Fortificações de Port Royal

Port Royal, Kingston - Jamaica

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (2)

Images (2)

As "Fortificações de Port Royal" localizam-se na cidade de Port Royal, em Palisadoes (palavra de possível origem portuguesa – “paliçadas”), um estreito tômbolo de areia que constituiu uma defesa natural da baía de Kingston, no sudeste da Jamaica, a terceira maior ilha das Grandes Antilhas, no mar do Caribe.

Tinham a função de defesa do acesso ao porto da primitiva capital da Jamaica.

História

Antecedentes

Puerto Real, fundada em 1518 por espanhóis, tornou-se um dinâmico e próspero centro de comércio, a maior cidade no mar do Caribe. Ao final do século XVII foi destruída por um terramoto a que se seguiu um maremoto (7 de junho de 1692). Nos séculos seguintes viria a sofrer novos danos causados principalmente por um grande incêndio (1703) um furacão devastador (1722) e outro grande terramoto (1907).

Em 1653 Oliver Cromwell, tornava-se Lorde Protetor da Comunidade da Inglaterra, Escócia e Irlanda, cargo que exerceria até à sua morte em 1658. Em 1655, a Inglaterra aliou-se à França, então em guerra com a Espanha. Embora um contingente inglês tenha auxiliado o marechal Turenne a derrotar os espanhóis na Batalha de Dunnes, foi nos mares, e em particular nas colónias espanholas, onde a Inglaterra concentrou os seus esforços nesse conflito. Nesse contexto, o almirante William Penn partiu, a 31 de março de 1655, de Barbados, nas Índias Ocidentais, no comando de uma esquadra de 17 navios de guerra e 20 de transporte, com 325 peças de artilharia, 1.145 marinheiros e 1.830 soldados. Essa força foi reforçada por contingentes de outras colónias inglesas das Índias Ocidentais, alcançando um efetivo de 8.000 homens. Desse modo, Penn foi capaz de desembarcar uma força de 4.000 homens sob o comando do general Robert Venables próximo a Santo Domingo, a 13 de abril.

Sustentando múltiplos ataques espanhóis durante a sua marcha para Santo Domingo, a força inglesa foi particularmente castigada pela artilharia espanhola na noite de 25 de abril, forçada a retirar e a reembarcar nos seus navios de transporte.

Após esse insucesso em Santo Domingo, diante da perspectiva de retornar em desgraça ante Cromwell, Penn e Venables decidiram capturar a ilha vizinha da Jamaica, uma vez que essa ilha contava com menos defesas e que, à época contava apenas com cerca de 1.500 homens, mulheres e crianças. Penn, insatisfeito com os seus oficiais quando do cerco a Santo Domingo, assumiu o controlo total da força inglesa. O bucaneiro Henri Morgan era um dos elementos da esquadra inglesa.

Desse modo, a Jamaica, ocupada pelos ingleses, seria cedida à Inglaterra pela Espanha no Tratado de Madrid em 1670.

Em mãos inglesas, Port Royal tornou-se num porto de eleição para corsários – ingleses e neerlandeses -, encorajados a apresar navios espanhóis, num período em que as potências europeias de menor expressão não ousavam a guerra aberta contra o Império Habsburgo.

Em suas ruas e comércio eram conhecidas as exibições de riqueza sumptosa e dissolução moral, quando as tripulações eram encorajadas a gastar as riquezas apresadas. Por essa razão, a cidade adquiriu a reputação de “the richest and wickedest city in the world" ("a cidade mais rica e mais perversa do mundo").

Com o fim da emissão de “cartas de marca” aos corsários, que lhes permitiam atacar navios e possessões espanholas legalmente em fins do século XVI, muitas tripulações tornaram-se em piratas, continuando a utilizar a cidade como sua base principal durante o século XVII. Desse modo, piratas de todo o mundo ancoravam em Port Royal, alguns oriundos de águas tão distantes como Madagascar.

Em 1690 a cidade contava com uma população fixa estimada entre 8 a 10 mil pessoas. Após a catástrofe de 1692 que destruiu a cidade quase completamente, registando-se o afundamento de dois terços da mesma no mar do Caribe, e estimando-se cerca de 2 mil mortos e 3 mil feridos, o papel económico e administrativo de Port Royal foi assumido por Spanish Town e, posteriormente, por Kingston.

O terramoto de 14 de janeiro de 1907 causou um número estimado de 800 mortos e o afundamento de cerca de 180 metros da linha de costa.

A partir de 1999 foram empreendidos projetos para a revitalização da cidade histórica de Port Royal. O "Jamaica’s Tourist Enhancement Fund" (TEF) destinou 72 milhões de dólares jamaicanos visando a revitalização da cidade, assim como a recuperação de seu património edificado.

As fortificações de Port Royal

Forte Charles - Com a Jamaica em mãos inglesas, em maio de 1655 deu-se início a um forte para defesa da barra de acesso a Port Royal, denominado “Fort Cromwell”. Também referido como “Passage Fort” (Forte da Passagem), com a morte de Cromwell e a Restauração, ascendendo ao trono de Carlos II de Inglaterra (1660-1685), o forte recebeu a sua atual denominação. Em 1667 encontrava-se artilhado com 36 peças de diversos calibres. Foi severamente danificado pelo terramoto de 1692, e subsequente maremoto.

Reconstruído, em 1765 estava artilhado com 104 peças e guarnecido por um efetivo de 500 homens.

O terramoto de 1907 causou-lhe extensos danos, entre os quais à “Royal Artillery House”, erguida em 1888 com a função de paiol da Bateria Victoria & Albert. Na ocasião, a liquefação do solo causou o afundamento parcial do edifício, que ficou disposto em ângulo em relação à horizontal. O nome pelo qual é conhecido desde então, “Giddy House” (Casa da Vertigem), alude à sensação experimentada pelos visitantes que tentam se manter eretos em seu interior.

​Em nossos dias, as dependências do antigo forte abrigam um museu.

Forte James – Em 1673, um forte de planta hexagonal, em alvenaria de pedra, foi erguido em Bonham's Point. Foi assim denominado em homenagem ao irmão de Carlos II de Inglaterra (1660-1685), Jaime (futuro Jaime II de Inglaterra). Artilhado com 26 peças, com a função de cobrir a área do porto, foi destruído no terramoto de 1692, e subsequente maremoto.

Forte Carlisle – Foi erguido em 1678 ao lado do porto. Foi assim nomeado em homenagem a Charles Howard, 1.º conde de Carlisle, Governador da Jamaica (1678-1680). Artilhado com 14 peças, foi destruído no terramoto de 1692, e subsequente maremoto.

Forte Rupert – Foi erguido em 1678. Artilhado com 22 peças, tinha a função de defesa contra um desembarque ao longo da costa, para Leste. Após a Revolução Gloriosa (1688-1689), ficou conhecido como “Sea Fort” (Forte do Mar). Foi destruído no terramoto de 1692, e subsequente maremoto.

Forte Morgan – Entre 1678 e 1680 a vulnerabilidade da frente marítima entre os fortes Rupert e Charles foi colmatada pela construção do Fort Morgan. Artilhado com 26 peças, acredita-se que possa ter sido meramente uma bateria de artilharia alinhada ao longo da costa. É por vezes referida como Linha de Morgan (“Morgan’s Line”). Foi destruído no terremoto de 1692, e subsequente maremoto.

Forte Walker – Foi o último dos seis fortes construídos antes de 1692 em Port Royal. Erguido na década de 1680, ao Norte de Fort Charles, foi assim denominado em homenagem ao Coronel Walker, comandante daquele. Foi artilhado com 18 peças. Com a sua conclusão, Port Royal ficou envolvida por uma poderosa cadeia de estruturas defensivas: qualquer eventual atacante que viesse do Leste, no estreito canal marítimo teria que ultrapassar o fogo dos fortes Rupert, Morgan e Charles; em seguida, contornando o ponto, teria que enfrentar os fortes Walker e James. Foi destruído no terremoto de 1692, e subsequente maremoto.

Forte Rocky – Construído por volta de 1888, contava com sete posições de canhões, fechadas por uma parede. Abrigava peças retrocarga de 6 polegadas. Foi projetado para defesa Leste do porto ante os ataques de submarinos ou de navios mercantes armados. Essa artilharia permaneceu em função até ao fim da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando a maior parte das peças foi recolhida à Grã-Bretanha.

 

Contribution

Updated at 08/12/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (2).


  • Fortificações de Port Royal


  • Fort

  • 1655 (AC)




  • Jamaica


  • Restored and Well Conserved




  • +1 876-967-8438


  • Historical museum

  • ,00 m2

  • Continent : Central America
    Country : Jamaica
    State/Province: Kingston
    City: Port Royal

    Port Royal, Jamaica


  • Lat: 17 -57' 54''N | Lon: 76 50' 34''W




  • Forte Charles:
    1667: 36 peças antecarga, de alma lisa, de diversos calibres.
    1765: 104 peças antecarga, de alma lisa, de diversos calibres.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fortificações de Port Royal