Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838

"Relatório da Repartição dos Negócios da Guerra apresentado à Assembleia Geral Legislativa na Sessão Ordinária de 1838, pelo Respectivo Ministro e Secretário do Estado, Sebastião do Rego Barros".

Em relação às fortificações, na página 9, informando sobre as obras militares, faz referência ao deplorável o estado de conservação das fortificações, bem como avalia necessária a construção de novos arsenais, quartéis e fortificações nas fronteiras.

Nas páginas 12 e 13 o documento aborda o movimento revoltoso no Rio Grande do Sul (Revolução Farroupilha), comentando sobre o assédio à cidade de Porto Alegre e a Vila de São José do Norte, além das fortificações estabelecidas em outros pontos. Informa-se ainda que as fortificações de São José do Norte foram reparadas e suficientemente guarnecidas e fortificou as canhoneiras que se encontravam estacionadas no Rio São Gonçalo.

Nas páginas 17 e 18, o relatório aborda a Província de Mato Grosso, onde as fortificações estavam em completo abandono. O Forte do Príncipe (da Beira), Casalvasco e Palmela (presídios) estavam sem guarnição alguma.

Já entre os mapas (tabelas) anexos ao relatório, o de número 4 (página 27 do PDF) traz uma preciosa relação das fortificações existentes nas províncias do Império, no mês de abril daquele ano de 1838, informando ainda a quantidade de bocas de fogo que as guarneciam (total por província), o estado em que se achavam e a sua importância.

  • Printed Document
  • Sebastião do Rego Barros
  • Tipografia Nacional
  • 1838
  • Rio de Janeiro
  • Portuguese
  • Relatório do Ministério da Guerra, 1838, Rio de Janeiro, 40p. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/720950/per720950_1838_00013.pdf; acesso em 11/07/2018.
  • Download

Related fortifications

Contribution

Updated at 13/07/2018 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Daniela Marangoni Costa).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > Relatório do Ministro da Guerra, Sebastião do Rego Barros, em 1838