Palmanova

Palmanova, Udine - Italy

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (2)

Images (2)

A "Fortaleza de Palmanova" localiza-se na cidade de Palmanova, região do Friuli-Venezia Giulia, província de Udine, próximo à fronteira com a Eslovénia, no Nordeste da Itália.

Constitui-se num dos exemplos mais importantes e melhor preservados da arquitetura militar do renascimento tardio. Embora existam outras cidades-fortaleza estreladas na Europa, nomeadamente Hamins (Finlândia), Coevorden e Naarden (Países Baixos) e Neuf-Brisach (França), Palmanova pode ser considerada um "unicum" na Europa, não apenas pelas suas dimensões, mas pelo seu estado geral de conversação em termos urbanísticos e de defesa.

História

No início do século XVI, arquitetos italianos criaram um sistema de baluartes avançados ligados por cortinas. Construídas em ângulo obtuso para torná-las menos vulneráveis ao bombardeio inimigo, as muralhas dos baluartes permitiam diversas linhas de fogo aos canhões que abrigavam, não deixando ângulos mortos, por onde os sitiantes pudessem avançar ilesos. Apesar dos elevados custos, este tipo de fortificação foi adotado pela maioria dos países europeus.

Durante o século XVI, o território de Friuli foi disputado entre a República de Veneza e a Áustria. Para protegê-lo contra a ameaça dos Habsburgo e dos ataques dos Otomanos, os venezianos decidiram construir uma poderosa fortaleza no centro do território, utilizando para esse fim o modelo utópico da cidade ideal renascentista.

A ideia de uma cidade perfeitamente geométrica, cercada por muros era popular entre filósofos, artistas e pessoas cultas da Europa do século XVI, e muitas representações de uma cidade ideal podem ser encontradas na arte e na literatura da época. Assim, quando os arquitetos da República de Veneza foram confrontados com a rara oportunidade de construir uma cidade inteira a partir do zero, de imediato aproveitaram a oportunidade de colocar em prática a ideia.

A cidade de Palma foi fundada pela Serenissima Repubblica di Venezia em 7 de outubro de 1593, data de aniversário da sua vitória sobre as forças Otomanas na batalha de Lepanto (1571). O primeiro anel de muralhas foi concluído em 1623, enquanto o segundo foi construído algumas décadas depois. 

Palma permaneceu sob domínio veneziano por mais de dois séculos (1593-1797), até ser conquistada por Napoleão Bonaparte. Na sequência do Tratado de Campoformio (1797) ficou sob influência austríaca (1798-1805), vindo a ser conquistado e anexado ao Reino da Itália (1806-1814). Neste período foi erguido o terceiro anel defensivo, entre 1806 e 1813, quando a cidade foi renomeada como “Palmanova”. Após a queda de Napoleão permaneceu parte do Império Habsburgo até 1866, com apenas o breve hiato de uma revolta em 1848, quando a fortaleza foi cercada por tropas austríacas. Palmanova foi definitivamente unida ao Reino de Itália em consequência do plebiscito em 1866.

A cidade-fortaleza sobreviveu a diversas guerras que atingiram a região em mais de 4 séculos, conservando a sua forma única até os nossos dias. Encontra-se classificada como “Monumento Nacional” desde 1960 por Decreto da Presidência da República. Todas as fortificações e toda a área urbana encontram-se sob a proteção da legislação nacional relativa ao património cultural (Decreto n.º 42/2004). Encontra-se compreendida no conjunto transnacional “Opere di difesa veneziane tra XVI e XVII secolo: Stato da Terra-Stato da Mar occidentale“, classificado como Património da Humanidade pela UNESCO desde 9 de julho de 2017.

Anualmente, no primeiro fim de semana de setembro, a cidade promove uma reencenação histórica do início das guerras entre Otomanos e os Habsburgo em 1615.

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartada, em estilo renascentista, ocupando uma área com aproximadamente 7 quilómetros de perímetro.

Foi projetada na forma de uma estrela de nove pontas, com 3 anéis concêntricos de 9 lados cruzados por ruas que irradiam de uma grande praça central, a “Piazza Grande”. O acesso é feito por três portões monumentais: a Porta Udine, a Porta Cividale e a Porta Aquileia. A praça central tem a forma de um hexágono regular, sendo flanqueada por edifícios importantes tais como a catedral e o Museu Cívico de História, em cujo acervo se contam documentos, armaria, e diversos itens que narram a história da cidade-fortaleza, desde as suas origens até à Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Externamente, a defesa é complementada por um fosso e por diversas fortificações, erguidas no século XVI em torno da cidade, hoje visitáveis.



 

  • Palmanova

  • Fortaleza de Palmanova

  • Fortified City

  • 1593 (AC)




  • Italy


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    UNESCO World Heritage
    Encontra-se classificada como “Monumento Nacional” desde 1960 por Decreto da Presidência da República. Todas as fortificações e toda a área urbana encontram-se sob a proteção da legislação nacional relativa ao património cultural (Decreto n.º 42/2004). Encontra-se compreendida no conjunto transnacional “Opere di difesa veneziane tra XVI e XVII secolo: Stato da Terra-Stato da Mar occidentale“, classificado como Património da Humanidade pela UNESCO desde 9 de julho de 2017.





  • Tourist-cultural Center

  • 1937300,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Italy
    State/Province: Udine
    City: Palmanova

    Palmanova, Itália.


  • Lat: 45 -55' 41''N | Lon: 13 -19' 24''E










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Palmanova