Caernarfon Castle

Caernarfon, Wales - United Kingdom

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (2)

Images (2)

O “Castelo de Caernarfon” (em inglês: “Caernarfon Castle”; em galês: “Castell Caernarfon”) localiza-se em Caernarfon, uma cidade Real, comunidade e porto, capital do condado de Gwynedd, no Noroeste do País de Gales, no Reino Unido.

História

As primeiras fortificações na área foram construídas pelos romanos, como o testemunha a fortificação de Segontium, nos arredores da actual cidade. Próximo à margem do rio Seiont, o local de sua implantação foi escolhido provavelmente devido à sua posição abrigada, e que poderia ser reabastecida pelo rio.

A toponímia “Caernarfon” deriva do galês “y gaer (lenição de 'caer') yn Arfon”, que significa "a fortaleza na terra defronte de Môn", onde “Môn” é o nome galês para Anglesey.

Pouco se sabe sobre o destino de Segontium e seu assentamento civil associado após a partida dos romanos da Britânia no início do século V.

Após a conquista normanda da Inglaterra (século XI), Guilherme, o Conquistador, voltou a sua atenção para o País de Gales. De acordo com o Domesday Book (1086), o normando Robert of Rhuddlan estava nominalmente no comando de todo o norte do País de Gales. Vindo a ser morto pelos galeses em 1088, o seu primo Hugh d'Avranches, conde de Chester, reafirmou o controlo normando do norte do País de Gales construindo três castelos: um em local hoje desconhecido, algures em Meirionnydd, um em Aberlleiniog em Anglesey e outro em Caernarfon.

O primitivo castelo em Caernarfon foi construído numa península delimitada pelo rio Seiont e pelo estreito de Menai. Terá sido do tipo “motte and bailey”, defendido por uma paliçada de madeira e terra. O “motte” (monte) viria a ser integrado no castelo eduardiano posterior, mas a localização do “bailey” (pátio) original é incerta, embora possa ter sido a nordeste do “motte”. Escavações arqueológicas no topo do “motte” em 1969 não revelaram vestígios de ocupação medieval, sugerindo que qualquer evidência pudesse ter sido removida. É provável que o “motte” tenha sido encimado por uma torre de madeira com a função de torre de menagem.

Os galeses recapturaram Gwynedd em 1115 e o Castelo de Caernarfon passou a ser propriedade dos príncipes galeses. A partir de documentos coevos escritos no castelo, sabe-se que Llywelyn, o Grande, e mais tarde Llywelyn ap Gruffudd, ocasionalmente ficavam em Caernarfon.

A guerra eclodiu novamente entre a Inglaterra e o País de Gales em 22 de março de 1282. O líder galês, Llywelyn ap Gruffudd, morreu no final daquele ano, a 11 de dezembro. O seu irmão, Dafydd ap Gruffydd continuou a lutar contra os ingleses, mas, em 1283 Eduardo I de Inglaterra (1272-1307) foi vitorioso. Eduardo marchou pelo norte do País de Gales, conquistando castelos como o de Dolwyddelan e erguendo o seu próprio, em Conwy. O conflito chegou ao fim em maio de 1283, quando Dolbadarn, o último castelo de Dafydd ap Gruffudd, foi capturado. Pouco depois, Eduardo começou a construir castelos em Harlech e Caernarfon. Os de Caernarfon, Conwy e Harlech foram os mais impressionantes de seu tempo no País de Gales, e a sua construção - junto com outros castelos eduardianos no país - ajudou a estabelecer o domínio inglês. O responsável pelo projeto e construção do castelo foi provavelmente o mestre de pedraria James of Saint George, profissional que desempenhou um papel importante na construção dos castelos eduardianos no País de Gales.

De acordo com o Flores Historiarum, durante os trabalhos de construção do castelo e da cidade planejada, foi descoberto o corpo do imperador romano Magnus Maximus, e Eduardo I ordenou seu re-sepultamento em uma igreja local.

O novo castelo, em pedra, fazia parte de um vasto programa de construção que transformou Caernarfon: as muralhas da cidade foram erguidas, conectadas ao castelo, e um novo cais foi construído.

A primeira referência à construção em Caernarfon data de 24 de junho de 1283, quando um fosso foi aberto, isolando o local do castelo da cidade, ao norte. Um “bretagium” (uma espécie de paliçada), foi erguida ao redor do local para protegê-lo enquanto as defesas permanentes estavam em construção. A madeira veio de lugares tão distantes como Liverpool, e a pedra foi extraída de lugares próximos ao redor da cidade, e de Anglesey. A mão-de-obra chegou à casa das centenas de homens, a trabalhar na escavação do fosso e na abertura das fundações do castelo. Conforme o canteiro de obras se expandiu, começou a invadir a cidade, onde casas foram demolidas para permitir a construção. Os moradores só receberam as indenizações devidas três anos depois. Enquanto as fundações para as muralhas de pedra estavam a ser abertas, aposentos provisórios de madeira foram construídos para Eduardo I e Eleanor de Castela, a rainha. O casal real chegou a Caernarfon a 11 ou 12 de julho de 1283 e aqui se demorou por mais de um mês. A empreitada do castelo prosseguiu durante o inverno de 1283-1284. Não há certeza acerca da evolução da obra embora o historiador da arquitetura Arnold Taylor tenha especulado que, quando Eduardo e Eleanor o visitaram na Páscoa de 1284 a “Eagle Tower” pode ter sido concluída (TAYLOR, Arnold (1997). Caernarfon Castle and Town Walls (4th.ed.). Cardiff, Cadw – Welsh Historic Monuments, pp. 10–11).

O Estatuto de Rhuddlan, promulgado em 3 de março de 1284, tornou Caernarfon num “borough” e centro administrativo do condado de Caernarfonshire.

De acordo com a tradição, Eduardo II de Inglaterra (1307-1327) nasceu em Caernarfon a 25 de abril de 1284. Foi nomeado Príncipe de Gales em 1301, com controlo sobre o País de Gales e as suas rendas. Desde então, o título é tradicionalmente detido pelo filho mais velho do monarca inglês. De acordo com uma lenda popular, Eduardo I havia prometido aos galeses que nomearia "um príncipe nascido no País de Gales, que não falasse uma palavra de inglês" e então gerou o seu filho para surpresa dos galeses. Acredita-se que essa história seja apócrifa, uma vez que só pode ser rastreada até ao século XVI.

Em 1284, Caernarfon era defendido por uma guarnição de 40 homens, superior às de 30 homens de Conwy e Harlech. Mesmo em tempos de paz, quando a maioria dos castelos teria uma guarnição de apenas alguns homens, Caernarfon mantinha guarnições de 20 a 40 homens devido à sua importância.

Em 1285, as muralhas da cidade estavam quase concluídas. Ao mesmo tempo, os trabalhos continuavam no castelo. Os gastos com a construção foram insignificantes a partir de 1289 e as contas cessaram em 1292. A campanha de construção de castelos de Eduardo I no País de Gales custou £ 80.000 entre 1277 e 1304, e £ 95.000 entre 1277 e 1329; em 1292 £ 12.000 foram gastos na construção do Castelo de Caernarfon - do qual a fachada sul estava mais adiantada - e nas muralhas da cidade. Como a muralha sul e as muralhas da cidade completavam um circuito defensivo ao redor de Caernarfon, o plano original era construir a fachada norte do castelo por último.

Em 1294, uma rebelião eclodiu em Gales, liderada por Madog ap Llywelyn, Príncipe de Gales. Como Caernarfon era o centro administrativo e um símbolo do poder inglês, foi alvo prioritário dos galeses. As forças de Madog capturaram a cidade em setembro e, no processo, causaram extensos danos às muralhas da cidade. À época, o castelo era defendido apenas pelo fosso e pelo “bretagium”, rapidamente ultrapassados e, qualquer coisa inflamável foi incendiada. As chamas atingiram Caernarfon, deixando um rasto de destruição em seu caminho. No Verão de 1295, os ingleses movimentaram-se para retomar Caernarfon e, em novembro do mesmo ano, deram início à reparação e reforço das muralhas. Essa tarefa revestia-se de elevada prioridade e, desse modo £ 1.195 (quase metade da quantia inicialmente consumida nas muralhas) foi investida na conclusão da empreitada, que ocorreu 2 meses antes do previsto. As atenções voltaram-se então para o castelo, para a conclusão das obras que haviam sido interrompidas em 1292. Reprimida a rebelião, Eduardo I começou a construir o Castelo Beaumaris na Ilha de Anglesey (1295), sob a supervisão de James of Saint George. Como resultado, Walter of Hereford assumiu o encargo de mestre de pedraria nessa nova etapa de construção em Caernarfon. Ao final de 1301 foram investidos nas obras mais £ 4.500. O foco do trabalho estava na muralha norte e nas torres. O registo das contas, entre novembro de 1301 e setembro de 1304, foi perdido, possivelmente porque houve um hiato no trabalho enquanto os trabalhadores se mudavam para o norte para ajudar na guerra da Inglaterra contra a Escócia. Registos mostram que Walter of Hereford havia deixado Caernarfon e estava em Carlisle em outubro de 1300; ele permaneceu ocupado com as guerras escocesas até ao outono de 1304, quando a construção em Caernarfon foi retomada. Walter faleceu em 1309 e o seu subordinado imediato, Henry of Ellerton, assumiu a posição de mestre de pedraria. A construção prosseguiu em um ritmo constante até 1330, quando foram concluídas. 

De 1284 a 1330, quando as contas terminaram, estima-se que foram gastos no Castelo de Caernarfon e nas muralhas da cidade, entre £ 20.000 e £ 25.000. Tal soma era vultosa e diminuía os gastos com castelos como Dover e Château Gaillard, que se encontravam entre as fortificações mais caras e impressionantes do final do século XII e início do século XIII. As adições subsequentes a Caernarfon não foram importantes, e o que resta do castelo data, substancialmente, do período eduardiano. Apesar dos custos, muito do que foi planeado para o castelo nunca foi realizado. As partes traseiras do "Portão do Rei" (a entrada da cidade) e do "Portão da Rainha" (a entrada sudeste) permaneceram inacabados, e as fundações no interior do castelo marcam onde edifícios deveriam estar caso os trabalhos tivessem continuado.

Por cerca de dois séculos após a conquista do País de Gales, os arranjos estabelecidos por Eduardo I para a governança do país permaneceram em vigor. Durante este período, o castelo esteve permanentemente guarnecido, e Caernarfon foi efetivamente a capital do norte de Gales. Registava-se um certo grau de discriminação, com os empregos administrativos mais importantes no País de Gales, geralmente vedados aos galeses. A tensão entre galeses e os seus conquistadores ingleses transbordou no início do século XV com a eclosão do Levante Glyndŵr (1400–1415). Nesse contexto, Caernarfon foi um dos alvos das forças de Owain Glyndŵr. A cidade e o castelo foram sitiados em 1401 e, em novembro daquele ano, a Batalha de Tuthill foi travada nas proximidades entre os defensores de Caernarfon e os sitiantes, com resultado inconclusivo. Em 1403 e 1404, Caernarfon foi sitiada pelas tropas galesas com o apoio de forças francesas: à época a sua guarnição era de cerca de 30 homens.

A ascensão da Dinastia Tudor ao trono inglês em 1485 marcou uma mudança na forma como o País de Gales era administrado. Os Tudor eram de origem galesa, e o seu governo amenizou as hostilidades entre galeses e ingleses. Como resultado, castelos como Caernarfon, que constituíam centros seguros a partir dos quais o país podia ser administrado, perderam importância a ponto de, negligenciados, em 1538 ter sido relatado que muitos castelos no País de Gales eram " moche ruynous and ferre in decaye for lakke of tymely reparations” (TAYLOR, Arnold (1997). Caernarfon Castle and Town Walls (4th.ed.). Cardiff, Cadw – Welsh Historic Monuments, pp. 19).

No caso de Caernarfon, as muralhas da cidade e do castelo conservavam-se em boas condições, enquanto outros elementos que exigiam manutenção periódica - como madeirames de telhados e outros – degradaram-se a tal ponto que, das 7 torres e 2 portões do castelo, apenas a “Eagle Tower” e o “Portão do Rei” conservavam os telhados em 1620. Os edifícios residenciais no interior do castelo haviam sido despojados de qualquer elemento valioso, como o vidro e o ferro. Apesar do mau estado desses edifícios, as defesas do castelo estavam em estado bom o suficiente para que, durante a Guerra Civil Inglesa (1642-1651) fosse guarnecido por monarquistas. Durante o conflito o Castelo de Caernarfon foi sitiado três vezes. O seu condestável era John Byron, 1.º barão Byron, que entregou Caernarfon às forças parlamentares em 1646. Foi a última vez que o castelo esteve envolvido em combates. Embora em 1660 tenha sido ordenado que o castelo e as muralhas da cidade fossem desmantelados, esse trabalho foi abortado no início e pode mesmo nunca ter começado.

Apesar de não ter sido desmantelado, o castelo esteve em abandono até ao final do século XIX. A partir da década de 1870, o governo financiou os reparos no Castelo de Caernarfon. O “deputy-constable” Llewellyn Turner supervisionou os trabalhos, tendo restaurando e reconstruindo diversos trechos do castelo de forma hoje considerada controversa, ao invés de simplesmente conservar as pedras existentes. Escadas, ameias e telhados foram reparados, e o fosso do setor norte do castelo foi liberto de edifícios pós-medievais, considerados como prejudiciais à vista, o que gerou protesto dos locais. Sob os auspícios do Office of Works e seus sucessores desde 1908, o castelo foi preservado devido ao seu significado histórico. Em 1911, pela primeira vez, foi palco da investidura do Príncipe de Gales - o Príncipe Eduardo (mais tarde Eduardo VIII do Reino Unido), filho mais velho do recém-coroado George V do Reino Unido. A cerimónia foi ali realizada por insistência do Chanceler do Tesouro, David Lloyd George, um galês criado em Caernarfonshire. Em 1969, o precedente foi repetido com a investidura de Charles, Príncipe de Gales.

Encontra-se classificado como um “listed building” com o Grau I desde 31 de março de 1983.

Integra o conjunto “Castelos e Muralhas do Rei Eduardo em Gwynedd”, classificado em 1986 pela UNESCO, como Património Mundial da Humanidade.

Embora tenha sido propriedade da Coroa desde que foi construído, atualmente é administrado pelo Cadw, serviço do património - natural, histórico e monumental - do Governo do País de Gales.

Em 2015, um novo "pavilhão de entrada" foi construído, com projeto da empresa de arquitetura Donald Insall Associates.

Em nossos dias, abriga o Royal Welch Fusiliers Museum.

Características

Exemplar de arquitetura militar.

Apresenta planta poligonal irregular orgânica, adaptada ao terreno em que se inscreve, no formato de um “8”, dividindo-se em dois recintos, "upper ward” e “lower ward”, a Este e a Oeste respetivamente. A divisão entre ambos deveria ser estabelecida por uma série de edifícios que, no entanto, jamais foram construídos.

As muralhas são amparadas por diversas torres de planta poligonal, a partir das quais era possível o tiro de flanco. As muralhas e as torres eram coroadas por ameias, e ao longo da face sul havia galerias de fogo; planeava-se incluir galerias similares ao longo da face norte, mas jamais foram construídas.

A maioria das torres setentrionais dividia-se internamente em quatro pavimentos, incluindo subsolos. A “Eagle Tower”, no vértice oeste do castelo, era a de maiores dimensões. Era coroada por três torretas, respetivamente encimadas por estátuas de águias. Internamente possuía grandes aposentos e possivelmente terá sido construída para Sir Otton de Grandson, o primeiro juiz de Gales. O pavimento inferior possuía um portão de água, através do qual os visitantes que subiam o rio Seiont podiam aceder o castelo. O abastecimento de água era feito a partir de um poço na torre epónima: “Well Tower”.

O castelo possui duas entradas principais, uma a partir da cidade (o “Portão do Rei”) e outra, que permite o acesso direto ao castelo sem ter que passar pela cidade (o “Portão da Rainha”). A disposição de ambos é típica da época: uma passagem entre duas torres de flanco. Se o “Portão do Rei” tivesse sido concluído, o visitante teria cruzado duas pontes levadiças, passado por cinco portas e sob seis rastrilhos e feito uma curva em ângulo reto antes de emergir no recinto inferior. A rota era vigiada por numerosas seteiras e buracos assassinos. Uma estátua de Eduardo II foi erguida em um nicho com vista para a cidade, acima da entrada do "Portão do Rei". O “Portão da Rainha” é incomum uma vez que a sua entrada é acima do nível do solo, o que se deve à integração do primitivo “motte”, o que elevou o nível do solo do interior. Externamente, o portão teria sido abordado por uma rampa de pedra que não mais existe.

Embora a cortina de muralhas e suas torres sobrevivam praticamente intactas, tudo o que resta dos edifícios no interior do castelo são as fundações. Enquanto os alojamentos reais ficavam na ala superior, a ala inferior continha edifícios de serviço como as cozinhas. Estas estavam localizadas imediatamente a Oeste do “Portão do Rei”. Outra característica fundamental do setor doméstico do castelo era o Salão Principal. Este confinava com o lado Sul do “lower ward” e, com 30,5 metros de comprimento, teria sido um edifício imponente.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography



Related entries 


 Print the Related entries

Contribution

Updated at 29/01/2021 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (2).


  • Caernarfon Castle

  • Castell Caernarfon

  • Castle

  • 1283 (AC)

  • 1330 (AC)



  • United Kingdom


  • Featureless and Well Conserved

  • National Protection
    UNESCO World Heritage
    Encontra-se classificado como um “listed building” com o Grau I desde 31 de março de 1983.
    Integra o conjunto “Castelos e Muralhas do Rei Eduardo em Gwynedd”, classificado em 1986 pela UNESCO, como Património Mundial da Humanidade.

  • Cadw

  • Cadw



  • Historical military museum

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : United Kingdom
    State/Province: Wales
    City: Caernarfon

    Castle Ditch, Caernarfon LL55 2AY, Reino Unido


  • Lat: 53 -9' 39''N | Lon: 4 16' 37''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Caernarfon Castle