Elizabeth Castle

Jersey, Jersey - United Kingdom

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

O "Castelo Elizabeth" (em inglês: "Elizabeth Castle”) Localiza-se em L’Islet, um ilhéu de maré na baía de St. Aubin, na ilha de Jersey, no Reino Unido.

História

O ilhéu, acessível durante a maré-baixa, era ocupado pela Abadia (mais tarde Priorado) de St. Helier. Com a Reforma Anglicana (1532-1534), a Coroa confiscou os bens da Igreja Católica no país. Em St. Helier os edifícios do priorado foram usados com fins militares.

A construção da primeira parte do castelo, a Ala Superior (“Upper Ward”), incluindo o Portão da Rainha Elizabeth, começou em 1594. Com a função de reforço da defesa do porto de St. Helier, as obras foram dirigidas pelo engenheiro militar flamengo Paul Ivy.

Os governadores de Jersey mudaram a sua residência oficial de Mont Orgueil para o Castelo Elizabeth. Sir Walter Raleigh, governador de Jersey (1600-1603), nomeou o forte como "Fort Isabella Bellissima", em homenagem a Isabel I de Inglaterra (1558-1603).

A Ala Inferior (“Lower Ward”) foi construída entre 1626 e 1636, no local das ruínas da igreja da antiga abadia. Esta área tornou-se uma praça de armas, onde se erguiam quarteis de tropa e de oficiais, poços e cisternas.

A Guerra Civil Inglesa

No contexto da Guerra Civil Inglesa (1642-1671), o forte foi visitado pelo Príncipe de Gales em 1646. Foi aqui que Sir George de Carteret o proclamou, a 17 de fevereiro de 1649, como Carlos II de Inglaterra, diante da abolição da monarquia naquele mês. O Príncipe, proclamado rei, visitou uma vez mais o forte em setembro de 1649, ficando na Casa do Governador.

Em 1651, um moinho de vento foi construído a meio do caminho entre Fort Charles e o “Lower Ward”. Naquele mesmo ano, as forças parlamentares desembarcaram em Jersey e bombardearam o castelo com morteiros. Após um assédio de sete semanas, a destruição da igreja medieval da Abadia no coração do complexo, usada como depósito para munição e provisões, forçou Carteret a render-se a 15 de dezembro de 1651. Jersey seria mantida pelos parlamentares pelos próximos 9 anos até à restauração da monarquia.

Em 1668, ou pouco depois, foi construído o Portão do Rei Guilherme, localizado entre a “Outer Ward” e a “Lower Ward”.

A Guerra dos Sete Anos

No contexto da Guerra dos Sete Anos (1756-1763), o ilhéu recebeu prisioneiros franceses, dos quais um dos mais conhecidos foi Jean-Louis Le Loutre.

Tropas francesas, sob o comando do barão Phillippe de Rullecourt, desembarcaram em St. Helier em 6 de janeiro de 1781. O governador Moise Corbet foi convencido a render-se aos franceses, mas a guarnição da praça, sob o comando do capitão Mulcaster recusou-se à rendição. Os franceses foram derrotados por tropas sob o comando do major Francis Peirson na Batalha de Jersey (1781), na qual pereceram Peirson e De Rullecourt.

A vulnerabilidade percebida da ilha levou à construção do Fort Regent no Le Mont de la Ville, adquirido pelo governo britânico ao Vingtaine de la Ville com vista para a povoação. Fort Regent tornou-se o local da principal guarnição britânica na ilha de Jersey.

Um edifício hospitalar de dois pavimentos foi construído no início do século XIX.

Ainda nesse século, um plano para ligar o forte à ilha, como parte de um ambicioso projeto portuário, foi abandonado. Um quebra-mar ligando L'Islet à Rocha Hermitage na qual o Hermitage de Saint Helier foi construído permanece, e é usado por pescadores.

Do século XX aos nossos dias

O governo britânico retirou a guarnição e cedeu o castelo aos Estados de Jersey em 1923. O “Castelo Elizabeth” foi então aberto ao público como um museu.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), as forças nazis que ocupavam as Ilhas do Canal, modernizaram o forte com artilharia, bunkers e ameias. Após a "Libertação", o forte foi reparado e reaberto ao público.

Todos os anos, no domingo mais próximo do Dia de St. Helier, 16 de julho, é realizada uma peregrinação municipal e ecuménica para visitar o Hermitage. Como parte da peregrinação, um serviço ao ar livre é realizado dentro do forte. Outros eventos culturais, como concertos e reencenações históricas, também são realizados de tempos em tempos.

Em 4 de junho de 2012, um farol foi aceso para celebrar os 60 anos de reinado de Isabel II do Reino Unido (1957- ). Uma exibição de fogos de artifício se seguiu.

Hoje, o Jersey Heritage administra o local como um museu. Entre as exposições históricas está o museu regimental da Milícia Real de Jersey que preserva vários séculos de memórias militares. Há também um museu que discute a evolução de canhões e fortificações que contém várias peças do século XIX e anteriores.

Todos os domingos durante a temporada, quando o forte está aberto, uma equipe de Intérpretes Históricos recria a guarnição de 1781, à época da Batalha de Jersey. Eles oferecem demonstrações de tiros de mosquete e de canhão, e da vida civil.

O acesso ao castelo é feito por uma calçada a partir de St. Helier na maré baixa, ou em um dos veículos anfíbios do castelo: a “Charming Betty” e a “Charming Nancy”, que podem chegar ao castelo independentemente da altura da maré, conforme o tempo o permita. Uma viagem só de ida quando a maré está alta leva cerca de 15 minutos.



Related entries 

AmeiaBunker

 Print the Related entries

Contribution

Updated at 14/09/2020 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Elizabeth Castle

  • Fort Isabella Bellissima

  • Fort

  • 1594 (AC)




  • United Kingdom


  • Restored and Well Conserved




  • +44 1534 723971


  • Historical military museum

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : United Kingdom
    State/Province: Jersey
    City: Jersey

    St Aubin’s Bay, St, Helier, Jersey JE2 3NU, Jersey


  • Lat: 49 -11' 23''N | Lon: 2 7' 30''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Elizabeth Castle