“Fortificações mutiladas em último estado de ruína”: as fortificações catarinenses na primeira metade do século XIX

Este trabalho identifica e analisa o processo de arruinamento das fortificações catarinenses na primeira metade do século XIX, estabelecendo uma relação entre a conservação destas e o processo de consolidação da ordem e construção do Estado nacional após a Independência do Brasil. Nesta perspectiva, analisa o sentido deste sistema defensivo no período imperial e no período colonial, identificando a mudança no papel das fortificações no campo militar, político e socioeconômico conforme as transformações conjunturais entre o fim do século XVIII e início do século XIX. Para tanto, analisamos, como fontes históricas, os relatos dos viajantes estrangeiros entre 1803 e 1815, a correspondência entre a Junta do Governo Provisório de Santa Catarina e o Ministério da Guerra entre 1822 e 1823, e os ofícios dos engenheiros militares para a Presidência da Província entre 1835 e 1850.

  • Senior Research Project (SRP)
  • Pedro Mülbersted Pereira
  • Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina
  • 2013
  • Florianópolis
  • Portuguese
  • Trabalho de Conclusão do Curso de História da UFSC (TCC), sob orientação de Beatriz Gallotti Mamigonian. 136 p. il., colorido.
  • Download

Contribution

Updated at 03/09/2019 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Jéssica Pedrini).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > “Fortificações mutiladas em último estado de ruína”: as fortificações catarinenses na primeira metade do século XIX