Fort of São Sebastião da Arruda

Arruda dos Vinhos, Lisboa - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (3)

Images (3)

O "Forte de São Sebastião da Arruda” ("Obra Militar n.º 9") localiza-se na freguesia e concelho de Arruda dos Vinhos, distrito de Lisboa, em Portugal. Por se situar no Casal do Cego, local onde habitou a famosa Bruxa de Arruda, ficou conhecido como “Forte do Casal do Cego” e “Forte do Cego”, designação pelo qual é hoje conhecido. Também é referido como "Forte da Infesta". (Ficha A-16, Anexo II - Fichas de servidões e restrições de utilidade pública, Regulamento do Plano Diretor Municipal de Arruda dos Vinhos. Resolução do Conselho de Ministros nº 14/97 de 28-01-1997)

Situa-se à direita do desfiladeiro de Matos e tinha a função de proteger o vale de Arruda. Cooperava com o Forte da Carvalha (Obra Militar n.º 10), permitindo o fogo cruzado sobre o inimigo em caso de tentativa de transposição.

História

No contexto da Guerra Peninsular (1808-1814) foi erguido de 1809 a 1810 inserido na 1.ª Linha do sistema defensivo das Linhas de Torres Vedras.

Em 1810 o Major Brandão de Sousa deu a designação de “São Sebastião” a esta obra militar.

Em 1814 conservava 3 peças do calibre 9 e 1 do calibre 12.

Em 1829 o capitão britânico John Thomas Jones, do Corps of Royal Engineers, recordou que, à época do conflito, a guarnição deste forte era de 280 homens e, a sua artilharia, 3 peças do calibre 9.

Findo o conflito, o conjunto caiu em abandono até aos nossos dias, quando o património das Linhas de Torres voltou a ser revalorizado.

Em junho de 1980, R. W. Bremner visitou o forte que se encontrava em razoável estado de conservação e apresentava uma grande extensão de alvenaria.

Com a autorização do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) e recursos oriundos dos Mecanismos Financeiros do Espaço Económico Europeu e da Noruega (EEA Grants e Norway Grants), as obras para a sua recuperação tiveram início em 2010 por iniciativa do Município de Arruda dos Vinhos, a cargo da empresa Arqueohoje – Conservação e Restauro do Património Monumental, Lda., com o apoio e a participação do Exército Português, através da Direcção de Infraestruturas do Exército, que disponibilizou 8 militares e máquinas para o desenvolvimento dos trabalhos.

Foi declarado em Vias de Classificação, incluído no processo da “1.ª e 2.ª Linhas de Defesa a Norte de Lisboa durante a Guerra Peninsular, também conhecidas como Linhas de Torres, nos concelhos de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira, no distrito de Lisboa” (128 obras militares), pelo anúncio n.º 12/2013, publicado no Diário da República, 2.ª Série, n.º 9, de 14 de janeiro.

O conjunto das fortificações das Linhas de Torres Vedras foi declarado património nacional pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no dia 1 de março de 2018, sendo classificado como Monumento Nacional em 21 de março de 2019.

A fortificação é visitável, estando integrada no “Circuito Arruda dos Vinhos na Rota Histórica das Linhas de Torres”, composto pelo “Centro de Interpretação das Linhas de Torres”, o “Forte do Cego” (Obra Militar n.º 9) e o “Forte da Carvalha” (Obra Militar n.º 10), e o percurso da “Rota Histórica das Linhas de Torres - Grandes Desfiladeiros”. Os circuitos dispõem de sinalética, estacionamentos e zonas de lazer.

Características

Exemplar de arquitetura militar oitocentista, de enquadramento rural, isolado, na cota de 353 metros acima do nível do mar. De seus muros descortina-se todo o vale de Arruda.

Apresenta formato de um eneágono irregular estrelado, em cujos muros se rasgavam 7 canhoneiras, originalmente com 3 peças do calibre 9. As canhoneiras possuíam piso lajeado, sendo o terreno previamente preparado com enchimento de pedras ligado com argamassa. Em seu terrapleno erguia-se o paiol e través construído em terra, que servia de proteção contra o fogo inimigo. Este forte possuía ainda um sistema de drenagem composto por uma conduta de escoamento de águas pluviais, de modo a evitar acumulação de água no seu interior.



 

  • Fort of São Sebastião da Arruda

  • Forte do Casal do Cego, Forte do Cego, Obra Militar n.º 9, Forte da Infesta

  • Fort

  • 1809 (AC)

  • 1810 (AC)


  • Maria I of Portugal

  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    O conjunto das fortificações das Linhas de Torres Vedras foi declarado património nacional pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no dia 1 de março de 2018, sendo classificado como Monumento Nacional em 21 de março de 2019.



  • +351 263 977 035

  • servicoeducativo@cm-arruda.pt

  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Lisboa
    City: Arruda dos Vinhos



  • Lat: 38 -59' 51''N | Lon: 9 5' 10''W




  • 1809-1810: 3 peças do calibre 9.


  • 2010: Intervenção de conservação e restauro por iniciativa da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos.

  • Fortificação das Linhas de Torres Vedras



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort of São Sebastião da Arruda