http://www.fortalezas.org
Colônia Militar de Miranda

, -

 

A Colônia Militar de Miranda, localizada na cidade de Miranda, no Estado de Mato Grosso do Sul. Taunay (s.d.) situa-a a 80 Km SSO de Nioac, próximo às nascentes do Rio Miranda, informação ratificada pelo Estado Maior do Exército Brasileiro (1972, vol. 2).

A partir de 1859 (1860 cf. SOUZA, 1885:139) é fundada pela presidência da Província do Mato Grosso, seguindo orientação do governo imperial, uma Colônia militar no local, com a função declarada de auxiliar a navegação e o comércio entre a Província do Paraná e a do Mato Grosso.

Implícitamente, deveria vigiar e guarnecer a fronteira do rio Apa com o Paraguai (EME, 1972 v. 2:514-516). O mapa ilustrativo nesta obra, à p. 515, figura inadvertidamente a Colônia Militar ao norte de Nioac, lugar onde se localizava a vila. A informação correta encontra-se no mapa de TAUNAY (s.d.).

Este estabelecimento será arrasado por forças paraguaias no início de 1865, mesmo ano em que a Comissão de engenheiros encarregada de reconhecer a área entre o rio Taquary (a norte) e o rio Miranda (a sul) relata não ter a posição qualquer valor estratégico, e pelo contrário, sendo foco de febres intermitentes (malária) (SOUZA, 1885:139).

Não confundir a Colônia de Miranda com a vila de Miranda, na região, ao norte, às margens do rio M'boteteí (rio Miranda), que, à época da Guerra do Paraguai (1864-70), também esteve envolvida no mesmo episódio relatado por Taunay.

 




  • Colônia Militar de Miranda


  • Military Colony

  • 1797 (AC)




  • Portugal


  • Missing






  • Disappeared

  • ,00 m2

  • Continent : South America
    Country : Brazil
    State/Province: Mato Grosso do Sul
    City: Miranda

    Localizada na margem direita do Rio M'boteteu, na cidade de Miranda, no Estado de Mato Grosso do Sul, 80 Km SSO de Nioac de acordo com Taunay (s. d.).


  • Lat: 20 14' 19''S | Lon: 56 22' 54''W














Contribution

Updated at 23/05/2013 by the tutor Roberto Tonera.

With the contribution of contents by: Carlos Luís M. C. da Cruz.