Bateria de Nossa Senhora da Ilha da Boa Viagem

Niterói, Rio de Janeiro - Brazil

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (11)

Images (11)

A Bateria de Nossa Senhora da Boa Viagem, hoje em ruínas, está localizada na ilha da Boa Viagem, no interior da baía da Guanabara, dominando as atuais praia Vermelha e praia da Boa Viagem, cerca de 1,5 Km ao sul do centro histórico de Niterói, no litoral do Estado do Rio de Janeiro.

Acredita-se que remonte ao governo do Rio de Janeiro por Sebastião de Castro Caldas (1695-97) (SOUZA, 1885:108), que reaparelhou as fortificações da Capitania por temer represálias das suas instruções às autoridades da ilha Grande, ilha de São Sebastião e Vila dos Santos, negando acolhida a navios franceses na costa ao sul da cidade do Rio de Janeiro.

Integrante da defesa interna da baía da Guanabara, esta Bateria cruzava fogos com a antiga Bateria de São Domingos com quem cooperava também para defesa da aldeia de São Lourenço dos Índios (futura cidade de Niterói).

Em 1710, artilhada com dez peças de ferro e bronze de diferentes calibres, recebeu o seu batismo de fogo na invasão do Rio de Janeiro pelo corsário francês René Duguay-Trouin (set/1711), a quem capitula, após esgotada a munição de seus canhões.

O "Relatório do Marquês de Lavradio, Vice-Rei do Rio de Janeiro, entregando o Governo a Luiz de Vasconcellos e Souza, que o sucedeu no vice-reinado", datado do Rio de Janeiro em 19/jun/1779, informa: "Os pequenos redutos do Gravatá e Boa Viagem foram reedificados, que estavam inteiramente fora de serviço." (p. 427) (RIHGB, Tomo IV, 1842. p. 409-486).

Segundo LAYTANO (1959), foi utilizada como prisão ao tempo do Vice-rei D. José Luís de Castro (1790-1801), que por medida de segurança para aí fez transferir, da ilha das Enxadas, oficiais franceses detidos (1799-1800).

No século XIX, após a vinda da Família Real e da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro (1808), com o aumento do movimento no porto desta cidade, as suas instalações serviram como quarentena aos recém-chegados. Desarmada à época da Regência pelo Decreto de 24/dez/1831 (1681 cf. SOUZA, 1885:108; 1861 cf. GARRIDO, 1940:108), conservava dez peças, desmontadas, encontrando-se à época (1885) sob a jurisdição do Ministério da Marinha (SOUZA, 1885:108). Encontra-se relacionada entre as defesas do setor Norte (Litoral de Niterói) no "Mapa das Fortificações e Fortins do Município Neutro e Província do Rio de Janeiro" de 1863, no Arquivo Nacional (CASADEI, 1994/1995:70-71). Posteriormente, durante a Revolta da Armada (set/1893), foi duramente bombardeada, transformando-se em ruínas.

À época da 1ª Guerra Mundial (1914-18), atuou como posto de observação e como sede do Comando de Defesa do porto do Rio de Janeiro. O conjunto arquitetônico e paisagístico da ilha encontra-se tombado pelo Patrimônio Histórico desde 1938, devido à existência, no seu ponto mais alto, da Capela de Nossa Senhora da Boa Viagem. Na ocasião foi entregue ao Grupamento de Escoteiros do Mar, orientados pelo Almirante Benjamim Sodré, considerado, até à sua morte, em 1982, como guardião da ilha e sineiro de sua Igreja. O acesso à ilha é feito por uma passarela de cimento armado sobre pilares, destacando-se, além do conjunto arquitetônico da Capela, a vegetação e as ruínas do antigo forte, acessadas por uma escadaria talhada na pedra, datada de 1909. As visitas podem ser efetuadas no quarto domingo de cada mês, a partir das 8:00h, constando o roteiro de missa, apresentação de música sacra e visita guiada pelo conjunto.



 



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 

Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Book
1958
 
Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Article
1885
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Book
1940
 
O Exército na História do Brasil

Book
1998
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Muralhas de pedra, canhões de bronze, homens de ferro: fortificações do Brasil de 1504 a 2006 - Tomo I
Adler Homero Fonseca de Castro

Book
2009
 
Fortes da Banda d´Além: Niterói na defesa da Baía de Guanabara
Cesar Augusto Ornellas Ramos

Article
2004
 
Os inexpugnáveis: conheça a história dos fortes que guardaram por quatro séculos a Baía de Guanabara
Bárbara Reis

Article
2012
 
Conta sobre a fortificação e artilharia e mais fortalezas da praça e armazéns do Rio de Janeiro
Antonio do Brito de Menezes

Printed Document
1718
 
Defesa militar do Rio de Janeiro em 1822
João Manuel da Silva

Printed Document
1822
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em maio de 1875
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1875
 
Fortes
Ricardo Fasanello
José Carlos Vieira de Figueiredo

Book
2013
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Printed Document
1838
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848

Printed Document
1848
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Printed Document
1846
 
Inovação Institucional e Patrimônio Cultural de Origem Militar no Brasil
Flávia Ferreira de Mattos

Thesis
2018
 
Relatório do Ministro da Guerra, Carlos Affonso de Assis Figueiredo, em 1883
Carlos Affonso de Assis Figueiredo

Printed Document
1883
 
A representação cartográfica de fortificações ao longo do tempo: o caso do Rio de Janeiro
Francisco José Corrêa-Martins

Article - Proceedings
2016
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim José Ignácio, em maio de 1862
Joaquim José Inácio

Printed Document
1862
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Raimundo de Lamare, em maio de 1863
Joaquim Raimundo de Lamare

Printed Document
1863
 
Relatório do Ministro da Marinha, Francisco Xavier Pinto Lima, em maio de 1865
Francisco Xavier Pinto Lima

Printed Document
1865
 
Relatório do Ministro da Marinha, Francisco de Paula da Silveira Lobo, em maio de 1866
Francisco de Paula da Silveira Lobo

Printed Document
1866
 
Relatório do Ministro da Marinha, Afonso Celso de Assis Figueiredo, em maio de 1867
Afonso Celso de Assis Figueiredo

Printed Document
1867
 
Relatório do Ministro da Marinha, Barão de Cotegipe, em maio de 1869
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Printed Document
1869
 
Relatório do Ministro da Marinha, Barão de Cotegipe, em maio de 1870
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Printed Document
1870
 
Relatório do Ministro da Marinha, Manoel Antônio Duarte de Azevedo, em maio de 1871
Manoel Antônio Duarte de Azevedo

Printed Document
1871
 
Relatório do Ministro da Marinha, Manoel Antônio Duarte de Azevedo, em maio de 1872
Manoel Antônio Duarte de Azevedo

Printed Document
1872
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em dezembro de 1872
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1872
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em maio de 1873
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1873
 
Relatório do Ministro da Marinha, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em maio de 1874
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Printed Document
1874
 
Relatório do Ministro da Marinha, Luiz Antônio Pereira Franco, em maio de 1877
Luiz Antônio Pereira Franco

Printed Document
1877
 
Relatório do Ministro da Marinha, Eduardo de Andrade Pinto, em dezembro de 1878
Eduardo de Andrade Pinto

Printed Document
1878
 
Relatório do Ministro da Marinha, João Ferreira de Moura, em maio de 1879
João Ferreira de Moura

Printed Document
1879
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Rodrigues de Lima Duarte, em maio de 1880
José Rodrigues de Lima Duarte

Printed Document
1880
 
Relatório do Ministro da Marinha, Antônio de Almeira Oliveira, em abril de 1884
Antônio de Almeida Oliveira

Printed Document
1884
 
Relatório do Ministro da Marinha, José Rodrigues de Lima Duarte, em janeiro de 1882
José Rodrigues de Lima Duarte

Printed Document
1882
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Bateria de Nossa Senhora da Boa Viagem,
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre a Bateria de Nossa Senhora da Boa Viagem, também conhecida como Forte da Boa Viagem ou Fortim da Boa Viagem, que se localiza na ilha de mesmo nome, no interior da baía da Guanabara, cerca de 1,5 quilômetros ao sul do centro histórico de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bateria_de_Nossa_Senhora_da_Boa_Viagem
Fortificações de Niterói
Website Cultura Niterói, da Secretaria de Cultura e Fundação de Arte de Niterói, versando sobre a Fortaleza de Santa Cruz, e os Fortes Barão do Rio Branco, do Imbuí, São Luiz do Pico, Gragoatá e da Boa Viagem. Todas as fortificações localizam-se na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.culturaniteroi.com.br/modules.php?op=modload&name=Sections&...
Fortificações de Niterói
Website da Associação dos Taxistas do Campo de São Bento versando sobre os Fortes da Boa Viagem, do Gragoatá, do Imbuí e Barão do Rio Branco, do Pico, e sobre a Fortaleza de Santa Cruz. Todas as Fortificações localizam-se ou localizavam-se na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.taxicamposaobento.com/pontos/fortes.htm
Bateria de Nossa Senhora da Ilha da Boa Viagem
Website Niterói Turismo, versando sobre a Bateria de Nossa Senhora da Ilha da Boa Viagem, que se localiza na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro.

http://www.neltur.com.br/port/aondeir_fort_boavi.htm

 Print the Related links


  • Bateria de Nossa Senhora da Ilha da Boa Viagem

  • Forte da Boa Viagem

  • Battery

  • 1695 (AC)



  • Sebastião de Castro Caldas

  • Portugal


  • Abandoned Ruins

  • National Protection





  • Ruins

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Rio de Janeiro
    City: Niterói

    A Bateria de Nossa Senhora da Boa Viagem, hoje em ruínas, está localizada na ilha da Boa Viagem, no interior da baía da Guanabara, dominando as atuais praia Vermelha e praia da Boa Viagem, cerca de 1,5 Km ao sul do centro histórico de Niterói, no litoral do Estado do Rio de Janeiro.


  • Lat: 22 54' 39''S | Lon: 43 7' 51''W



  • O acesso à ilha é feito por uma passarela de cimento armado sobre pilares, destacando-se, além do conjunto arquitetônico da Capela, a vegetação e as ruínas do antigo forte. As visitas podem ser efetuadas no quarto domingo de cada mês, a partir das 8:00h, constando o roteiro de missa, apresentação de música sacra e visita guiada pelo conjunto.


  • Em 1710 estava artilhada com dez peças de ferro e bronze de diferentes calibres.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Bateria de Nossa Senhora da Ilha da Boa Viagem