Forte de São Cristóvão

Aracaju, Sergipe - Brazil

O Forte de São Cristóvão localizava-se na margem direita da foz do rio Irapiranga (atual rio Sergipe), no litoral do Estado de Sergipe.

SOUZA (1885) refere que nenhuma obra de defesa existia na Província de Sergipe à época (1885), nem mesmo as ruínas de um forte erguido ao norte do rio Real em 1589, a fim de defender a nascente povoação de São Cristóvão, assim denominada em homenagem a D. Cristóvão de Moura, vice-Rei de Portugal durante a União Ibérica (1580-1640) sob o reinado de D. Filipe I (1580-98) (Op. cit., p. 90; GARRIDO, 1940:83).

O Governador Geral (interino) Cristóvão Cardoso de Barros (1587-91) organiza, em fins de 1589, uma expedição para a colonização do Serygipe, coibindo a presença francesa aliada aos indígenas naquele litoral (BARRETTO, 1958:164). Desse modo, no início do ano seguinte (jan/1590), derrota às margens do rio Irapiranga (atual rio Sergipe) as forças dos índios Caeté sob o comando do cacique Boipeba, capturando cerca de 4.000 indígenas. Funda em seguida, à margem direita do rio, a povoação de São Cristóvão, iniciando, para a sua defesa, um forte sob a invocação do mesmo santo (Forte de São Cristóvão). Simples paliçada em faxina e terra, BARRETO (1958) dá-a como artilhada na ocasião com seis peças (Op. cit., p. 164) de pequeno calibre.

Por razões de segurança a cidadela será transferida poco depois para um ponto elevado entre o rio Poxim e o litoral, e finalmente, em 1607, para o seu local atual, quatro léguas adentro da enseada do rio Vaza-Barris. Cristóvão de Barros determina a construção de um presídio e de um armazém bélico, que deixa a cargo do capitão Rodrigo Martins, antes de retornar para os seus domínios na Bahia, ao sul do rio Real.

No contexto da Guerra Holandesa (1630-54), a Capitania do "Serygipe del Rey" é invadida e saqueada por tropas holandesas, sob o comando do Conde Johan Maurits van Nassau-Siegen (1604-79), que atravessam o rio São Francisco em perseguição das tropas de Giovanni de Sanfelice, Conde de Bagnuolo (nov/1637). A cidade de São Cristóvão será saqueada e incendiada por Sigismund van Schkoppe (BARLÉU, 1974:65), tendo sido arrebanhadas milhares de cabeças de gado para abastecimento dos invasores. Como as fontes holandesas consultadas não mencionam esta fortificação, é lícito acreditar que a mesma, à época, não mais existisse, ou não tivesse oferecido resistência significativa.

Quando da Restauração portuguesa (1640), Nassau "(...) determinou dilatar o território da Companhia [das Índias Ocidentais], anexando-lhe primeiramente o Sergipe del Rei, região antes deserta e do primeiro ocupante. Com esse fim, partiu para alí com tropas André, governador do forte Maurício no Rio de São Francisco. Tendo munido prévia e providamente a sua fortaleza, , invadiu aquela capitania, cingiu com trincheira uma igreja alí existente, construiu um arsenal e fortificou a vilazinha contra os assaltos do inimigo.

A causa desta expedição foi porque, situada essa região entre a capitania da Bahia e as terras do domínio holandês, era vantajosa para a defesa das nossas fronteiras, abundava de gado e dava mais de uma esperança de minas." (BARLÉU, 1974:211)

A capitania será reconquistada por forças portuguesas em 22/set/1645.

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

Forte de São Cristóvão
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de São Cristóvão, que localizava-se na margem direita da foz do rio Irapiranga (atual rio Sergipe), no litoral do Estado de Sergipe, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_S%C3%A3o_Crist%C3%B3v%C3%A3o

 Print the Related links

Contribution

Updated at 04/12/2008 by the tutor Roberto Tonera.

With the contribution of contents by: Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Forte de São Cristóvão


  • Fort

  • 1590 (AC)




  • Portugal

  • 1637 (AC)

  • Missing






  • Disappeared

  • 0,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Sergipe
    City: Aracaju

    Localizado na margem direita da foz do Rio Irapiranga (atual Rio Sergipe), no litoral do Estado de Sergipe


  • Lat: 0 -0' 0'' | Lon: 0 -0' 0''




  • BARRETO (1958) dá-a como artilhada na ocasião com seis peças (Op. cit., p. 164) de pequeno calibre.

  • Constituía-se em simples paliçada em faxina e terra.





Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Forte de São Cristóvão