Castle of Terena

Alandroal, Évora - Portugal

O “Castelo de Terena” localiza-se na freguesia de Terena (São Pedro), concelho de Alandroal, distrito de Évora, em Portugal.

Em posição dominante no alto de um monte, integrou a linha de defesa do rio Guadiana, juntamente com os castelos de Juromenha, Alandroal, Monsaraz e Mourão.

História

Antecedentes

Embora a primitiva ocupação humana da região remonte à pré-história, não há informações acerca do primitivo povoamento de Terena.

O castelo medieval

A informação documental mais antiga sobre o castelo data do reinado de Afonso III de Portugal (1248-1279), quando o cavaleiro-régio Gil Martins e sua esposa, D. Maria João, lhe passaram foral (1262).

Embora se desconheça a data precisa da edificação do castelo, existem duas hipóteses para a sua origem:

- uma defende que remonta à Baixa Idade Média, concretamente ao século XIII, altura em que o Alto Guadiana era território de fronteira, e dado o interesse manifestado por Dinis I de Portugal (1279-1325) na consolidação desta linha lindeira, em natural articulação com os castelos de Elvas, Juromenha e Alandroal.

- outra situa a sua edificação apenas no século XV, por iniciativa de João I de Portugal (1385-1433), tendo como fundamento a doação da vila à Ordem de São Bento de Avis.

Entretanto, embora este segundo momento possa ter representado uma renovação de uma estrutura anterior, não é suficiente para que se atribua ao século XV a totalidade do monumento. De fato, sob o reinado de Fernando I de Portugal (1367-1387) encontram-se referidos o castelo e a sua barbacã (1380), o que denota que os trabalhos de fortificação encontravam-se então em progresso.

João I de Portugal (1385-1433) fez a doação dos domínios da vila à Ordem de Avis, o que alguns autores, portanto, compreendem como um indicativo de obras de recuperação e modernização da sua defesa.

João II de Portugal (1481-1495) nomeou como Alcaide-mor da vila a Nuno Martins da Silveira (1482), nome associado a obras de reconstrução no castelo. Essa ampla campanha de obras prosseguiu nas primeiras décadas do século XVI, sob o reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521). Dela temos representação iconográfica, por Duarte de Armas no “Livro das Fortalezas” (c. 1509), onde observamos que a entrada se fazia através da torre de menagem, por porta rasgada no seu embasamento e ladeada por dois cubelos adossados à torre. O soberano outorgou o “Foral Novo” à vila (1512) e, por volta de 1514 teve lugar a remodelação da torre de menagem, por Francisco de Arruda, alterando-se o sistema de acesso pela construção de uma barbacã, pela qual se fazia a entrada - obrigando a um percurso em cotovelo e ao desalinhamento da entrada do arruamento direto que atravessava a vila.

Da Guerra da Restauração aos nossos dias

No contexto da Guerra da Restauração da independência portuguesa (1640-1668), a posição defensiva do castelo foi preterida em detrimento da fortificação da Praça-forte de Elvas, que concentrou os esforços dos arquitetos militares. Por essa razão não conheceu grandes obras de modernização no período, mas tão somente de reforço, como o demonstra a construção da “Porta das Sortidas”, voltada para a Espanha, defendida por dois cubelos. Terena e o seu castelo foram ocupados e saqueados em 1652 por tropas sob o comando de Francisco de Tuttavila y del Tufo, duque de San Germán, Governador das Armas da Estremadura Espanhola.

No século XVIII, sofreu extensos danos causados pelo terramoto de 1755.

O castelo encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo Decreto n.º 35.443, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 1, de janeiro de 1946.

A Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) a partir de 1937 encetou campanhas de obras de consolidação e restauro, que incluíram a reconstrução de um pano de muralha e a reinvenção de ameias. Uma nova campanha foi empreendida na década de 1980 destacando-se trabalhos na torre de menagem, entre os quais se destacam a reconstrução de abóbadas. Alguns críticos observam que nestas campanhas foram adulterados elementos arquitetónicos originais, vindo assim a descaracterizar o monumento.

O imóvel foi afeto à Junta de Freguesia de Terena por auto de cessão datado de 13 de janeiro de 1979, passando a estar afeto ao Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR) pelo Decreto-lei n.º 106F/92, publicado no Diário da República, 1.ª série A, n.º 126, de 1 de junho.

A partir do ano 2000 as dependências do castelo foram utilizadas como cenário para o encontro anual da Inter-Medieval, uma associação internacional de sociedades de recriação histórica medieval fundada naquele ano por iniciativa Ordem da Cavalaria do Sagrado Portugal. Um dos pontos altos desses encontros é a recriação de um torneio medieval.

O imóvel encontra-se afeto à DRCAlentejo, pela Portaria n.º 829/2009, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 163 de 24 de agosto.

Características

Exemplar de arquitetura militar, manuelina, com intervenções seiscentistas, de enquadramento rural, implantado num esporão pronunciado, sobranceiro à vila, que domina num dos extremos a ribeira e albufeira do Lucefece e toda a paisagem envolvente.

O castelo apresenta planta pentagonal irregular, com as muralhas flanqueadas por quatro torres semicirculares e três em vértices. A torre de menagem apresenta planta quadrangular, dividida internamente em dois pisos, com amplos compartimentos abobadados iluminados por seteiras cruciformes. A barbacã, a proteger a "Porta da Vila", apresenta planta retangular, com porta em arco de volta perfeita, ameiada e com adarve. Em lado oposto ao portão principal, a leste, rasga-se na muralha a "Porta do Campo", também denominada como "Porta do Sol". Entaipada durante a campanha de obras promovida no final do século XVII, apresenta ainda a primitiva estrutura dionisiana, em arco apontado ao estilo gótico, ladeada por dois torreões de planta circular.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 12/06/2016 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Castle of Terena


  • Castle





  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    O castelo encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo Decreto n.º 35.443, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 1, de janeiro de 1946.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Évora
    City: Alandroal



  • Lat: 38 -38' 43''N | Lon: 7 24' 26''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Terena