Diego Fajardo Chacón

Spain

D. Diego Fajardo Chacón (século XVII) foi um militar espanhol. Penúltimo Governador do Castelo de São Filipe do Monte Brasil (1627-1639), sucedeu a D. Iñigo Hurtado de Corcuera y Mendonça no governo do Castelo, e a D. Pedro Esteban d'Avila na sua propriedade.

Os relatos que nos chegam de D. Diego Chácon, traçam dele um retrato contraditório: “(…) tão terrível e desumano para com os seus súbditos, quanto benigno e afável para com os moradores da Ilha que tratou com toda a moderação, respeito e cortesia.” (Manuel Luís Maldonado, Fenix Angrence). Se do relacionamento de D. Diego Fajardo com a população local nos faltam relatos objetivos, são vários os episódios cuja memória foi conservada, nos quais sobressai o seu autoritarismo, levado a extremos de crueldade. Pequenos delitos ou infrações como dormir fora do Castelo sem licença, furtos leves, venda ou empenhamento de peças de fardamento ou munições, a tudo era aplicada a pena de estropiamento a braço solto e lançamento nas obras do Castelo: nelas chegou a trazer mais de uma centena de soldados condenados.. E se a crimes mais graves aplicava inexoravelmente a pena de morte, também a aplicou a pequenos delitos. O seu rigor manifestou-se, também, na administração da logística do presídio, procedendo ao pagamento dos militares pontualmente e providenciando o fardamento e municiamento dentro dos prazos estipulados. Neste rigor administrativo, incluía-se o zelo com que assegurava ·a defesa dos seus próprios interesses na arrecadação da parte para si fixada nos lucros da mercancia feita no Castelo pelos soldados casados. Tinha expressão severa e “(…) horrível presença, que não houve pessoa que em público o visse sorrir.” (Manuel Luís Maldonado, Fenix Angrence), além de excelente memória e uma voracidade invulgar.

A sua ação se deve, praticamente, a conclusão das obras do Castelo, que terá recebido a cerca de dois terços. O desvelo posto neste objetivo sugere a correlação com o rigor na aplicação da justiça, nomeadamente com a moldura das penas.

O excessivo rigor e arbitrariedade na aplicação dos castigos levaram a que Madrid lhe retirasse o governo do presídio. Foi mais tarde governador das Filipinas, cargo que desempenhou entre 1644 e 1653. Sucedeu-lhe D. Álvaro de Viveiros.

Bibliografia:

FARIA, Manuel. Governadores do Presídio Militar Espanhol nos Açores (18): D. Diego Fajardo Chacón. In Diário Insular, ano LXXII, 01 out 2019, p. 11.

Contribution

Updated at 25/10/2019 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.




Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Character > Diego Fajardo Chacón