Praça-forte de Elvas

Elvas, Portalegre - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (3)

Images (3)

A “Praça-forte de Elvas” localiza-se na freguesia da Alcáçova, na cidade e concelho de Elvas, distrito de Portalegre, em Portugal.

Integrava a primeira linha defensiva do Alentejo, a par com as praças-fortes de Campo Maior, Ouguela, Olivença e Juromenha.

Distante apenas 15 quilómetros de Badajoz, na Espanha, Elvas constituiu um ponto estratégico da defesa lindeira na região do Alto Alentejo. Por essa razão, concentrou, ao longo dos séculos, um poderoso sistema defensivo, baseado nas suaves elevações distribuídas pela planície circundante e no vizinho rio Guadiana.

Considerada a mais poderosa praça-forte do país, e tida como inexpugnável, foi cognominada como a “Rainha da Fronteira” e a "Chave do Reino". Juntamente com o Forte da Graça e o Forte de Santa Luzia, constitui um dos maiores conjuntos de fortificações abaluartadas do mundo, com um perímetro superior a 10 quilómetros. Nele ainda podem ser observadas cercas urbanas medievais, construções muçulmanas reabilitadas pelos cristãos, conservando ainda portas com arcos de ferradura. A fortificação abaluartada constitui-se em raríssimo exemplar na Europa do Método Antigo de Fortificação Neerlandesa, com reabilitações posteriores que não o descaracterizam tipologicamente.

História

Antecedentes

Ver "Castelo de Elvas"

A moderna fortificação

Quando da crise de sucessão de 1580, a cidade foi ocupada sem resistência por tropas sob o comando de D. Sancho de Ávila, devido à traição de seu alcaide.

No contexto da Guerra da Restauração da independência portuguesa (1640-1668), aqui tiveram lugar as primeiras escaramuças e, em setembro de 1641 registou-se o primeiro assalto por tropas espanholas, sob o comando do conde de Monterey, repelidas pelas forças portuguesas sob o comando de D. João da Costa, 1.º conde de Soure.

Em termos de governação, à época foi criado um Conselho de Guerra e o país dividido em províncias militares: Minho, Trás-os-Montes, Beira, Estremadura, Alentejo e Algarve. Pela importância da sua posição estratégica, Elvas tornou-a sede do Governo das Armas do Alentejo, sob o comando de Matias de Albuquerque, militar experiente nas campanhas do Brasil, que lhe iniciou extensas mudanças e importantes reforços na estrutura defensiva já em 1641. As obras contaram com a ajuda da população, disposta “a empenhar as vidas e sacrificar as fazendas” pela liberdade da Pátria, sendo custeadas com uma contribuição de 2 mil réis dos moradores, e consistiram inicialmente na abertura de trincheiras e reforço da barbacã, assim como a abertura de um fosso. Deu-se ainda início à demolição de diversas casas para permitir o esforço de guerra. Trabalhos semelhantes foram empreendidos nas praças-fortes de Campo Maior e de Olivença, reforçadas e guarnecidas com tropas recrutadas na própria região.

Entre 1641 e 1653 teve lugar a construção da fortificação abaluartada da praça-forte de Elvas em linhas gerais, demolindo-se para isso grande parte da antiga cerca fernandina.

Entre 1641 e 1648 foi erguido o Forte de Santa Luzia no seu essencial.

Esse aparato foi posto à prova logo em 1644, quando estando guarnecida por um efetivo de apenas dois mil infantes portugueses – a cavalaria encontrava-se em Vila Viçosa, onde se constituía em um exército de reforço - resistiu a um cerco de quinze mil espanhóis, sob o comando do marquês de Torrecusa, por nove dias (novembro de 1644). Torrecusa, que já havia derrotado por Matias de Albuquerque na Batalha do Montijo (26 de Maio de 1644), recuou com as suas tropas para Badajoz.

Em 1648 foi construído o chamado “Casarão”, uma obra exterior com projeto do arquiteto militar Nicolau de Langres.

A partir de outubro de 1658 um exército espanhol de 14.000 infantes, 5.000 cavaleiros e 19 peças de artilharia, sob o comando do Primeiro-ministro D. Luis Méndez de Haro y Guzmán, iniciou novo esforço para conquistar Elvas, do que podia resultar o fim do conflito. No interior da praça-forte, uma epidemia reduzira o efetivo português, sob o comando do então governador desta praça, D. Sancho Manoel de Vilhena, 1.º conde de Vila Flor, de 11.000 para apenas 1.000 homens capazes de combater. O general de cavalaria e alcaide-mór de Sintra, André de Albuquerque de Ribrafria, autor do plano de defesa, conseguira iludir numa noite o inimigo e fora juntar-se ao exército de socorro que se formava em Estremoz, com forças recrutadas em Bragança, Viseu e ilha da Madeira, que ali se reuniram às guarnições de Borba, Juromenha, Campo Maior, Vila Viçosa, Monforte e Arronches.

O socorro português, composto por oito mil infantes, dois mil e novecentos cavaleiros e sete bocas de fogo, sob o comando de D. António Luis de Menezes, 1.º marquês de Marialva e 3.º conde de Cantanhede, chegou à vista de Elvas a 13 de janeiro. A disposição de suas forças induziu os generais espanhóis a dividir as suas tropas pelos setores mais suscetíveis de ataque.

Na alvorada de 14 de janeiro de 1659, um nevoeiro cerrado impediu os espanhóis de se aperceberem da formação em ordem de batalha do exército português. Quando este se dissipou é que os espanhóis perceberam que o exército português atacava em formação cerrada precisamente a partir do ponto onde se concentrara. Na batalha que se seguiu (Batalha das Linhas de Elvas), o general André de Albuquerque veio a perecer. A vitória portuguesa salvou não apenas a cidade, mas o país, de voltar a cair em poder de Filipe IV de Espanha. Às portas de Elvas o inimigo desbaratado abandonou todo o acampamento, a artilharia, e 15.000 espingardas, tendo alcançado Badajoz apenas 5.000 infantes e 300 cavalos. O feito valeu a D. António Luís, o titulo de Marquês de Marialva.

A praça resistiu com sucesso a novo cerco, por forças espanholas sob o comando de D. Juan José de Austria (1663).

Posteriormente, no contexto da Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714) resistiu aos assédios impostos por tropas franco-espanholas sob o comando do marquês de Bay em 1706 e em 1711.

Em 1762 o seu Regimento de Infantaria foi subdividido no 1.º Regimento de Infantaria de Elvas e no 2.º Regimento de Infantaria de Elvas.

Chamado a Portugal pelo Marquês de Pombal para reorganizar o Exército Português, Friedrich Wilhelm Ernst Von Shaumburg- Lippe apercebeu-se de uma fragilidade na defesa de Elvas: uma colina - o Monte da Graça - de 404 metros de altura, que se constituía em padrasto à praça-forte. Desse modo, por suas ordens, entre 1763 e 1792 teve lugar a construção do Forte da Graça no seu essencial, substituindo a igreja gótica que aí existia. Nesse período, em 1767 procede-se à construção dos Quartéis do Casarão, tendo-se aproveitado as cortinas laterais do Baluarte do Casarão. As obras foram executadas sob a direção do tenente-general engenheiro militar Guillaume-Louis-Antoine de Valleré (Guilherme Luís de Valleré). Também nesse período o engenheiro militar Tomás de Vila Nova e Sequeira foi agraciado com benesses após a sua obra de reforço das muralhas (2 de dezembro de 1769).

Do século XIX aos nossos dias

No contexto da chamada “Guerra das Laranjas” (1801) sofreu assédio pelas tropas espanholas sob o comando de D. Manuel de Godoy, tendo os cítricos que deram nome ao conflito sido colhidos por Godoy nas imediações da praça-forte.

O 2.º Regimento de Infantaria de Elvas passou a designar-se por Regimento de Infantaria n.º 17 por Decreto de 9 de maio de 1806. No final do ano seguinte (1807), antecedendo a Guerra Peninsular (1808-1814) registou-se a entrada do exército francês. Em 1808 a praça-forte foi cercada por forças do exército luso-britânico. Neste contexto foram erguidos:

- de 1810 a 1812 o Fortim de São Mamede;

- em 1810 o Fortim de São Domingos;

- em 1812 o Fortim de São Francisco;

- até 1815 o Fortim São Pedro.

No contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834) a praça constitui-se num bastião absolutista. O Regimento de Infantaria n.º 17 foi aquartelado em Elvas (Decreto de 20 de fevereiro de 1834). Ao final do conflito, com a assinatura da Convenção de Évora-Monte (26 de maio de 1834), o Regimento de Infantaria n.º 17 foi extinto.

De 1840 a 1842 o antigo Regimento de Infantaria n.º 17 denominou-se Batalhão de Infantaria n.º 20. De 1842 a 1899 o Batalhão de Infantaria n.º 20 subiu ao escalão de Regimento de Infantaria n.º 4. De 1899 a 1902 o Regimento de Infantaria n.º 4 passou a designar-se por Regimento de Caçadores n.º 4. De 1902 a 1911 o Regimento de Caçadores n.º 4 passou a Batalhão de Caçadores n.º 4.

Em 1874 a praça-forte encontrava-se guarnecida por 6.848 homens e artilhada com 137 peças e 12 morteiros, contando com bastantes arcabuzes, espingardas, clavinas, pistolas, espadas, lanças e piques.

A reorganização militar portuguesa de 1884 retirou importância à praça-forte.

Em 1926 foi organizado em Elvas o Batalhão de Caçadores n.º 8, unidade formada com os 2.º e 3.º Batalhões do Regimento de Infantaria n.º 22, o 2.º Batalhão do Regimento de Infantaria n.º 17 e material do 4.º Grupo de Metralhadoras.

O Castelo de Elvas encontra-se classificado como Monumento Nacional no país por Decreto de 27 de setembro de 1906, publicado no Diário do Governo, 1.ª série, n.º 228, de 9 de outubro de 1906, a que se seguiu o Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo, 1,ª série, n.º 136, de 23 de junho de 1910. As muralhas de Elvas encontram-se classificadas como Monumento Nacional pelo Decreto n.º 28.536, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 66, de 22 de março de 1938. Logo depois essa classificação foi ampliada para compreender as muralhas e obras anexas (Decreto n.º 30.762, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 225 de 26 de setembro de 1940. Nova classificação das Muralhas de Elvas como Monumento Nacional foi efetuada pelo Decreto n.º 37.077, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 228, de 29 de setembro de 1948.

Após a Revolução dos Cravos (1974), o Regimento de Infantaria de Elvas foi recriado (21 de março de 1975), recebendo o desativado Batalhão de Caçadores n.º 1 com a designação de Destacamento de Portalegre do Regimento de Infantaria de Elvas (1 de maio de 1975). Este, por sua vez foi extinto (30 de abril de 1979), ficando o Regimento de Infantaria de Elvas como fiel depositário do seu património.

Pelo Despacho n.º 72/93, de 30 de junho, do Ministro da Defesa Nacional, o Regimento de Infantaria de Elvas passou a designar-se Regimento de Infantaria n.º 8 (14 de julho de 1993).

De 1997 a 1998 a Câmara Municipal de Elvas candidatou os Fortins de São Domingos, São Pedro e São Mamede ao programa "Life" para obras de recuperação. Pelo despacho conjunto dos Ministérios da Defesa Nacional, das Finanças e da Educação n.º 221/99, de 31 de dezembro de 1998, publicado no Diário da República, II Série, n.º 58/99 de 10 de março de 1998, foi autorizada a reafectação do antigo Quartel do Trem para o Instituto Politécnico de Portalegre, para aí se instalar a Escola Superior Agrária de Elvas.

Em 1999 um aluimento de terras colocou em perigo a estabilidade de um pano de muralhas na zona alta da cidade, junto à Porta de São Vicente. Em abril do mesmo ano, a Direcção-Geral de Infraestruturas do Ministério da Defesa Nacional lançou Concurso Público de Ideias para a Salvaguarda e Valorização do Património do Estado, afeto à Defesa Nacional, na Cidade de Elvas.

A 15 de março de 2004 a DGEMN - DREMS abriu concurso para obras de conservação em panos de muralha em Elvas.

Em 2005 a Câmara Municipal de Elvas preparou a candidatura das Fortificações de Elvas a Património Mundial. A representação militar da cidade encerrou-se no ano seguinte, quando o quartel do Regimento de Infantaria n.º 8 encerrou portas para ser requalificado como museu histórico (30 de junho de 2006).

A 18 de fevereiro de 2011 foi formalizada a proposta de abertura do processo de classificação das Fortificações de Elvas pelo Gabinete do Secretário de Estado do Ministério da Cultura, como Monumento Nacional, por se encontrar inscrito na lista indicativa do Património Mundial da UNESCO.

Logo em seguida, a 22 do mesmo mês e ano, foi assinado o Despacho de abertura do processo de classificação e a determinar a fixação da Zona Especial de Proteção provisória, pelo diretor do IGESPAR. A 5 de maio de 2011 foi publicado o projeto de decisão de classificação das Fortificações de Elvas como Monumento Nacional e fixada a respetiva Zona Especial de Proteção (Anúncio n.º 6052/2011, publicado no Diário da República, II série, n.º 87).

A "Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e suas Fortificações" encontra-se classificada como Património Mundial pela UNESCO em 30 de junho de 2012. O conjunto corresponde a uma área de 690 hectares, que compreende o centro histórico e suas cinturas de muralhas, muçulmanas, fernandinas e seiscentistas, o Aqueduto da Amoreira, o Forte de Santa Luzia, o Forte da Graça, e os fortins de São Mamede, São Pedro e São Domingos.

Características

De enquadramento urbano constitui-se em exemplar de arquitetura militar medieval e moderna.

A moderna fortificação

Com a Guerra da Restauração (1640-1668), embora Elvas mantivesse parte das muralhas medievais, impôs-se a modernização das suas defesas. A nova fortificação abaluartada envolveu a cidade, assim transformada em um imenso quartel, seguindo o Método Antigo de Fortificação Neerlandês.

As obras da sua cintura exterior, com projeto de autoria do conde da Torre, ficaram a cargo do Tenente-general Rui Correia Lucas, com a colaboração do arquiteto militar jesuíta Neerlandês Joannes Cieremans (Cosmander), também responsável pelo projeto de uma grandiosa cisterna com 2.200 m³.

O conjunto apresenta planta poligonal irregular, compreendendo sete baluartes, quatro meios baluartes e 12 cortinas: cortina com a Porta de Olivença e revelim com a porta exterior, Baluarte de Olivença, com contraguarda, cortina com poterna, Baluarte de São João de Deus com cavaleiro e poterna, cortina com poterna e contraguarda, Redente do Cascalho, cortina com a Porta da Esquina e revelim com a porta exterior, Baluarte de Nossa Senhora da Conceição com contraguarda, cortina com poterna, Meio baluarte do Trem, cortina com poterna, Meio baluarte do Príncipe, cortina, Baluarte de Santa Bárbara, cortina, Meio baluarte de São João da Corujeira, cortina com Porta de São Vicente e revelim com a porta exterior, Baluarte da Porta Velha com orelhão direito, Obra Coroa protegida por redente, revelim e tenalha, cortina com tenalha, Baluarte do Casarão com cavaleiro e contraguarda, cortina com poterna, tenalha simples e Praça de Armas entrincheirada, Meio Baluarte de São Domingos, cortina com Praça de Armas entrincheirada, Baluarte da Praça de Armas, com cavaleiro. No interior, em área urbana de marcadas características militares, abrigavam-se os quartéis e casernas casamatadas para as tropas, depósitos e paióis. Os Quartéis do Casarão, obra à prova de bombas, caracterizada por grande solidez, tinham capacidade para até 3.000 homens.

Esta defesa é complementada por uma série de fortins ou redutos:

- de São Domingos, a O da Praça-forte de Elvas, apresenta planta no formato de polígono irregular com quatro lados;

- de São Francisco, a O da Praça-forte de Elvas e a NE do Fortim de São Domingos, com várias cortinas dispostas de forma irregular do ponto de vista geométrico.

- de São Mamede, a SE do Forte de Santa Luzia, apresenta planta no formato de um polígono irregular com quatro lados;

- de São Pedro, no bairro de mesmo nome, a S da Praça de Elvas e a O do Forte de Santa Luzia. De pequenas dimensões, apresenta planta no formato de um polígono irregular com quatro lados, rodeado externamente por um fosso. Erguido no século XIX, constituiu-se em um paiol.

No conjunto destacam-se ainda as seguintes estruturas:

- Forte de Nossa Senhora da Graça (Forte Conde de Lippe), erguido em 1763 na entrada norte, segundo um plano de Friedrich Wilhelm Ernst zu Schaumburg-Lippe, conde de Lippe;

- Forte de Santa Luzia, erguido por volta de 1648 na entrada sul;

- Fortim (Forte) da Piedade

Por fim devem referir-se também os apoios que rodeiam Elvas, alguns medievais – pequenos castelos e acasteladas casas de lavoura, fortins, torres, atalaias – que se estendem por vasta área, assim como o Aqueduto da Amoreira, que abastecia a praça.



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 

A defesa militar do Alentejo
Francisco Sousa Lobo

Article
2008
 
A Praça-Forte de Elvas: a cidade e o território
Margarida Valla

Article
2008
 
As fortificações seiscentistas de Elvas e o primeiro sistema holandês de fortificação
Edwin Paar

Article
1998
 
Cidade-Quartel Fronteiriça da Elvas e suas Fortificações - The Garrison Border Town of Elvas and its Fortifications
Domingos Bucho
Raul Ladeira

Book
2013
 
De Elvas a Olivença. O Renascimento antes de Vitrúvio
Paulo Pereira

Article
2008
 
Dicionário histórico e documental dos arquitetos, engenheiros e construtores portugueses ou a serviço de Portugal
Francisco Marques de Sousa Viterbo

Book
1899
 
Elvas, a Chave do Reino
Nelson Marques Cavaco

Article - Magazine
2017
 
Fortificações de Portugal na fronteira da estremadura espanhola
Miguel Figueira de Faria

Article - Proceedings
1995
 
Inventário do Património Arquitectónico: Núcleo intramuros da Praça de Elvas
Anouk Costa
Cláudia Morgado
Marta Clemente
Rita Vale

Inventory
2008
 
Justificação para a inscrição das fortificações de Elvas na lista do Património Mundial
Domingos Bucho

Article
2008
 
Memória sobre as fortificações de Lisboa
Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo (Marquês de Sá da Bandeira)

Book
1866
 
Métodos e escolas de fortificação abaluartada em Elvas
Domingos Bucho

Book
2010
 
O Aqueduto da Amoreira e o sistema de abastecimento de água a Elvas
José Manuel de Mascarenhas
António de Carvalho Quintela

Article
2008
 
O Forte de Nossa Senhora da Graça
Sofia Guerra

Article
2008
 
O mundo reconhece Elvas
Câmara Municipal de Elvas

Article - Magazine
2007
 
O sistema fortificado de Elvas no panorama da arquitectura militar européia da época
Edwin Paar

Article
2008
 
Os Mais Belos Castelos de Portugal
Julio Gil
Augusto Cabrita

Book
1992
 
Portugalliae civitates: perspectivas cartográficas militares
Maria Helena Dias
Instituto Geográfico do Exército

Book
2008
 
Raia e cidade
Walter Rossa
Margarida Tavares da Conceição
Luísa Trindade

Article
2008
 
Requalificação da envolvente do sistema fortificado de Elvas
Carlos Correia Dias

Article
2008
 
Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses
João de Almeida

Book
1945
 
The garrison border Town of Elvas and its fortifications: proposal for inclusion on World Heritage List
Domingos Bucho

Report (Other)
2010
 
 

 Print the Related bibliography



Related links 

Icofort
The International Scientific Committee on Fortifications and Military Heritage (ICOFORT) - is the committee of ICOMOS that aims to conduct specialized research, promoting professional exchange in the conservation of the fortifications and military heritage and foster international cooperation for identification, protection and preservation of fortifications, structures, landscapes and military installations. The International Council on Monuments and Sites (ICOMOS) - www.icomos.org - was created in 1965.

http://www.icofort.org/
Icofort in Facebook
Page in the Facebook about the ICOFORT: The International Scientific Committee on Fortifications and Military Heritage (http://www.icofort.org/).

http://www.facebook.com/icomos.icofort
Military Tourism
Wikipedia page of the "Tourism Military", created in 2014 by the Ministry of National Defense Portuguese.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Turismo_Militar

 Print the Related links



Related entries 


 Print the Related entries

Contribution

Updated at 25/05/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (3).


  • Praça-forte de Elvas

  • Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e suas Fortificações

  • Fortified City

  • 1641 (AC)

  • 1653 (AC)

  • Joannes Cieremans


  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    UNESCO World Heritage
    O Castelo de Elvas encontra-se classificado como Monumento Nacional por Decreto de 27 de setembro de 1906, publicado no Diário do Governo, 1.ª série, n.º 228, de 9 de outubro de 1906, a que se seguiu o Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo, 1,ª série, n.º 136, de 23 de junho de 1910.
    As muralhas de Elvas encontram-se classificadas como Monumento Nacional pelo Decreto n.º 28.536, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 66, de 22 de março de 1938. Essa classificação foi ampliada para compreender as muralhas e obras anexas (Decreto n.º 30.762, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 225 de 26 de setembro de 1940. Nova classificação das Muralhas de Elvas como Monumento Nacional foi efetuada pelo Decreto n.º 37.077, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 228, de 29 de setembro de 1948.
    A 5 de maio de 2011 foi publicado o projeto de decisão de classificação das Fortificações de Elvas como Monumento Nacional e fixada a respetiva Zona Especial de Proteção (Anúncio n.º 6052/2011, publicado no Diário da República, II série, n.º 87).
    A "Cidade Fronteiriça e de Guarnição de Elvas e suas Fortificações" encontra-se classificada como Património Mundial pela UNESCO em 30 de junho de 2012.





  • Tourist-cultural Center

  • 6.900.000,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Portalegre
    City: Elvas



  • Lat: 38 -53' 13''N | Lon: 7 9' 45''W




  • 1874: encontrava-se artilhada com 137 peças e 12 morteiros, contando com bastantes arcabuzes, espingardas, clavinas, pistolas, espadas, lanças e piques.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Praça-forte de Elvas