Sébastien Le Preste de Vauban

France

Sébastien Le Preste de Vauban, nascido em 1633 e falecido em 1707, é reconhecido por todos os estudiosos como uma das maiores figuras da arte da fortificação e da expugnação das praças. Serviu a Luís XIV por 56 anos, chegando ao posto de Marechal e, durante este tempo, restaurou ou construiu cerca de duas centenas de fortalezas e fez 33 novas.

Curiosamente, Vauban, embora tenha deixado à posteridade uma série de escritos, não criou um texto específico, acadêmico, da arte de fortificar nem um tratado propondo seus traçados. De certa forma, sabe-se que, como soldado profissional, ele era infenso à divulgação de procedimentos defensivos e ofensivos de caráter militar, que pudessem prejudicar os bons resultados obtidos com o segredo e a surpresa. Deve, também, residir aí a sua genialidade, pois, não tendo modelos preconcebidos, procurava, muito mais, entender e tirar partido da realidade do terreno, apelando para expedientes diversos de várias escolas, que provaram ser eficientes. Depois da sua morte é que, por motivos didáticos, sistematizaram as suas aplicações em três sistemas (SAILHAN, 1991: 173): Primeiro sistema – Melhorando as idéias de Errard de Bar-le-Duc, ele faz crescer, ainda mais, os baluartes cujas faces chegaram a atingir, como em Estrasburgo, 160m, enquanto os flancos dos revelins atingem uns 120m. Este procedimento nasce da necessidade de aumentar a linha de atiradores de infantaria, que ele considerava importantíssimos na defesa de uma praça. Aliás, o marechal começou a sua vida militar nesta arma. Poder-se-iam enquadrar, neste sistema, as fortalezas de Lille e Toulon, entre outras mais. Segundo sistema – Para aumentar a profundidade do dispositivo defensivo, os baluartes são desdobrados e bem destacados das cortinas. Para assegurar o flanqueamento, são feitas torres bastionadas com casamatas para canhões. Isto pode ser observado em Belfort e Landau. Terceiro sistema – Entre duas torres abaluartadas, as cortinas são em linhas quebradas para facilitar o flanqueamento. Das casamatas inferiores é possível fazer tiros rasantes no fundo do fosso. Na parte posterior do revelim, forma-se um reduto. O único exemplo é Neuf-Brisach. Alguns dos aspectos importantes do pensamento vaubaniano eram a procura do menor número de baixas nos aproches, uma previsão e um planejamento logístico rigoroso de munição de armas e de boca para o ataque ou para suportar o assédio, integração do sistema defensivo ao nível de território e adequação da fortificação ao terreno.

Como explicamos, Vauban não editou um tratado sobre fortificações, como tradicionalmente conhecemos. Um dos seus escritos que comenta as defesas e o seu planejamento é o Traité de la défense des places (VAUBAN, 1769). Embora tivesse falecido no limiar do Século XVIII, influenciou a engenharia militar ao longo de todo este período.

Fonte: OLIVEIRA, Mário Mendonça de. As Fortificações Portuguesas de Salvador Quando Cabeça do Brasil . Salvador: Selo Editorial da Fundação Gregório de Mattos, 2004. p. 49-50.

 

Contribution

Updated at 12/11/2008 by the tutor Roberto Tonera.




Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Character > Sébastien Le Preste de Vauban