Carta de Manuel Lopes da Ressurreição ao governador Luís Antônio de Sousa Botelho Mourão, tratando de ordem recebida para iniciar a construção das quatro fortalezas daquela vila

Carta de Manuel Lopes da Ressurreição, datada de 13 de março de 1766, enviada ao governador Luís Antônio de Sousa Botelho Mourão, em resposta a outra carta daquele governador de São Paulo (enviada em 5 de março daquele mesmo ano de 1766), onde Mourão lhe ordenava que iniciasse a construção de quatro fortificações para proteção do canal da Vila de São Sebastião.

Manuel Lopes indica que os melhores lugares para erguer essas construções seriam, na Barra Sul, a Ponta do Araçá, pelo lado da terra firme, e a Ilha das Cabras, que fica fronteira a essa ponta. Na Barra Norte indica a Ponta das Canasvieiras, na Ilha de São Sebastião (atual Ilhabela) e o local denominado de Ponta de Arpoar ou Praia do Barro, pelo lado da terra firme.

Manuel Lopes informa que a Ponta das Canasvieiras estava coberta de mato e por isso principiou a limpeza para ver se seria possível fincar ali estacadas, o que duvidava ser possível por achar que encontraria lajes de pedra a pouca profundidade. Na Ponta do Araçá, lugar batido pelo mar, havia uma laje de pedra já à vista, o que impedia a execução de estacadas. Uma fortificação ali precisaria ser levantada de pedra e cal, embora não houvesse cal e nem pedreiro na Vila de São Sebastião. Apesar de todas as dificuldades, Manuel Lopes informa que onde puder fincar estacadas iria fazer todo o possível para cumprir as ordens do governador.

  • Handwritten Document
  • Manuel Lopes da Ressurreição
  • 1766
  • Rio de Janeiro
  • Portuguese
  • 1 p., manuscrito, acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (http://acervo.bndigital.bn.br/sophia/index.asp?codigo_sophia=67204)
  • Download

Contribution

Updated at 27/04/2018 by the tutor Silvio De Angelis Júnior.



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > Carta de Manuel Lopes da Ressurreição ao governador Luís Antônio de Sousa Botelho Mourão, tratando de ordem recebida para iniciar a construção das quatro fortalezas daquela vila