Forte de São Pedro

Salvador, Bahia - Brasil

Pesquisa de Imagens da fortificação

Data 1 Data 2

Mídias (7)

Imagens (7)

O Forte de São Pedro localiza-se ao sul do Campo Grande, a sudoeste na cidade alta em Salvador, no litoral do atual Estado da Bahia.

Erguido a partir do entrincheiramento de São Pedro, diante das Portas de São Bento (Portas de Vila Velha), em local escolhido pelos holandeses, quando da invasão de 1624, para uma fortificação. Tinha a função de defesa do acesso terrestre sudoeste aquela capital. Suas obras foram iniciadas a partir de 1627, no Governo Geral de Diogo Luís de Oliveira (1626-35), empregando faxina e terra, e sendo artilhado com trinta e cinco peças (BARRETTO, 1958:178). A partir de 1646, no Governo Geral de Antônio Teles da Silva (1642-47), foi reconstruído em alvenaria de pedra e cal, na forma de um polígono quadrangular com baluartes pentagonais nos vértices em estilo Vauban. Em 1661, diante da ruína da portada de acesso, em madeira, foi ordenada a sua substituição por outra, de pedra e cal.

No governo do Vice-rei D. Pedro Antônio de Noronha Albuquerque e Souza (1714-18), dentro do plano de fortificação de Salvador elaborado pelo Engenheiro francês Brigadeiro Jean Massé em 1714, foram-lhe acrescentadas muralhas, fosso e obras exteriores de defesa. Cisterna, Quartel de Comando e obras internas foram realizadas a partir de 1717, sendo o forte inaugurado em 1722, no governo do Vice-rei D. Vasco Fernandes César de Menezes (1720-1735). Sua nova portada de acesso foi erguida em arco abatido, superposta por uma espécie de tribuna. Dispostos ao redor do terrapleno encontram-se os edifícios de um pavimento ao abrigo das muralhas, e no centro, uma cisterna. Os vértices dos baluartes apresentam guaritas em forma de torreões encimados por cúpulas. BARRETTO (1958) informa que estava guarnecido por um Capitão e três soldados artilheiros, sendo a sua artilharia aumentada para quarenta e três peças, cinco de bronze (duas de calibre 10 libras, duas de 8, e uma de 3), trinta e sete de ferro (dezesseis de calibre 24, quatro de 12, quinze de 8, uma de 6 e uma de 2), e um morteiro de bronze de 1/2. Cooperava com o Forte de São Paulo, com o qual se comunicava por meio de uma cortina (Op. cit., p. 178-179).

Segundo o delator da Conspiração dos Alfaiates (1798-99), era no Forte de São Pedro que se reuniam os conspiradores, liderados pelos soldados Lucas Dantas e Luiz Gonzaga das Virgens, e pelos alfaiates João de Deus do Nascimento e Manuel Faustino dos Santos Lira (MARQUES, 1897:42).

De acordo com SOUZA (1885), em 1809 a sua artilharia estava reduzida a treze peças (Op. cit., p. 97). Acreditamos que o autor tenha se baseado no "Parecer sobre a fortificação da Capital", do Brigadeiro José Gonçalves Leão, presidente da Junta encarregada pelo Governador da Bahia, em 1809, de propor as obras necessárias para a defesa da península e do recôncavo (in: ACCIOLI. Memórias Históricas da Bahia. Vol. VI. p. 179 e segs). No contexto do levante militar de 1821 na Bahia, foi o último foco de resistência rebelde a cair, com a detenção do então Brigadeiro Manoel Pedro de Freitas Guimarães e de outros oficiais brasileiros (21/fev/1822), ante as forças portuguesas que passam a dominar Salvador, sob o comando do Coronel Inácio Luís Madeira de Melo (1775-1833). Este episódio antecedeu a Guerra da Independência (1822-23). Sofreu reparos em 1827, passando a abrigar um curso de artilharia e aulas de matemática para a guarnição de Salvador (1829). Nele também se abrigaram os revoltosos durante a Sabinada (1837-38), que o utilizaram como quartel-general, nele resistindo até à capitulação dos seus 597 defensores sob o comando do Tenente-coronel Sérgio Veloso (15/mar/1838). No contexto da Questão Christie (1862-65), o "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província (03/ago/1863), dá-o como inútil para a sua finalidade defensiva, utilizado como quartel militar (ROHAN, 1896:51), citando:

"É (...) de forma retangular, abaluartada, com 43 canhoneiras e um desenvolvimento de 2.518 palmos. De todas as construções que a completam, só as muralhas e plataformas conservam-se em bom estado, precisando tudo o mais de reparações no caso que haja de readquirir seu primitivo e próprio destino, o que aliás é hoje contrário à sua situação e à proximidade das construções urbanas.

Por semelhantes motivos julgo que foi destituída de seu caráter de praça de guerra e destinada a outros usos, servindo atualmente de aquartelamento do 8º Batalhão de Infantaria e Diretoria de Obras Militares." (Op. cit., p. 62)

GARRIDO (1940) informa que sofreu reparos em 1877, em 1881 e em 1883 (Op. cit., p. 88).

Uma grande reforma é efetuada em 1905, aterrando-se-lhe os fossos (GARRIDO, 1940:88), após o que o forte foi desarmado. No início de 1912 recebeu canhões Krupp de 75 mm. Tomou parte no bombardeio da cidade, juntamente com o Forte do Barbalho e com o Forte de São Pedro (10/jan/1912), no contexto da Política das Salvações do Presidente da República, Hermes da Fonseca (1910-14). Na ocasião foram alvejados o Palácio do Governo, a Prefeitura Municipal, o Teatro de São João (GARRIDO, 1940:92) e a Biblioteca Pública de Salvador, tendo esta última se incendiado em decorrência, com a perda de importantes documentos históricos do Arquivo da Bahia. Passou para a jurisdição do Governo do Estado em 1939 (GARRIDO, 1940:89). BARRETTO (1958:179) reporta que, à época (1958), as dependências do forte abrigavam uma CR, o estabelecimento de Subsistência, o de Fundos e a Auditoria, da 6ª Região Militar.

Encontra-se tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional desde 1957, quando abrigava a 6ª DSup do Exército. Restaurado, está aberto ao público, dentro do Projeto de revitalização das Fortalezas Históricas de Salvador, da Secretaria de Cultura e Turismo em parceria com o Exército. Para os aficcionados da telecartofilia, o vértice de um baluarte com respectiva guarita, ilustra um cartão telefônico da série Fortes de Salvador, emitida pela Telebahia (jun/1998).



 Personagens relacionados


 Imprimir Personagens relacionados

Bibliografias relacionadas 

Fortificações no Brasil
Augusto Fausto de Souza

Artigo
1885
 
Cartas de Vilhena - crítica do sistema fortificado
Anésio Ferreira Leite

Artigo
1999
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - Fortes da ''Envolvente Terrestre'' de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Artigo
2001
 
Relatório do Ministro da Guerra, Franklin Américo de Menezes Dória, em 1882
Franklin Americo de Menezes Doria

Documento Impresso
1882
 
Muralhas da memória: fortificações, patrimônio e turismo cultural
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Digital
2013
 
Fortificações do Brasil: Resumo Histórico
Anníbal Barretto

Livro
1958
 
Relatório do Ministro de Guerra, José Maria da Silva Paranhos, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impresso
1871
 
Fortificações do Brasil
Carlos Miguez Garrido

Livro
1940
 
Fortificações Portuguesas no Brasil - A ''Cidade-Fortaleza'' de Salvador
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Artigo
2001
 
A História do Brasil em suas muralhas de pedra
Adler Homero Fonseca de Castro

Artigo - Revista
2018
 
Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838
Sebastião do Rego Barros

Documento Impresso
1838
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Marianno de Mattos, em 1864
José Marianno de Mattos

Documento Impresso
1864
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manuel José Vieira Tosta, Barão de Muritiba, em 1870
Manuel José Vieira Tosta (Muritiba)

Documento Impresso
1870
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em 1871
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impresso
1871
 
Patrimônio Cultural de Origem Militar: contribuições do ICOFORT RIO 2017

Anais
2019
 
Da importância tática e estratégica do Forte de São Pedro
Mário Mendonça de Oliveira

Artigo
1999
 
As Fortalezas e a defesa de Salvador
Mário Mendonça de Oliveira

Livro
2008
 
As Fortificações Portuguesas de Salvador Quando Cabeça do Brasil
Mário Mendonça de Oliveira

Livro
2004
 
Fortificações Portuguesas no Brasil
Arnaldo Manuel de Medeiros Ferreira

Livro
2004
 
Planta, profil, fachada, e a metade do telhado da Caza em qªse fabricou a polvora na Cidade da Bahia, cita ao pé do forte de S. Pedro
José Antônio Caldas

Documento
1756
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1846
João Paulo dos Santos Barreto

Documento Impresso
1846
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Paulo dos Santos Barreto, em 1847
João Paulo dos Santos Barreto

Documento Impresso
1847
 
Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em 1848

Documento Impresso
1848
 
Fortalezas Multimídia
Roberto Tonera

Cd-Rom
2001
 
Os Fortes de Salvador
Virgínia Pernambucano de Mello

Cd-Rom
2006
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Egídio Gordilho de Barbuda Filho, Visconde de Camamú, em 1865
José Egídio Gordilho de Barbuda Filho

Documento Impresso
1865
 
Relatório do Ministro da Guerra, Ângelo Moniz da Silva Ferraz, em 1866
Ângelo Moniz da Silva Ferraz

Documento Impresso
1866
 
O Exército na História do Brasil

Livro
1998
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Lustoza da Cunha Paranaguá, em 1867
João Lustoza da Cunha Paranaguá

Documento Impresso
1867
 
Plano da fortificação que se acha na Capitania da Bahia feito por ordem do senhor D. Fernando José de Portugal e Castro, Governador e Capitão Geral da mesma Capitania no ano de 1799

Documento Manuscrito
1799
 
As fortificações Militares, referenciais para o turismo
Anésio Ferreira Leite

Artigo
2002
 
Falando de fortes: uma viagem pelos símbolos de resistência desta terra
Cid Teixeira

Artigo
2002
 
Estudo dos materiais de construção de Vitrúvio até o século XVIII: uma visão crítico-interpretativa à luz da ciência contemporânea
Cybèle Celestino Santiago

Tese
2000
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Lustoza da Cunha Paranaguá, em 1868
João Lustoza da Cunha Paranaguá

Documento Impresso
1868
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Maria da Silva Paranhos, Visconde do Rio Branco, em maio de 1872
José Maria da Silva Paranhos

Documento Impresso
1872
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em dezembro de 1872
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1872
 
O Forte de São Pedro: um marco de resistência no coração da cidade
Etelvina Rebouças

Artigo
2002
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1873
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1873
 
Nossas guerras. Considerações históricas dos seus recursos
Antonio Gonçalves Meira
Coralio B. P. Cabeda

Livro
2009
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1874
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1874
 
Relatório do Ministro da Guerra, Carlos Affonso de Assis Figueiredo, em 1883
Carlos Affonso de Assis Figueiredo

Documento Impresso
1883
 
Relatório do Ministro da Guerra, Filippe Franco de Sá, em 1884
Filippe Franco de Sá

Documento Impresso
1884
 
Relatório do Ministro da Guerra, Antônio Eleutério de Camargo, em 1885
Antonio Eleutério de Camargo

Documento Impresso
1885
 
Relatório do Ministro da Guerra, Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, em 1887
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz

Documento Impresso
1887
 
Relatório do Ministro da Guerra, Thomaz José Coelho de Almeida, em 1888
Thomaz José Coelho de Almeida

Documento Impresso
1888
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João José de Moura Magalhães, em março de 1848
João José de Moura Magalhães

Documento Impresso
1848
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Maurício Wanderley, em março de 1853
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Documento Impresso
1853
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Maurício Wanderley, em março de 1854
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Documento Impresso
1854
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Maurício Wanderley, em março de 1855
João Maurício Wanderley (Barão de Cotegipe)

Documento Impresso
1855
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Álvaro Tibério de Moncorvo e Lima, em maio de 1856
Álvaro Tibério de Moncorvo e Lima

Documento Impresso
1856
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Lins Vieira Cansanção de Sinimbu, em setembro de 1857
João Lins Vieira Cansanção Sinimbu

Documento Impresso
1857
 
Projeto elaborado no Estado Maior do Exército, em abril de 1900
Feliciano Mendes de Moraes
Alberto Cardoso de Aguiar
Custódio de Senna Braga

Documento Impresso
1900
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Herculano Ferreira Penha, em abril de 1860
Herculano Ferreira Penha

Documento Impresso
1860
 
Inovação Institucional e Patrimônio Cultural de Origem Militar no Brasil
Flávia Ferreira de Mattos

Tese
2018
 
Fala do Presidente da Província, Antônio da Costa Pinto, em março de 1861
Antônio da Costa Pinto

Documento Impresso
1861
 
Fala do Vice-Presidente da Província da Bahia, José Augusto Chaves, em setembro de 1861
José Augusto Chaves

Documento Impresso
1861
 
Relatório do Vice-Presidente da Província da Bahia, José Augusto Chaves, em dezembro de 1861
José Augusto Chaves

Documento Impresso
1862
 
Fala do Presidente da Província, Joaquim Antão Fernandes Leão, em março de 1862
Joaquim Antão Fernandes Leão

Documento Impresso
1862
 
Fortificaciones en Iberoamérica
Ramón Gutiérrez

Livro
2005
 
Relatório do Ministro da Guerra, João Nepomuceno de Medeiros Mallet, em maio de 1902
João Nepomuceno de Medeiros Mallet

Documento Impresso
1902
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antonio Coelho de Sá e Albuquerque, em dezembro de 1863
Antonio Coelho de Sá e Albuquerque

Documento Impresso
1864
 
Fala do Vice-Presidente da Província da Bahia, Manoel Maria do Amaral, em março de 1864
Manoel Maria do Amaral

Documento Impresso
1864
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antonio Joaquim da Silva Gomes, em novembro de 1864
Antonio Joaquim da Silva Gomes

Documento Impresso
1864
 
Relatório do Ministro da Guerra, Francisco de Paula Argollo, em maio de 1905
Francisco de Paula Argollo

Documento Impresso
1905
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antônio Joaquim da Costa Carvalho, em abril de 1869
Antônio Joaquim da Costa Carvalho

Documento Impresso
1869
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antônio Joaquim da Costa Carvalho, em março de 1870
Antônio Joaquim da Costa Carvalho

Documento Impresso
1870
 
Relatório do Ministro da Guerra, Hermes Rodrigues da Fonseca, em junho de 1908
Hermes Rodrigues da Fonseca

Documento Impresso
1908
 
Acenos sobre a contribuição da Engenharia Militar para a Cabeça do Brasil
Mário Mendonça de Oliveira

Artigo - Revista
2020
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, João Antonio de Araujo Freitas Henriques, em março de 1872
João Antonio de Araujo Freitas Henriques

Documento Impresso
1872
 
Relatório do Desembargador da Província da Bahia, João Antonio de Araujo Freitas Henriques, em junho de 1872
João Antonio de Araujo Freitas Henriques

Documento Impresso
1872
 
Relatório do Ministro da Guerra, Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva, em maio de 1912
Vespasiano Gonçalves de Albuquerque e Silva

Documento Impresso
1912
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Joaquim Pires Machado Portella, em julho de 1872
Joaquim Pires Machado Portella

Documento Impresso
1872
 
Relatório do Vice-Presidente da Província da Bahia, João José de Almeida Couto, em março de 1873
João José de Almeida Couto

Documento Impresso
1873
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Antonio Candido da Cruz Machado, em março de 1874
Antonio Candido da Cruz Machado

Documento Impresso
1874
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Antonio Candido da Cruz Machado, em junho de 1874
Antonio Candido da Cruz Machado

Documento Impresso
1874
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1915
José Caetano de Faria

Documento Impresso
1915
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Venancio José de Oliveira Lisboa, em março de 1875
Venancio José de Oliveira Lisboa

Documento Impresso
1875
 
Relatório do Ministro da Guerra, José Caetano de Faria, em maio de 1916
José Caetano de Faria

Documento Impresso
1916
 
Relatório do Presidente da Província da Bahia, Luiz Antonio da Silva Nunes, em maio de 1876
Luiz Antonio da Silva Nunes

Documento Impresso
1876
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Henrique Pereira de Lucena, em março de 1877
Henrique Pereira de Lucena

Documento Impresso
1877
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Barão Homem de Mello, em maio de 1878
Francisco Inácio Marcondes Homem de Mello

Documento Impresso
1878
 
Fala do Presidente da Província, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em maio de 1879
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Documento Impresso
1879
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em novembro de 1924
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impresso
1924
 
Relatório do Ministro da Guerra, Fernando Setembrino de Carvalho, em novembro de 1925
Fernando Setembrino de Carvalho

Documento Impresso
1925
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em maio de 1880
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Documento Impresso
1880
 
Relatório do Presidente da Província, Antonio de Araujo de Aragão Bulcão, em março de 1881
Antonio de Araujo de Aragão Bulcão

Documento Impresso
1881
 
Relatório do Presidente da Província, João Lustoza da Cunha Paranaguá, em janeiro de 1882
João Lustoza da Cunha Paranaguá

Documento Impresso
1882
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Pedro Luiz Pereira de Souza, em abril de 1883
Pedro Luiz Pereira de Souza

Documento Impresso
1883
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Pedro Luiz Pereira de Souza, em abril de 1884
Pedro Luiz Pereira de Souza

Documento Impresso
1884
 
Relatório do Ministro da Guerra, Eurico Gaspar Dutra, em novembro de 1939
Eurico Gaspar Dutra

Documento Impresso
1939
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Esperidião Eloy de Barros Pimentel, em maio de 1885
Esperidião Eloy de Barros Pimentel

Documento Impresso
1885
 
Fala do Conselheiro da Província da Bahia, Theodoro Machado Freire Pereira da Silva, em abril de 1886
Theodoro Machado Freire Pereira da Silva

Documento Impresso
1886
 
Fala do Presidente da Província da Bahia, Francisco Xavier Paes Barreto, em março de 1859
Francisco Xavier Paes Barreto

Documento Impresso
1859
 
Actas virtuais do 6° Seminário Regional de Cidades Fortificadas e 1° Encontro Técnico de Gestores de Fortificações
Universidade Federal de Santa Catarina

Anais
2010
 
Relatório do Conselheiro da Província da Bahia, Manuel do Nascimento Machado Portella, em abril de 1889
Manuel do Nascimento Machado Portella

Documento Impresso
1889
 
Gazeta do Forte - Ano II, nº 5
ABRAF

Jornal
2009
 
Mensagem do Governador do Estado da Bahia, Francisco Marques de Góes Calmon, em abril de 1924
Francisco Marques de Góes Calmon

Documento Impresso
1924
 
Fortes da Bahia, nº 2
Anésio Ferreira Leite
Cid Teixeira
Cybèle Celestino Santiago
Etelvina Rebouças
Alberto Paraíso

Jornal
2002
 
A construção da governabilidade no Estado do Brasil: perfil social, dinâmicas políticas e redes governativas do Governo-Geral (1642-1682)
Hugo André Flores Fernandes Araújo

Tese
2018
 
Forte São Marcelo, "O humbigo da Bahia"
Anésio Ferreira Leite

Artigo
2010
 
O papel das fortificações no espaço urbano de Salvador
Marcos Antonio dos Santos

Dissertação
2012
 
Relatório do Ministro da Guerra, João José de Oliveira Junqueira, em 1886
João José de Oliveira Junqueira

Documento Impresso
1886
 
 

 Imprimir Bibliografias relacionadas



Links relacionados 

Arquivo Noronha Santos
Link para o Arquivo Noronha Santos, pertencente ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional -IPHAN, que dispõe de uma base de dados sobre os bens culturais tombados nacionalmente, inclusive as fortificações no Brasil. Para encontrar as fortificações, faça uma pesquisa (busca) na seção Livros do Tombo.

http://www.iphan.gov.br/ans/inicial.htm
Forte de São Pedro
Página da Enciclopédia Wikipédia versando sobre o Forte de São Pedro, que localiza-se na cidade e município de Salvador, no Estado da Bahia, no Brasil.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte_de_S%C3%A3o_Pedro_%28Salvador%29
Fortes da Bahia
Website Mar da Bahia versando sobre os Fortes de São Marcelo, Santo Antônio da Barra, Santa Maria, São Paulo da Gamboa, São Diogo, São Pedro, Monte Serrat, Santo Alberto, Jequitaia, Rio Vermelho, Santo Antônio Além do Carmo, Barbalho, Paraguassú e Morro de São Paulo, todos localizados no Estado da Bahia.

http://www.mardabahia.com.br/fortes_salv.php
Fortificações de Salvador
Website EMTURSA versando sobre os Fortes de Nossa Senhora de Monte Serrat, de Santa Maria, de Santo Antônio Além do Carmo, de Santo Antônio da Barra, de São Diogo, de São Pedro, do Barbalho, de Santo Alberto, e de São Marcelo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.emtursa.ba.gov.br/Template.asp?IdEntidade=109&Nivel=0002000...
Fortificações de Salvador
Website Salvador 2003, versando sobre as seguintes fortificações: Forte de São Pedro, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de Nossa Senhora do Monte Serrat, Forte de São Marcelo, Forte de Santo Abelardo e Forte de Santo Antônio Além do Carmo. Todos os fortes localizam-se ou localizavam-se na cidade de Salvador, Estado da Bahia.

http://www.salvador2003.com.br/fortes.htm
Fortificações de Salvador
Website Colonial Voyage, em inglês, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Bahia: Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Diogo, Forte de São Marcelo, Forte de Nossa Senhora de Monte Serrat e Forte de São Pedro.

http://www.colonialvoyage.com/viaggi/brazilsalvadorforts.html
Fortificações de Salvador
Website Mar da Bahia, versando sobre as seguintes fortificações de Salvador, Estado da Bahia: Forte São Marcelo, Forte de Santo Antônio da Barra, Forte de Santa Maria, Forte de São Paulo da Gamboa, Forte de São Diogo, Forte de São Pedro, Forte do Monte Serrat, Forte de Santo Alberto, Forte da Jequitaia, Forte do Rio Vermelho, Forte de Santo Antônio Além do Carmo, Forte do Barbalho, Forte do Paraguassú e Forte do Morro de São Paulo.

http://mardabahia.com.br/fortes_salv.php

 Imprimir Links relacionados


  • Forte de São Pedro


  • Forte

  • 1627 (DC)



  • Diogo Luiz de Oliveira

  • Portugal


  • Descaracterizada e Bem Conservada

  • Proteção Nacional
    Patrimônio Histórico Nacional.
    Livro Histórico, Inscrição:320, Data:10-1-1957.
    Nº Processo:0551-T-56.










  • Unidade Militar Ativa
    Atualmente fuciona na Fortaleza de São Pedro, o Quartel do Exército.

  • 0,00 m2

  • Continente : América do Sul
    País : Brasil
    Estado/Província: Bahia
    Cidade: Salvador

    O Forte de São Pedro está localizado na Rua Newton Prado, Campo Grande, a sudoeste na cidade alta, em Salvador, no litoral do atual Estado da Bahia.


  • Lat: 12 59' 15''S | Lon: 38 31' 14''W



  • O acesso principal é feito pela R. Newton Pádua e o secundário pela Rua Visconde São Lourenço, Campo Grande.


  • Foi, inicialmente, artilhado com trinta e cinco peças (BARRETTO, 1958:178).
    A partir de 1817 sua artilharia foi aumentada para quarenta e três peças, cinco de bronze (duas de calibre 10 libras, duas de 8, e uma de 3), trinta e sete de ferro (dezesseis de calibre 24, quatro de 12, quinze de 8, uma de 6 e uma de 2), e um morteiro de bronze de 1/2 BARRETTO (1958:178-79).

    De acordo com SOUZA (1885), em 1809 a sua artilharia estava reduzida a treze peças (Op. cit., p. 97).
    No início de 1912 recebeu canhões Krupp de 75 mm.

  • Em sua construção inicial, foram empregados faxina e terra (BARRETTO, 1958:178).
    Construção em alvenaria de pedra e cal, o Forte de São Pedro tem a forma de um polígono quadrangular, com baluartes nos quatro ângulos desenvolvidos. As extremidades desses baluartes apresentam guaritas em forma de torreões. Com as reformas e ampliações do séc. XX, o fosso foi aterrado em grande parte e ocupado por prédios mais recentes. A portada de acesso é em arco abatido, superposta por uma espécie de tribuna.
    Fonte: Disponível em: <http://www2.iphan.gov.br/ans/inicial.htm>. Acesso em 14/05/2008.

    Quando de sua reconstrução, em 1646, foi empregada alvenaria de pedra e cal, na forma de um polígono quadrangular com baluartes pentagonais nos vértices em estilo Vauban. Em 1661, diante da ruína da portada de acesso, em madeira, foi ordenada a sua substituição por outra, de pedra e cal.
    Em 1714 foram-lhe acrescentadas muralhas, fosso e obras exteriores de defesa. Cisterna, Quartel de Comando.

    Sua nova portada de acesso foi erguida em arco abatido, superposta por uma espécie de tribuna. Dispostos ao redor do terrapleno encontram-se os edifícios de um pavimento ao abrigo das muralhas, e no centro, uma cisterna. Os vértices dos baluartes apresentam guaritas em forma de torreões encimados por cúpulas.

    O "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província (03/ago/1863) informa: "É (...) de forma retangular, abaluartada, com 43 canhoneiras e um desenvolvimento de 2.518 palmos (...)".

  • A partir de 1646, no Governo Geral de Antônio Teles da Silva (1642-47), foi reconstruído.
    Em 1714 foram realizadas obras exteriores de defesa. Obras internas foram realizadas a partir de 1717, sendo o forte inaugurado em 1722.
    Sofreu reparos em 1827.
    GARRIDO (1940) informa que sofreu reparos em 1877, em 1881 e em 1883 (Op. cit., p. 88).

    Uma grande reforma é efetuada em 1905, aterrando-se-lhe os fossos (GARRIDO, 1940:88).




Imprimir o conteúdo


Cadastre o seu e-mail para receber novidades sobre este projeto


Fortalezas.org > Fortificação > Forte de São Pedro