Fort Augusto

Santos, São Paulo - Brazil

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

O “Forte Augusto”, também referido como “Forte da Estacada”, “Forte da Trincheira” e “Forte do Castro”, localizava-se na Ponta da Praia, dominando a entrada do canal e a praia do Embaré, ao sul da cidade de Santos, no litoral do estado brasileiro de São Paulo. Demolido no início do século XX, em seu local ergue-se em nossos dias o Museu de Pesca.

História

Conhecem-se dois projetos para a edificação desta estrutura:

• em 1712, de autoria de Manuel Pinto de Villa Lobos que aproveitava desenhos do século XVII, com planta quadrangular e quatro baluartes;

• em 1714, de autoria do Brigadeiro João Massé, "(...)possuía planta quadrangular com uma tenalha voltada para o Canal da Barra, e dois baluartes angulares no lado norte. Estava protegido por um fosso e uma linha externa de estacada".

O particular João de Castro de Oliveira ofereceu-se para erguer o forte às suas próprias expensas, em troca das seguintes mercês da Coroa: "O Forro de Fidalgo da Casa de S. Mag. na forma do Estilo"; "(...) dois hábitos de Cristo cada um com Tença de oitenta mil réis cada ano por três vidas para passar de Pai a Filho e deste a Neto, pagas as ditas tenças nesta provedoria de Santos"; "(...) a propriedade de um ofício nas Minas que renda todos os anos duzentos mil réis"; e "(...) a patente de Sargento Maior da Dita Fortaleza para mim e meus descendentes com vinte mil réis de soldo cada mês." (MORI, 2003:142).

Como os custos de construção seriam muito elevados, a Provisão Régia de 27 de janeiro de 1715 aprovou a proposta de João de Castro de Oliveira. As obras preliminares haviam sido iniciadas no ano anterior, mas encontravam-se paralisadas em 1721, conforme Relatório de Inspeção do então governador e capitão-general da capitania de São Paulo, Rodrigo César de Meneses. Aquele governante concluía que, se o cidadão Manoel (sic) de Castro, que se oferecera para edificá-lo em troca de mercê da Coroa portuguesa, não o fizesse, ele mandaria construí-lo por conta da consignação autorizada pela Coroa para as obras de defesa.

Constituía-se primitivamente em uma estacada de madeira e terra apiloada. Tinha a função de acompanhar o movimento de navios fora da barra em alto mar, cruzando fogos com a Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande (SOUZA, 1885:117), que lhe era fronteiro.

De acordo com o relato do Brigadeiro José da Silva Pais, quatro anos mais tarde (1725), o forte, em cujos alicerces mal seguros se assentavam cinco peças de artilharia, devia ser abandonado, uma vez que o cidadão João de Castro Oliveira, que então se prontificara a erguê-lo, não mais pretendia prosseguir a obra. Esses alicerces eram de "pedra de alvenaria mal-argamassada e com pequena espessura para poderem resistir aos embates do mar, à ação do tempo e a qualquer combate sério com o inimigo."

Em 1734, por determinação de João V de Portugal (1705-1750), o então governador e capitão-General da capitania de São Paulo, conde de Sarzedas, inspecionando as fortificações marítimas da baixada santista, constatou que para concluir as obras do forte, seria necessária uma despesa excedente de 80.000 cruzados, o que manteve as obras em suspenso por mais algum tempo.

As obras foram retomadas em 1738 pelo Brigadeiro Silva Pais (MORI, 2003:142-45). Este abandonou os trabalhos com base no projeto de João Massé e, entre as novas obras, fez executar uma estacada de madeira em torno do perímetro da fortificação, o que originou a denominação de Forte da Estacada (MORI, 2003:147). Estaria guarnecido por um cabo, oito soldados e um oficial inferior, responsáveis pelo reconhecimento de navios.

Posteriormente, no governo da capitania de São Paulo pelo capitão-general D. Luís António de Sousa Botelho Mourão - quarto morgado de Mateus (1765-1775), dentro do contexto das obras de recuperação da Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande, quando foi levantada a Bateria da praia do Góis (1765 e 1766, respectivamente) o Forte da Estacada foi inicialmente reparado (estacada reforçada, parapeitos melhorados), para ser posteriormente reformado, ganhando estrutura de forma tenalhada com dois flancos em ângulo reentrante para o lado de terra, numa extensão de cerca de quarenta metros. Em Relatório à Coroa, acerca das fortificações da Capitania, datado de 30 de junho de 1770, este governador informou que esta praça estava artilhada com nove peças: três de calibre 8, cinco de 6 e uma de 4 libras de bala (GARRIDO, 1940:134).

Um relatório manuscrito descreve o estado da fortificação, ao final do século XVIII:

"Na Fortaleza da Trincheira se acham onze peças todas desmontadas e algumas já sem serventia. A estacada está toda podre e o quartel já bastante arruinado. Com pouca despesa se pode fazer na frente do quartel uma grande varanda, onde se recolha a artilharia, pois com facilidade vai a artilharia ao seu lugar na bateria em qualquer repente. Este forte cruza seus fogos com os da Fortaleza da Barra Grande e dele se descobre toda a barra e o mar grosso. Pode, por esta razão, fazer avisos aos mais para estes se porem em ação e prontos para o combate." ("Sobre as fortificações da costa marítima da Capitania de São Paulo", manuscrito sem autor nem data (c. 1797). In: Documentos Interessantes para a História e Costumes de São Paulo. vol. XLIV, p. 305).

O Relatório do marechal Daniel Pedro Müller (1830), informa que a guarnição do forte, em tempo de guerra, era de um oficial superior, dois inferiores, catorze artilheiros, trinta e oito serventes de artilharia e quarenta soldados de infantaria (in: Ensaio Estatístico da Província de São Paulo.). Em 1870 encontrava-se sob o comando do capitão Antônio Martins Fontes.

Foi transferido para o Ministério da Marinha pela Portaria de 11 de agosto de 1873 (SOUZA, 1885:117). O mesmo autor relata que se encontrava em ruínas, à época (1885) (op. cit., p. 117). De acordo com o relatório do comandante Francisco Álvaro de Souza, em 1889 encontrava-se artilhado com seis canhões (MORI, 2003:157). Durante a Revolta da Armada (1893-1894) voltou a ser ocupado por forças do Exército brasileiro, instalando-se em seu terrapleno arruinado e na sua vizinhança baterias pesadas, que dispararam contra o Cruzador República e o Cruzador Palas, a caminho do Sul, em 20 de setembro de 1893. Na ocasião, o então presidente do Estado de São Paulo, Dr. Bernardino de Campos, assistiu aos acontecimentos nas instalações do Forte da Estacada. O forte mantinha ainda no ano de 1895, cinco canhões Withworth de calibre 70, sendo quatro antecarga e um retrocarga.

Serviu como depósito de materiais bélicos até ao início do século XX. GARRIDO (1940) dá-o como desaparecido (op. cit., p. 135): na realidade, a partir de 1906, as ruínas de suas muralhas foram demolidas para dar lugar ao edifício da Escola de Aprendizes Marinheiros. A partir de 1930 o edifício passou a abrigar a Escola de Pesca do Estado de São Paulo, atual Museu de Pesca (MORI, 2003:159).

Em seu pátio o visitante encontra, sobre uma plataforma, um canhão Withworth de 70 libras, de fabricação inglesa (c. 1860). Este equipamento foi o escolhido para armar os fortes costeiros no Brasil, constituindo o padrão exclusivo da Artilharia de Costa do Exército Brasileiro entre 1863 e 1872.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 

Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Book
1958
 
Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Article
1885
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Book
1940
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Book
2004
 
Arquitetura Militar: um panorama histórico a partir do Porto de Santos
Adler Homero Fonseca de Castro
Carlos A. C. Lemos
Victor Hugo Mori

Book
2003
 
Circuito dos fortes da Costa da Mata Atlântica: cinco séculos em 8 pontos estratégicos
Governo do Estado de São Paulo

Folder
2005
 
Circuito dos fortes da Costa da Mata Atlântica: cinco séculos em 8 pontos estratégicos
Carlos Zundt
Tamara Gakiya Medvechikoff
André Santana Meireles
Francisco Gomes da Costa Neto

Catalog
2005
 
Circuito Turístico dos Fortes: Região Metropolitana da Baixada Santista.
Elcio Rogério Secomandi

Book
2005
 
Fortes e Fortificações do Litoral Santista
J. Muniz Jr.

Book
1982
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Annals
2010
 
Defesa do Porto de Santos. Fortins, Fortes, Fortalezas...preservar é preciso
Elcio Rogério Secomandi

Article
2010
 
Casa do Trem Bélico (1734): resgate das fortificações coloniais de defesa do Porto de Santos pelo aproveitamento turístico
Elcio Rogério Secomandi

Article
2010
 
A primeira e a última linhas de tiro do Brasil: as fortalezas de Santos
Sergio Willians

Article
2011
 
Armada no mar & Bandeiras na terra
Elcio Rogério Secomandi

Book
2013
 
Arqueologia das fortificações oitocentistas da Planície Costeira Cananéia/ Iguape, SP
Paulo Fernando Bava de Camargo

Dissertation
2002
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Printed Document
1838
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848
Manoel Felizardo de Souza e Mello

Printed Document
1848
 
Relatório do Ministro da Marinha, Alexandrino Faria de Alencar, referente ao ano de 1914
Alexandrino Faria de Alencar

Printed Document
1915
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1846
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Circuito Turístico dos Fortes
Website animado da Unisantos, mostrando o circuito turístico dos fortes da região metropolitana da Baixada Santista, no Estado de São Paulo. Colorido e bem estruturado, o website possui versões em português, inglês e espanhol e traz imagens e informações sobre os fortes de São João da Bertioga, São Luiz, Nossa Senhora do Montserrat, Augusto e dos Andradas, Fortaleza de Itapema, de Santo Amaro, de Itaipu e Casa do Trem Bélico.

http://www.unisantos.br/circuitofortes/
Forte Augusto
Website Novo Milênio, versando sobre o Forte Augusto, que se localizava na ponta da Praia, dominando a entrada do canal e a praia do Embaré, próximo ao atual Instituto de Pesca, ao Sul da cidade de Santos, no litoral do Estado de São Paulo.

http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0140.htm
Fortificações de São Paulo
Website Folha Online, versando sobre as seguintes fortificações: Fortaleza de Itaipú, Forte Augusto, Casa do Trem Bélico, Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande, Forte dos Andradas, Fortaleza de Itapema, Forte São Luiz e Forte São João. Apresenta informações referentes a localização e telefone para contato.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/turismo/noticias/ult338u5386.shtml
Novo Milênio: História e lendas de Santos
Site dedicado à transcrição do primeiro capítulo (A Vila de Santos) da obra Os Andradas, publicada em 1922 por Alberto Sousa (Typographia Piratininga, São Paulo/SP) - acervo do historiador Waldir Rueda. No site, além de uma minuciosa descrição de como surgiu e evoluiu a cidade santista, e seu estado atual, há um subtítulo dedicado ao estudo das fortificações construídas na Vila de Santos. O site Novo Milênio é mantido pelo jornalista Carlos Pimentel Mendes.

http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0300i.htm
Forte Augusto
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte Augusto, também conhecido como Forte da Estacada, Forte da Trincheira ou Forte do Castro, que localizava-se na Ponta da Praia, dominando a entrada do canal e a praia do Embaré, ao sul da cidade de Santos, no litoral do Estado de São Paulo, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_Augusto
Porto de Santos - Armada no mar & Bandeiras na terra
Website sobre as fortificações da Baixada Santista, no litoral do Estado de São Paulo.

http://www.secomandi.com.br
Fortes, Fortins e Fortalezas por Coronel Elcio Secomandi - www.secomandi.com.br
Página do website VIMEO reunindo vídeos produzidos pela jornalista Nívea Francisco e que abordam os trabalhos de educação patrimonial realizados pelo professor Élcio Rogério Secomandi tendo como tema as fortificações brasileiras, em especial aquelas localizadas na região da Baixada Santista, no litoral de São Paulo.

https://vimeo.com/album/3875130

 Print the Related links

Contribution

Updated at 24/02/2014 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Fort Augusto

  • Forte da Estacada, Forte da Trincheira, Forte do Castro

  • Fort

  • 1714 (AC)


  • John Massey


  • Portugal

  • 1940 (AC)

  • Missing




  • (13)3261-5260/(13)32615995


  • Disappeared

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: São Paulo
    City: Santos



  • Lat: 23 58' 34''S | Lon: 46 19' 12''W



  • De quarta-feira a domingo, inclusive feriados, o forte abre a visitação das 10h00 às 18h00.
    Como chegar:
    Saindo da Praça das Bandeiras (Gonzaga/Praia), siga pelas avenidas Presidente Wilson e Vicente de Carvalho até a Ponta da Praia, na Av. Bartolomeu de Gusmão.


  • Em Relatório à Coroa, acerca das fortificações da Capitania, datado de 30/jun/1770, o governador da Capitania de São Paulo, Capitão-general D. Luiz Antônio de Souza Botelho e Mourão - Morgado de Mateus, informou que esta praça estava artilhada com nove peças: três de calibre 8, cinco de 6 e uma de 4 libras de bala (GARRIDO, 1940:134).
    De acordo com o relatório do comandante Francisco Álvaro de Souza, em 1889 haviam 6 canhões na fortificação (MORI, 2003:157).

  • Era, inicialmente, constituído de uma estacada de madeira e terra apiloada, construído sobre alicerces de pedra de alvenaria mal argamassada.
    O projeto de Massé "possuía planta quadrangular com uma tenalha voltada para o Canal da Barra, e dois baluartes angulares no lado norte. Estava protegido por um fosso e uma linha externa de estacada" (MORI, 2003:143).





Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort Augusto