Relatório do Ministro da Guerra, Francisco Antônio de Moura, em 1892

"Relatório apresentado ao Vice-Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo General de Brigada, Francisco Antônio de Moura, Ministro de Estado dos Negócios da Guerra, em maio de 1892."

No que se refere às fortificações, o documento relata, na página 6, uma revolta de presos na Fortaleza de Santa Cruz da Barra e no Forte Tamandaré da Laje (RJ), ocorrida nos dias 19 e 20 de janeiro daquele ano. O governo, após reprimir a insurgência, montou um conselho investigativo para apurar a criminalidade dos fatos.

Mais a frente, na página 20, o relatório informa algumas incumbências da Comissão Técnica Militar Consultiva, como os melhoramentos na Fortaleza de São João da Barra (RJ) e nas fortificações do Mato Grosso, iluminação da Fortaleza de Santa Cruz da Barra e alguns quartéis e estabelecimentos militares. Sobre o Arsenal de Guerra do Estado da Bahia, o documento informa o aquartelamento da Companhia de Operários Militares no Forte de São Joaquim de Jequitaia (BA).

Na página 24 o documento retoma a informação do relatório passado, sobre a fundação de uma colônia militar na foz do Rio Iguaçu. Em seguida, na página 41, as colônias militares ainda em funcionamento são citadas: Colônia Militar de Chapecó (SC), Colônia Militar de Chopim (PR), Colônia Jatahy (PR). Por fim, na página 43 o documento informa sobre a extinção dos presídios militares da Província de Goiás, por não terem correspondido às expectativas de suas fundações.

  • Printed Document
  • Francisco Antônio de Moura
  • Imprensa Nacional
  • 1892
  • Rio de Janeiro
  • Portuguese
  • Relatórios do Ministério da Guerra, Rio de Janeiro, 1892, 275 p. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/720950/per720950_1892_00001.pdf. Acesso em: 28/03/2019.
  • Download

Contribution

Updated at 23/05/2019 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Nicole Kirchner da Silva).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > Relatório do Ministro da Guerra, Francisco Antônio de Moura, em 1892