Castle of Marialva

Mêda, Guarda - Portugal

O “Castelo de Marialva” localiza-se na freguesia de Marialva, concelho de Mêda, distrito da Guarda, em Portugal.

Apesar de hoje praticamente abandonada, a vila de Marialva conheceu um período de franco apogeu nos séculos XII e XIII. Situada na linha de fronteira anterior ao Tratado de Alcanizes (1297), a povoação constitui uma das mais singulares ruínas de estruturas militares medievais portuguesas, mantendo a sua fisionomia praticamente intacta, quer na fortificação, quer na povoação que se desenvolveu em seu redor.

Embora não se possa afirmar com segurança qual a origem do topónimo “Marialva”, crê-se que terá sido atribuído por Fernando I de Leão (1037-1065) como tributo à Virgem Maria (“Maria Alba”) visto o culto Mariano ser uma prática comum durante os séculos XI e XII.

História

Antecedentes

Acredita-se que a primitiva ocupação humana de seu sítio remonte à Idade do Ferro, a um castro dos Aravaros, uma das várias tribos dos Lusitanos.

À época da Romanização, entre os séculos II e IV, sob os reinados dos imperadores Adriano e Trajano, teve lugar a reconstrução da “Civitas Aravorum”. Dominando a antiga estrada romana que ligava Celorico da Beira ao Douro, a urbe espraiava-se das faldas da elevação até à planície circundante, conforme os testemunhos arqueológicos e a documentação epigráfica trazida à luz do subsolo da Devesa.

Entre os séculos IV e V foi erguida uma fortificação no local do primitivo castro.

Ocupada sucessivamente por visigodos (que a denominaram como “Castro de São Justo”), e por muçulmanos, a povoação entrou em decadência nos séculos seguintes.

Em 998 da Era Hispânica (960 da Era Cristã), Chamoa Rodrigues, achando-se gravemente enferma, fez-se conduzir ao Mosteiro de Guimarães, instituindo como testamenteira a sua tia Mumadona, com o encargo de dispor de seus bens para fins de beneficência. Entre eles, incluía-se uma série de castelos, entre os quais este, de Marialva. (“Portugalia Monumenta Henricina”, “Diplomata et Chartae”, 81, Lisboa, 1867.)

Foi conquistado em 997 pelas forças de Almançor (938-1002), para ser reconquistado pelas forças de Fernando I de Leão (1037-1065) em 1063.

O castelo medieval

Afonso I de Portugal (1143-1185) encontrou a povoação abandonada. Para incentivar o seu repovoamento e defesa, outorgou-lhe carta de foral, garantindo privilégios não só aqueles que por iniciativa régia ali se estabeleceram na ocasião, mas a todos os que assim o fizessem no futuro. Embora esse documento não apresente data, acredita-se que seja posterior a 1158, admitindo-se a data de 1179. Acredita-se que a primitiva feição de seu castelo remonte a esta fase, a partir da observação das características construtivas do aparelho da muralha e de uma das torres.

Na transição para o século XIII, Sancho I de Portugal (1185-1211) prosseguiu os trabalhos de fortificação, ampliando-lhe os muros que passaram a envolver a vila. O seu filho e sucessor, Afonso II de Portugal (1211-1223), confirmou o foral à vila (novembro de 1217).

Dinis I de Portugal (1279-1325) instituiu uma feira mensal de três dias (1286), oferecendo privilégios a quem aqui praticasse o comércio, visando incentivar o povoamento da vila. À época ela já se espalhava extramuros, na direção norte. Em 1296 as suas forças partiram de Castelo Rodrigo à invasão de Castela, reivindicando as terras além do Côa, que efetivamente viriam a ser incorporadas a Portugal pelo Tratado de Alcanizes (1297). Nesse contexto, à semelhança de outros na região, o monarca determinou a reconstrução do castelo e da cerca da vila.

Quando da crise de sucessão de 1383-1385, Marialva e seu castelo tomaram o partido do Mestre de Avis, futuro João I de Portugal (1385-1433). No reinado deste soberano, o “Rol dos Besteiros do Conto” (1422), refere a existência de 2982 habitantes no termo da vila.

O regente Pedro de Portugal, 1.º duque de Coimbra (1439-1446), elevou os domínios da vila a condado tendo D. Vasco Fernandes Coutinho recebido o título de conde de Marialva (1440).

Sob o reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521) a “Inquirição” de 1496 aponta 276 habitantes no termo da vila, que recebeu do soberano o “Foral Novo” (14 de setembro de 1512 cf. Junta de Freguesia; 15 de dezembro de 1512 cf. SIPA). D. Manuel mandou fazer obras na fortificação, o mesmo o tendo feito o seu filho, o Infante D. Fernando, 1.º duque da Guarda e 1.º Senhor de Trancoso (irmão de João III de Portugal (1521-1557), marido de D. Guiomar Coutinho, filha do último conde de Marialva), concluídas sob a regência de D. Catarina d'Áustria (1557-1562), conforme testemunha a data de 1559, inscrita na muralha.

O “Numeramento” de 1527 refere a existência de 548 habitantes no termo da vila.

Da Guerra da Restauração aos nossos dias

À época da Guerra da Restauração da independência portuguesa (1640-1668) as defesas da vila conheceram obras de modernização e reforço, nomeadamente a construção de um baluarte adossado aos muros. Nesse período, Afonso VI de Portugal (1656-1667) elevou a vila à condição de marquesado (1663), cujo título foi concedido a António Luís de Meneses, nomeado conde de Cantanhede em reconhecimento pelos serviços prestados no conflito, nomeadamente em Elvas.

Após o terramoto de 1 de novembro de 1755, as "Memórias Paroquiais” (1758), sobre as defesas da vila informam:

Tem uma cinta de muralha antiga de pedra grande de cantaria, de largura de oito palmos e de altura em partes de trinta, pelo cimo com suas ameias, e por dentro à roda com muitas escadas de pedra do mesmo muro para se subir a ele, e tem tres torres que conservam os nomes, huã do Relogio outra da Relação e outra dos Namorados. No meio do terraplano em cima de um penhasco está o castelo, tambem com sua muralha À roda (...) Porem uma contra muralha se acha em varias partes arruinada, e com suas aberturas, e dentro da principal está a Paroquia da freguesia, Casa da Câmara, Cadeia e Pelourinho, e moram ainda oito vizinhos, porque os mais se tem extinguido (...)." (Op. cit.)

No mesmo ano (1758) a tentativa de regicídio contra José I de Portugal (1750-1777) causou profundas repercussões na vila, justamente por ser seu alcaide à época, o marquês de Távora, um dos principais implicados no atentado. A partir do sentenciamento da família em Lisboa (1759), a população da vila passou a abandoná-la, resumindo-se os seus moradores à área extramuros dos arrabaldes a oeste e da Devesa, no sopé da encosta a sul hoje o local mais desenvolvido de Marialva.

O estatuto concelhio foi extinto em 24 de outubro de 1855, sendo a vila integrada no município de Vila Nova de Foz Côa e, a partir de 1872 no município de Mêda.

A Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) iniciou trabalhos de intervenção e restauro no conjunto do castelo que se estenderam de 1942 a 1945. Uma nova campanha desenvolveu-se entre 1973-1974 e 1976, quando foram levados a cabo trabalhos de prospecção geral ao perímetro muralhado.

O conjunto do “Castelo de Marialva / Castelo e cerca urbana de Marialva” encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo do Decreto n.º 95/78, publicado no Diário da República, I Série, n.º 210, de 12 de setembro.

A formalização de um protocolo entre o Instituto Português do Património Cultural (IPPC) e a Câmara Municipal de Meda (1986), possibilitou a realização de obras de recuperação e beneficiação no conjunto monumental.

Nova campanha de intervenção e restauro no conjunto teve lugar em 1986-1987, nomeadamente na Capela do Senhor dos Passos, a que se seguiram, em 1990, obras de recuperação no castelo no âmbito de projeto de renovação da área intra-muros elaborado pelo gabinete técnico local, através de protocolo entre o IPPC e a Câmara Municipal da Meda.

Parte da muralha que envolvia a torre de menagem ruiu devido às fortes chuvas registadas em 27 de janeiro de 2001. Outra parte das muralhas ruiu em 2006.

O imóvel foi afeto à Direção Regional da Cultura do Centro pela Portaria n.º 1130/2007, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 245, de 20 de dezembro, atualizado pela Portaria n.º 829/2009, publicada no Diário da República, 2.ª série, n.º 163, de 24 de agosto.

Características

Exemplar de arquitetura militar, românica e gótica, de enquadramento urbano, isolado e destacado, implantado em zona de topografia acidentada, num cabeço na cota de cerca de 595 metros acima do nível do mar, sobranceiro à ribeira de Massueime e à ribeira da Teja e ao núcleo populacional da Devesa na zona baixa, com acesso através do núcleo populacional extramuros. Para leste avista-se um vasto planalto até ao rio Côa.

O conjunto foi estruturado em função do dispositivo militar, compreendendo dois núcleos amuralhados:

− a cidadela, polo militar situado na cota mais elevada do terreno; e

− a vila, no qual se identificam dois polos distintos: o administrativo, que compreende o pelourinho e a antiga Casa da Câmara, o Tribunal e a Cadeia; e o religioso, integrado por duas igrejas e um cemitério.

A cidadela é definida por uma cerca em alvenaria de granito, com planta orgânica (adaptada ao terreno em que se inscreve). É dominada pela Torre de Menagem, com planta em formato trapezoidal, coroada por ameias. A cidadela possui cisterna em alvenaria de tijolo forrado de argamassa, que remonta ao século XVI e se encontra atualmente em ruínas. A cidadela comunica-se com a vila por duas portas:

Porta da Cidadela, orientada a sul, em arco quebrado; e o

Postigo, orientado a leste, de lintel reto.

A vila estava envolvida por uma ampla cerca em alvenaria de granito, de planta aproximadamente oval, orgânica (adaptada à conformação do terreno), desprovida de merlões, da qual subsiste todo o perímetro, ainda que desmoronado em alguns troços nos lados norte e sul. É rasgada por quatro portas:

Porta do Anjo da Guarda, orientada a sudeste (comunicando com a malha urbana extramuros), em arco quebrado, coberta com abóbada de berço quebrado e encimada no exterior por nicho, observando-se ainda as medidas - padrão da vara, côvado e palmo;

Porta do Monte ou Porta da Forca, orientada a norte (comunicando com a zona mais elevada), em arco quebrado pelo interior e arco-pleno pelo exterior, coberta por abóbada de berço quebrado;

Porta de Santa Maria, orientada a leste (comunicando com a Devesa), em arco-pleno coberta por abóbada de berço e encimada por nicho no lado exterior;

Postigo, orientado a sul, em arco pleno, coberto por abóbada de berço.

No século XIV a muralha foi reforçada por três torres de planta quadrangular, no lado noroeste, o mais exposto:

Torre do Relógio, situada a oeste, apresenta planta retangular, com o 1.º registo cego, o 2.º registo com porta de lintel reto entaipada a sul, porta de lintel reto biselado a norte e janela idêntica a oeste, o 3.º registo cego e remate com ameias pentagonais.

Torre do Monte ou dos Namorados, situada a norte, de planta quadrada, com o coroamento e o cunhal sul desmoronado, conservando algumas ameias pentagonais;

Torre da Relação, situada a norte, de planta quadrada, parcialmente desmoronada. Integra um poço - cisterna, de planta circular, assente em quatro degraus octogonais e com cortina formada por duas peças de seção octogonal.

Em alguns trechos da muralha ainda são visíveis os adarves e as suas escadarias de acesso.

A área urbana encontra-se arruinada, mas nela destacam-se:

− A antiga Casa da Câmara, Tribunal e Cadeia - possivelmente remontando ao século XVII terá ainda funcionado como escola nos séculos XIX e XX. Apresenta planta retangular irregular e dois pavimentos, com dois compartimentos interiores cada. Na fachada principal surge o corpo da sineta e uma escada de acesso ao segundo piso. Possui ainda um escudo com as Armas de Portugal.

− O poço-cisterna

− O Pelourinho - possivelmente do século XVI com características manuelinas, ergue-se num plano ligeiramente inclinado e está assente em quatro degraus de forma octogonal. A coluna é de fuste liso e rematada por um capitel em forma de pirâmide invertida, também de secção octogonal. O conjunto é coroado com outra pirâmide octogonal com uma esfera esguia no topo e que é separada da pirâmide inferior por uma pequena coluna central fina e apoios de ferro (estes colocados pela DGEMN para reforço).

Os dois templos estão assentes numa plataforma horizontal:

Igreja da Misericórdia ou Capela do Senhor dos Passos - possivelmente do século XVII em estilo maneirista de inspiração clássica. Apresenta planta retangular simples e um portal de linhas retas na fachada principal, rematado por um frontão em que se insere um nicho com abóbada de concha e volutas laterais. No interior encontra-se um retábulo em talha dourada e policromada que deverá ter sido introduzido no século XVIII.

Igreja de Santiago - edificada em 1585, apresenta características manuelinas e barrocas, constituída por uma nave retangular única de cobertura em abóbada de berço, uma capela-mor totalmente revestida a talha sem pintura e sacristia anexa. A fachada principal é composta por um portal em arco pleno com remate de linhas entrelaçadas e com moldura em conjunto de duas arquivoltas que se prolongam para as laterais da entrada em dois colunelos.

No conjunto encontra-se ainda um cemitério, estrutura mais recente, do século XIX e, fora de portas, duas cisternas.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 21/09/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Castle of Marialva


  • Castle





  • Portugal


  • Conserved Ruins

  • National Protection
    O conjunto do “Castelo de Marialva / Castelo e cerca urbana de Marialva” encontra-se classificado como Monumento Nacional pelo do Decreto n.º 95/78, publicado no Diário da República, I Série, n.º 210, de 12 de setembro.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Guarda
    City: Mêda



  • Lat: 40 -55' 12''N | Lon: 7 13' 56''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Marialva