Nas imediações próximo ao mar, pelo lado Norte, uma antiga fonte fornecia a água potável consumida pela guarnição (MARQUES, 1970:283).

Sofreu reparos em 1874 (GARRIDO, 1940:38). Pelos Avisos Ministeriais de 13/mar e de 31/jul/1880 a estrutura, em mau estado de conservação, foi transferida para o Ministério da Agricultura, para servir de posto da Repartição dos Telégrafos Elétricos. Além do farol, e do telégrafo (semáforo, cf. GARRIDO, 1940:38) para anunciar a entrada de navios na barra, era utilizado, à época, também como Quartel (SOUZA, 1885:70).

Em 1913 teria sido adaptado para servir de Quartel à 2ª Bateria Independente (GARRIDO, 1940:38).

O conjunto arquitetônico e paisagístico da cidade de São Luís, no Maranhão, encontra-se tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional desde 1974. Atualmente, apesar do farol ainda em funcionamento, a estrutura do forte encontra-se em ruínas, sem conservação.

Related bibliography 

Fortificações Portuguesas no Brasil - De Pernambuco ao Maranhão
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Article
2002
 
Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Article
1885
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Book
1940
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Book
1958
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Book
2004
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
As fortificações da Amazônia no período colonial
Arthur Cézar Ferreira Reis

Article
1984
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Printed Document
1838
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Printed Document
1871
 
Relatório do Ministro de Guerra, José Maria da Silva Paranhos, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Printed Document
1871
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1875
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1875
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848

Printed Document
1848
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1846
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1874
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1874
 
Relatório do Ministro da Guerra, Filippe Franco de Sá, em 1884
Filippe Franco de Sá

Printed Document
1884
 
Relatório do Ministro da Guerra, Antônio Eleutério de Camargo, em 1885
Antonio Eleutério de Camargo

Printed Document
1885
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1886
João José de Oliveira Junqueira

Printed Document
1886
 
Relatório do Ministro da Guerra, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em 1887
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1887
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1888
Thomaz José Coelho de Almeida

Printed Document
1888
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1889
Thomaz José Coelho de Almeida

Printed Document
1889
 
Projeto elaborado no Estado Maior do Exército, em abril de 1900
Feliciano Mendes de Moraes
Alberto Cardoso de Aguiar
Custódio de Senna Braga

Printed Document
1900
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em maio de 1902
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Printed Document
1902
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em junho de 1908
Hermes Rodrigues da Fonseca

Printed Document
1908
 
Relatório do Ministro da Guerra, Emygdio Dantas Barreto, em maio de 1911
Emygdio Dantas Barreto

Printed Document
1911
 
Relatório do Ministro da Guerra, Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva, em maio de 1913
Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

Printed Document
1913
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1916
José Caetano de Faria

Printed Document
1916
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Pandiá Calógeras, em outubro de 1922
João Pandiá Calógeras

Printed Document
1922
 
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Forte de São Marcos
Página da enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de São Marcos, que se localizava na ponta de São Marcos, na baía do mesmo nome, dominando o canal de acesso ao porto de São Luís, no litoral do Estado do Maranhão, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_S%C3%A3o_Marcos

 Print the Related links

Contribution

Updated at 01/12/2008 by the tutor Roberto Tonera.

With the contribution of contents by: Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Forte de São Marcos


  • Fort

  • 1694 (AC)




  • Portugal


  • Ruins Badly Conserved






  • Ruins
    Atualmente, apesar do farol ainda em funcionamento, a estrutura do forte encontra-se em ruínas, sem conservação.

  • 0,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Maranhão
    City: São Luís

    Localizado na ponta de São Marcos, na baía do mesmo nome, dominando o canal de acesso ao porto de São Luís, no Estado do Maranhão.


  • Lat: 0 -0' 0'' | Lon: 0 -0' 0''




  • Erguido a partir de 1694 (BARRETTO, 1958:80), inicialmente como uma simples vigia, artilhada com um canhão, que de acordo com o Pe. José de Morais (1759).
    Estava artilhado, em 1797, com três peças de calibre 18 e duas de 12, todas em mau estado (MARQUES, 1970:283).
    Em 1890, estava artilhado com uma peça de 36, nove de 32, e três de calibre 9 de bala.

  • Na década de 1870 erguia-se em alvenaria de pedra e cal, sobre terreno pouco consistente, ocupando uma área de terreno aproximadamente circular com cerca de 500 palmos, delimitada por uma estreita muralha de seis pés. No seu terrapleno ergue-se uma edificação com as dependências de Casa do Comando, Quartel da Tropa e Casa da Palamenta. Destacado do forte, seis braças para o Sul, ergue-se o Paiol de Pólvora, em edifício com teto abobadado.

  • Sofreu reparos em 1874 (GARRIDO, 1940:38). Pelos Avisos Ministeriais de 13/mar e de 31/jul/1880 a estrutura, em mau estado de conservação, foi transferida para o Ministério da Agricultura, para servir de posto da Repartição dos Telégrafos Elétricos. Além do farol, e do telégrafo (semáforo, cf. GARRIDO, 1940:38) para anunciar a entrada de navios na barra, era utilizado, à época, também como Quartel (SOUZA, 1885:70).
    Em 1913 teria sido adaptado para servir de Quartel à 2ª Bateria Independente (GARRIDO, 1940:38).




Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Forte de São Marcos