Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em janeiro de 1850

"Relatório da Repartição dos Negócios da Guerra, apresentado à Assembleia Geral Legislativa na 1ª sessão da 8ª legislatura, pelo respectivo Ministro e Secretário de Estado, Manoel Felizardo de Souza e Mello."

A respeito das fortificações, na página 6, o relatório diz serem elas e os quartéis do Império aprovisionados pelo Arsenal de Guerra da Corte, que embora fosse de maior importância não estaria recebendo os recursos necessários para o abastecimento bélico das províncias, e por conta disso, o governo havia encomendado armamentos vindos da Europa (incluindo canhões-obuses de calibre 80). Na mesma página, o autor avisa que o armamento existente e estragado estava em conserto na Fábrica de Armas da Fortaleza da Conceição. Essa fortaleza volta a ser citada novamente na página 13.

Na página 10 o relatório se refere à Fortaleza da Praia Vermelha como local de desembarque de tropas com destino a outras províncias, onde há o Corpo de Depósito de Recrutas. Na página 11, o autor explica que apenas as fortalezas de Tamandaré da Laje, São João e Santa Cruz da Barra estavam devidamente armadas, e que as outras fortificações que defendiam o Rio de Janeiro por terra ou mar achavam-se desarmadas ou em ruínas (com exceção de Villegaignon e Ilha das Cobras, agora administradas pela Marinha). Ainda na mesma página, o autor alerta para o estado ainda pior das fortificações provinciais.

Na página 13 o relatório aborda as obras militares, onde os reparos nas fortalezas de Santa Cruz, São João e o Forte da Laje são mencionados, assim como os consertos na Escola Militar. O relatório também menciona a necessidade de vultosas somas de recursos para obras nas fortificações da Província de São Pedro (Rio Grande do Sul) e informa que as fortificações da cidade de Rio Grande são todas passageiras e encontram-se arruinadas, e que as obras mais urgentes seriam entrincheiramentos "solidamente construídos e fortificações na Barra para defesa da cidade e porto" (p.14).

A construção de novas fortificações é citada na página 14, como as de Caçapava e Uruguaiana, e o estabelecimento em Pelotas de um quartel, um depósito e um conjunto de fortificações. A mesma página faz referência aos orçamentos das obras nas fortificações da Bahia, de Pernambuco e do Maranhão. A província do Mato Grosso aparece precisando de consertos e novas construções.

Na página 15 há informação sobre as fortalezas de Bertioga e Barra de Santos, assim como sobre a fortificação de Paranaguá. Fala-se também nas despesas do quartel do Campo do Manejo, em Santa Catarina, cuja enfermaria necessitava de estrutura para atender o aumento da guarnição, e também de um armazém de armamentos. Na província do Espírito Santo, são necessárias obras no armazém bélico da fortaleza de São Francisco (Piratininga). A província do Rio Grande do Norte e sua fortaleza dos Reis Magos também aparecem como estando em péssimo estado, e a fortaleza do Cabedelo junto aos quartéis da província da Paraíba são citados como tendo recebido alguns reparos.

As colônias militares se tornam assunto na página 17, quando da justificativa do autor sobre a construção das mesmas no Império e as vantagens trazidas à nação, tanto para povoamento e defesa de fronteiras quanto para abrigar viajantes que se aventuravam pelos interiores.

Em anexo, no mapa de número 4 (página 29 do arquivo PDF), a confecção de uma cópia da planta do Forte do Morro do Pico é citada entre os trabalhos feitos durante o ano de 1848 no Arquivo Militar.

Há um outro relatório de Manoel Felizardo de Souza e Mello, datado de maio de 1850, que não traz nenhum conteúdo sobre fortificações e, por isso, não foi cadastrado nesta base de dados. No entanto, ele pode ser acessado no link:
http://memoria.bn.br/pdf/720950/per720950_1850_00002.pdf.

  • Printed Document
  • Manoel Felizardo de Souza e Mello
  • Typographia Nacional
  • 1850
  • Rio de Janeiro
  • Portuguese
  • Relatório do Ministério da Guerra, Rio de Janeiro, 1850, 37 p. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/720950/per720950_1850_00001.pdf. Acesso em: 06/12/2018.
  • Download

Contribution

Updated at 03/09/2019 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Nicole Kirchner da Silva).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > Relatório do Ministro da Guerra, Manoel Felizardo de Souza e Mello, em janeiro de 1850