Fortaleza de São Sebastião de Baçaím

Vasai-Virar, Maharashtra - Índia

Pesquisa de Imagens da fortificação

Data 1 Data 2

Mídias (3)

Imagens (3)

A “Fortaleza de São Sebastião de Baçaím”, também referida como “Praça-forte de Baçaim”, localizava-se na cidade de Baçaim (hoje Vasai-Virar), no estado de Maharashtra, na Índia, a cerca de 50 quilómetros ao norte de Mumbai (Bombaim). (Boletim da Sociedade de Geographia de Lisboa. Lisboa: Sociedade de Geografia de Lisboa, 1959. Vols. 77-78, p. 347.)

Integrou o Estado Português da Índia entre 1535 e 1739, quando se constituiu numa das mais importantes praças-fortes portuguesas no antigo Indostão.

História

A cidade, integrante dos domínios do reino de Cambaia, devia a sua riqueza à pesca, ao comércio de cavalos, de sal, madeiras, pedras para construção (basalto, granito) e à construção naval. Adicionalmente, a região era próspera em termos agrícolas, produzindo arroz, algodão e cana-de-açúcar.

Em 1528, o capitão Heitor da Silveira, conquistou e incendiou a cidade. Após isto, o governante de Thana submeteu-se voluntariamente como tributário a Portugal. Em 1532 teve lugar um novo assalto português a Baçaim e, após uma forte resistência, conseguiram penetrar na sua fortificação, arrasando-a. Em consequência, foi imposto tributo às cidades de Thana, Bandra, Mahim e Bombaim.

Em 23 de dezembro de 1534 o Sultão de Guzerate cedeu, através do Tratado de Baçaim, esta cidade e suas dependentes (Salcete, Bombaim, Parel, Vadala, Sião, Vorli, Mazagão, Thana, Bandra, Mahim, Caranja e outras) a Portugal.

No ano seguinte (1535) uma feitoria portuguesa foi instalada em Baçaim, dando-se início à construção da Igreja de Nossa Senhora da Vida. Ainda nesse ano de 1535, as forças do Sultão de Guzerate assaltaram a cidade. Por essa razão, em maio de 1536, por determinação de D. Nuno da Cunha, uma fortificação foi iniciada, em torno da qual a cidade portuguesa floresceu. Com planta atribuída ao engenheiro militar milanês Giovanni Battista Cairate, Engenheiro-mor da Índia sob o reinado de Filipe II de Espanha em Portugal (1580-1598), foi consagrada a São Sebastião, apresentando influências do Renascimento europeu.

Os muros da cidade foram erguidos entre 1552 e 1582, pois nesta última data já se encontrava envolvida por imponente muralha de pedra e cal, reforçada por dez modernos baluartes em forma de orelhão, conforme representado em carta de Pedro Barreto de Resende (1635).

Capital da Província do Norte na Índia portuguesa, resistiu aos assaltos de forças locais e estrangeiras até ser ocupada pelas forças do Império Maratha, que também conquistaram todos os territórios dela dependentes (1739). Da Fortaleza de São Sebastião dependiam as tranqueiras de Saibana, Varenepor, e Conrangem, além do Forte de Mamura, do Forte de Caranjá e os Baluartes de Tana.

Atualmente, as ruínas da cidade e a própria fortaleza, encontram-se ameaçadas pela exploração das jazidas de gás ao longo da costa, e pela proximidade da metrópole de Bombaim, hoje com uma população de mais de onze milhões de habitantes.

Características

Após o portão de armas abre-se um pequeno pátio de onde as ruinas do antigo forte podem ser contempladas.

No seu interior destacam-se três capelas, onde se reconhece a arquitetura portuguesa do século XVII. A capela mais ao sul encontra-se mais bem conservada, ainda com o seu teto abobadado.

Decorado com pedras esculpidas, alguns dos seus arcos ainda revelam a sua antiga riqueza.

Bibliografia

COUTO, Dejanirah. A fortaleza de Baçaim. In: Oceanos. Fortalezas da Expansão Portuguesa, n.º 28, Lisboa, out./nov. 1996, pp. 105–118.

FERNANDES, Brás A.. Armas e Inscrições do Forte de Baçaim. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1998. ISBN 972-624-115-4



 Personagens relacionados


 Imprimir Personagens relacionados

Bibliografias relacionadas 

A formação de um país de dimensões continentais: o sistema de fortificações portuguesas na América Latina
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Revista
2017
 
CEAMA 17

Revista
2017
 
Livro das plantas de todas as fortalezas, cidades e povoações do Estado da Índia Oriental
António Bocarro
Pedro Barreto Resende

Documento Manuscrito
1635
 
Década 13 da história da Índia
António Bocarro

Documento Impresso
1876
 
O Segundo Cerco de Diu (1546). Estudo de História Política e Militar
Roger Lee Pessoa de Jesus

Dissertação
2012
 
Dispositivos do Sistema Defensivo da Província do Norte do Estado da Índia: 1521-1739
Sidh Daniel Losa Mendiratta

Tese
2012
 
"…A Milhor Cousa que Vossa Alteza tem Nestas Partes": Representações das cidades da Província do Norte do Estado da Índia (Séc. XVI-XVIII)
Joaquim Rodrigues dos Santos
Sidh Daniel Losa Mendiratta

Artigo - Anais
2011
 
Revista História da Arte nº 13: Cidade (in) defesa

Revista
2018
 
e-Strategica

Revista
2017
 
Instituições, contingentes e culturas militares na monarquia portuguesa (séculos XV-XIX)
Vítor Luís Gaspar Rodrigues
Miguel Dantas da Cruz

Capítulo
2018
 
Bombardeiros na Índia. Os homens e as artes da artilharia portuguesa (1498-1557)
Tiago Machado de Castro

Dissertação
2011
 
O Conselho da Índia e o seu papel no provimento das principais fortalezas do Índico (1604-1614)
Ana Teresa Hilário Chaves

Dissertação
2017
 
Ofícios de Artilharia na cidade de Macau no final do século XVI e início do século XVII
Tiago Machado de Castro

Artigo - Anais
2016
 

 Imprimir Bibliografias relacionadas

Contribuições

Atualizado em 25/10/2015 pelo tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contribuições com mídias: Carlos Luís M. C. da Cruz (3).


  • Fortaleza de São Sebastião de Baçaím

  • Praça-forte de Baçaím, Forte de Baçaím

  • Fortaleza

  • 1536 (DC)


  • Giovanni Battista Cairate


  • Portugal


  • Ruínas mal conservadas






  • Ruínas

  • ,00 m2

  • Continente : Ásia
    País : Índia
    Estado/Província: Maharashtra
    Cidade: Vasai-Virar



  • Lat: 19 -20' 12''N | Lon: 72 -49' 10''E










Imprimir o conteúdo


Cadastre o seu e-mail para receber novidades sobre este projeto


Fortalezas.org > Fortificação > Fortaleza de São Sebastião de Baçaím