Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat

Salvador, Bahia - Brasil

Pesquisa de Imagens da fortificação

Data 1 Data 2

Mídias (7)

Imagens (7)

O “Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat” localiza-se na ponta de Monte Serrat, na cidade do Salvador, estado da Bahia, no Brasil.

História

No período colonial sucedeu ao primitivo Fortim de São Filipe na antiga ponta da Giquitaia, hoje de Monte Serrat, então limite norte da cidade, dominando a praia da Boa Viagem.

Sob o reinado de Pedro II de Portugal (1683-1706), o Governador-geral do Estado do Brasil, João de Lencastre (1694-1702), fez reedificar o primitivo fortim, em alvenaria de pedra e cal, com planta do engenheiro florentino Baccio da Filicaia. (GARRIDO, 1940:94) Os trabalhos foram concluídos em 1742, sob o governo do Vice-rei D. André de Melo e Castro (1735-1749).

Encontra-se representado em iconografia de José António Caldas ("Planta e prospeto do forte de N. Srª de Monserrate". In: Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu recôncavo por mar e terra, c. 1764. Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa).

Também se encontra representado em iconografia de Carlos Julião, sob o nome de "1. Monserrate" (Elevaçam e fasada que mostra em prospeto pela marinha, a cidade de Salvador, Bahia de todos os Santos, 1779. Gabinete de Estudos Arqueológicos de Engenharia Militar, Lisboa), ilustrada com os desenhos de trajes típicos femininos.

O século XIX

SOUZA (1885), reporta que em 1809 estava artilhado com 9 peças. (Op. cit., p. 95) Acredita-se que esse autor tenha se baseado no "Parecer sobre a fortificação da Capital", do Brigadeiro José Gonçalves Leão, presidente da Junta encarregada pelo Governador da Bahia, naquele ano, de propor as obras necessárias para a defesa da península e do recôncavo. (ACCIOLI. Memórias Históricas da Bahia. Vol. VI. p. 179 e segs.) BARRETTO (1958) discrimina essa artilharia como sendo 8 peças do calibre 18 libras e uma de 12. (Op. cit., p. 177)

Durante a Sabinada (1837-1838), foi ocupado pelos revoltosos, que empregaram, para esse fim, o paquete Brasília, que fizeram artilhar com 2 peças. Em resposta, a Marinha Imperial enviou uma força de 60 fuzileiros navais, em 4 lanchas da fragata Imperial Marinheiro, que tentaram desembarcar na praia de Boa Viagem, a 13 de março de 1838, sendo repelidos por intenso fogo de artilharia e de fuzis. No dia seguinte, o forte sofreu um bloqueio naval pela própria Imperial Marinheiro, pela corveta Regeneração e pelo brigue Três de Maio. Ao mesmo tempo, por terra, um destacamento do Exército Brasileiro completou o cerco da posição, que, sob o fogo cruzado legalista, rendeu-se.

Foi visitado em 1859 pelo Imperador Pedro II do Brasil (1840-1889), que registrou em seu diário de viagem:

"28 de Outubro - (...) Daí [do Lazareto] fui ao forte de Monserrate que jaz abandonado, tendo se picado a inscrição que existia sobre o portão. Tem bela vista e o [engenheiro André] Przewodowski, que mora perto, disse que ninguém morreu ainda aí de febre amarela ou de cólera." (PEDRO II, 2003:161)

No contexto da Questão Christie (1862-1865), o "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província, datado de 3 de agosto de 1863, dá-o como reparado, citando:

"(...) Sua configuração é a dum hexágono com o desenvolvimento de 485 palmos, à barbeta e montando atualmente seis peças de calibre 18.

Está bem conservada, limpa e tem as acomodações precisas para o material e pessoal.

Deve-se, pois, considerar este Forte em estado de prestar os serviços que lhe são próprios; sendo somente de notar que não esteja armado com artilharia de maior calibre, como convém à sua posição e distância relativa aos outros fortes.
" (ROHAN, 1896:51, 60-61)

SOUZA (1885) computa-lhe 3 peças, desmontadas, com os parapeitos das muralhas em bom estado, à época (1885). (Op. cit., p. 95).

Do século XX aos nossos dias

O forte sofreu reparos em 1883 e, à época da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), em 1915, bem como trabalhos de restauração pelo Ministério da Guerra em 1926, executados por solicitação do então governador do estado da Bahia, Francisco Marques de Góis Calmon (1924-1928), que lhe preservaram as características originais. (GARRIDO, 1940:94)

O sítio histórico de Monte Serrat / Boa Viagem (igreja e forte) encontra-se tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional desde 1957. De acordo com BARRETTO (1958), as instalações do forte eram ocupadas, à época, pelo SRMB da 6.ª Região Militar. (Op. cit., p. 177)

Na década de 1980 sediou a Seção Bahia da Liga de Amadores Brasileiros de Rádio Emissão. (SOUZA, 1983:169)

Administrado pela 6.ª Região Militar do Exército Brasileiro e restaurado, desde 1993 abriga o Museu da Armaria, expondo ao público diversas armas de fogo, inclusive canhões. A sua guarnição apresenta-se trajada com o uniforme histórico do 1.º Regimento de Infantaria da Bahia, dentro do projeto de revitalização das Fortalezas Históricas de Salvador, da Secretaria de Cultura e Turismo em parceria com o Exército.

Para os aficcionados da telecartofilia, a sua fachada e acesso ilustram um cartão telefônico da série Fortes de Salvador, emitida pela Telebahia em junho de 1998.

Integra a Lista Indicativa enviada pelo país à UNESCO em 2015, para concorrer ao título de Patrimônio Mundial, previsto para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil (2022). 

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartado.

De acordo com a iconografia de José António Caldas (c. 1764), a sua estrutura apresentava planta no formato de um polígono hexagonal irregular, com parapeitos à barbeta e, nos vértices, guaritas circulares recobertas por cúpulas. No terrapleno, pelo lado do portão de acesso, observa-se uma edificação de dois pavimentos, abrigando as dependências de serviço (Casa de Comando, Quartel da Tropa, Casa da Palamenta, e outras), e a cisterna. Originalmente o seu acesso se dava por uma ponte levadiça entre a rampa e o terrapleno, e o Corpo da Guarda tinha, no pavimento térreo, dois quartéis flanqueando a entrada.

Uma placa comemorativa, do lado esquerdo do Portão de Armas, recorda aos visitantes:

Aos 17 de julho / de 1624 foi / morto neste / sítio o gene / ral hollandez / João van Dorth / 19 IG+HB 38



 Personagens relacionados


 Imprimir Personagens relacionados

Bibliografias relacionadas 

Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Anais
2010
 
As Fortalezas e a defesa de Salvador
Mário Mendonça de Oliveira

Livro
2008
 
As fortificações Militares, referenciais para o turismo
Anésio Ferreira Leite

Artigo
2002
 
As Fortificações Portuguesas de Salvador Quando Cabeça do Brasil
Mário Mendonça de Oliveira

Livro
2004
 
As primitivas defesas da cidade de Salvador
Mário Mendonça de Oliveira

Artigo - Revista
2007
 
Características arquitetônicas medievais em fortificações brasileiras
José de Arimathéia Cordeiro Custódio

Artigo - Digital
2017
 
Carta de Recife

Documento Oficial
2017
 
Cartas de Vilhena - crítica do sistema fortificado
Anésio Ferreira Leite

Artigo
1999
 
Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu reconcavo por mar e terra
José Antônio Caldas

Documento
1764
 
Dimensión Antropológica

Revista
2016
 
Falando de fortes: uma viagem pelos símbolos de resistência desta terra
Cid Teixeira

Artigo
2002
 
Fortalezas Históricas do Brasil
Jacob Klintowitz
Romulo Fialdini

Livro
1983
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Fortes da Bahia, nº 2
Anésio Ferreira Leite
Cid Teixeira
Cybèle Celestino Santiago
Etelvina Rebouças
Alberto Paraíso

Jornal
2002
 
Fortes da Bahia, nº3
Mário Mendonça de Oliveira
Anésio Ferreira Leite
Cid Teixeira
Maria do Socorro Martinez

Jornal
2002
 
Fortes e Fortalezas. A participação da FUNCEB na restauração e divulgação do Patrimônio Nacional
Paulo Roberto Rodrigues Teixeira

Artigo
2010
 
Forte Monte Serrat
Paulo Roberto Rodrigues Teixeira

Artigo - Revista
2004
 
Forte São Marcelo, "O humbigo da Bahia"
Anésio Ferreira Leite

Artigo
2010
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Livro
1940
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Livro
1958
 
Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Artigo
1885
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Livro
2004
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - A ''Cidade-Fortaleza'' de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Artigo
2001
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - Histórial dos Fortes de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Artigo
2001
 
Gazeta do Forte - Ano II, nº 5
ABRAF

Jornal
2009
 
Il forte di Monserrate e il sistema difensivo della Baia di Todos os Santos a Salvador de Bahia.
Emanuela Bonvecchi

Tese
2014
 
Las fortificaciones en Brasil
Roberto Tonera

Artigo - Revista
2016
 
Levantamento Cartográfico de Paulo Nunes Tinoco - 1631
Paulo Nunes Tinoco

Documento Manuscrito
1633
 
O Brasil Colonial: tropas e uniformes, 1500-1822
René Chartrand

Livro
2011
 
O Exército na História do Brasil

Livro
1998
 
Os Fortes de Salvador
Virgínia Pernambucano de Mello

Cd-Rom
2006
 
Os Fortes do Brasil
Ricardo Siqueira Prado
Ricardo Chaves Prado

Artigo - Revista
1998
 
Plano da fortificação que se acha na Capitania da Bahia feito por ordem do senhor D. Fernando José de Portugal e Castro, Governador e Capitão Geral da mesma Capitania no ano de 1799

Documento Manuscrito
1799
 
Príncipe Regente chega no Dia do Descobrimento do Brasil
Rogério Borges

Artigo
2008
 
Relatório do Ministro de Guerra, José Maria da Silva Paranhos, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impresso
1871
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impresso
1871
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Documento Impresso
1838
 
Relatório síntese do Seminário Internacional sobre Fortificações Brasileiras – Patrimônio Mundial

Relatório (Outros)
2017
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Documento Impresso
1846
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Documento Impresso
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Franklin Américo de Menezes Dória, em 1882
Franklin Americo de Menezes Doria

Documento Impresso
1882
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848

Documento Impresso
1848
 
Inovação Institucional e Patrimônio Cultural de Origem Militar no Brasil
Flávia Ferreira de Mattos

Tese
2018
 
Visitações e Turismo em patrimônio militar sob a guarda do Exército Brasileiro: implicações da candidatura de um conjunto de fortificações brasileiras a Patrimônio Mundial
José Cláudio dos Santos Júnior
Flávia Ferreira de Mattos
Roberto Bartholo

Artigo - Anais
2018
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1889
Thomaz José Coelho de Almeida

Documento Impresso
1889
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1888
Thomaz José Coelho de Almeida

Documento Impresso
1888
 
Relatório do Ministro da Guerra, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em 1887
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Documento Impresso
1887
 
Relatório do Ministro da Guerra, Antônio Eleutério de Camargo, em 1885
Antonio Eleutério de Camargo

Documento Impresso
1885
 
Relatório do Ministro da Guerra, Filippe Franco de Sá, em 1884
Filippe Franco de Sá

Documento Impresso
1884
 
Conjunto de Fortificações Coloniais do Brasil indicado para o Patrimônio Cultural da Humanidade
Elcio Rogério Secomandi

Artigo - Digital
2019
 
Muralhas da memória: fortificações, patrimônio e turismo cultural
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Digital
2013
 
A História do Brasil em suas muralhas de pedra
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Revista
2018
 
A formação de um país de dimensões continentais: o sistema de fortificações portuguesas na América Latina
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Revista
2017
 
CEAMA 17

Revista
2017
 
Educação patrimonial: fortes, fortalezas e integração nacional
Elcio Rogério Secomandi

Artigo - Revista
2020
 
A produção do discurso sobre o patrimônio cultural militar: os usos e desusos do tombamento das fortalezas no Brasil
Alessandro Pereira Oliveira
Luana de Carvalho Silva Gusso
Felipe Borborema Cunha Lima

Artigo - Revista
2018
 
Revista DaCultura nº 34

Revista
2020
 
Patrimônio Cultural de Origem Militar: contribuições do ICOFORT RIO 2017

Anais
2019
 
CEAMA 15

Revista
2017
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1874
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1874
 
Uma muralha de concreto e aço: possibilidades de valoração de um patrimônio cultural de origem militar
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Anais
2019
 
Relatório do Ministro da Guerra, Carlos Affonso de Assis Figueiredo, em 1883
Carlos Affonso de Assis Figueiredo

Documento Impresso
1883
 
Muralhas de pedra, canhões de bronze, homens de ferro
Adler Homero Fonseca de Castro
Synésio Scofano Fernandes

Artigo - Revista
2019
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em 1901
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impresso
1901
 
Projeto elaborado no Estado Maior do Exército, em abril de 1900
Feliciano Mendes de Moraes
Alberto Cardoso de Aguiar
Custódio de Senna Braga

Documento Impresso
1900
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em maio de 1902
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impresso
1902
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antonio Coelho de Sá e Albuquerque, em dezembro de 1863
Antonio Coelho de Sá e Albuquerque

Documento Impresso
1864
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em junho de 1908
Hermes Rodrigues da Fonseca

Documento Impresso
1908
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Joaquim Pires Machado Portella, em julho de 1872
Joaquim Pires Machado Portella

Documento Impresso
1872
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Antonio Candido da Cruz Machado, em março de 1874
Antonio Candido da Cruz Machado

Documento Impresso
1874
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1915
José Caetano de Faria

Documento Impresso
1915
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Venancio José de Oliveira Lisboa, em março de 1875
Venancio José de Oliveira Lisboa

Documento Impresso
1875
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1916
José Caetano de Faria

Documento Impresso
1916
 
Brasil... Forte Abraço!
Cristiane Carbone

Catálogo
2019
 
Relatório do Presidente da Província, Luiz Antonio da Silva Nunes, em fevereiro de 1877
Luiz Antonio da Silva Nunes

Documento Impresso
1877
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em maio de 1880
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Documento Impresso
1880
 
Relatório do Presidente da Província, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em março de 1881
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Documento Impresso
1881
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Pedro Luiz Pereira de Souza, em abril de 1884
Pedro Luiz Pereira de Souza

Documento Impresso
1884
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Esperidião Eloy de Barros Pimentel, em maio de 1885
Esperidião Eloy de Barros Pimentel

Documento Impresso
1885
 
Relatório do Conselheiro da Província da Bahia, Manuel do Nascimento Machado Portella, em abril de 1889
Manuel do Nascimento Machado Portella

Documento Impresso
1889
 
Mensagem do Governador do Estado da Bahia, Francisco Marques de Góes Calmon, em abril de 1924
Francisco Marques de Góes Calmon

Documento Impresso
1924
 
A construção da governabilidade no Estado do Brasil: perfil social, dinâmicas políticas e redes governativas do Governo-Geral (1642-1682)
Hugo André Flores Fernandes Araújo

Tese
2018
 
O papel das fortificações no espaço urbano de Salvador
Marcos Antonio dos Santos

Dissertação
2012
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1886
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1886
 
 

 Imprimir Bibliografias relacionadas



Links relacionados 

Arquivo Noronha Santos
Link para o Arquivo Noronha Santos, pertencente ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -IPHAN, que dispõe de uma base de dados sobre os bens culturais tombados nacionalmente, inclusive as fortificações no Brasil. Para encontrar as fortificações, faça uma pesquisa (busca) na seção Livros do Tombo.

http://www.iphan.gov.br/ans/inicial.htm
Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, que localiza-se em posição dominante na ponta de Monte Serrat, limite Norte da cidade de Salvador à época do Brasil Colônia, atual rua da Boa Viagem, no litoral do Estado da Bahia, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_Nossa_Senhora_do_Monte_Serrat
Fortes da Bahia
Website Mar da Bahia versando sobre os Fortes de São Marcelo, Santo Antônio da Barra, Santa Maria, São Paulo da Gamboa, São Diogo, São Pedro, Monte Serrat, Santo Alberto, Jequitaia, Rio Vermelho, Santo Antônio Além do Carmo, Barbalho, Paraguassú e Morro de São Paulo, todos localizados no Estado da Bahia.

http://www.mardabahia.com.br/fortes_salv.php
Fortificações de Salvador
Website EMTURSA versando sobre os Fortes de Nossa Senhora de Monte Serrat, de Santa Maria, de Santo Antônio Além do Carmo, de Santo Antônio da Barra, de São Diogo, de São Pedro, do Barbalho, de Santo Alberto, e de São Marcelo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.emtursa.ba.gov.br/Template.asp?IdEntidade=109&Nivel=0002000...
Fortificações de Salvador
Website Salvador 2003, versando sobre as seguintes fortificações: Forte de São Pedro, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de Nossa Senhora do Monte Serrat, Forte de São Marcelo, Forte de Santo Abelardo e Forte de Santo Antônio Além do Carmo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.salvador2003.com.br/fortes.htm
Fortificações de Salvador
Website Colonial Voyage, em inglês, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Bahia: Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de São Marcelo, Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat e Forte de São Pedro.

http://www.colonialvoyage.com/viaggi/brazilsalvadorforts.html
Fortificações de Salvador
Website Brasil Viagem, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, no Estado da Bahia: Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, Forte de Santo Antônio da Barra e Forte São Marcelo.

http://www.brasilviagem.com/materia/?CodMateria=52&CodPagina=182
Fortificações de Salvador
Website Mar da Bahia, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Estado da Bahia: Forte São Marcelo, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Paulo da Gamboa, Forte de São Diogo, Forte de São Pedro, Forte do Monte Serrat, Forte de Santo Alberto, Forte da Jequitaia, Forte do Rio Vermelho, Forte de Santo Antônio Além do Carmo, Forte do Barbalho, Forte do Paraguassú e Forte do Morro de São Paulo.

http://mardabahia.com.br/fortes_salv.php
Forte de Nossa Senhora de monte Serrat
Website oficial de turismo da cidade de Salvador, versando sobre o Forte de Nossa Senhora de monte Serrat, que se localiza na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.emtursa.ba.gov.br/Template.asp?IdEntidade=1723&Nivel=000200...
Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat
Website Saltur, versando sobre o Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat, que se localiza em posição dominante na ponta da Giquitaia, atual Monte Serrat, então limite norte da cidade de Salvador na Praia da Boa Viagem, no litoral do Estado da Bahia.

http://www.saltur.salvador.ba.gov.br/Template.asp?IdEntidade=1723&Nive...
Turismo virtual em fortificações coloniais do Brasil
Trata-se de um projeto educacional oferecido gratuitamente ao leitor no formato de uma “visita virtual” a um conjunto de dezenove (19) fortificações coloniais, postulante ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade que esperamos seja conferido pela UNESCO (Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura) em 2022, ano do Bicentenário da Independência do Brasil. O leitor terá a oportunidade de realizar um “voo imaginário” sobre todas as regiões geográficas do Brasil, acessando breves relatos históricos, plantas topográficas e muita iconografia em alta resolução.

https://www.academia.edu/43598339/TURISMO_VIRTUAL_EM_FORTIFICACOES_COL...

 Imprimir Links relacionados



Acontecimentos relacionados 



 Imprimir Acontecimentos relacionados


  • Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat

  • Forte de São Filipe do Monte Serrat; Fortaleza do Mont-Serrat; Forte do Mont-Serrat

  • Forte

  • 1702 (DC)

  • 1742 (DC)


  • Pedro II de Portugal

  • Portugal


  • Restaurada e Bem Conservada

  • Proteção Nacional
    Patrimônio Histórico Nacional.
    Livro Histórico: Inscrição:319, Data:9-1-1957.
    Nº Processo:0551-T-56.

  • Exército Brasileiro




  • Museu de Armamentos
    Museu de Armas do Exército Brasileiro

  • ,00 m2

  • Continente : América do Sul
    País : Brasil
    Estado/Província: Bahia
    Cidade: Salvador

    Ponta de Humaitá
    Salvador, BA, 40301-155
    Brasil


  • Lat: 12 55' 48''S | Lon: 38 31' 4''W





  • A Fortaleza de Monte Serrat possui forma de polígono irregular, com torreões circulares nos ângulos recobertos por cúpulas. Originalmente possuía ponte levadiça entre a rampa e o terrapleno e o corpo da guarda tinha, no térreo, dois quartéis flanqueando a entrada. Seu desenho segue a escola italiana de fortificação.
    Fonte: Disponível em: <http://www2.iphan.gov.br/ans/inicial.htm>. Acesso em 14/05/2008.





Imprimir o conteúdo


Cadastre o seu e-mail para receber novidades sobre este projeto


Fortalezas.org > Fortificação > Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat