Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi

Mundo Novo, Mato Grosso do Sul - Brazil

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (3)

Images (3)

O Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi, hoje desaparecido, estava localizado na margem esquerda do rio Iguatemi, cerca de 12 Km acima da sua confluência com o rio Paraná, próximo à foz do rio das Bagas, atual cidade de Mundo Novo, no Estado de Mato Grosso do Sul.

Após as primeiras demarcações do Tratado de Madrid (1750), a Coroa portuguesa compreende a necessidade da sua presença efetiva para fixar a linha que dividiria os territórios do Mato Grosso dos do Paraguai. Era necessário traçá-las ao sul do curso dos rios por onde transitavam as monções que ligavam Araritaguaba (hoje Porto Feliz, SP) a Cuiabá, via curso dos rios Tietê-Paraná e as contra-vertentes do rio Paraguai, e por essa razão, fixar um estabelecimento o mais próximo possível das possessões espanholas.

Sem recursos, a Coroa portuguesa incumbe a Capitania de São Paulo dessa tarefa, uma vez que os recursos da Capitania do Mato Grosso eram precários e o acesso fluvial norte-sul dificultado. Inicialmente projetado para a margem do rio Ivaí, ou para a margem esquerda do rio Paraná (em território do atual estado do Paraná), prevaleceu a idéia de assentá-lo além, à margem direita daquele grande rio.

Fixado o local na região do rio Iguatemi, conforme reiteradas solicitações do Marquês de Pombal (1750-77) e do Vice-rei D. Antônio Álvares da Cunha (1763-67), o governador da Capitania de São Paulo, Capitão-general D. Luiz Antônio de Souza Botelho e Mourão - Morgado de Mateus (1765-75), faz erguer uma colônia militar (presídio), sob a invocação de Nossa Senhora dos Prazeres. Taunay a ela assim se refere:

"Túmulo de milhares de brasileiros, violentamente arrancados aos seus lares pelo despotismo colonial, e encaminhados como para matadouro certo, foi o 'Iguatemi' a causa do terror dos humildes e dos desvalidos da Capitania de São Paulo, durante lustros a fio, a causa do despovoamento intenso do território paulista, a quem arrebatou milhares de almas pelo êxodo e o refúgio nos sertões brutos. E ao mesmo tempo, quanto motivo de sofrimento para os militares e funcionários encarregados de sua localização, da sua guarda e manutenção. Desde os primeiros dias até aos últimos! (...)" [apud Souza (org.), 1999. pp. 11-12].

O Forte do Iguatemi foi erguido de 1765 a 1770, por uma força de 326 homens (Regimento de Dragões Auxiliares da Capitania de São Paulo?) comandados pelo Capitão João Martins de Barros. Em faxina e terra, apresentava planta no formato de um polígono heptagonal irregular, com cinco baluartes e dois meio baluartes nos vértices ("Praça d'Armas de Nossa Senhora dos Prazeres de Iguatemi". Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro. "Demonstração do terreno imediato à Praça de Nossa Senhora dos Prazeres do rio Iguatemi". Mapoteca do Itamaraty, Rio de Janeiro).

O Sargento-mór Teotônio José Juzarte, autor do "Diário da Navegação" (1769), assim descreve a praça:

"É esta Praça situada sobre o barranco do Rio Gatemi [sic] o qual terá de largura oito braças, neste lugar, e daí para cima cada vez vai a menos até se perder na Campanha; delineou esta Fortificação o Capitão João Alves Ferreira, que para isso foi mandado pelo Conde da Cunha, Vice-Rei do Estado do Brasil: Foi delineada conforme a regra da Arte, sua figura era de heptágono tinha sete Lados; três tenalhas regulares, e quatro irregulares; porém esta obra estava só principiada com terra, e faxinas, que não davam para defesa alguma, porque se penetrava de dentro para fora, e de fora para dentro quase por toda a parte, e a razão disto era o não haver com que se pudesse continuar a sua construção, porque não havia ferramentas, não havia artífices, nem os homens podiam trabalhar por falta do Diário sustento, e vestuário: Entretanto na dita Praça achamos uma igreja que teria quarenta palmos de comprido, e doze de alto, fabricada de parede de mão seu telhado era de cascas de um palmito a que chamam Jarauba, seu ornato não era nenhum; as casas desta Povoação eram poucas fabricadas da mesma sorte de parede de mão, e os tetos de capim; tinha esta Povoação duas fontes de nativas com boa água; porém Pedra não se encontrava por todo aquele continente; (...) É esta Campanha abundante de gentio Cauan; (...) É este Clima mui doentio (...). Compunha-se a Guarnição desta Praça de um Capitão Mor Regente, um Capitão de Infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro João Alvares [Alves?] Ferreira, que foi mandado com caráter de Engenheiro para a fortificar, três Companhias de paisanos pedestres, com seus Oficiais competentes que faziam o número de trezentos homens a saber duas Companhias para a Guarnição da Praça, e uma para o serviço da Marinha; a estes homens se lhes prometeu o soldo de um tostão por dia a cada um Soldado pela forma seguinte: o Capitão Mor Regente que era paisano vencia por, vinte, e cinco mil réis, os Capitães venciam cada um, catorze mil, e quatrocentos os Capelães a dez mil réis, O almoxarife, quatro mil réis por mês, os Tenentes, e Alferes, o oito mil réis, os Sargentos a três mil, e trezentos: Estes eram os soldos que vencia aquela guarnição a qual se achava nua, morta de fome, e em um lugar onde não tinham comunicação para parte alguma." [apud Souza (org.), 1999. pp. 85-86].

Segundo informe do Governador Luiz Pinto (?) em jun/1770, estava artilhado com quatorze peças de diferentes calibres (SOUZA, 1885:138). O Morgado de Matheus remete para Araritaguaba, em fins de 1772, artilharia, munições e mais petrechos destinados ao Iguatemi, para onde seriam transportados por doze canoas, conjuntamente com setenta presos destinados a preencher os claros da guarnição, dizimada pela malária.

Habitualmente atacada por índios e ameaçada por espanhóis, sofreu um ataque mais sério em 1774 por índios Guaicurus, que devastaram as propriedades circunvizinhas dos colonos, matando vários deles (SOUZA, 1885:139), também habitualmente vítimas da malária.

Durante a invasão espanhola do sul do Brasil, na sequência da invasão da ilha de Santa Catarina (fev/1777), e da Colônia do Sacramento (jun/1777), a colônia no Iguatemi foi atacada pelas forças do governador do Paraguai, D. Agostinho Penido (25/out/1777). O comandante da praça, Capitão José Rodrigues da Silva, conseguiu repelir os ataques iniciais dos espanhóis, tendo capitulado ante a superioridade dos atacantes (c. 3.000 homens), retirando-se com honras militares (27/out/1777).

Arrasado e abandonado pelos invasores, de acordo com SOUZA (1885), em 1854 ainda existiam ruínas da estrutura, visitadas pelo sertanista Joaquim Francisco Lopes em viagem de exploração aos rios Escopil e Iguatemi (Op. cit., p. 139).

O presídio e sua fortificação eram abastecidos pelo Armazém Real de Araritaguaba (hoje Porto Feliz), porto fluvial no curso do alto rio Tietê, de onde partiam as monções, expedições paulistas de mineradores, comerciantes e soldados destinadas a Cuiabá. Este Armazém Real (depósito de armas, munições de boca e de guerra, e tudo o mais necessário ao uso das forças militares da Coroa e das suas repartições civis) existiu pelo menos entre 1767 e 1777, perdendo a função (e a razão de existir) com a queda da praça-forte e Colônia do Iguatemi.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi
Página da enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi, que se localizava na margem esquerda do rio Iguatemi, cerca de doze quilômetros acima da sua confluência com o rio Paraná, próximo à foz do rio das Bagas e à atual cidade de Paranhos, no Estado de Mato Grosso do Sul, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_Nossa_Senhora_dos_Prazeres_do_Ig...

 Print the Related links

Contribution

Updated at 05/12/2008 by the tutor Roberto Tonera.

With the contribution of contents by: Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Projeto Fortalezas Multimídia (Jaime José S. Silva) (3).


  • Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi

  • Forte do Iguatemi

  • Fort

  • 1765 (AC)

  • 1770 (AC)


  • Luiz Antônio de Souza Botelho e Mourão - Morgado de Mateus

  • Portugal

  • 1854 (AC)

  • Missing






  • Disappeared

  • 0,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Mato Grosso do Sul
    City: Mundo Novo

    Estava localizado na margem esquerda do rio Iguatemi, cerca de 12 Km acima da sua confluência com o rio Paraná, próximo à foz do rio das Bagas, atual cidade de Mundo Novo, no Estado de Mato Grosso do Sul.


  • Lat: 23 56' 9''S | Lon: 54 17' 8''W




  • Segundo informe do Governador Luiz Pinto (?) em jun/1770, estava artilhado com quatorze peças de diferentes calibres (SOUZA, 1885:138). O Morgado de Matheus remete para Araritaguaba, em fins de 1772, artilharia, munições e mais petrechos destinados ao Iguatemi, para onde seriam transportados por doze canoas, conjuntamente com setenta presos destinados a preencher os claros da guarnição, dizimada pela malária.

  • Em faxina e terra, apresentava planta no formato de um polígono heptagonal irregular, com cinco baluartes e dois meio baluartes nos vértices ("Praça d'Armas de Nossa Senhora dos Prazeres de Iguatemi". Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro. "Demonstração do terreno imediato à Praça de Nossa Senhora dos Prazeres do rio Iguatemi". Mapoteca do Itamaraty, Rio de Janeiro).





Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Forte de Nossa Senhora dos Prazeres do Iguatemi