Forte Dom Pedro II do Imbuhy

Niterói, Rio de Janeiro - Brasil

Búsqueda de Imágenes de fortificación

Fecha 1 Fecha 2

Medias (9)

Imágenes (9)

O Forte Dom Pedro II do Imbuhy localiza-se na ponta de Imbuí, no município de Niterói, ao norte da barra da baía da Guanabara, no litoral do Estado do Rio de Janeiro.

O Forte Dom Pedro II teve a sua construção iniciada em 1863 (SOUZA, 1885:105), no contexto da Questão Christie (1862-65). O projeto original (Aviso de 21/nov/1863) previa a construção de baterias casamatadas, distribuídas em dois pavimentos, com uma bateria à barbeta, e a sua ligação, por caminho apropriado, à Bateria da Praia de Fora (GARRIDO, 1940:104), o que se materializou em 1865 pela construção da estrada entre ambas. O mesmo autor prossegue, informando que o conjunto previa 50 peças de artilharia à barbeta e alojamentos para a correspondente guarnição. No ano de 1870, a Assembléia Geral Legislativa aprovou a quantia de 24:000$000 réis para obras, suspensas no ano seguinte. No período entre Em 1877-95 estiveram completamente paralizadas (op. cit., p. 104).

No contexto da Revolta da Armada (1893), suas instalações foram ocupadas por forças governistas com algumas peças de campanha, e a missão de vigiar os movimentos dos rebeldes à entrada da barra (GARRIDO, 1940:104).

Em 1895 a Comissão de Fortificações e Defesa do Litoral do Brasil examinou e aprovou projeto e orçamento para o novo Forte do Imbuí (Aviso do Ministério da Guerra, de 25/fev/1896). De autoria do Major Lenné, previa-se aproveitar a plataforma do antigo Forte Dom Pedro II para instalar cúpulas encouraçadas de aço-níquel. De 1896 a 1898 desenvolveram-se os trabalhos de alvenaria para receber uma cúpula armada com dois canhões Krupp de 280mm L/40, e duas torres em elipse com canhões de tiro rápido Krupp de 75mm L/25. Em 1898 estudou-se a resolução de dotá-lo de luz elétrica e a de assentar-lhe uma bateria mista de canhões 280mm L/40 a céu aberto.

O Aviso nr. 1.101 do Ministério da Guerra (16/abr/1901) designou-o como Forte do Imbuí, considerando-o como de 1ª Classe. Foi inaugurada, com a presença do presidente Campos Salles (1898-1902), a 24/mai/1901, sendo guarnecida por um destacamento do 6º Batalhão de Artilharia de Posição, sob o comando do Capitão Bonifácio Gomes da Costa. Posteriormente foram-lhe procedidas obras complementares no montante de 123:000$000 (1902), substituída a ponte de acesso (1905), e efetuada a ligação à rede de água potável de Niterói (1912). A partir de 1910 passou a ser guarnecido por um destacamento do 1º Batalhão de Artilharia de Posição (GARRIDO, 1940:104-105). Desativado em 1946, BARRETTO (1958) informa que, à época (1958) estava guarnecido por um contigente, havendo sido guarnecida pela 3ª Bateria de Artilharia de Costa (op. cit., p. 215). O seu comando foi extinto em 1964. Em 1992 passou a abrigar o 8º GACosM (Grupo de Artilharia de Costa Motorizado), responsável ainda pela Fortaleza de Santa Cruz e pelo Forte Barão do Rio Branco.

Com 2.400m2 de área construída, em 2002 passou por reformas visando permitir melhor acesso ao público na sua parte interna e externa, de onde se descortina uma incomparável vista da entrada da baía da Guanabara e da zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Estão fora de visitação o Hotel de Trânsito de Oficiais (13 suítes equipadas com televisão, frigobar e ar condicionado, em funcionamento desde 1995), e a respectiva praia com cerca de 800m de extensão. O seu acesso é feito a partir do Forte Barão do Rio Branco.

 

Bibliografías relacionadas 

Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Artículo
1885
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Libro
1958
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Libro
1940
 
Os inexpugnáveis: conheça a história dos fortes que guardaram por quatro séculos a Baía de Guanabara
Bárbara Reis

Artículo
2012
 
O último argumento dos reis: artilharia e fortificações
Adler Homero Fonseca de Castro

Artículo - Revista
2004
 
Rio de Janeiro’s fortifications in the 20th century
Adler Homero Fonseca de Castro

Artículo - Revista
2009
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Marianno de Mattos, em 1864
José Marianno de Mattos

Documento Impreso
1864
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manuel José Vieira Tosta, Barão de Muritiba, em 1870
Manuel José Vieira Tosta (Muritiba)

Documento Impreso
1870
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impreso
1871
 
Patrimônio Cultural de Origem Militar: contribuições do ICOFORT RIO 2017

Anales
2019
 
A musealização de uma fortificação: um estudo sobre o Forte de Copacabana e sua ressonância
Fernanda Cristina Nunes Pontes Marques

Disertación
2019
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Egídio Gordilho de Barbuda Filho, Visconde de Camamú, em 1865
José Egídio Gordilho de Barbuda Filho

Documento Impreso
1865
 
Relatório do Ministro da Guerra, Ângelo Moniz da Silva Ferraz, em 1866
Ângelo Moniz da Silva Ferraz

Documento Impreso
1866
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Lustoza da Cunha Paranaguá, em 1867
João Lustoza da Cunha Paranaguá

Documento Impreso
1867
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Lustoza da Cunha Paranaguá, em 1868
João Lustoza da Cunha Paranaguá

Documento Impreso
1868
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manuel José Vieira Tosta, Barão de Muritiba, em 1869
Manuel José Vieira Tosta (Muritiba)

Documento Impreso
1869
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em maio de 1872
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impreso
1872
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1873
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impreso
1873
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1874
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impreso
1874
 
Relatório do Ministro da Marinha, Elisiário José Barbosa, em abril de 1895
Elisiário José Barbosa

Documento Impreso
1895
 
Relatório do Ministro da Guerra, Antônio Eleutério de Camargo, em 1885
Antonio Eleutério de Camargo

Documento Impreso
1885
 
Relatório do Ministro da Guerra, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em 1887
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Documento Impreso
1887
 
Relatório do Ministro da Marinha, Julio César de Noronha, em abril de 1903
Julio César de Noronha

Documento Impreso
1903
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1888
Thomaz José Coelho de Almeida

Documento Impreso
1888
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1889
Thomaz José Coelho de Almeida

Documento Impreso
1889
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em 1897
Francisco de Paula Argollo

Documento Impreso
1897
 
Muralhas de pedra, canhões de bronze, homens de ferro: fortificações do Brasil de 1504 a 2006 - Tomo I
Adler Homero Fonseca de Castro

Libro
2009
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Thomaz Cantuária, em maio de 1898
João Thomaz Cantuária

Documento Impreso
1898
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em maio de 1899
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impreso
1899
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em 1900
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impreso
1900
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em 1901
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impreso
1901
 
Projeto elaborado no Estado Maior do Exército, em abril de 1900
Feliciano Mendes de Moraes
Alberto Cardoso de Aguiar
Custódio de Senna Braga

Documento Impreso
1900
 
Inovação Institucional e Patrimônio Cultural de Origem Militar no Brasil
Flávia Ferreira de Mattos

Tesis
2018
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em maio de 1902
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impreso
1902
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em maio de 1903
Francisco de Paula Argollo

Documento Impreso
1903
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em maio de 1904
Francisco de Paula Argollo

Documento Impreso
1904
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em maio de 1905
Francisco de Paula Argollo

Documento Impreso
1905
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em 1906
Francisco de Paula Argollo

Documento Impreso
1906
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em maio de 1907
Hermes Rodrigues da Fonseca

Documento Impreso
1907
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em junho de 1908
Hermes Rodrigues da Fonseca

Documento Impreso
1908
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em maio de 1909
Hermes Rodrigues da Fonseca

Documento Impreso
1909
 
Relatório do Ministro da Guerra, Emygdio Dantas Barreto, em maio de 1911
Emygdio Dantas Barreto

Documento Impreso
1911
 
Relatório do Ministro da Guerra, Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva, em maio de 1912
Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

Documento Impreso
1912
 
Relatório do Ministro da Guerra, Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva, em maio de 1913
Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

Documento Impreso
1913
 
Relatório do Ministro da Guerra, Vespasiano Golçanves de Albuquerque e Silva, em outubro de 1914
Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

Documento Impreso
1914
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Bernardino Bormann, em maio de 1910
José Bernardino Bormann

Documento Impreso
1910
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1915
José Caetano de Faria

Documento Impreso
1915
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1916
José Caetano de Faria

Documento Impreso
1916
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1917
José Caetano de Faria

Documento Impreso
1917
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1918
José Caetano de Faria

Documento Impreso
1918
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Pandiá Calógeras, em 1921
João Pandiá Calógeras

Documento Impreso
1921
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Pandiá Calógeras, em outubro de 1922
João Pandiá Calógeras

Documento Impreso
1922
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em setembro de 1923
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impreso
1923
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em novembro de 1924
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impreso
1924
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em novembro de 1925
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impreso
1925
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em outubro de 1926
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impreso
1926
 
Relatório do Ministro da Guerra, Pedro Aurélio de Góes Monteiro, em maio de 1935
Pedro Aurélio Góes Monteiro

Documento Impreso
1935
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Gomes Ribeiro Filho, em maio de 1936
João Gomes Ribeiro Filho

Documento Impreso
1936
 
Relatório do Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, em maio de 1937
Eurico Gaspar Dutra

Documento Impreso
1937
 
Relatório do Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, em maio de 1938
Eurico Gaspar Dutra

Documento Impreso
1938
 
Relatório do Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, em novembro de 1939
Eurico Gaspar Dutra

Documento Impreso
1939
 
Relatório do Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, em novembro de 1940
Eurico Gaspar Dutra

Documento Impreso
1940
 
Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Anales
2010
 
Relatório do Ministro da Marinha, Alexandrino Faria de Alencar, em abril de 1914
Alexandrino Faria de Alencar

Documento Impreso
1914
 
Relatório do Ministro da Marinha, Alexandrino Faria de Alencar, em abril de 1918
Alexandrino Faria de Alencar

Documento Impreso
1918
 
Programa de revitalização e uso turístico-cultural das Fortificações históricas da Baía de Guanabara
José Cláudio dos Santos Júnior

Artículo
2010
 
Fortes
Ricardo Fasanello
José Carlos Vieira de Figueiredo

Libro
2013
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1886
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impreso
1886
 
Fortes da Banda d´Além: Niterói na defesa da Baía de Guanabara
Cesar Augusto Ornellas Ramos

Artículo
2004
 
Relatório do Ministro da Guerra, Luís Alves de Lima e Silva, Duque de Caxias (1876-1877)
Luís Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias)

Documento Impreso
1877
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1875
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impreso
1875
 
 

 Imprima Bibliografías relacionadas



Links relacionados 

Fortificações de Niterói
Website Cultura Niterói, da Secretaria de Cultura e Fundação de Arte de Niterói, versando sobre a Fortaleza de Santa Cruz, e os Fortes Barão do Rio Branco, do Imbuí, São Luiz do Pico, Gragoatá e da Boa Viagem. Todas as fortificações localizam-se na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.culturaniteroi.com.br/modules.php?op=modload&name=Sections&...
Fortificações de Niterói
Website da Associação dos Taxistas do Campo de São Bento versando sobre os Fortes da Boa Viagem, do Gragoatá, do Imbuí e Barão do Rio Branco, do Pico, e sobre a Fortaleza de Santa Cruz. Todas as Fortificações localizam-se ou localizavam-se na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.taxicamposaobento.com/pontos/fortes.htm
Fortificações do Rio de Janeiro
Website da Fundação Cultural Exército Brasileiro, versando sobre as seguintes fortificações do Estado do Rio de Janeiro: Forte de Copacabana, Fortaleza de Santa Cruz, Forte do Vigia, Fortaleza da Conceição, Forte Barão do Rio Branco, Forte Tamandaré, Forte do Imbuí, Fortaleza de São João, Forte de São Luiz, Forte da Barra, Forte Marechal Hermes e Forte de Gragoatá.

http://www.funceb.org.br/espacoCultural.asp
Forte Dom Pedro II do Imbuhy e Forte Barão do Rio Branco
Website Niterói Turismo, versando sobre os Fortes Dom Pedro II do Imbuhy e Barão do Rio Branco, que se localizam na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.neltur.com.br/port/aondeir_fort_imbui.htm
Forte Dom Pedro II do Imbuhy
Website Mega Bairro, apresenta informações acerca do Forte Dom Pedro II do Imbuhy, que se localiza na ponta de Imbuí, no município de Niterói, ao norte da barra da baía da Guanabara, no litoral do Estado do Rio de Janeiro.

http://www.megabairro.com.br/turismo/pontoturistico.php?ch=280&tr=659b...
Niterói - Un paseo por el Fortes San Luis, Rio Branco y Pico
Este site remete a um Blog, que nos leva a um "passeio" à Zona Sul de Niterói (Rio de Janeiro), um lugar que possui o segundo maior complexo de fortes e fortalezas do Brasil. Entre essas fortificações estão: a Fortaleza de Santa Cruz, Rio Branco, Imbuí, e os Fortes de São Luís e do Pico.

http://www.perdidoporai.com/2012/07/niteroi-um-passeio-pelos-fortes-sa...

 Imprima Links relacionados


  • Forte Dom Pedro II do Imbuhy

  • Forte do Imbuí.

  • Fuerte

  • 1863 (DC)

  • 1901 (DC)



  • Brasil


  • Recuperada y bien conservada






  • Unidad Militar Activa

  • 2400,00 m2

  • Continente : Sudamérica
    País : Brasil
    Estado/Província: Rio de Janeiro
    Ciudad: Niterói

    Localiza-se na ponta de Imbuí, no município de Niterói, ao norte da barra da baía da Guanabara, no litoral do Estado do Rio de Janeiro.


  • Lat: 22 57' 4''S | Lon: 43 6' 50''W



  • Estão fora de visitação o Hotel de Trânsito de Oficiais (13 suítes equipadas com televisão, frigobar e ar condicionado, em funcionamento desde 1995), e a respectiva praia com cerca de 800m de extensão. O seu acesso é feito a partir do Forte Barão do Rio Branco.



  • O projeto original (Aviso de 21/nov/1863) previa a construção de baterias casamatadas, distribuídas em dois pavimentos, com uma bateria à barbeta, e a sua ligação, por caminho apropriado, à Bateria da Praia de Fora (GARRIDO, 1940:104), o que se materializou em 1865 pela construção da estrada entre ambas. O mesmo autor prossegue, informando que o conjunto previa 50 peças de artilharia à barbeta e alojamentos para a correspondente guarnição.
    Em 1895 foi aprovado projeto para o Novo Forte do Imbuí, onde previa-se aproveitar a plataforma do antigo Forte Dom Pedro II para instalar cúpulas encouraçadas de aço-níquel. De 1896 a 1898 desenvolveram-se os trabalhos de alvenaria para receber uma cúpula armada com dois canhões Krupp de 280mm L/40, e duas torres em elipse com canhões de tiro rápido Krupp de 75mm L/25.

  • A partir de 1895 foram feitas reformas. Posteriormente foram-lhe procedidas obras complementares no montante de 123:000$000 (1902), substituída a ponte de acesso (1905), e efetuada a ligação à rede de água potável de Niterói (1912).
    Em 2002 passou por reformas visando permitir melhor acesso ao público na sua parte interna e externa.




Imprima el contenido


Registre su correo electrónico para recibir noticias sobre este proyecto


Fortalezas.org > Fortificación > Forte Dom Pedro II do Imbuhy