Coastal Bateries of Ártabro Gulf

Ferrol, A Coruña - Spain

As “Baterias de Costa do Golfo Ártabro” localizam-se ao longo da costa do golfo de mesmo nome, no município de Ferrol, província de Corunha, Comunidade Autónoma da Galiza, na Espanha.

Golfo Ártabro, ou Arco Ártabro, é a denominação dada pelo geógrafo espanhol Otero Pedrayo ao trecho do litoral da Galiza formado pelas rias de Ferrol, Betanzos-Ares e do Burgo, correspondendo ao que os geógrafos greco-romanos Estrabão, Pompónio Mela e Plínio designaram como "Porto Magno dos Ártabros" ("Portus Magnus Artabrorum").

História

No início do século XX o país mantinha três grandes bases navais para a sua Armada: uma no nordeste da Península Ibérica, em Ferrol, uma no sudeste, em Cartagena, e uma nas ilhas Baleares, em Mahón.

Embora desde o século XIX estudos estratégicos recomendassem a necessidade de uma forte defesa costeira das bases navais espanholas, apenas em 1926 é que se promulgou o “Plan de Artillado y Defensa de las Bases Navales de Ferrol, Cartagena y Mahón”, por iniciativa da ditadura militar de Primo de Rivera (1923-1930). Conforme observado pelo general Mola, o “(…) claro concepto (...) de la evolución política europea y de los futuros peligros en el orden internacional le llevó a cuidar de la Marina de Guerra, dotándola de medios poderosos de defensa de sus bases”, consubstanciado naquele diploma. Com o fim da ditadura militar de Primo de Rivera, a II República Espanhola viria a concluir a instalação das peças de artilharia nas baterias.

Para esse fim, a Espanha adquiriu à empresa britânica Vickers Ltd. peças de 381 mm (Costa, que no país passaram a denominar-se “Cañones Vickers 381/45”), 152 mm (Costa) e 105 mm (Antiaéreas), com alcance, respectivamente de 35 mil e 21 mil metros para as duas primeiras, e teto de 7 mil metros para as antiaéreas, similares às que equipavam as unidades navais mais modernas à época. Essa defesa era complementada com obuses de 24 mm, e outras peças de modelos mais antigos.

Estas armas foram montadas em bateria, sempre aos pares, e, considerando a ordem em que foram instaladas, a sua distribuição foi a seguinte:

- Baterias do Golfo Ártabro (a proteger o Base Naval de Ferrol):

-- Bateria de Campelo Alto (zona de Meirás, Valdoviño). Foi desartilhada entre 1940 e 1941.

-- Bateria de Prior Sul (zona de Doniños, Ferrol). Foi desartilhada em 1997.

-- Bateria de Lobateiras (zona de Doniños, Ferrol). Foi desartilhada em 1997.

-- Bateria de San Pedro (zona de San Pedro, La Coruña). Conservada, fora de serviço.

- Base Naval de Cartagena:

-- Bateria de Cenizas. Conservada, fora de serviço.

-- Bateria de Castillitos. Conservada, fora de serviço.

- Base Naval de Mahón:

-- Fortaleza de la Mola. Conservada, fora de serviço.

-- Bateria de Favarich. Desartilhada entre 1942 e 1943.

-- Bateria de Llucalary-Alayor. Conservada, fora de serviço.

Características

Exemplar de arquitetura militar, acasamatado.

O complexo defensivo do Golfo Ártabro destinava-se a servir como elemento dissuasor para navios de guerra, defendendo o Arsenal de Ferrol, de fundamental importância estratégica, uma vez que ali ancorava grande parte da Armada espanhola.

Ficou constituído por quatro posições principais artilhadas com canhões Vickers 381/45 (381mm), complementadas por outras quatro posições de baterias de quatro canhões de calibre menor (152mm). Posteriormente, estas posições foram reforçadas com peças antiaéreas de 72mm.

Os canhões Vickers 381/45 (381mm) tinham um alcance efetivo de 35 quilómetros, embora pudessem chegar aos 42 quilómetros. Tinham capacidade para lançar projéteis de aço perfurante de até 885 quilos, com uma carga de 18 quilos de TNT.

As peças foram dispostas na costa, em cotas elevadas, com amplo ângulo de tiro. 3/4 da sua estrutura encontrava-se instalada em casamatas subterrâneas, em três pavimentos, onde se distribuíam armazéns e sistema de elevação de munição, motores, geradores, e tudo o necessário para a sua operação, ficando visíveis apenas os quase 18 metros de comprimento dos tubos dos canhões. Para a sua operação eram necessários de 15 a 20 homens. Em cota inferior encontravam-se as baterias complementares com as peças de 152mm, destinadas a confrontar embarcações menores e mais rápidas que os grandes navios, e que podiam escapar ao fogo das peças de 381mm. Foram instaladas nas baterias de Monte Campelo, Monticano (Pastoriza), Peña Roiba (Cabo Prioriño) e a 5.ª bateria do cabo Prior.

Para a instalação e montagem deste aparato militar, a mais moderna tecnologia da época, foi necessário a construção de diversas infraestruturas, como caminhos e portos, assim como a utilização de maquinaria especial para o transporte das peças, assim como a abertura de galerias subterrâneas. Atualmente um importante arquivo gráfico encontra-se depositado no Museo Militar Regional de A Coruña, que documenta as enormes dificuldades do transporte desde o porto de Ferrol até aos locais de instalação no Monte Campelo, atravessando a cidade pela área do atual cemitério municipal de Catabois, e o seu trajeto pelo Concello de Narón até à sua instalação definitiva em Campelo Alto, em uma zona elevada com um amplo campo de visão.

Posteriormente, os quatro canhões das baterias de Campelo Alto e Favarich foram retirados na década de 1940 e transferidos para a Bateria A-6 do Exército, instalada no Estreito de Gibraltar, em Paloma Alta, Tarifa (embora apenas tenha sido possível montar três), sendo esta a única bateria em serviço até 2008.

Contribution

Updated at 13/07/2017 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Coastal Bateries of Ártabro Gulf


  • Battery

  • 1926 (AC)




  • Spain


  • Featureless and Semiconserved








  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Spain
    State/Province: A Coruña
    City: Ferrol



  • Lat: 43 -26' 32''N | Lon: 8 19' 23''W




  • 1926: 18 peças Vickers dos calibres 381mm, 192mm (artilharia de costa), peças antiaéreas de 105mm e obuseiros e outras.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Coastal Bateries of Ártabro Gulf