Fort Saint Elmo

Valletta, Malta - Malta

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (5)

Images (5)

O “Forte de Santo Elmo” localiza-se na cidade de Valeta, na ilha de Malta.

Situado no extremo da península de Xiberras, que separa os portos naturais de Marsamxett e Grand Harbour, a sua função era a de controlo do acesso a esses dois portos, para o que cooperava com o Forte Tigné e o Forte Ricasoli. O seu nome é uma homenagem ao santo padroeiro dos marinheiros, Erasmo de Formia.

História

Antecedentes

Após a expulsão dos cavaleiros da Ordem de São João de Jerusalém (Hospitalários) de sua sede na ilha de Rodes pelos Turcos Otomanos (dezembro de 1522), o Imperador Carlos V (1530-1558) doou-lhes a ilha de Malta em 1530. A partir de então a Ordem passou a denominar-se Ordem de Malta. O seu Grão-Mestre, Juan de Homedes, não aceitava essa solução, que implicava no abandono definitivo de Rodes, posição que a Ordem ainda ambicionava recuperar.

Desde 1417 a milícia local estabelecera um posto de vigia permanente na ponta da península de Xiberras. Posteriormente, em 1488, os Aragoneses ergueram uma torre de vigia no lugar de Santo Elmo, reforçada pelos cavaleiros da Ordem a partir de 1533, para fechar o acesso à enseada de Marsamxett.

Em 1551 durante um ataque, a frota Otomana ancorou em Marsamxett sem oposição. Por essa razão, foi decidido que era necessária uma fortificação de maior expressão e, em 1552 a antiga torre foi demolida, e deu-se início a um novo forte, com planta no formato de uma estrela de quatro pontas, em estilo Renascentista. Com traça de quatro arquitetos militares italianos, contava com um cavaleiro pelo lado do mar, um caminho coberto e uma tenalha. As suas obras estavam concluídas em 1556, à época do sucessor de Homedes, Claude de la Sengle. Posteriormente o Grão-Mestre Jean Parisot de La Valette acrescentou-lhe uma meia-lua para reforçar a defesa pelo lado de Marsamxett.

O cerco de 1565

Pouco meses após a meia-lua em Santo Telmo estar concluída, Malta foi novamente atacada pela frota Otomana, em maio de 1565, com um efetivo consideravelmente maior do que o ataque de 1551: a força Otomana foi estimada em quatro vezes o número de defensores da Ordem na ilha. Este forte foi o primeiro a ser assaltado, tendo os Otomanos instalado as suas baterias principais no alto do monte Xiberras, padrasto a Santo Telmo, coadjuvado por outras, postadas no extremo norte do porto Marsamxett, onde hoje se ergue o Forte Tigné. A guarnição inicial do forte era de cerca de 150 cavaleiros e 600 soldados, a maioria espanhóis, e 60 escravos de galés, armados, e Santo Telmo passou a ser alvo de intenso bombardeamento, vindo a meia-lua a cair uma semana mais tarde.

Durante os bombardeamentos a este forte, um tiro de canhão oriundo do Forte de Santo Ângelo cruzou o Grande Porto e atingiu o parapeito da bateria Otomana. Os estilhaços decorrentes do impacto atingiram o artilheiro que faleceu imediatamente e feriram mortalmente o almirante Turgut Reis (Dragut), um dos mais qualificados comandantes Otomanos.

Um assalto direto a Santo Ângelo foi, entretanto, repelido, e La Valette enviou reforços na esperança de sustentar a defesa do forte o maior tempo possível. Santo Elmo resistiu durante um mês, vindo a capitular a 23 de junho com três de seus lados quase que inteiramente destruídos. Nenhum dos cavaleiros que o defendiam sobreviveu, tendo escapado apenas nove dos defensores malteses que conseguiram nadar até ao Forte de Santo Ângelo, do outro lado do Grand Harbour.

Ao concentrar sobre si uma boa parte dos recursos Otomanos, a resistência da praça obteve tempo essencial para a preparação das duas fortificações vizinhas e para a chegada de reforços da Espanha. Isso mostrou-se essencial para o fracasso do cerco a Malta, em setembro, quando os atacantes foram batidos por um considerável reforço cristão oriundo da Sicília.

A Praça-forte de La Valette

Após o cerco, La Valette decidiu construir uma nova cidade fortificada na península de Xiberras. A ideia recebeu o apoio tanto do Papa Pio V (1566-1572) quanto de Filipe II de Espanha (1581-1598), tendo o primeiro disponibilizado os serviços do engenheiro militar Francesco Laparelli.

As obras da praça-forte começaram em 1566, com a edificação dos baluartes, procedendo-se posteriormente às demais edificações. Em homenagem ao Grão-Mestre, a praça-forte ficou conhecida como "La Valette".

O Forte de Santo Elmo, reduzido a escombros pela artilharia Otomana, foi reconstruído e ampliado, vindo a ser parcialmente incorporado ao chamado Baluarte do Mar. A defesa da praça-forte ficaria completa com a construção do Forte Manuel, pelo lado de Marsamxett, e pelo Forte Tigné, na ponta de Dragut.

Após o falecimento de La Valette em 1568, os trabalhos tiveram prosseguimento sob o seu sucessor, Pietro del Monte. Em 1571, o quartel-general da Ordem foi transferido de Birgu para Valletta. Laparelli havia deixado Malta em 1570, sendo substituído por Gerolamo Cassar, que, tendo passado largas temporadas em Roma, estava atualizado sobre os estilos arquitetónicos mais vanguardistas. Foi ele o responsável pela construção da Sacra Infermeria, da Igreja de São João, do Palácio do Grão-Mestre e de sete albergues onde os Cavaleiros da Ordem ficavam hospedados.

Do século XVII ao XIX

O forte sofreu diversas alterações ao longo do século XVII. O baluarte de Vendôme foi construído em 1614 e, em 1687 a cintura Carafa foi levantada na faixa litorânea em torno do forte. No final do século o forte foi ligado diretamente ao Cavaleiro e parte do fosso foi aterrado, desaparecendo parte das primitivas muralhas no processo.

No século XVIII um novo paiol foi construído no baluarte de Vendôme, e lojas foram construídas na área entre o forte e a cintura Carafa. Estas são conhecidas como Lojas Pinto e, juntamente com a área circundante formam o que é conhecido como Baixa Santo Elmo.

O forte foi invadido em 8 de setembro de 1775 por revoltosos durante a chamada “Revolta dos Sacerdotes", que contestavam o governo da Ordem de Malta. A rápida intervenção do então Grão-Mestre Emmanuel de Rohan-Polduc, permitiu isolar os insurgentes do resto da cidade, e sufocar a conspiração em poucas horas.

Ao final do século em mãos francesas, o Forte de Santo Elmo serviu como prisão durante a ocupação da ilha em 1798-1800.

Novas modificações foram introduzidas no início do século XIX pelos Britânicos, quando foi construído um parapeito para mosquetaria. Mais tarde, em 1855, o paiol do baluarte de Vendôme foi convertido em um arsenal, e algumas das armas de pequeno calibre do Arsenal do Palácio foram para lá transferidas. Na década de 1870, novas obras foram realizadas no baluarte Abercrombie.

Do século XX aos nossos dias

No contexto da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a primeira cirurgia de coração, executada em um soldado teve lugar em 1917, no Forte de Santo Elmo. Findo o conflito, no período entre guerras, foram construídas baterias para canhões gémeos de tiro-rápido de 57mm nas meias-luas sobre o porto.

No contexto da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o forte estava equipado com três pares de canhões de tiro-rápido de 57mm. Esteve na linha de fogo do primeiro bombardeamento aéreo a Malta, pela “Aeronautica Militare” Italiana (11 de junho de 1940), um dia após a declaração de guerra por Benito Mussolini. As primeiras vítimas na ocasião foram seis artilheiros do 1.º Regimento da Royal Malta Artillery.

Em 26 de julho de 1941, os italianos lançaram um ataque por via marítima ao Grand Harbour, com dois torpedos humanos, quatro barcos MAS (“Motoscafo Armato Silurante”) e 6 barcos MT (“Motoscafo da Turismo”). A força foi detetada ainda ao largo por uma instalação de radar britânica, e a artilharia de costa em Santo Elmo abriu fogo à queima-roupa quando ela se aproximou. No combate, 15 homens foram mortos e 18 capturados, os dois torpedos humanos, cinco barcos MT, e dois dos barcos MAS foram abatidos. Um dos barcos MT atingiu a Ponte de Santo Elmo, que ligava o quebra-mar com a ponta da península próximo ao forte, demolindo-a. A ponte jamais foi reparada, sendo substituída apenas em 2012, com projeto semelhante, mas diferente design.

Durante o conflito, diversas partes do forte foram severamente danificadas e algumas cicatrizes dos bombardeamentos ainda podiam ser vistas em nossos dias. A guarnição da Royal Malta Artillery deixou o forte em 26 de março de 1972, encerrando uma extensa página de história militar.

Com o fim do conflito, a partir de meados do século XX a parte superior do forte passou a abrigar a Academia de Polícia de Malta, nomeadamente escritórios e salas de aula. Nos fossos exteriores encontram-se as carreiras de tiro e a praça de armas é utilizada como campo de treinamento pelos cadetes.

Desde 1975 parte do forte abriga o Museu Nacional de Guerra, cujo acervo conta com equipamento militar e outras peças relacionadas com a I e a II Guerra Mundiais. Uma réplica da “George Cross” com que Malta foi agraciada em 1942 por Jorge VI do Reino Unido (1936-1952) encontra-se em exposição no Museu. Este foi encerrado para reformulação em setembro de 2014 e reaberto em maio de 2015 com o acervo ampliado.

Em 2008 o “World Monuments Fund” (WMF) inscreveu o forte na sua lista dos “100 Sítios Mais Ameaçados no Mundo”, em virtude da sua significativa deterioração devido a fatores como a falta de manutenção e segurança, envelhecimento natural e exposição aos elementos. Desde 2009 uma extensa intervenção de conservação e restauração teve lugar e, em 2015 a restauração da Alta Santo Elmo e da cintura Carafa estavam concluídas. Ao mesmo tempo, a Baixa Santo Elmo foi limpa do lixo que se acumulara ao longo dos anos, e planeava-se a sua restauração.

Durante os trabalhos de restauração foram procedidas algumas escavações arqueológicas, tendo vindo à luz diversos elementos do primitivo forte, anterior a 1565. Esta descoberta reveste-se de importância, uma vez a estrutura foi bastante alterada desde a intervenção de Laparelli iniciada em 1566.

A fortificação encontra-se aberta ao público aos domingos por ocasião das reencenações históricas “In guardia”, que reconstitui a visita de inspeção da guarnição pelo Grande Bailio da Ordem de Malta no final do século XVI, e "Alarme!", que remete aos anos de ocupação pelas tropas francesas de Napoleão Bonaparte (1798-1800).

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartado.

O primitivo forte com planta estrelada, por vezes referido como Alto Santo Elmo para distingui-lo do resto do conjunto, é composto por dois semi-baluartes, dois flancos e duas faces, uma praça de armas, quartéis e um grande cavaleiro. O forte incluía um revelim em 1565, mas este foi demolida durante a reconstrução do forte após o cerco.

Com a construção da Praça-forte de La Valetta, o baluarte de Vendôme foi construído em 1614, ligando a Cortina Francesa ao Forte de Santo Elmo. O baluarte contém um “echaugette”, e eventualmente foi convertido em um paiol, e mais tarde num arsenal. Em nossos dias integra o Museu Nacional de Guerra.

A cintura Carafa, cuja construção iniciou-se em 1687, envolve o primitivo forte, assim como o baluarte de Vendôme. É composta pelos seguintes baluartes e cortinas:

Baluarte de São Gregório – de planta assimétrica, com uma longa face esquerda. Foi modificado pelos Britânicos para receber as pelas de tiro-rápido;

Cortina de São Gregório – liga os baluartes de São Gregório e da Conceição. Abriga diversas baterias britânicas.

Baluarte da Conceição, também referido como Baluarte de Ball – de pequenas dimensões, com planta pentagonal, abriga baterias, paióis, e acomodações para os artilheiros. Sir Alexander Ball encontra-se sepultado no saliente do baluarte.

Cortina de Santa Escolástica – liga os baluartes da Conceição e de São João. Abriga uma bateria para um canhão naval RML de 12.5” e 38 ton, assim como outras modificações britânicas.

Baluarte de São João, também referido como Baluarte Abercrombie – um grande baluarte assimétrico na ponta de Santo Elmo, ponto extremo da península de Xiberras. Aqui se situam diversas baterias e paióis Britânicos.

Cortina de São Ubaldesca, também referida como Cortina Abercrombie – uma extensa muralha ligando o baluarte de São João e os baluartes de São Lázaro. Abriga diversas baterias Britânicas.

Alguns blocos de casernas estão localizados na área entre o Alto Santo Elmo e o recinto Carafa.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related entries 


 Print the Related entries

Contribution

Updated at 15/12/2015 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Projeto Fortalezas Multimídia (Jéssica Pedrini) (1), Carlos Luís M. C. da Cruz (4).


  • Fort Saint Elmo


  • Fort

  • 1552 (AC)




  • Malta


  • Restored and Well Conserved






  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Malta
    State/Province: Malta
    City: Valletta



  • Lat: 35 -55' 54''N | Lon: 14 -32' 53''E










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort Saint Elmo