Fort Bema

Warsaw, Mazovia - Poland

O “Forte Bema”, primitivamente designado como “Forte ‘P’" (em russo. "П") - "Parysów", localiza-se, em Varsóvia, no distrito de Bemowo, Voivodato de Masóvia, na Polónia.

O nome “Parysów” deve-se à aldeia de Parysów, ao norte do forte, que até 1939 se situava no limite de Varsóvia e hoje é a área da rua Gen. Maczek, uma extensão da ul. Powązkowska.

História

O forte foi construído nos anos 1886-1890 como parte integrante do segundo anel interno de fortificações da Fortaleza de Varsóvia.

Em 1889, um parapeito para Infantaria com uma planta quebrada, foi erguido a nordeste do forte, precedido por um fosso seco. A segunda muralha, linear e sem trincheiras, corria a sudoeste do forte. 

A 31 de janeiro de 1909, foi dada ordem para destruir o forte, sendo abertos de nichos para minas. Entretanto, apenas a poterna e o abrigo de emergência na junção das alas direita e esquerda foram destruídos.

Em 1921, o Forte Parysów foi denominado Forte Bema. De 1924 a 1939, as dependências do forte foram ocupadas pelas Oficinas de Obras de Munição n.º 1, que se ocupavam da produção de munições para rifles e da reconstrução de projéteis de artilharia. Para esse fim, foram erguidos armazéns no pátio dianteiro, e no fosso foram abertos três diques. Um fragmento dos diques na ala direita foi nivelado, assim como os diques internos e o aterro de infantaria a sudoeste do forte.

Em 1939, o forte estava guarnecido por 202 homens sob o comando do 2.º tenente Ludwik Łukasiewicz, do 4.º Batalhão do 30.º Regimento de Rifles de Kaniowski, comandado pelo Capitão Bogdan Rożnowski. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a partir de 9 de setembro desse ano passou a ser guarnecido pelo 1.º Batalhão do 144.º Regimento de Infantaria, sob o comando do Major Bronisław Wadas.

Durante a Batalha de Varsóvia (8 a 28 de setembro de 1939), apesar dos inúmeros assaltos das tropas da Alemanha Nazi (Wehrmacht) o forte resistiu até à capitulação da cidade.

De 1940 a 1944 ali existiram armazéns de material de guerra alemães, e vários abrigos de tijolos para guardas foram erguidos em torno deles, uma vez que eram alvo de ataques do movimento de resistência polonês.

Ao final do conflito, o exército polonês reconquistou o forte, e as suas instalações foram utilizadas como campo de prisioneiros de guerra alemães.

Entre os anos de 1950 e 1978 o forte pertencia à parte de trás do aeroporto militar de Bemowo (aeroporto de Babice) e, na década de 1980 foi entregue ao clube desportivo militar "Legia Warszawa".

Em 1999, o forte e a área adjacente foram assumidos pelo Gabinete da Comuna de Varsóvia-Bemowo, que destinou as dependências do antigo forte a centro de recreação e lazer, e sua zona tampão "verde" para desenvolvimento habitacional. À época, o forte era considerado um dos elementos mais bem preservados e interessantes da Fortaleza de Varsóvia, apesar da cobertura de árvores secundárias, da forte poluição da água no fosso e dos inúmeros danos aos diques, alguns deles resultantes da construção de uma pista de “cross-country” para bicicletas. Na ala direita do quartel teve início a atividade ilegal da empresa "Centrum Folkloru-Piknik", e outros edifícios foram danificados em vãrias ocasiões.

Em 2002, o distrito de Bemowo deu início à revitalização do exterior do forte, visando transformá-las num parque municipal. A maior parte do mato foi cortada, novas pontes foram construídas sobre os fossos retificados, novos caminhos e ciclovias foram demarcadas, diques foram construídos ao lado da ponte histórica do forte. O interior do forte não foi intervencionado.

Bairros residenciais estão em construção no entorno do forte - um deles com o nome do próprio forte. Também existem obras de aviação militar adjacentes ao forte, um pavilhão esportivo em um dos hangares do antigo aeroporto, e as instalações do Instituto de Tecnologia da Força Aérea. Devido ao seu estado de conservação precário, o hangar n.º 2 foi demolido.

Características

Exemplar de arquitetura militar, acasamatado.

Foi erguido em terra e alvenaria de tijolos, com um fosso inundado. Devido ao nível elevado da água subterrânea no local, o projeto da construção de uma “caponnière” (capoeira) foi abandonado.

Distribui-se em dois setores: o inferior, externo, com posições para a Infantaria, e o superior, interno, com posições para a Artilharia. Neste último abrem-se abrigos de emergência. Nas seções dianteiras do aterro da artilharia, de planta pentagonal, existem quartéis de duas alas com 5 poternas para o caminho coberto entre os aterros. Na parte posterior do forte (com planta no formato de um trapézio invertido, protegido por aterro com posições para a Infantaria), abrem-se três depósitos: paiol de pólvora, depósito de mísseis e laboratório) e dois galpões de madeira.

O acesso ao forte é feito por uma ponte fixa, de ferro, preservada até aos nossos dias.



Related entries 


 Print the Related entries

Contribution

Updated at 26/11/2020 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Fort Bema

  • Forte

  • Fort

  • 1886 (AC)

  • 1890 (AC)



  • Poland


  • Featureless and Well Conserved






  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Poland
    State/Province: Mazovia
    City: Warsaw

    Fort „P” Parysów, od 1921 r. Fort Bema
    00-001 Warsaw, Polónia


  • Lat: 52 -16' 37''N | Lon: 20 -57' 41''E










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort Bema