Fortificações de Monsaraz

Reguengos de Monsaraz, Évora - Portugal

As “Fortificações de Monsaraz” localizam-se na freguesia de Monsaraz, concelho de Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, em Portugal.

Vizinhas ao rio Guadiana e ao moderno espelho d'água da Barragem de Alqueva, erguem-se sobre o monte Monsaraz, dominando a vila medieval e a fronteira com a Espanha. A sua arquitetura militar mescla elementos medievais e seiscentistas.

História

Antecedentes

Em uma região eivada de monumentos megalíticos, acredita-se que a primitiva ocupação humana deste local remonte a um castro pré-histórico, sucessivamente ocupado por Romanos, Visigodos e Muçulmanos, que obtinham a sua subsistência das atividades ligadas à economia agro-pastoril. O topónimo está ligado a este último domínio, uma vez que, em português, a palavra “xarez” (ou “xerez”) deriva do árabe “saris” (ou “sharish”), designando a vegetação de estevas (xaras), então abundante às margens do Guadiana. O topónimo Monsaraz, desse modo, evoluiu de monte Xarez (ou Xaraz).

O castelo medieval

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, a povoação foi inicialmente conquistada pelas forças sob o comando de Geraldo Sem Pavor (1167). Após a derrota de Afonso I de Portugal (1145-1185) em Badajoz (1169) foi recuperada pelos Almóadas sob o comando de Abu Iúçufe Iacube Almançor (1173), para ser definitivamente conquistada por Sancho II de Portugal (1223-1248), com o auxílio da Ordem do Templo, em 1232, à qual fez a doação destes domínios. Desta época ficou-nos a memória do cavaleiro templário Gomes Martins Silvestre, povoador de Monsaraz, cujo túmulo se encontra atualmente na Igreja Matriz de Santa Maria da Lagoa.

Afonso III de Portugal (1248-1279), visando incrementar o seu povoamento e defesa, concedeu-lhe carta de foral em 1276, delimitando-lhe os limites concelhios. Neste período, a ação de povoamento de Monsaraz está ligada à figura do cavaleiro Martim Anes Zagallo, que se acredita tenha exercido a função de alcaide da povoação e seu castelo, tendo iniciado as obras da nova alcáçova, época em que foram iniciadas ainda a primitiva Igreja Matriz de Santa Maria da Lagoa e o tribunal gótico, cujo interior alberga o fresco de “O Bom e o Mau Juiz”.

Com a extinção da Ordem em Portugal, tendo o seu património passado para a Ordem de Cristo (1319), Monsaraz foi erigida em Comenda da nova Ordem, na dependência de Castro Marim. Foi nesta fase, sob o reinado de Dinis I de Portugal (1279-1325), que se iniciou reconstrução da torre de menagem (1310) e a ampliação da cerca da vila, estruturas que, com alterações, chegaram aos nossos dias.

No contexto da Crise de Sucessão de 1383-1385, o alcaide do castelo, Gonçalo Rodrigues de Sousa, tomou o partido de D. Beatriz de Portugal. Em 1385, em mãos castelhanas, o castelo viria a ser conquistado pelas forças portuguesas sob o comando do Condestável D. Nuno Álvares Pereira, antes da batalha de Aljubarrota (14 de agosto). De acordo com a tradição local, tendo as forças do Condestável imposto cerco ao castelo, passados alguns dias e suspeitando o Condestável que os defensores estariam com falta de mantimentos, urdiu uma estratégia: fez soltar seis vacas no exterior da praça, dispondo os seus homens, ocultos, próximo ao portão. Quando os sitiados saíram a capturar as reses, os homens do Condestável penetraram na cerca da vila, cerrando as portas e progredindo em direção ao castelo, que conquistaram.

Na sequência da reconquista João I de Portugal (1385-1433) fez doação da localidade ao Condestável. Em 1422, por doação do Condestável ao seu neto D. Fernando, futuro 2.º duque de Bragança, Monsaraz passou a integrar os domínios da Casa de Bragança.

Sob o reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521), a povoação e seu castelo encontram-se figurados por Duarte de Armas no seu “Livro das Fortalezas” (c. 1509). Em 1512, o soberano outorgou o “Foral Novo” à vila.

Da Guerra da Restauração aos nossos dias

No contexto da Guerra da Restauração da independência portuguesa (1640-1668), devido à proximidade com o rio Guadiana e a fronteira espanhola, o Conselho de Guerra de João IV de Portugal (1640-1656) determinou a modernização das suas defesas, envolvendo a vila com uma fortificação de traços abaluartados ao estilo Vauban, com projeto dos engenheiros militares franceses Nicolau de Langres e Jean Gillot: o Forte de São Bento de Monsaraz (1644).

No século XIX, perdida a importância económica e estratégica, a sede do Concelho passou para a vila de Reguengos de Monsaraz, na planície (1840). A partir de então, a fortificação ficou votada ao abandono, o que causou a ruína de diversos de seus elementos.

O “Prédio Militar n.º 1 denominado Fortificação da Praça de Monsaraz” encontra-se classificado pelo Decreto n.º 35.443, publicado pelo Diário do Governo, I Série, n.º 1, de 2 de janeiro de 1946. A ZEP/Zona "non aedificandi" encontram-se definidas por Portaria de 10 de maio de 1951, publicada no Diário do Governo, II Série, n.º 187, de 14 de agosto. Posteriormente, o Decreto n.º 516/71, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 274, de 22 de novembro, amplia a anterior classificação a “Fortificações e todo o conjunto intramuros da vila de Monsaraz”.

O conjunto encontra-se afecto à DRC Alentejo pela Portaria n.º 829/2009, publicada no Diário da República, 2.ª Série, n.º 163, de 24 de agosto.

A 5 de março de 2011 teve lugar a apresentação pública do projeto de obras de requalificação da Torre do Relógio, promovido pela autarquia, candidatado ao programa Eixo 2 - Desenvolvimento Urbano - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação.

O antigo castelo conserva intacta a sua torre de menagem. Dentro do amuramento medieval destacam-se a casa gótica da Rua Direita, a cisterna, o pelourinho e os Paços do Concelho.

Características

Exemplar de arquitetura militar, gótico e seiscentista, de enquadramento urbano, no cume de um cabeço rochoso, entre as cotas de 275 e 325 metros acima do nível do mar.

O conjunto apresenta planta oval irregular alongada, orientada segundo um eixo longitudinal nordeste-sudoeste, constituída pela articulação horizontal do castelo de planta pentagonal, implantado no topo sudoeste, com cerca urbana amuralhada e sistema fortificado de reforço adossado ao paramento sudeste da cerca.

A Torre de Menagem, em cantaria de granito, conserva abóbadas ogivais nos seus dois andares: o térreo, antigo cárcere e depois armazém de armas; o cimeiro, sala nobre da alcaidaria com larga porta gótica e janela já assinalada no desenho quinhentista de Duarte de Armas.

A cerca corre em linha de nível de cota estável, apenas com dois cubelos circulares nos vastos paramentos noroeste e sudeste, rasgada por quatro portas em cantaria de granito:

- a Porta da Vila, em arco ogival, flanqueada por dois cubelos semi-cilíndricos, o oeste conhecido com “Torre do Relógio”, comunica a Rua Direita com os arrabaldes. A Torre do Relógio possui em seu interior um teto nervurado e, na cúpula piramidal que a recobre, um sino fundido por Diogo de Aballe e Domingos de Lastra, com data de 2 de maio de 1692. Sobre o arco ogival desta porta, uma lápide de mármore comemora a consagração do reino de Portugal à Imaculada Conceição à época da Guerra da Restauração da Independência, e, no dorso da ombreira, vislumbram-se a vara e o côvado, medidas usadas à época medieval.

- a Porta de Évora, a norte, em arco ogival;

- a Porta da Cisterna ou Porta do Buraco, a sudoeste, em arco pleno, como o nome indica, com a função de defesa da cisterna;

- a Porta da Alcoba, a sul, em arco pleno.

Toda a cerca assenta no uso mesclado do xisto, abundante na região, granito, argamassa de barro vermelho e cal.

Embora a planta do Forte de São Bento tivesse sido desenhada em forma estrelada, a morfologia do terreno onde se implanta levou a algumas alterações da sua planimetria. O forte apresentava revelim de três baluartes, parapeito e uma cortina que se estendia em torno da vila. Estava integrada no pano de muralhas a Ermida de São Bento de Monsaraz.

Curiosidades

Uma chave do castelo, oferecida pela Junta de Freguesia de Monsaraz a Mário Soares (1924-2017) quando de sua visita durante a Presidência Aberta em Beja, entre 26 de outubro e 7 de novembro de 1987, encontra-se no acervo da Fundação Mário Soares.

A Torre do Relógio serviu de cenário para o romance histórico "As Horas de Monsaraz", de Sérgio Luís de Carvalho (Campo das Letras, 1997).



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related links 

Castelo de Monsaraz
Artigo de Apoio na Infopédia, da Porto Editora, sobre a fortificação.

https://www.infopedia.pt/$castelo-de-monsaraz

 Print the Related links

Contribution

Updated at 21/09/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Fortificações de Monsaraz

  • Castelo de Monsaraz, Forte de São Bento de Monsaraz

  • Fortifications Group



  • Nicolau de Langres
    Jean Gillot


  • Portugal


  • Featureless and Well Conserved

  • National Protection
    O “Prédio Militar n.º 1 denominado Fortificação da Praça de Monsaraz” encontra-se classificado pelo Decreto n.º 35.443, publicado pelo Diário do Governo, I Série, n.º 1, de 2 de janeiro de 1946. A ZEP/Zona "non aedificandi" encontram-se definidas por Portaria de 10 de maio de 1951, publicada no Diário do Governo, II Série, n.º 187, de 14 de agosto. Posteriormente, o Decreto n.º 516/71, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 274, de 22 de novembro, amplia a anterior classificação a “Fortificações e todo o conjunto intramuros da vila de Monsaraz”.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Évora
    City: Reguengos de Monsaraz

    EN 256, Reguengos de Monsaraz – Mourão
    Reguengos de Monsaraz


  • Lat: 38 -27' 25''N | Lon: 7 22' 52''W







  • Castelo Templário



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fortificações de Monsaraz