Citadel of Ajaccio

Ajaccio, Corse-du-Sud - France

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

A “Cidadela de Ajaccio” (em francês: “Citadelle d'Ajaccio”) localiza-se na cidade de Ajaccio, capital do Departamento da Córsega do Sul e da Ilha da Córsega, na França.

Foi erguida no final do século XVI, com a função de defesa da Baía de Ajaccio.

História

Antecedentes

Após um século e meio de instabilidade política, em 1453, a Sereníssima República de Gênova confiou a administração da Córsega a uma instituição financeira, a “Casa delle Compere di San Giorgio” que, entretanto, só alcançaria o efetivo controlo da ilha em1483.

Para assegurar esse controlo, era necessário estabelecer pontos de apoio que pudessem ser facilmente defendidos e abastecidos por mar. Para o efeito, a instituição considerou o Golfo de Sangone e o Golfo de Ajaccio, vindo a optar pelo último. Uma comissão foi enviada em 1491-1492 para estudá-lo, sob a direção do tenente de Delà des Monts e Domenico de Negroni, que viria a dirigir os trabalhos da construção da cidadela, assistido pelo arquiteto lombardo, Cristofaro de Gandino.

No século XIII, a República de Génova já havia construído um forte na área, entretanto abandonado no século XIV, mas a comissão deliberou estabelecer a nova cidadela num local denominado “Punta della Leccia”. O local escolhido apresentava a vantagem de ser defendido naturalmente pelo mar em três lados, com um ancoradouro próximo, capaz de receber navios de grande tonelagem.

A 15 de abril de 1492 desembarcavam os primeiros trabalhadores genoveses para dar início às obras no local. A 30 de abril foi colocada a pedra fundamental da cidadela, a 5 de maio estando completa a primitiva estrutura – uma simples torre de planta quadrada, elevando-se a cerca de 10 metros de altura, rodeada por quartéis para a tropas, protegida por cortinas sem flanco, baluarte e fosso, num traçado ainda de características medievais. Famílias leais a Génova, como os Ornano e os Pozzo di Borgo, adquiriram terras perto da cidadela para ali erguerem casas.

Em 1502, a República de Gênova já tinha este novo distrito defendido por muralhas e um fosso fora escavado na rocha viva.

Em 1553, a Cidadela de Ajaccio foi ocupada por forças francesas sob o comando de Paul de La Barthe de Thermes e a praça sofreu intervenção sob a direção de Giordano Orsini.

Pelos termos dos Tratados de Cateau-Cambrésis (2 e 3 de abril de 1559) a Córsega foi devolvida à República de Gênova. Nesse mesmo ano, a “Casa delle Compere di San Giorgio” recuperou a ilha, o mesmo fazendo o Senado de Génova em 1562.

O projeto de Giovan Giacomo Paleari Fratino

Desde que o “condottiero” Sampiero Corso visitou o Grande Turco como embaixador em 1562-1563, a República de Génova passou a temer eventuais ataques dos turcos. Era necessário agora reforçar a proteção da ilha contra eventuais ataques de navios turcos, e decidiu-se, assim, empreender uma política de construção de novas fortificações e de reforço das existentes. 

A fortificação de Ajaccio foi assumida por Giovan Giacomo Paleari, "il Fratino" (1520–1586), arquiteto e engenheiro militar que Filipe II de Espanha (1554-1598) emprestou ao seu aliado, a República de Gênova. Fratino chegou à ilha em 29 de janeiro de 1563, acompanhado pelo Coronel Giorgio Doria. Fará um corte entre a cidadela e a cidade demolindo antigas muralhas, 20 casas e 2 igrejas, uma das quais a Igreja de Santa-Croce, catedral de Ajaccio. Em complemento, projetou e implantou um sistema de torres para proteger as costas dos ataques turcos, com destaque para a primeira Torre Martello na ponta de Mortella.

O novo portão da cidade, o “Rastello”, não foi construído até 1570, e a Torre Diamante não foi transformada em um baluarte até 1584.

O século XVIII

No contexto da Revolução Francesa (1789–1799), a 8 de abril de 1792, durante a Páscoa, iniciaram-se conflitos em Ajaccio, após uma discussão entre populares durante uma partida de boliche, que escalou após a intervenção da Guarda Nacional estacionada em Ajaccio, e da qual Napoleão Bonaparte acabara de ser eleito 2.º Tenente-Coronel alguns dias antes. Gradualmente, as armas foram sendo retiradas à população, que reagiu perseguindo os guardas e os seus oficiais, inclusive Napoleão Bonaparte. Um dos oficiais foi morto. Os elementos do 2.º Batalhão de Guardas Nacionais abrigaram-se no edifício do Seminário. A 9 de abril, guardas nacionais disparam da Torre Saint-Georges, que se comunica com o Seminário, sobre os habitantes que saiam da missa na catedral, matando cinco pessoas. Outro grupo de guardas nacionais ocupou o Convento dos Capuchinhos e a Torre dos Genoveses que comandam a via para Corté. Durante esses dias conturbados, Napoleão Bonaparte incitou a Guarda Nacional contra os civis e revelou-se astuto ao afirmar que Pascal Paoli lhe havia ordenado que mantivesse as posições ocupadas pela Guarda Nacional. Alguns guardas nacionais tentaram tomar a Cidadela. Confrontado com Bonaparte, François-Charles Maillard, coronel que comandava os 500 homens do 42.º Regimento de Linha estacionado na Cidadela gradualmente acalmou-os com a ajuda dos comissários enviados pelo Diretório do Departamento. Os deputados da Córsega na Assembleia Legislativa, Pozzo di Borgo e Peraldi, acusaram: "Napoleone Buonaparte e causa di tutto".

Do século XX aos nossos dias

A Cidadela encontra-se classificada como monumento histórico, na sua totalidade, por decreto de 5 de setembro de 2012, após diferentes de seus elementos terem sido classificados em 1914, 1921 e 1934. Está indexada na Base Mérimée, mantida pelo Ministério da Cultura francês, sob a referência PA00099062.

Em nossos dias, a 17 de abril de 2015, o Estado e a cidade de Ajaccio assinaram um protocolo de entendimento para transferir a propriedade da Cidadela, do Ministério da Defesa para a cidade.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related entries 

BaluarteFosoMuralha

 Print the Related entries

Contribution

Updated at 01/03/2021 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Citadel of Ajaccio

  • Citadelle d'Ajaccio

  • Citadel

  • 1492 (AC)




  • Italy


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    A Cidadela encontra-se classificada como monumento histórico, na sua totalidade, por decreto de 5 de setembro de 2012, após diferentes de seus elementos terem sido classificados em 1914, 1921 e 1934. Está indexada na Base Mérimée, mantida pelo Ministério da Cultura francês, sob a referência PA00099062.





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : France
    State/Province: Corse-du-Sud
    City: Ajaccio

    8-10 Boulevard Danièle Casanova, 20000 Ajaccio, França


  • Lat: 41 -56' 60''N | Lon: 8 -45' 36''E










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Citadel of Ajaccio