As estruturas fortificadas de Belver, do Crato, da Amieira e da Sertã:entre o domínio territorial e a afirmação senhorial

O estudo dos castelos das Ordens Militares presentes em Portugal na Idade Média tem beneficiado de diversos trabalhos de investigação, com destaque para a obra de Mário Barroca. O objetivo é apresentar uma perspetiva histórica sobre as estruturas fortificadas da Ordem de S. João, nomeadamente, sobre as de Belver, da Amieira, do Crato e da Sertã, situadas no vale do rio Tejo, no caso das duas primeiras, e no nordeste do Alto Alentejo e na Beira Baixa, respetivamente, no caso das duas últimas, a que se acrescentam os paços da Flor da Rosa e de Cernache do Bonjardim. Entre a fortificação mais a norte, isto é, a da Sertã, e a que se localiza mais a sul, ou seja, a do Crato, medeiam uns escassos 100 km, formando um território, atravessado pelo Rio Tejo, muito importante na afirmação da Ordem do Hospital em Portugal.

  • Article - Proceedings
  • Paula Pinto Costa
  • Direção-Geral do Património Cultural
  • 2013
  • Lisboa
  • Portuguese
  • In: Isabel Cristina F. Fernandes (Coord.), Castelos das Ordens Militares. Actas de Encontro Internacional. Vol. II, p. 313-330. ISBN: 978-989-8052-61
  • Download

Contribution

Updated at 16/07/2020 by the tutor Projeto Fortalezas Multimídia (Jéssica Pedrini).



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Bibliography > As estruturas fortificadas de Belver, do Crato, da Amieira e da Sertã:entre o domínio territorial e a afirmação senhorial