http://www.fortalezas.org
Alcazaba and Walls of Almería

, -

 

O conjunto da “Alcáçova e Muralhas do Cerro de San Cristóbal” (em castelhano: "Alcazaba y Murallas del Cerro de San Cristóbal") localiza-se na cidade, município e província de Almeria, Comunidade Autónoma da Andaluzia, na Espanha.

Constitui-se em uma fortificação erguida pelos muçulmanos, em posição dominante sobre uma elevação fronteira à alcáçova de Almeria, e é considerado um dos conjuntos monumentais islâmicos mais importantes da Península Ibérica pelas suas dimensões.

História

A ocupação muçulmana da região iniciou-se em 713, com populações de origem bérbere e iemenita, cujo contributo foi a remodelação substancial da paisagem e das técnicas agrícolas.

A atual Almeria teve origem num um estabelecimento costeiro e uma atalaia, que lhe era subordinada, denominado em árabe, “Al-Mariyya Bayāna”, atual Pechina, às margens do rio Andarax. Aqui se localizava a capital de Cora, que teve o seu auge entre o século IX e meados do século X. O topónimo “Almeria” derivará de el topónimo do árabe "al miraya", com o significado de "atalaia".

Após um ataque do Califado Fatímida de Túnis aos arrabaldes de Bayāna, o primeiro califa do al-Andalus, Abderramão III (929-961), deu início, em 955 a uma fortificação, a alcáçova, e ao amuralhamento da parte antiga da povoação, a Medina, que se havia desenvolvido em torno da atalaia.

A povoação desenvolveu-se rapidamente: em 965 construiu-se uma mesquita maior. A cidade chegou a ser grandiosa no espaço peninsular à época, a segunda depois de Córdova, e uma das mais ricas do mundo islâmico. Aqui residia o almirante da frota, a segunda pessoa mais poderosa na hierarquia governamental depois do próprio califa, no comando de uma frota de 300 embarcações que fundeavam em seu porto, o mais importante do califado.

A alcáçova converteu-se assim na mais poderosa fortificação não apenas da Península Ibérica, mas de toda a Europa à época, cobrindo uma área de 43.000 m², o que lhe permitia aquartelar em caso de necessidade um efetivo militar de 20.000 homens, os palácios dos sucessivos reis e ainda oferecer abrigo para a população em caso de ataque. Nos séculos viria a ser objeto de obras de remodelação e ampliação tanto por parte dos reis muçulmanos quanto dos reis católicos.

O período muçulmano divide-se em duas fases, separadas por um breve período de ocupação cristã, o decénio de 1147 a 1157, em que as forças de Afonso VII de Leão e Castela, “o Batalhador” (1226-1157) ocuparam a cidade e os seus arredores. Este curto período, entretanto, marca uma ruptura no crescimento da Almeria muçulmana, cuja evolução passa a dividir-se em duas etapas: a primeira, da fundação da cidade em 955 a 1147, e a segunda, de 1157 a 1489, quando passou definitivamente a mãos cristãs.

A desintegração do Califado no século XI deu lugar aos reinos taifa, entre eles o de Almeria, cujo primeiro governante, Jairán (ou Hayran), remodelou a Alcáçova.

Almeria era então uma cidade amuralhada, com um traçado urbanístico islâmico clássico e três bairros bem diferenciados: o bairro de Al Hawd (ou o Aljibe), o da Musalla e o principal, a Medina (onde corre a atual rua da Almedina). Em seu porto destacava-se o comércio da seda, do azeite e da uva, conforme testemunha o geógrafo Al Idrisi.

Embora a taifa de Almeria tenha terminado diante da invasão Almorávida, a cidade manteve o seu papel de empório comercial. Cobiçada pelos cristãos, Afonso VII, “o Batalhador”, decidiu conquistá-la, para o que angariou o auxílio de forças catalãs, francesas, de Pisa e de Génova, conseguindo entrar na cidade a 17 de outubro de 1147.

A cidade retornou à posse muçulmana conquistada pelos Almóadas, mas não voltaria a recobrar o antigo esplendor. No século XIII passou a integrar o reino Nazari de Granada, sendo seu governador Abbu-i-Abbas, que tentou reconstruir a cidade, sem grande sucesso, em parte devido a um grande período de secas que se iniciou em 1227 e que desestabilizou gravemente a agricultura e o comércio de toda a região.

Em 1489 os Reis Católicos conquistaram Almeria, cujas povoações, em sua maioria, capitularam pacificamente, à excessão de algumas rebeliões mudejares.

O século XVI foi marcado pelo retrocesso e abandono da cidade e da província, para o que contribuíram diversos fatores:

- Almeria estava afastada de qualquer rota comercial americana, tendo visto passar ao largo as riquezas oriundas do Novo Mundo, assim como a dinâmica comercial por elas trazida;

- O século foi pródigo em desastres naturais e humanos, como os terremotos e os ataques de piratas da Barbária e turcos como Barbaroxa. Se os primeiros destruíram a cidade, os segundos aterrorizaram as populações, forçando-as a procurar refúgio no interior. Especialmente funestos foram os terramotos de 1518, que destruiu para sempre a Vera muçulmana, e o de 1522, que devastou Almeria quase que por completo (alcançou os Açores) e reduziu a população a cerca de 700 habitantes que se reassentaram em torno da catedral de nova construção.

No século XVII suceder-se-ão os ataques de corsários ingleses.

Foi apenas no século XIX que o porto de Almeria voltou a ter expressão, graças à exploração mineral e à exportação de uvas de Berja e Ohanes. A cidade foi nomeada capital da província homónima na nova divisão administrativa ao final do século XX,

O conjunto fortificado chegou ao século XX em ruínas. Com o término da Guerra Civil Espanhola (1936-1939) já em 1940 tiveram início os trabalhos para sua consolidação e restauro. Um ano mais tarde (1941), Francisco Prieto-Moreno, antigo conservador do Palácio de Alhambra, veio a dirigir esses trabalhos, funções que conservou até 1970. Durante este período, liderou as intervenções para realizar os atuais jardins do Primeiro Recinto e da Casa do Alcaide, além de inúmeras outras intervenções como trabalhos de consolidação de terrenos, escavações, restaurações, ajardinamentos e acessos.

Entre os anos de 1951 e 1954, teve lugar uma segunda campanha de escavações, centrada na área palaciana do conjunto e foi a primeira intervenção arqueológica realizada sistematicamente, sendo utilizada uma metodologia específica. O responsável por estes trabalhos foi F. Ochotorena, com colaborações esporádicas de Luis María Llubiá, Martín Almagro e A. Arribas. Após várias intervenções de limpeza, trabalhos de documentação das ruínas e da realização do inventário de grande parte do material arqueológico, produzidos entre 1986 e 1987, sob a responsabilidade de Lorenzo Cara, em 1989 realizou-se intervenção na zona mais ao norte da área privada do palácio, a área de serviço e os banhos públicos. Mais tarde, entre 1993 e 1995, tiveram lugar novos trabalhos, inscritos na quinta fase do projeto de restauro, agora dirigido pelo arquiteto Ramón de Torres. As escavações concentraram-se na muralha setentrional, no sistema de canalização de água e nos acessos ao Primeiro Recinto, tendo sido dirigidas inicialmente por Domingo Ortiz, e posteriormente por Carmen Mellado.

A maioria dos objetos e restos arqueológicos identificados no conjunto encontram-se depositados no Museo arqueológico de Almería, embora algumas peças recuperadas na primeira intervenção tenham sido transladadas para o Museo de la Alhambra.

O conjunto foi declarado “Monumento histórico y artístico” em 3 de junho de 1931, conforme publicado na “La Gaceta”, em Madrid, a 4 de junho, passando a ser propriedade do Tesoro Artístico Nacional. Encontra-se sob a proteção da Declaração genérica do Decreto de 22 de abril de 1949, e da Lei n.° 16/1985 sobre o Património Histórico Espanhol.

A 6 de junho de 1989 foi instituído o “Conjunto Monumental de la Alcazaba de Almería”, então transferido para a esfera municipal ("ayuntamiento").

Em 1993 a Junta de Andalucía outorgou reconhecimento especial aos castelos da Comunidade Autónoma de Andaluzia. A zona envolvente do monumento, entretanto, só foi delimitada pelo Decreto n.º 83/2004, de 24 de fevereiro.

Em 2010 a “Fábrica Nacional de Moneda y Timbre - Real Casa de la Moneda de España”, como parte do "Programa Capitales de Provincia y Ciudades Autónomas" cunhou uma moeda de 5 euros com uma gravura deste monumento.

Características

Exemplar de arquitetura militar islâmica.

O conjunto conta com três partes distintas: duas de origem e estilo muçulmano e outra, posterior, cristã.

A alcáçova

Acredita-se que, anteriormente à existência da atual Alcáçova, terá existido no local um “ribat”, edifício fortificado habitado por religiosos muçulmanos, cuja construção foi concluída entre 840 e 861, com a função de defesa da área contra os Normandos. Foi projetada como uma edificação defensiva implantada dentro da cidade de Almeria, ao norte do seu casco histórico.

A alcáçova constitui uma cidadela erguida em diversas cotas, e ocupa toda a elevação de terreno. Possui muros amparados por torres de defesa, arruamentos, habitações e uma mesquita. Possui um perímetro de 1.430 metros.

Em 955 Abderramão III concedeu a Almería o estatuto de Medina. Nesse momento, deu-se início à construção da alcáçova, assim como à Mesquita Maior e às muralhas que envolviam a cidade. A alcáçova acumulava as funções de fortificação militar e de sede do governo. O conjunto recebeu melhorias significativas sob o governo de Almançor (c. 938-1002), vindo a atingir o seu máximo esplendor sob o governo de Al-Jairán, primeiro rei taifa independente, entre 1012 e 1028.

É acedida pela Rua Almanzor, paralela à muralha, que conduz a uma escadaria em ziguezague ladeada por vegetação, ao Primeiro Recinto do castelo, ultrapassada a “Puerta de la Justicia”.

Primeiro Recinto

Constitui um espaço amplo que corresponde ao que foi um acampamento militar e refúgio para a população em caso de assédio. Contava com bons algibes, dos quais ainda podemos ver um em ruínas a descoberto, e um dos poços que se utilizavam para trazer água com uma profundidade de 70 metros. O acesso é feito pela chamada “Torres de los Espejos”, onde se rasga a “Puerta de la Justicia”. De acordo com a tradição, nesta torre existia um sistema de espelhos cuja função era fazer sinais aos barcos que chegavam ao porto, esperando contestação e descobrindo assim os inimigos. No extremo mais oriental encontra-se o “Baluarte del Saliente”, onde atualmente se encontram os escritórios do monumento.

Em 1522 houve um terramoto que destruiu grande parte da cidade e afetou gravemente este recinto. Ainda que conheçamos o uso que se fazia deste recinto, desconhece-se por completo o seu aspeto original, pois não foram encontrados documentos ou imagens que o descrevam. Por essa razão, no momento do restauro da alcáçova, decidiu-se implantar nela uma série de jardins e ornamentos, à semelhança do que foi feito na “Alhambra” em Granada. Os pavimentos empedrados, os pequenos canais que percorrem todos os desníveis do terreno transportando água, cercas, fontes e árvores são elementos que se desconhece se originalmente aqui existiram, mas que tornam mais agradável a visita.

"Muro de la Vela"

O “Muro de la Vela” separa o Primeiro do Segundo Recinto, embora seja acedido a partir deste último. É assim denominado porque aqui existiu o sino da Vela (“Campana de la Vela”), instalado por determinação de Carlos III de Espanha (1759-1788). Este sino anunciava diversos eventos: barcos que entravam na baía, perigo, fogo, as horas, o fechamento das portas da cidade, e outros. É encimado por uma cruz. O sino tem o nome de “Santa María la Mayor”.

Segundo Recinto

Era o local de residência dos governantes, do quartel da guarda e dos aposentos dos servidores. Constituía um espaço palaciano com dependências como a mesquita, banhos, armazéns e depósitos. Aqui também se localizavam os banhos da tropa, instalação que segue o modelo dos banhos romanos. Este espaço também foi muito arruinado pelos terramotos que assolaram a província na Idade Moderna, subsistindo apenas alguns restos, mas oferece um amplo campo arqueológico que vem sendo investigado até aos nossos dias.

Aqui é possível visitar-se o algibe, o “Muro de la Vela”, a Ermida de São João (antiga mesquita, reconvertida pelos Reis Católicos) e duas reproduções das primitivas casas, reconstruídas a partir das próprias ruínas na década de 1960, e onde se podem observar exposições de objetos cotidianos da época.

Mirador de la Odalisca

Ainda no Segundo Recinto, no lado norte, encontra-se de pé uma parede que correspondia ao “Palacio de Almotacín”, do século XI, e que conta com duas aberturas para o barranco de La Hoya. Uma lenda local refere que antes que este recinto se transformasse em ruínas, era harém do palácio de Almotacín. Uma noite, este ficou à espera de sua concubina favorita, chamada Galiana, em vão: ela havia saído para libertar um preso cristão que todas as noites lhe cantava a beleza. No momento em que o cristão se evadia por uma destas janelas, com o auxílio de uns panos de seda que a concubina havia providenciado, surgiu a guarda, pelo que  cristão decidiu soltar-se para escapar a nova prisão, morrendo ao bater no solo. Após ver o amado despenhar-se desse modo, a concubina começou a chorar amargamente, morrendo de pesar pouco depois. A lenda evoca a dificuldade da convivência de culturas na cidade.

Terceiro Recinto

Constitui a parte mais moderna do conjunto. Após a conquista de Almeria a 26 de dezembro de 1489, os Reis Católicos mandaram construir um castelo na parte mais ocidental e elevada, adaptada às novas necessidades militares e à pirobalística. Os trabalhos tiveram início em 1490 e foram dados como concluídos em 1534, sob o governo de Carlos I de Espanha (1519-1556). Este espaço é definido por três torres de planta semicircular, designadas por Torre de Menagem, Torre de la Noria del Viento, e Torre da Pólvora, defendido por um fosso exterior, acedido através de uma ponte levadiça.

O interior dispõe-se em torno do Pátio de Armas, ao centro do qual se abre um algibe de planta retangular, e um silo, que no passado também foi usado como masmorra. Os silhares de pedra com que se ergueu este recinto possuem marcas de canteiro, de que se contabilizaram mais de 25 marcas. Através delas acredita-se que muitos dos que aqui trabalharam, também colaboraram na construção da catedral da cidade, onde se encontram algumas marcas idênticas.

A Torre de Menagem

É a maior torre do recinto. Diferentemente das demais, apresenta planta quadrada, o que corresponde ao seu uso como residência. Em seu alçado principal, acima da porta, encontra-se o espaço para receber o escudo de D. Carlos I, que jamais chegou a ser instalado. Atualmente, abriga exposições do “Centro Andaluz de la Fotografía”.

Muralha

A muralha do Cerro de San Cristobal é o que subsiste em nossos dias da antiga muralha que envolvia a cidade. Apesar de existirem mais troços em outras zonas da cidade, como nos refúgios subterrâneos de Almeria, nas imediações, esta é a única parte que sempre esteve ao ar livre e não foi descoberta mais tarde em estado de ruínas. Originalmente, o seu nome era monte “Laham” que, em árabe, significa “carne”. O seu nome católico vem do curto período em que Almeria esteve sob o governo de D. Afonso VII, quando se ergueu um castelo sob a invocação de São Cristóvão, hoje em estado de ruína progressiva. A muralha foi erguida para proteger o antigo bairro de La Musalla, ao tempo de Abderramão III, entre os anos de 1012 e 1028. A muralha conta com um total de 7 torres: 3 de planta quadrada, de origem muçulmana, e 4 de planta circular, de origem cristã, erguidas por determinação de D. Afonso VII em 1147.

Estátua do Sagrado Coração de Jesus

Trata-se de uma imagem, erigida na década de 1930, no ponto mais alto do Cerro de San Cristóbal. Confecionada em mármore da localidade almeriense de Macael, foi restaurada no ano 2000.

Bibliografia

vv.aa.. Castillos de España (v. 1). Léon: Editorial Everest, S.A., 1997. p. 51-80.




  • Alcazaba and Walls of Almería


  • Fortified City

  • 955 (AC)




  • Spain


  • Conserved Ruins

  • National Protection
    O conjunto foi declarado “Monumento histórico y artístico” em 3 de junho de 1931, conforme publicado na “La Gaceta”, em Madrid, a 4 de junho, passando a ser propriedade do Tesoro Artístico Nacional. Encontra-se sob a proteção da Declaração genérica do Decreto de 22 de abril de 1949, e da Lei n.° 16/1985 sobre o Património Histórico Espanhol.
    A 6 de junho de 1989 foi instituído o “Conjunto Monumental de la Alcazaba de Almería”, então transferido para a esfera municipal (ayuntamiento).
    Em 1993 a Junta de Andalucía outorgou reconhecimento especial aos castelos da Comunidade Autónoma de Andaluzia. A zona envolvente do monumento, entretanto, só foi delimitada pelo Decreto n.º 83/2004, de 24 de fevereiro.





  • Tourist-cultural Center

  • 43000,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Spain
    State/Province: Almería
    City: Almeria



  • Lat: 36 -51' 30''N | Lon: 2 28' 15''W



  • Es visitable todos los días excepto los lunes, el 25 de diciembre y el 1 de enero, gratuitamente por los ciudadanos acreditados de la Unión Europea, y por 1,50€ para el resto de personas. La compañía municipal de transporte público (SURBUS) puso en funcionamiento la línea 1 de bus, denominada Casco Histórico, servida por microbuses Mercedes-Benz Sprinter, que hace un recorrido por varios de los emplazamientos de mayor atractivo turístico de la ciudad, siendo la entrada a la Alcazaba una de sus paradas.












Contribution

Updated at 02/01/2021 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.