Castle of Mêda

Mêda, Guarda - Portugal

O “Castelo de Mêda”, hoje substituído pela chamada “Torre do Relógio”, localizava-se no morro do Castelo, na freguesia de União das Freguesias de Mêda, Outeiro de Gatos e Fonte Longa, concelho de Mêda, distrito da Guarda, em Portugal.

O morro granítico do Castelo domina a cidade, que se inscreve no Parque Arqueológico do Vale do Côa.

História

Antecedentes

A primitiva ocupação humana de seu sítio remonta a um castro pré-romano, cujos vestígios ainda subsistem. À época romana, acredita-se que nesta região tenha existido a cidade de “Medóbriga”, por referência aos Medobricenses mencionados na ponte de Alcântara.

O castelo medieval

Acredita-se que a primitiva edificação do castelo remonte à época da Reconquista cristã, no início do século X, quando a região foi conquistada por Rodrigo Tedoniz, marido de Leodegúndia (irmã de Mumadona Dias) com quem gerou D. Flâmula (ou Chamoa Rodrigues). Posteriormente, em 998 da Era Hispânica (960 da Era Cristã), Chamoa Rodrigues, achando-se gravemente enferma em Lalim, fez-se conduzir ao Mosteiro de Guimarães, instituindo como testamenteira a sua tia Mumadona, com o encargo de dispor de seus bens para fins de beneficência. Entre eles, incluía-se uma série de castelos e respectivas gentes (“penellas et populaturas”) na fronteira da Beira Alta, entre os quais este, referido como “Amindula”:

(…) nostros castellos id est Trancoso, Moraria, Longobria, Nauman, Vacinata, Amindula, Pena de Dono, Alcobria, Seniorzelli, Caria, cum alias penellas et populaturas que sunt in ipsa stremadura (…).” (Portugalia Monumenta Henricina, Diplomata et Chartae, 81, Lisboa, 1867; Vimaranis Monumenta Historica, 11, Guimarães, 1929-1931.)

A região foi conquistada em 997 pelas forças de Almançor (938-1002), para ser reconquistada pelos cristãos quando, entre 1055 e 1057, Fernando I de Leão (1037-1065) dela expulsou os Muçulmanos.

No início do século XII a povoação era uma herdade da Ordem de São Bento. Em 1145 pertencia à Ordem do Templo, que incorporou os bens de um cenóbio beneditino instalado no sítio do Castelo. Com a extinção da Ordem, os seus bens transitaram para a Ordem de Cristo (1319).

No século XIV acredita-se que no local existiria uma torre de vigia, de onde se descortinava a serra da Marofa, e se apoiava a povoação de Castelo Rodrigo. À época funcionava nesta área um celeiro comunitário.

No século XV regista-se um incremento do povoamento da região.

Manuel I de Portugal (1495-1521) concedeu foral a Mêda (1 de junho de 1519), que embora refira os nomes da vila e concelho, não faz referência a anterior foral. A vila constituía-se, à época, em importante centro cerealífero.

Do século XVII aos nossos dias

Na passagem do século XVII para o século XVIII foi edificada no local uma capela sob a invocação de Nossa Senhora da Assunção, erguida com pedra reaproveitada da antiga fortificação. Nesse período, em 1708, a povoação, com 330 vizinhos, era pertença do conde da Castanheira (?), comendador da Ordem de Cristo.

No contexto do terramoto de 1 de novembro de 1755, o pároco Frei Manuel Leal Pimentel refere que a vila, com 250 vizinhos, é do rei e pertencia à Comarca de Pinhel; tinha juízes ordinários e oficiais da Câmara. Com relação à antiga fortificação, o pároco refere um rochedo com vestígios de muros, a que vulgarmente se chamava “Castelo”, tendo uma capela particular da invocação de Nossa Senhora da Assunção. (“Memórias Paroquiais”, 7 de maio de 1758)

Ao final do século, numa representação da vila, vê-se a capela e, junto do morro, uma torre.

No século XIX foi erigida a Torre do Relógio, reaproveitando-se a pedra da primitiva capela no local.

A fortificação não chegou até aos nossos dias, subsistindo apenas na toponímia "morro do Castelo". A Torre do Relógio em Mêda não se encontra protegida enquanto património arquitetónico.

Atualmente encontra-se em bom estado de conservação.

Características

Exemplar de arquitetura militar, em estilo românico, no topo de um morro a 760 metros acima do nível do mar, sobranceiro à povoação.

Embora se desconheça a configuração da primitiva fortificação, a atual torre apresenta planta no formato quadrangular, em alvenaria de granito, encimada por ameias.

Bibliografia

RODRIGUES, Adriano Vasco, Terras da Mêda. Natureza e Cultura, Mêda, 1983;

SIÃO, José, Vila de Meda e seu concelho, s.l., 1997.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 21/09/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Castle of Mêda

  • Torre do Relógio de Mêda

  • Castle





  • Portugal


  • Missing

  • Monument with no legal protection





  • Disappeared

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Guarda
    City: Mêda



  • Lat: 40 -58' 13''N | Lon: 7 15' 51''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Mêda