Forte de Santana do Estreito

Florianópolis, Santa Catarina - Brazil

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (147)

Images (145)
Videos (2)

O Forte de Santana está localizado na Avenida Oswaldo Rodrigues Cabral (Beira-Mar Norte), sob a Ponte Hercílio Luz, no lado insular, junto ao estreito de união das baías Norte e Sul, em Florianópolis, no litoral do Estado de Santa Catarina, Brasil.

Entre 1762/63, por determinação do Marquês de Pombal (1750-77), o governador do Rio de Janeiro, Capitão-general Gomes Freire de Andrade (1733-63), enviou o Engenheiro Militar Tenente-coronel José Custódio de Sá e Faria, do Real Corpo de Engenheiros, para fazer um levantamento das defesas da Ilha de Santa Catarina, erguidas pelo Engenheiro Militar, Brigadeiro José da Silva Paes. Esse oficial conclui que se as fortalezas da barra norte da Ilha fossem ultrapassadas a Vila de Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis) ficaria sem defesa ante o invasor, havendo, portanto, a necessidade de construção do Forte de Santana, na ponta da Ilha mais próxima ao continente, bem como do Forte de São Francisco Xavier, mais ao norte da vila, cujos projetos foram por ele mesmo elaborados (TONERA&OLIVEIRA, 2015:42). O Forte de Santana situava-se no lugar chamado de Estreito, denominação que, com o tempo, passou para o continente fronteiro (CABRAL, 1972:40). A maioria dos historiadores data a construção desse forte em 1763, no governo de Francisco Antônio Cardoso de Meneses e Sousa (1762-65) (SOUZA, 1885:124; BOITEUX, 1912:234 apud CABRAL, 1972:13).

Já no fim do século XVIII, a posição do Forte de Santana seria reforçada com a construção do Forte de São João (cerca de 1793), localizado no continente fronteiro, com quem deveria cruzar fogos.

Segundo o levantamento de Correia Rangel, em 1786, estava artilhado com 10 canhões, sendo quatro deles de bronze: um de calibre 8 libras e três de calibre 6 lb; e seis canhões de ferro, todos de calibre 12 libras (TONERA&OLIVEIRA, 2015: 134).

Este forte foi continuamente utilizado ao longo de sua história, sendo desativado em 1907. Além de suas funções originais, abrigou a Escola de Aprendizes Marinheiros (1857); A Companhia dos Inválidos (1876); o serviço de Polícia do Porto (1880) e uma estação meteorológica do Ministério da Agricultura (1912) (GARRIDO, 1940: 143). Em 1863 e 1876, o Forte recebeu uma série de reformas, sendo esta ultima para abrigar a Companhia dos Inválidos, quando também recebeu reforços em sua artilharia. Um episódio marcante da sua história ocorreu em 1893, por ocasião da Revolução Federalista e Revolta da Armada, quando trocou tiros com a esquadra rebelde. Prevendo um ataque à cidade, que viria de fato a ocorrer, o comandante do Forte mandou reunir diversos canhões de ferro fundido, que encontravam-se então enterreados pela metade nas ruas da cidade, funcionando com simples enfeites. Com este armamento obsoleto, a fortificação trocou tiros com o poderoso Cruzador Repúblico e com o Vapor Palas, os quais fora do alcance daquela precária artilharia, bombardearam o Forte, forçando seu comandante ao imediato cessar fogo e rendição (CALDAS, 1992: 91-94).

Em 1898, o comandante do Forte de Santana relata que seria necessária uma grande restauração nos edifícios da fortificação.

O forte é constituído por um único conjunto de edificações, quase todas geminadas, tendo à sua frente uma bateria com sete plataformas de tijolos para posicionamento de seus canhões.

Esteve ocupado por construções clandestinas até 1969, quando se iniciou a sua restauração, sendo esse o primeiro trabalho dessa natureza realizado em uma fortificação catarinense. Após sua recuperação, passou a abrigar o Museu de Armas Lara Ribas, aberto ao público a partir de 1975. O forte e o museu (hoje uma construção independente no mesmo terreno) são desde então administrados pela Polícia Militar de Santa Catarina.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 

Fortificações Portuguesas no Brasil - Fortaleza de Santa Catarina
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Article
2002
 
Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Article
1885
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
As defesas da Ilha de Santa Catarina no Brasil-Colônia
Oswaldo Rodrigues Cabral

Book
1972
 
Corografia da Capitania de Santa Catarina
Dante de Laytano

Magazine
1959
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Book
2004
 
Fortalezas Históricas do Brasil
RHODIA

Book
1983
 
Notas para a História Catarinense
Lucas Alexandre Boiteux

Book
1912
 
Forte de Santana do Estreito
Prefeitura Municipal de Florianópolis

Folder
1999
 
Defesa da Ilha de Santa Catarina e do Rio Grande de São Pedro
José Correia Rangel de Bulhões

Document
1786
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Book
1958
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Book
1940
 
A presença portuguesa na arquitetura da Ilha de Santa Catarina: séculos XVIII e XIX
Sara Regina Silveira de Souza

Book
1981
 
Guardiões do canal: turismo e história. Fortalezas do século XVIII cruzavam fogo no estreito entre Ilha e Continente
Edson Rosa

Article - Newspaper
2015
 
Fortalezas da Ilha de Santa Catarina: Um panorama.
Rosângela Maria de Melo Machado

Book
1994
 
Guia dos Bens Tombados, Santa Catarina
Alcídio Mafra de Souza

Catalog
1992
 
Relação dos canhões existentes no Forte de Santana, Florianópolis/SC.
Adler Homero Fonseca de Castro

Report (Other)
2000
 
Tombamento dos Próprios Nacionais pertencentes ao Ministério da Guerra e situados no Estado de Santa Catarina, 1901
MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DO BRASIL

Handwritten Document
1901
 
Entre praias e Fortes
Fábio Ávila

Article - Magazine
2003
 
Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Annals
2010
 
Fortalezas de Santa Cruz, Santo Antônio e São José - Patrimômio mantido pela UFSC
Roberto Tonera

Article
2010
 
Fortalezas de Santa Cruz, São José e Santo Antônio
Joi Cletison

Article
2010
 
As Defesas da Ilha de Santa Catarina e do Rio Grande de São Pedro em 1786.
Mário Mendonça de Oliveira
Roberto Tonera

Book
2015
 
A invasão espanhola na Ilha de Santa Catarina
Maria de Fátima Fontes Piazza

Dissertation
1978
 
Mapas da Ilha de Santa Catarina: suas fortificações e informações segundo cartógrafos e engenheiros espanhóis (1776-1778)
Maria Regina Boppré

Article
2010
 
Relação das fortificações existentes em cada uma Província do Império, suas denominações; artilharia que tem; posições e importância

Document
1863
 
Presentación del Banco de Datos Mundial Sobre Fortificaciones: www.fortalezas.org
Roberto Tonera

Article
2009
 
Ofício do engenheiro João de Souza Melo e Alvim ao Presidente da Província de Santa Catarina, de 7 de novembro de 1850
João de Souza Melo e Alvim

Handwritten Document
1850
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda Everard para o Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Severo Amorim do Valle, de 23 de janeiro de 1850
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1850
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda Everard ao Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Severo Amorim do Valle, de 3 de dezembro de 1849
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1849
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda Everard ao Presidente da Província de Santa Catarina, Antônio Pereira Pinto, de 6 de junho de 1849
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1849
 
Ofício do Vice-Rei Luiz de Vasconcelos e Souza para o Governador da Capitania de Santa Catarina, José Pereira Pinto, de 29 de maio de 1789
Luiz de Vasconcelos e Souza

Handwritten Document
1789
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda Everard a Severo Amorim do Valle, Presidente da Província de Santa Catarina, de 16 de dezembro de 1849
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1849
 
Cultura material e possibilidades de intervenção no Forte Sant'ana, Ilha de Santa Catarina
Fabiana Comerlato

Article
2000
 
Lei número 497 de 22 de maio de 1860
Francisco Carlos de Araújo Brusque

Printed Document
1860
 
Um manuscrito (do Arquivo do Conselho Ultramarino)
Francisco de Sousa de Menezes

Article
1902
 
O Forte de Santana ainda vive
Osvaldo Melo

Article
1955
 
Ofício de João Carlos Pardal, Presidente da Província de Santa Catarina, para os representantes da Câmara Municipal de Desterro, de 20 de junho de 1839
João Carlos Pardal

Handwritten Document
1839
 
Correspondência da Câmara Municipal de Desterro para João José Coutinho, Presidente da Província de Santa Catarina, de 15 de abril de 1851
Câmara Municipal de Desterro

Handwritten Document
1851
 
Ofício do engenheiro Emygdio Cavalcante de Mello, para o Presidente da Província de Santa Catarina, Francisco Luís da Gama Rosa, de 10 de março de 1884
Emygdio Cavalcante de Mello

Handwritten Document
1884
 
Correspondência do engenheiro Emygdio Cavalcante de Mello para José Lustosa da Cunha Paranaguá, Presidente da Província de Santa Catarina, de 24 de outubro de 1884
Emygdio Cavalcante de Mello

Handwritten Document
1884
 
Correspondência do capitão Alberto Ferreira de Abreu para José Lustosa da Cunha Paranaguá, Presidente da Província de Santa Catarina, de 26 de fevereiro de 1885
Alberto Ferreira de Abreu

Handwritten Document
1885
 
Ofício do capitão dos engenheiros Sebastião de Souza e Mello para Pedro Leitão da Cunha, Presidente da Província de Santa Catarina, de 14 de março de 1863
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1863
 
Ofício do capitão dos engenheiros Sebastião de Souza e Mello para Pedro Leitão da Cunha, Presidente da Província de Santa Catarina, de 2 de março de 1863
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1863
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda para Severo Amorim do Valle, Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, de 3 de dezembro de 1849
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1849
 
Ofício do engenheiro Abel Picard para o Presidente da Província de Santa Catarina, Francisco José da Rocha, de 19 de março de 1887
Abel Picard

Handwritten Document
1887
 
Ofício do capitão Alberto Ferreira de Abreu, para o Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Joaquim Augusto do Livramento, de 22 de agosto de 1882
Alberto Ferreira de Abreu

Handwritten Document
1882
 
Correspondência do engenheiro Sebastião de Souza e Mello para José Bento Araújo, Presidente da Província de Santa Catarina, de 22 de janeiro de 1877
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1877
 
Correspondência do engenheiro Sebastião de Souza e Mello para José Bento de Araújo, Presidente da Província de Santa Catarina, de 26 de junho de 1877
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1877
 
Proposta que a Sua Majestade Imperial faz a Junta provisória do Governo da Província de Santa Catarina, de 7 de janeiro de 1823
Junta Governativa Provisória de Santa Catarina

Handwritten Document
1823
 
Ofício do engenheiro Sebastião de Souza e Mello para Augusto Ferraz de Abreu, Presidente da Província de Santa Catarina Carlos, de 19 de maio de 1869
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1869
 
Ofício do engenheiro Sebastião de Souza e Mello para Pedro Leitão da Cunha, Presidente da Província de Santa Catarina, de 17 de fevereiro de 1863
Sebastião de Souza e Mello

Handwritten Document
1863
 
Correspondência do engenheiro Emygdio Cavalcante de Mello para Francisco Luiz da Gama Rosa, Presidente da Província de Santa Catarina, de 19 de junho de 1884
Emygdio Cavalcante de Mello

Handwritten Document
1884
 
Registro do nombramento de Francisco Caetano Soares, almoxarife do Forte de Santana, de 10 de março de 1823
Junta Governativa Provisória de Santa Catarina

Handwritten Document
1823
 
Ofício do engenheiro Patrício Antônio de Sepúlveda Everard para Antero José Ferreira de Brito, Presidente da Província de Santa Catarina, de 20 de outubro de 1840
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1840
 
Correspondência da Junta Governativa Provisória da Província de Santa Catarina para João Vieira de Carvalho, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios de Guerra, de 7 de dezembro de 1822
Junta Governativa Provisória de Santa Catarina

Handwritten Document
1822
 
Ofício de Patrício Antônio de Sepúlveda Everard para Francisco José de Souza Soares de Andréa, Presidente da Província de Santa Catarina, de 29 de maio de 1840
Patrício Antônio de Sepúlveda Everard

Handwritten Document
1840
 
Ofício do tenente-coronel Antônio da Costa Ferreira para o Presidente da Província de Santa Catarina, Manuel do Nascimento da Fonseca Galvão, de 29 de novembro de 1872
Franklin Antônio da Costa Ferreira

Handwritten Document
1872
 
Ofício do tenente-coronel Franklin Antônio da Costa Ferreira para o Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Inácio Acioli de Almeida, de 31 de janeiro de 1873
Franklin Antônio da Costa Ferreira

Handwritten Document
1873
 
Fortificações Catarinenses: patrimônio de Santa Catarina e do Brasil
Roberto Tonera

Article - Magazine
2013
 
Fortificações Catarinenses: patrimônio de Santa Catarina e do Brasil
Roberto Tonera

Article - Magazine
2012
 
Geografia das fortalezas: um ensaio geográfico
Augusto César Zeferino

Article
2013
 
Cultura-herança-legado
Eliane Veras da Veiga
Anthony Caronia
Silvana Leal

Chapter
2013
 
Plano da Ilha de Santa Catarina e parte da Terra Firme desde o Rio Embaú até a Enseada das Garoupas

Handwritten Document
1777
 
Revisão das pesquisas arqueológicas das fortificações catarinenses do litoral e novas perspectivas para a análise da cultura material
Fernanda Codevilla Soares

Article
2012
 
Acervo arqueológico - fortalezas da Ilha de Santa Catarina e ilhas adjacentes
Teresa Domitila Fossari

Report (Other)
2013
 
Sistema defensivo da Ilha de Santa Catarina
Universidade Federal de Santa Catarina

Catalog
2012
 
Fortalezas com acessibilidade
Paulo Clóvis Schmitz

Article - Newspaper
2014
 
História da Ilha
Gabriela Morateli

Article - Newspaper
2015
 
Sistema Defensivo da Ilha de Santa Catarina
Universidade Federal de Santa Catarina

Catalog
2014
 
Fortificações da Ilha
Roberto Tonera

Article - Magazine
2007
 
Arqueologia das fortificações: perspectivas
Fernanda Codevilla Soares

Book
2015
 
Memória das fortalezas, parte 3
Jaqueline Li

Article - Magazine
2008
 
Forte de Santana
Polícia Militar do Estado de Santa Catarina

Folder
 
Calendário Fortificações de Florianópolis - 2012
Projeto Fortalezas Multimídia

Catalog
2012
 
CD-ROM Fortalezas Multimídia: Anhatomirim e mais centenas de fortificações no Brasil e no mundo
Projeto Fortalezas Multimídia

Folder
2001
 
As fortificações no Sul do Brasil e a sua documentação no Banco de Dados Internacional sobre Fortificações: www.fortalezas.org
Roberto Tonera

Chapter
2015
 
Fala do presidente da Província de Santa Catarina, João José Coutinho, em 1851
João José Coutinho

Printed Document
1851
 
Relatório do Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Dr. Severo Amorim do Valle, em 1850
Severo Amorim do Valle

Printed Document
1850
 
Relatório do Presidente da Província de Santa Catarina, João José Coutinho, em 1859.
João José Coutinho

Printed Document
1859
 
Relatório do Presidente da Província de Santa Catarina, Francisco Carlos de Araújo Brusque, em 1860.
Francisco Carlos de Araújo Brusque

Printed Document
1860
 
Dissolução da Companhia de Inválidos, Depósito da Instrução e supressão do comando das Fortalezas de Santana, Ponta Grossa e Araçatuba

Printed Document
1871
 
Relatório do 1º Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, Carlos de Cerqueira Pinto, em 1869.
Carlos de Cerqueira Pinto

Printed Document
1869
 
Relatório do 2º Vice-Presidente de Santa Catarina, Manoel do Nascimento da Fonseca Galvão, em 1870.
Manoel do Nascimento da Fonseca Galvão

Printed Document
1870
 
Relatório do Presidente da Província de Santa Catarina, Joaquim Bandeira de Gouvêa, em 1872.
Joaquim Bandeira de Gouvêa

Printed Document
1872
 
Exposição do Presidente da Província, Marechal de Campo Francisco José de Souza Soares D' Andréa, em 1840.
Francisco José de Souza Soares de Andréa

Printed Document
1840
 
Fala do Presidente da Província de Santa Catarina, João Thomé da Silva, em 1874.
João Thomé da Silva

Printed Document
1874
 
Simulação de ataques à Anhatomirim e Santana pelo encouraçado Almirante Barroso.

Printed Document
1886
 
Soldado mutilado servindo nas fortalezas

Printed Document
1860
 
Relatório do Presidente da Província de Santa Catarina, João Rodrigues Chaves, em 1882.
João Rodrigues Chaves

Printed Document
1885
 
Fala do Presidente da Província de Santa Catarina, João José Coutinho, em 1859.
João José Coutinho

Printed Document
1859
 
Fala do Presidente da Província de Santa Catarina, José Bento de Araújo, em 1877.
José Bento de Araújo

Printed Document
1877
 
Trabalho obrigatório de civis nas fortificações

Printed Document
1933
 
Abertura de enfermaria no Forte de Santana

Printed Document
1880
 
Afetados pela febre amarela tratados no Forte de Santa e na Fortaleza de Anhatomirim

Printed Document
1880
 
Mensagem do Vice-Governador do Estado de Santa Catarina, Vidal José de Oliveira Ramos Júnior, em 1904.
Vidal José de Oliveira Ramos Junior

Printed Document
1904
 
As defesas da Ilha de Santa Catarina e do Rio Grande de São Pedro em 1786
Universidade Federal de Santa Catarina

Poster
2016
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Projeto Fortalezas Multimídia
O Projeto Fortalezas Multimídia é uma realização da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, e tem como objetivo promover o estudo, a preservação, a divulgação e a valorização das Fortificações Históricas no Brasil e no Mundo, por intermédio da utilização de recursos computacionais multimídia (CD-ROM, banco de dados, Internet). Entre os trabalhos desenvolvidos pelo Projeto estão o CD-ROM Fortalezas Multimídia e este website das fortificações em todo o mundo. O Projeto é coordenado por Roberto Tonera, arquiteto da UFSC.

http://www.fortalezasmultimidia.com.br
Fortificações da Ilha de Santa Catarina
Site guia da cidade de Florianópolis, com informações sobre visitações nas fortalezas da Ilha de Santa Catarina.

http://www.guiafloripa.com.br/turismo/fortes/index.php3
Arquivo Noronha Santos
Link para o Arquivo Noronha Santos, pertencente ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -IPHAN, que dispõe de uma base de dados sobre os bens culturais tombados nacionalmente, inclusive as fortificações no Brasil. Para encontrar as fortificações, faça uma pesquisa (busca) na seção Livros do Tombo.

http://www.iphan.gov.br/ans/inicial.htm
Forte de Santana do Estreito
Website da Prefeitura Municipal de Florianópolis, versando sobre o Forte de Santana do Estreito, que se localiza na cidade de Florianópolis, Santa Catarina.

http://www.pmf.sc.gov.br/guia/novo/portugues/patrimonio_historico/fort...
Forte de Sant'Ana do Estreito
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de Sant'Ana do Estreito, ou simplesmente Forte de Santana, que localiza-se na cidade de Florianópolis, Estado de Santa Catarina, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_Santana_do_Estreito
Forte de Santana do Estreito
Website Guia Floripa versando sobre o Forte de Santana do Estreito, que se localiza na cidade de Florianópolis, Estado de Santa Catarina.

http://www.guiafloripa.com.br/turismo/fortes/santana.php3
Forte de Santana do Estreito
Website Guia de Praias, versando sobre o Forte de Santana do Estreito, que está localizado em Florianópolis, Santa Catarina.

http://www.guiadepraias.com.br/ponto.php?id=395
Forte de Santana do Estreito
Blog do historiador Carlos Daróz, versando sobre História Militar, traz texto acerca do Forte de Santana do Estreito, que está localizado na cidade de Florianópolis, Santa Catarina.

http://darozhistoriamilitar.blogspot.com/2010/04/forte-de-santana-do-e...

 Print the Related links



Related texts 


Antecedentes históricos

 Print the Related texts



Related entries 


 Print the Related entries



Related programs 


 Print the Related programs


  • Forte de Santana do Estreito

  • Fortaleza de Santana.

  • Fort

  • 1763 (AC)

  • 1763 (AC)

  • José Custodio de Saa y Faria

  • Francisco Antônio Cardoso de Meneses e Sousa

  • Portugal


  • Restored and Well Conserved
    Encontrava-se já em ruínas em 1940 (GARRIDO, 1940: 143), situação que não se alterou nos anos seguintes (BARRETTO, 1958: 278).
    Esteve bastante disfigurado e ocupado por uma favela até 1969, quando se iniciou a sua restauração, sendo o primeiro trabalho dessa natureza realizado em uma fortificação catarinense. Após sua restauração, passou a abrigar o Museu de Armas Lara Ribas, aberto a partir de 1975.

  • National Protection
    O Forte foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional em 1938.
    Livro Histórico: Inscrição:053, Data:24-5-1938.
    Livro de Belas Artes: Inscrição:097, Data:24-5-1938.
    Nº Processo:0155-T-38.

  • União Federal (Brasil)

  • Polícia Militar do Estado de Santa Catarina

  • (48) 3229-6947


  • Museum of Armaments
    O Forte de Santana é um próprio da União, jurisdicionado ao Exército Brasileiro, e cedido para uso à Polícia Militar do Estado de Santa Catarina.

    O forte, propriamente dito, assim como uma construção contemporânea localizada junto a ele, abrigam as instalações do Museu de Armas Lara Ribas, ambos administrados pela Polícia Militar de Santa Catarina.

  • 311,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Santa Catarina
    City: Florianópolis

    O Forte de Santana está localizado na Avenida Oswaldo Rodrigues Cabral (Beira-Mar Norte), sob a Ponte Hercílio Luz, no lado insular, junto ao estreito de união das baías Norte e Sul, a cerca de 1,5 Km do centro da cidade de Florianópolis.


  • Lat: 27 35' 36''S | Lon: 48 33' 50''W


  • O Forte de Santana está localizado sob a Ponte Hercílio Luz, um Ex-libris de Florianópolis, monumento também tombado em nível nacional.
    Localiza-se muito próximo do centro da cidade de Florianópolis, às margens da Avenida Beira-Mar Norte.

  • Como chegar: o Forte está localizado na Avenida Beira-Mar Norte, sob a Ponte Hercílio Luz, no centro de Florianópolis, distante apenas poucos metros da Rodoviária Rita Maria, podendo-se chegar a ele a pé, de bicicleta ou de automóvel.

    Funcionamento: Durante todo o ano: das 8 às 12 horas e das 14 às 18 h. Não abre às segundas-feiras pela manhã.
    A entrada é franca e o forte possui estacionamento próprio.

    Veja: ao visitar o forte, não deixe de observar: o Museu de Armas (instalado num edifício anexo), a Ponte Hercílio Luz , e  o pôr-do-sol, sendo o o pátio dos canhões do Forte de Santana um dos locais mais indicados para se apreciar toda a beleza do entardecer na Ilha de Santa Catarina.


  • Em 1777, Santana contava com nove canhões (MOSIMANN, 2003, p. 35), os mesmos da época de sua construção (SOUZA, 1885, p. 124). Segundo o levantamento de Correia Rangel, em 1786, o forte estava artilhado com 10 canhões, sendo quatro deles de bronze: um de calibre 8 libras e três de calibre 6 lb; e seis canhões de ferro, todos de calibre 12 libras (TONERA&OLIVEIRA, 2011: 134).

    O Mapa de toda a artilharia, de 1812, registra 10 peças nesse forte, a mesma quantidade e distribuição de calibres informada por Rangel (CABRAL, 1972, p. 48). Em 1822 Duperrey informa que o forte possuía 12 canhões arruinados pela ferrugem (HARO, 1990, p. 250). Segundo levantamento realizado em 1850, o forte contava então com três peças de bronze, calibre 12 libras, fabricadas em Portugal, e outras quatro peças de ferro, calibre 9 libras, de origem inglesa (MELO E ALVIM, 1850, p. 1).

    O levantamento de 1863 (Questão Christie) considera esse forte de alguma importância. (...) Tem 12 bocas-de-fogo, sendo uma peça de ferro de calibre 9 libras (lb), em bom estado, e três de bronze de calibre 12 lb, quatro de ferro de calibre 12 lb e quatro de 9 lb, todas em mau estado (RELAÇÃO, 1863). Em 1893, durante a Revolta da Armada, a fortificação ainda receberia provisoriamente dois canhões Krupp de 75 mm (CALDAS, 1992, p. 93). Originalmente o forte possuía os parapeitos das muralhas sem as atuais canhoneiras, abertas em 1893 para possibilitar o emprego desses modernos canhões Krupp.

    Um episódio marcante da sua história ocorreu nesse ano, quando trocou tiros com a esquadra rebelde. Prevendo um ataque à cidade, que viria de fato a ocorrer, o comandante do forte mandou reunir diversos canhões de ferro fundido que se encontravam então enterrados pela metade nas ruas da cidade funcionando com simples enfeites. Com este armamento obsoleto a fortificação trocou tiros com o poderoso Cruzador República e com o Vapor Palas, os quais, fora do alcance daquela precária artilharia, bombardearam o forte, forçando seu comandante ao imediato cessar fogo e rendição.

    Hoje o Forte de Santana conta com sete canhões de ferro fundido, todos de origem britânica, sendo três deles de calibre 9 libras, dois de 12 lb e outros dois de 3 lb, conforme identificação realizada pelo Iphan (CASTRO, 2000).

  • O Forte de Santana, em alvenaria de pedra e cal, foi erguido sobre um único terrapleno, sustentado por muralhas (também de pedra e cal) de 1,20 m de espessura no parapeito, planta na forma de um hexágono irregular, e uma única guarita circular sobre o respectivo pião, no vértice da muralha vigiando o canal. O projeto original de Sá e Faria compreende um conjunto linear de edificações de um pavimento que se abrem para o terrapleno onde se dispunham sete bases para canhões posicionados à barbeta, apresentando apenas o estritamente necessário para o funcionamento regular da fortificação. Na fachada, destacam-se o ritmo e proporção das aberturas com molduras de pedra, alternando vergas retas e em arco abatido.

    Percebe-se também a preocupação em identificar, mesmo que modestamente, a entrada do forte através de uma portada de granito. A forte inclinação dos telhados, em especial sobre o Paiol da Pólvora, remete a arquitetura oiental. Originalmente, o Forte possuía os parapeitos das muralhas sem as atuais canhoneiras, abertas em 1893, para possibilitar o emprego dos modernos canhões Krupp.

    O conjunto de edifícios originais compreendia: Quartel do Comandante, Quartel dos Soldados, Cozinha, Paiol da Pólvora, Casa da Palamenta. Os mesmos edifícios aparecem no levantamento de Coreia Rangel, alguns anos depois (RANGEL, 1876: 27).

    Somente o aposento de acesso ao Paiol da Pólvora (a ante-sala denominada na iconografia de Sá e Faria como Trânsito da Casa da Pólvora) não está presente na construção atual, tendo sido equivocadamente demolido durante as obras de restauração do forte.

  • Em 1863 e 1876, o Forte recebeu uma série de reformas, sendo esta ultima para abrigar a Companhia dos Inválidos, quando também recebeu reforços em sua artilharia. Em 1898, o comandante do Forte de Santana relata que seria necessária uma grande restauração nos edifícios da fortificação.

    Em 1969, iniciou-se a sua restauração, sendo o primeiro trabalho dessa natureza realizado em uma fortificação catarinense. Essas obras ainda se encontram em curso em 1972, quando são mencionadas pelo historiador Oswaldo Cabral (CABRAL, 1972: 42).

  • A padroeira dessa fortificação é Santana ou Santa Ana. Santana e São Joaquim foram os pais da Virgem Maria. Deve-se ao Proto-evangelho de São Tiago, do século III, a difusão da história e devoção a estes santos, sendo sua festa celebrada a 26 de julho. Santana é representada sob diversas formas, entre as quais a de Santana Mestra, anciã de semblante sereno, sentada com um livro sobre o colo, no qual ensina a Virgem Menina, que aparece representada a seu lado. A grafia antiga, Sant’Anna, também aparece em vários documentos e iconografias do forte.



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Forte de Santana do Estreito