http://www.fortalezas.org
Fort of São Diogo

, -

 

O “Forte de São Diogo” localiza-se na cidade do Salvador, estado da Bahia, no Brasil.

Situa-se na atual Praça Azevedo Fernandes, no bairro da Barra, no sopé do morro de Santo Antônio, do lado direito da praia do Porto da Barra, local onde anteriormente existiu o Castelo do Pereira. Próximo ao forte também se situam a Igreja de Santo Antônio da Barra e o Instituto Mauá, este já na Avenida Sete de Setembro.

No período colonial, tinha como função impedir, com o apoio do Forte de Santa Maria, um eventual desembarque inimigo naquele acesso ao sul da cidade, então capital do Estado do Brasil.

De suas muralhas descortina-se uma bela e ampla visão da Baía de Todos os Santos.

História

O século XVII

A sua construção remonta ao período da Dinastia Filipina (1580-1640), sob o reinado de Filipe III de Espanha (1598-1621), sendo Governador Geral do Estado do Brasil D. Diogo de Meneses Siqueira (1609-1613), com planta do Engenheiro-mor e dirigente das obras de fortificação do Brasil, Francisco de Frias da Mesquita (1603-1634). Em iconografia de João Teixeira Albernaz, o velho (Planta da Cidade de Salvador, 1616) figura como "Estância de São Diogo".

Foi ampliado e transformado num forte com a função de impedir o eventual desembarque no único porto seguro existente na entrada da baía de Todos os Santos, alvo de eventuais invasores que pretendessem atacar a cidade pelo lado sul.

No contexto das Invasões neerlandesas no Brasil foi reconstruído a partir de 1626, durante o Governo Geral de Diogo Luís de Oliveira (1626-1635), resistindo, ainda em obras, ao ataque de abril-maio de 1638 do conde Maurício de Nassau (1604-1679). (BARRETTO, 1958:172)

O século XVIII

A fortificação sofreu alterações no seu traçado a partir de 1704, que lhe conferiram a atual estrutura orgânica, em que o terrapleno acompanha a linha da base do morro, cortado para a sua edificação.

Foi reinaugurado em setembro de 1722, quando passou a contar com uma bateria de 7 peças de artilharia. De acordo com iconografia de José António Caldas, apresenta o traçado de um meio reduto circular aberto com parapeitos à barbeta. Sobre o terrapleno ergue-se edificação de dois pavimentos abrigando as dependências de serviço - Casa de Comando, Quartel da Tropa, Casa da Palamenta e outras. ("Planta, e fachada do forte de S. Diogo". In: Cartas topográficas contem as plantas e prospectos das fortalezas que defendem a cidade da Bahia de Todos os Santos e seu reconcavo por mar e terra, c. 1764. Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa)

Esteve guarnecido com 1 Capitão comandante e 2 soldados artilheiros, e artilhado com 5 peças de ferro do calibre 12 libras e 2 de bronze do calibre 8, (BARRETTO, 1958:173) presumivelmente em meados do século XVIII.

O século XIX

No contexto da Questão Christie (1862-1865), o "Relatório do Estado das Fortalezas da Bahia" ao Presidente da Província, datado de 3 de agosto de 1863, dá-o como reparado, (ROHAN, 1896:51) citando:

"(...) é este Forte de figura irregular, composto de seis lados retos e um curvo, à barbeta, cujo plano de fogo total é de 120 palmos.

Monta cinco peças de calibre 24, foi reparado e se acha em bom estado.

Não possui plataforma, e os reparos por semelhante falta descansam sobre o solo do terrapleno, que não é lajeado e nem possui o declive próprio daquela, como é conveniente na parte em que joga a artilharia.
" (Op. cit., p. 57)

Naquele ano (1863) encontrava-se ocupado pela Companhia de Inválidos. (MATTOS, 1864:S6-05)

Passou por novas reformas, nas canhoneiras e parapeitos, em 1875, 1883 e 1886. (GARRIDO, 1940:86) SOUZA (1885) informa que mantinha, à época (1885), 4 peças de artilharia, nas muralhas abandonadas. (Op. cit., p. 93)

O século XX

À época da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o forte encontrava-se desarmado em 1915, e à da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), abandonado em 1940. (GARRIDO, 1940:86) BARRETTO (1958) adita que à época (1958), o Círculo Militar ocupava uma das dependências do forte.

Atualmente, o forte encontra-se restaurado e aberto ao público, convertido em Centro Cultural, com programação regular de eventos. A sua guarnição apresenta-se trajada com o uniforme histórico do 1.º Regimento de Infantaria da Bahia, dentro do projeto de revitalização das Fortalezas Históricas de Salvador, da Secretaria de Cultura e Turismo em parceria com o Exército Brasileiro.

Para os aficcionados da telecartofilia, sua fachada e acesso ilustram um cartão telefônico da série Fortes de Salvador, emitida pela Telebahia, em junho de 1998.

Integra a Lista Indicativa enviada pelo país à UNESCO em 2015, para concorrer ao título de Patrimônio Mundial, previsto para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil (2022). 

Características

Exemplar de arquitetura militar, abaluartado, de tipo italiano.

Apresenta planta irregular. Em seu terrapleno ergue-se a casa de comando com dois pavimentos. É acedido por Portão de Armas encimado por brasão de armas. Possui uma guarita.




  • Fort of São Diogo

  • Estância de São Diogo

  • Fort

  • 1609 (AC)


  • Francisco Frias da Mesquita

  • Philip III of Spain

  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection

  • Ministério da Defesa do Brasil

  • Exército Brasileiro



  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Bahia
    City: Salvador

    Praça Azevedo Fernandes s/n.º
    Salvador, BA, 40130-170
    Brasil


  • Lat: 13 0' 7''S | Lon: 38 31' 59''W







  • Invasões neerlandesas no Brasil