Relatório do Ministro da Guerra, José Bernardino Bormann, em maio de 1910

"Relatório apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo general de divisão, José Bernardino Bormann, Ministro de Estado da Guerra, em maio de 1910."

A respeito das fortificações militares, o relatório informa, na página 29, a extinção da Direção Geral de Artilharia, e por conseguinte, as questões de armamento e fortificação passaram a competir à IV Divisão do Departamento da Guerra.

De acordo com o capítulo iniciado na página 42, inspeções feitas em regiões militares registraram a situação das construções na Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção (CE), no Forte de Óbidos (PA), no Forte dos Reis Magos (RN), no Forte de Nossa Senhora do Pópulo e São Marcelo (BA), na Fortaleza de Santa Cruz da Barra (RJ), no Forte Dom Pedro II do Imbuhy (RJ), na Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres de Paranaguá (PR), na Fortaleza de Nossa Senhora de Araçatuba (SC), no Forte de Santana do Estreito (SC), na Fortaleza de Santo Antônio de Ratones (SC), na Fortaleza de São José da Ponta Grossa (SC), no Forte de São Luís da Praia de Fora (SC), no Forte de São Gabriel (RS).

A página 98 do relatório menciona a construção de uma estrada ligando a cidade de São Luiz Gonzaga à Colônia Militar do Alto Uruguay (RS), sendo esta última mencionada novamente na página 113, juntamente com a Colônia Militar do Iguaçu (PR).

Em anexo, nas páginas 173 e 174, constam mapas pontuando as regiões de inspeção militar permanentes no país.

  • Printed Document
  • José Bernardino Bormann
  • Imprensa Nacional
  • 1910
  • Rio de Janeiro
  • Portuguese
  • Relatório do Ministério da Guerra, Rio de Janeiro, 1910, 174. Disponível em: http://memoria.bn.br/pdf/720950/per720950_1910_00001.pdf. Acesso em: 07/06/2019.
  • Download

Contribution

Updated at 19/06/2019 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Nicole Kirchner da Silva).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > Relatório do Ministro da Guerra, José Bernardino Bormann, em maio de 1910