Castle of Coimbra

Coimbra, Coimbra - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (11)

Images (11)

O “Castelo de Coimbra” localizava-se na freguesia de União das Freguesias de Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu), concelho e distrito de Coimbra, em Portugal.

Hoje desaparecido, erguia-se à margem direita do rio Mondego, na zona mais alta da cidade, onde hoje se situa a Praça D. Dinis, em plena cidade universitária. Em sua origem, no século XI, seria de dimensões acanhadas e planta irregular. Em seus muros iniciava-se a cerca da vila, franqueada, na zona baixa, pela Porta da Almedina. Ampliado e reforçado nos séculos seguintes, sobreviveu, ainda que progressivamente arruinado, até finais do século XVIII quando, no âmbito da Reforma Pombalina da Universidade de Coimbra, a construção do Observatório Astronómico praticamente o destruiu. Em nossos dias integra a "Rede de Castelos e Muralhas do Mondego".

História

Antecedentes

Embora não existam muitas informações acerca da primitiva ocupação humana de seu sítio, à época da Romanização constituía-se num centro urbano denominado “Aeminium”.

A muralha da povoação foi edificada no período tardo-romano, de que a lápide dedicada a Constâncio Cloro pelos aeminienses parece ser testemunho. Essa cerca terá sofrido, no decorrer dos séculos seguintes sob o domínio visigótico, islâmico ou já cristão, sucessivas obras de conservação, a par de alterações pontuais sobretudo verificadas ao nível das portas e torres.

Com o advento do cristianismo, a cidade tornou-se sede de Diocese, em lugar de Conímbriga, de onde derivou a sua atual designação. Ocupada pelos Muçulmanos a partir de 713, manteve-se como um próspero centro comercial entre as regiões norte, cristã, e sul, islâmica.

O castelo medieval

À época da Reconquista da região, Coimbra passou ao domínio cristão (878), para ser perdida diante da investida das forças de Almançor (29 de junho de 987). A cidade permaneceu abandonada por sete anos, vindo a ser repovoada e reedificada pelos Muçulmanos.

Foi reconquistada pelas forças de Fernando I de Leão (1037-1065) a seguir à conquista de Viseu (1064), vindo a constituir-se em sede do Condado Conimbricense, cujo governo foi entregue ao conde Sesnando Davides, que lhe terá reformulado a primitiva defesa.

No século seguinte, a povoação e seu castelo integraram os domínios do Condado Portucalense, aqui tendo residido o conde D. Henrique de Borgonha e sua esposa D. Teresa de Leão. Aqui nasceu Afonso I de Portugal (1143-1185), que viria a transformá-la em sede do condado, em substituição a Guimarães. Também aqui resistiu a condessa D. Teresa, com as forças locais, ao ataque Almorávida de 1117.

Com o advento da nacionalidade, Coimbra tornou-se a primeira capital portuguesa, condição que conservou até 1255, quando a perdeu para Lisboa.

Com relação ao Castelo de Coimbra e à cerca da vila, é atribuído aos monarcas D. Afonso I e Sancho I de Portugal (1185-1211), a responsabilidade pela ampliação e reforço destas defesas. O primeiro, pela Torre de Menagem, e o segundo pela chamada Torre de Hércules (1189).

Posteriormente, Fernando I de Portugal (1367-1383) também teria disposto do mesmo modo, vindo o castelo a ser alvo de importantes obras, envolvendo as torres, porta, fosso e barbacã.

No contexto da crise de sucessão de 1383-1385, aqui tiveram lugar as Cortes que aclamaram o Mestre de Avis como rei de Portugal (abril de 1385). Em agosto desse mesmo ano, dias antes da batalha de Aljubarrota, parte das forças de Castela, vindas da Beira a caminho de Lisboa, de passagem por Coimbra, travaram combate com um grupo de moradores junta à Porta da Almedina, na parte baixa da cidade. Era Alcaide-mor do castelo na ocasião Gonçalo Mendes de Vasconcelos, fidalgo que tomara parte nas Cortes em abril e que viera a ser um dos três nomes que compunham o Conselho Régio então ali indicado. Entretanto, por haver sido pessoa de confiança da rainha D. Leonor, o novo soberano retirou-lhe a alcaidaria, utilizando-se de um estratagema:

"Ordenou el-rei de se ir ao Porto, com intenção de cobrar alguns lugares dos que naquela comarca de Antre Douro e Minho tinham voz por el-rei de Castela. E antes que partisse de Coimbra, porque não tinha boa suspeita de Gonçalo Mendes de Vasconcelos, especialmente por ser dívido da rainha Dona Leonor, teve que era bem de lhe tomar o castelo e dá-lo a outrem de que fosse seguro. E falou com Vasco Martins de Melo, que, como o visse fora do castelo, que entrasse dentro e o tomasse; e Vasco Martins assim o fez, da qual cousa, posto que muito desprouguese a Gonçalo Mendes, el-rei o contentou de tal guisa em outras mercês, que foi de todo pacificado." (Fernão Lopes. Crónica de D. João I).

O castelo e as defesas da cidade mantiveram-se relativamente bem conservadas até ao século XVI, quando começou a fazer-se sentir a pressão do crescimento urbano sobre a cerca exterior.

No contexto da crise e sucessão de 1580, a cidade apoiou D. António, Prior do Crato, vindo a cair diante das tropas castelhanas sob o comando de Sancho d'Ávila.

Do consulado pombalino aos nossos dias

De acordo com uma carta do académico Manuel da Silva Real à Academia Real de História Portuguesa (5 de abril de 1723), era de se lamentar o esburacamento das paredes e do solo da torre quinária, também chamada de Torre de Hércules, praticado por caçadores de tesouros, que uma tradição local à época afirmava terem ali sido deixados por aquele herói mitológico da Grécia Antiga. Era alcaide-mor do Castelo, à época, o duque de Aveiro.

Ao chegar ao último quartel do século XVIII, o castelo encontrava-se sem função e quase que totalmente em ruínas. Naquele momento, respondendo à necessidade urgente de modernização da Universidade de Coimbra, projetou-se a construção de um observatório astronómico (1772). Para instalação deste edifício foi destinado o espaço do “castello de Coimbra: Portas delle, e e todos os terrenos, que a elle pertencem”. Antes da sua demolição, porém, o marquês de Pombal fez desenhar uma planta do castelo, elemento que é hoje a principal fonte para o seu estudo. As obras de demolição, iniciadas em 29 de março de 1773, foram morosas e muito dispendiosas, em grande parte devido à robustez da velha torre de menagem. As obras do observatório iniciaram-se no mês de abril do mesmo ano, sendo suspensas, entretanto, em setembro de 1775, quando pouco mais do que os alicerces do edifício haviam sido erguidos. À época foram levantadas dúvidas sobre se aquele seria o local ideal para o Observatório, mas acredita-se que tenham pesado os constrangimentos económicos, sendo as obras abandonadas, em definitivo, dois anos depois (1777), com a morte do soberano e o banimento de Pombal. Qualquer que fosse a razão, um novo observatório, de menores dimensões, foi erguido no extremo do pátio da Universidade, entre o Colégio de São Pedro e a Biblioteca Joanina, tendo aí existido até 1951, data em que foi demolido por haver já um outro, moderno, no alto de Santa Clara.

No contexto da Guerra Peninsular (1808-1814), a cidade, sem condição de defesa, antiga ou moderna, foi ocupada pelas tropas francesas, inicialmente sob o comando de Jean-Andoche Junot, e posteriormente, sob o do marechal André Masséna.

Na segunda metade do século XIX, com a reforma dos Hospitais da Universidade, as inacabadas e abandonadas obras do primitivo observatório foram aproveitadas para fazer a lavandaria e a rouparia do hospital. Em 1944 estas instalações foram desativadas e demolidas expondo, pela última vez, a base da torre de menagem. No local situam-se hoje as novas instalações da faculdade de Matemáticas.

No século XX subsistiam o chamado Arco da Almedina e poucos vestígios das cerca medieval de Coimbra.

O conjunto encontra-se classificado como Monumento Nacional por Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo n.º 136, de 23 de junho (Cerca de Coimbra designadamente o Arco de Almedina, Arco Pequeno de Almedina), pelo Decreto n.º 2 789, publicado no Diário do Governo, 1.ª Série, n.º 121, de 16 de junho de 1921, pelo Decreto n.º 7.552-A, publicado no Diário do Governo n.º 133, de 1 de julho de 1921 (Arco Pequeno de Almedina), pelo Decreto n.º 26.141, publicado no Diário do Governo, 1.ª Série, n.º 287, de 10 de dezembro de 1935 (Torre de Anto). A ZEP encontra-se definida por Portaria publicada no Diário do Governo, 2.ª Série, n.º 153, de 2 de julho de 1960 (Cerca de Coimbra designadamente o Arco de Almedina, Arco Pequeno de Almedina) e pela Portaria publicada no Diário do Governo, 2.ª Série, n.º 269, de 17 de novembro de 1961 (Torre de Anto).

Na construção da nova Cidade Universitária, iniciada na década de 1940, os poucos vestígios que subsistiam do antigo castelo foram definitivamente eliminados.

Trabalhos de prospecção arqueológica empreendidos no pátio da Universidade em 2010, têm revelado algumas estruturas de extremo interesse, relacionadas com o Paço - de origem islâmica e sucessivamente transformado pelos nossos monarcas ao longo dos séculos - que a muralha envolvia.

Características

Exemplar de arquitetura militar, românico e gótico, de implantação urbana, no alto de uma colina à margem direita do rio Mondego.

O sistema defensivo da cidade compunha-se de um castelo e de uma cerca ou muralha.

Conhecemos parcialmente o castelo medieval pelas plantas pombalinas que chegaram até nós. Nelas podem observar-se uma estrutura de planta quadrangular irregular, no estilo românico, destacando-se duas torres principais: a de menagem, de planta quadrada, isolada ao centro do pátio de armas, erguida sob o reinado de D. Afonso I; e a Torre Quinária, de planta pentagonal, erguida por D. Sancho I no topo leste do castelo, defendendo a colina, junto ao velho aqueduto romano.

A cidade medieval dividia-se entre a chamada Cidade Alta (ou Almedina), ocupada pelo clero e pela nobreza (e, a partir do século XVI, pelos estudantes da Universidade), e a Cidade Baixa, onde se concentrava o comércio e o artesanato.

A cerca urbana medieval apresentava planta aproximadamente oval, com a extensão de cerca de 1800 metros. Embora desconheçamos com precisão o seu traçado, compreendia ambos os núcleos, abrangendo uma área de cerca de 22 hectares. A partir da cota mais baixa, junto à margem do Mondego, defendida pela grande Torre de Belcouce, desenvolvia-se passando pela atual Rua Ferreira Borges, onde se conserva ainda o Arco de Almedina, e subia até ao atual Museu Machado de Castro, a partir do qual se iniciava a alcáçova, genericamente conotada com o Largo de D. Dinis.

Essa cerca era rasgada por cinco portas - da Almedina, de Belcouce, da Traição, do Sol, e a Porta Nova -, e amparada por um número considerável de torres.

Entre as torres que se conservaram, destaca-se a chamada Torre da Almedina. Nela se rasga a Porta da Almedina, originalmente guardada por dois cubelos, que posteriormente foram ligados por um arco de ferradura, modificado ao longo dos séculos até à atual conformação em arco de volta perfeita. Sob o reinado de D. Manuel I ou de seu sucessor, D. João III, esta torre foi adaptada a Casa da Câmara, datando desta época o baixo-relevo da Virgem com o Menino, no interior do arco, e a janela quadrangular decorada que o ladeia, ambos de autoria do escultor João de Ruão. Ao final do século XIX, a torre serviu ainda como Escola Livre das Artes do Desenho, sob a direção do Prof. António Augusto Gonçalves, e, no século XX, como Arquivo Histórico Municipal. Atualmente nela se encontra instalado o Núcleo da Cidade Muralhada de Coimbra.

Por fim, da cerca medieval, subsiste ainda uma pequena porta em arco de ferradura, junto ao Museu Nacional de Machado de Castro, composta por um arco de ferradura inserido num alfiz e sobrepujado por ameias, e a chamada Torre do Anto, na Rua de Sub-Ripas, cuja classificação foi efetuada autonomamente.

A lenda de Martim de Freitas

Após a deposição de D. Sancho II (1209-1248) em 1245, sendo o governo do reino confiado ao seu irmão, o infante D. Afonso, refugiou-se o primeiro em Toledo, no reino de Castela. Reza a lenda que Martim de Freitas, alcaide do Castelo de Coimbra, fiel a D. Sancho II, a quem prestara menagem, recusou-se a entregar o castelo ao regente, mesmo suportando um longo cerco, iniciado em 1246. Informado do falecimento do soberano naquela cidade castelhana (janeiro de 1248), pediu, e obteve, um salvo conduto e foi, por seus próprios meios, certificar-se da notícia. Lá chegando, aberto o caixão, depositou as chaves do castelo sobre o cadáver do seu senhor, retirando-as em seguida para então as entregar ao novo soberano, como seu legítimo senhor. (Rui de Pina, "Crónica de D. Sancho II".)



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

Castelos e Muralhas do Mondego
Website dinamizado pela Agência para o Desenvolvimento dos Castelos e Muralhas Medievais do Mondego, com o objetivo de promover e valorizar o património histórico e cultural da Linha Defensiva do Mondego como um produto turístico de excelência.

http://www.castelosemuralhasdomondego.pt/website/monumentos

 Print the Related links

Contribution

Updated at 16/07/2017 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (11).


  • Castle of Coimbra


  • Castle





  • Portugal


  • Featureless and Well Conserved

  • National Protection
    O conjunto encontra-se classificado como Monumento Nacional por Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo n.º 136, de 23 de junho (Cerca de Coimbra designadamente o Arco de Almedina, Arco Pequeno de Almedina), pelo Decreto n.º 2 789, publicado no Diário do Governo, 1.ª Série, n.º 121, de 16 de junho de 1921, pelo Decreto n.º 7.552-A, publicado no Diário do Governo n.º 133, de 1 de julho de 1921 (Arco Pequeno de Almedina), pelo Decreto n.º 26.141, publicado no Diário do Governo, 1.ª Série, n.º 287, de 10 de dezembro de 1935 (Torre de Anto). A ZEP encontra-se definida por Portaria publicada no Diário do Governo, 2.ª Série, n.º 153, de 2 de julho de 1960 (Cerca de Coimbra designadamente o Arco de Almedina, Arco Pequeno de Almedina) e pela Portaria publicada no Diário do Governo, 2.ª Série, n.º 269, de 17 de novembro de 1961 (Torre de Anto).



  • +351 239 833 771

  • cidade.muralhada@cm-coimbra.pt

  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Coimbra
    City: Coimbra

    Torre de Almedina – Pátio do Castilho
    3000-442 Coimbra, Portugal


  • Lat: 40 -13' 31''N | Lon: 8 25' 23''W



  • De 3.ª feira a sábado.

    Inverno (de outubro a março): das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

    Verão (de abril a setembro): das 11h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00.

    Encerra: domingo, 2.ª feira e feriados.





  • Integra a "Rede de Castelos e Muralhas do Mondego".
    O Núcleo da Cidade Muralhada tem como objetivos a reconstituição e divulgação do percurso da muralha e a preservação dos seus vestígios. A sua missão prende-se com a recuperação na memória coletiva da existência da muralha, demonstrando a sua influência determinante na organização urbana da cidade. Através da reconstituição da estrutura defensiva da cidade – das respetivas muralha, torres de vigilância e portas – pretende-se permitir aos visitantes um melhor conhecimento da história e do espaço urbano da Coimbra medieval.



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Coimbra