http://www.fortalezas.org
Fort of Ambaca

, -

 

O "Forte de Ambaca", também referido como "Fortaleza de Ambaca", localizava-se à margem do rio Lucala, na vila de Camabatela, sede do município de Ambaca, na província de Cuanza-Norte, no interior de Angola.

Ambaca, Cambambe, Massangano, Muxima e Pungo Andongo foram os grandes presídios angolanos: foi neles que de afirmou o domínio Português quando os Neerlandeses dominaram o litoral no século XVII. Dotados de guarnições militares, constituíam as circunscrições administrativas fundamentais do território, sendo chefiados por capitães-mores nomeados pela Coroa ou por regentes designados pelo Governador-geral. A partir deles desenvolveu-se a penetração comercial, religiosa e política no território; deles partiam as expedições militares e neles buscavam refúgio os colonos em caso de maior perigo. ("Presídios de Angola", in SERRÃO, Joel (dir.). "Dicionário de História de Portugal (4 vols.)". Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1971. Vol. III, pp. 474-475.)

História

Distante 8 léguas de Massangano, tinha a função de defesa do presídio (estabelecimento de colonização militar) ali estabelecido no contexto da União Ibérica (1580-1640), em 1611 ou 1614 pelo então Capitão-General da Capitania-Geral do Reino de Angola Bento Banha Cardoso (1611-1615), e que foi extinto apenas em 1839.

Encontra-se referido em correspondência de 1626 da rainha Nzinga a Banha Cardoso, antigo Capitão-General:

"Na alma estimo o vir V. M. a essa fortaleza de Ambaca para que como a pai dar-lhe conta como mandando eu umas “peças” à feira de Bumba Aquiçanzo saiu o Aire com guerra, e me salteou umas trinta “peças”, das quais mandando eu tomar satisfação, como a meu vassalo, acertou a minha guerra encontrar com uns nove homens que estavam com o Tigre na terra; e botando estes nove a vir encontrar-se com a minha guerra fora da Pedra [(Pungo Andongo)] quis Deus que dos meus fossem vencidos de onde me trouxeram seis vivos de que me penou muito que na Pedra de Aire estivessem portugueses com guerra de socorro a Aire, aos quais faço muito bom agasalho por serem vassalos de El-Rei de Espanha, a que reconheço obediência como cristã que sou. Ao sábado chegou aqui um criado meu, Moembo, o qual me disse que na Ambaca estava muita guerra junta, e que esperavam por V. M. para a mover contra mim a libertar os portugueses cativos, sendo que nenhuma cousa se quer levada por força, e isso é fazer-me mal a mim, e a eles, porque isso se pode fazer tudo por bem; e se alguns senhores moradores por estarem individados metem ao senhor governador, e a V. M. em cabeça que faço guerra, para se desindividarem, podem fazê-lo, que eu não quero nenhum. Contra o capitão, não se ofereceu outro nosso senhor. Hoje, 3 de Março de 1626 anos. Mande-me V. M. uma rede, e quatro côvados de grã para um cobertor, e uma colcha de mentário, e vinho bom, e uma arroba de cera de velas, e meia dúzia de canequis, e duas, ou três toalhas de mesa de rendas, e umas gravatas roxas, e avinhadas e azuis, e um chapéu-de-sol grande, de veludo azul, ou o que V. M. traz, e quatro mãos de papel. Ana rainha de Dongo." (in CORRÊA, Elias Alexandre da Silva. "História de Angola".)

Este presídio era considerado um dos mais importantes da região, uma vez que, a partir do final do século XVII, daí provinha a quase totalidade dos escravos do interior de Angola, exportados a partir de Luanda. Complementarmente, a população de Ambaca necessitava produzir víveres destinados a alimentar as longas caravanas de escravos em trânsito, que estima-se, nos períodos de pico entre 1740-1759 e de 1790-1829, chegaram a atingir uma média de 10.000 indivíduos anualmente.

O poeta brasileiro Inácio José de Alvarenga Peixoto, implicado na Inconfidência Mineira (1789), para ali foi condenado ao degredo perpétuo, e ali vindo a falecer em 27 de agosto de 1792.

Para abertura da ligação ferroviária de Luanda a Ambaca foi constituída, em 1886 sob as Leis Portuguesas, a “The Royal Trans-African Railway Company” (Real Companhia de Caminho de Ferro Trans-Africana), designada posteriormente como Companhia de Ambaca.

Bibliografia

CORRÊA, Elias Alexandre da Silva. "História de Angola".

MENESES, Luís de. "História de Portugal Restaurado".

SILVA RÊGO. "História do Império Português".




  • Fort of Ambaca

  • Fortaleza de Ambaca

  • Fort

  • 1611 (AC)




  • Portugal











  • ,00 m2

  • Continent : Africa
    Country : Angola
    State/Province: Cuanza Norte
    City: Ambaca



  • Lat: 0 -0' 0'' | Lon: 0 -0' 0''














Contribution

Updated at 31/07/2020 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.