http://www.fortalezas.org
Forte de Santo Antônio de Monte Frio

, -

 

O Forte de Santo Antonio de Monte Frio está localizado ao sul da foz do rio Macaé, na ponta de terra entre a praia de Imbetiba e a praia das Conchas, fronteira ao arquipélago de Santana (ilhas de Santana, do Francês, do Papagaio e ilhote Sul), na cidade (e município) de Macaé, no litoral norte do Estado do Rio de Janeiro.

Erguido por determinação do governador e Capitão-mor da Capitania do Rio de Janeiro, Constantino de Menelau (1615-17) a partir de 1613 (1615?) (LISBOA, Balthazar. Annaes do Rio de Janeiro (vol. 1º, cap. 8º). apud SOUZA, 1885: 111), constituiu-se no núcleo da povoação de Macaé, cujo ancoradouro defendia.

O governador Francisco de Castro Morais (1699-1702) reforçou-lhe a artilharia com mais cinco peças de diferentes calibres (Op. cit., 1885: 111), após procedidos reparos (GARRIDO, 1940:101).

Pizarro atribui a sua construção (restauração cf. Op. cit., 1940: 101-102) ao governo do Vice-rei D. Antônio Álvares da Cunha (1763-67), que o artilhou com sete peças (Memória Histórica do Rio de Janeiro (vol. 2º). apud Op. cit., 1885:111) de calibre 16 libras. À época, o forte era guarnecido por milicianos da Comarca de Macaé, que se revezavam por milicianos de Campos dos Goitacazes.

O historiador Adler Homero considera que a data de construção citada por Souza é uma informação problemática, pois a construção que existiu em Macaé não era uma obra compatível com o século XVII. As características de um forte de grande porte, com muralhas de 8 metros, 65 cm de parapeito, espessura da base de 4,2 m e de 2,6 no topo, não condizem com as fracas fortificações feitas no século XVII. Através de fontes secundárias, o historiador afirma que o Conde da Cunha (1763-1767) construíu uma fortificação de pedra e cal em Macaé, armada com 7 canhões de 16 lb. Mesmo com essa informação, um planta de 1767, ainda não registra uma fortificação no local, mas sim uma guarda, que servia como posto de conbrança de impostos. Em 1776, num documento que consta o envio de duas peças de 6 libras, pode-se considerar como uma primeira referência que menciona a presença de um forte ou uma “fortaleza” no local (CASTRO, 2009: 293-294).

O Relatório do General Antônio Eliziário (Tenente-general graduado Antônio Elzeário de Miranda e Brito) de 1841, dá esta fortificação como em ruínas, tendo participado como mera espectadora no incidente com o vapor inglês Sharpshooter (23/jun/1850) (op. cit., 1885: 111), que aprisionou e incendiou um navio negreiro, naquele trecho do litoral fluminense (GARRIDO, 1940:102).

Desarmado pelo Aviso do Ministério da Guerra de 19/nov/1859 (Op. cit, 1885: 111), recolheu-se-lhe o material transportável (artilharia, munições e demais petrechos), sendo o imóvel confiado à guarda do Governo da Província do Rio de Janeiro (Op. cit., 1940: 102).

Foi sucedido, ao final do século XIX, pelo Forte Marechal Hermes.



 




  • Forte de Santo Antônio de Monte Frio

  • Bateria de Santo Antônio do Serro Frio

  • Fort

  • 1613 (AC)



  • Constantino de Menelau

  • Portugal


  • Ruins Badly Conserved






  • Ruins

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Rio de Janeiro
    City: Macaé

    Localizado ao sul da foz do rio Macaé, na ponta de terra entre a praia de Imbetiba e a praia das Conchas, fronteira ao arquipélago de Santana (ilhas de Santana, do Francês, do Papagaio e ilhote Sul), na cidade (e município) de Macaé, no litoral norte do Estado do Rio de Janeiro.


  • Lat: 22 22' 38''S | Lon: 41 46' 5''W




  • O governador Francisco de Castro Morais (1699-1702) reforçou-lhe a artilharia com mais cinco peças de diferentes calibres (SOUZA, 1885:111), após procedidos reparos (GARRIDO, 1940:101).
    PIZARRO atribui a sua construção (restauração cf. GARRIDO, 1940:101-102) ao governo do Vice-rei D. Antônio Álvares da Cunha (1763-67), que o artilhou com sete peças (Memória Histórica do Rio de Janeiro (vol. 2º). apud SOUZA, 1885:111) de calibre 16 libras.
    Em 1776, num documento consta o envio de duas peças de 6 libras (CASTRO, 2009: 293-294).










Contribution

Updated at 23/05/2013 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Amilton Matos).

With the contribution of contents by: Carlos Luís M. C. da Cruz.