Fort of Ambaca

Ambaca, Cuanza Norte - Angola

O "Forte de Ambaca", também referido como "Fortaleza de Ambaca", localizava-se à margem do rio Lucala, na vila de Camabatela, sede do município de Ambaca, na província de Cuanza-Norte, no interior de Angola.

Ambaca, Cambambe, Massangano, Muxima e Pungo Andongo foram os grandes presídios angolanos: foi neles que de afirmou o domínio Português quando os Neerlandeses dominaram o litoral no século XVII. Dotados de guarnições militares, constituíam as circunscrições administrativas fundamentais do território, sendo chefiados por capitães-mores nomeados pela Coroa ou por regentes designados pelo Governador-geral. A partir deles desenvolveu-se a penetração comercial, religiosa e política no território; deles partiam as expedições militares e neles buscavam refúgio os colonos em caso de maior perigo. ("Presídios de Angola", in SERRÃO, Joel (dir.). "Dicionário de História de Portugal (4 vols.)". Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1971. Vol. III, pp. 474-475.)

História

Distante 8 léguas de Massangano, tinha a função de defesa do presídio (estabelecimento de colonização militar) ali estabelecido no contexto da Dinastia Filipina (1580-1640), em 1611 ou 1614 pelo então Capitão-General da Capitania-Geral do Reino de Angola Bento Banha Cardoso (1611-1615), e que foi extinto apenas em 1839.

Encontra-se referido em correspondência de 1626 da rainha Nzinga a Banha Cardoso, antigo Capitão-General:

"Na alma estimo o vir V. M. a essa fortaleza de Ambaca para que como a pai dar-lhe conta como mandando eu umas “peças” à feira de Bumba Aquiçanzo saiu o Aire com guerra, e me salteou umas trinta “peças”, das quais mandando eu tomar satisfação, como a meu vassalo, acertou a minha guerra encontrar com uns nove homens que estavam com o Tigre na terra; e botando estes nove a vir encontrar-se com a minha guerra fora da Pedra [(Pungo Andongo)] quis Deus que dos meus fossem vencidos de onde me trouxeram seis vivos de que me penou muito que na Pedra de Aire estivessem portugueses com guerra de socorro a Aire, aos quais faço muito bom agasalho por serem vassalos de El-Rei de Espanha, a que reconheço obediência como cristã que sou. Ao sábado chegou aqui um criado meu, Moembo, o qual me disse que na Ambaca estava muita guerra junta, e que esperavam por V. M. para a mover contra mim a libertar os portugueses cativos, sendo que nenhuma cousa se quer levada por força, e isso é fazer-me mal a mim, e a eles, porque isso se pode fazer tudo por bem; e se alguns senhores moradores por estarem individados metem ao senhor governador, e a V. M. em cabeça que faço guerra, para se desindividarem, podem fazê-lo, que eu não quero nenhum. Contra o capitão, não se ofereceu outro nosso senhor. Hoje, 3 de Março de 1626 anos. Mande-me V. M. uma rede, e quatro côvados de grã para um cobertor, e uma colcha de mentário, e vinho bom, e uma arroba de cera de velas, e meia dúzia de canequis, e duas, ou três toalhas de mesa de rendas, e umas gravatas roxas, e avinhadas e azuis, e um chapéu-de-sol grande, de veludo azul, ou o que V. M. traz, e quatro mãos de papel. Ana rainha de Dongo." (in CORRÊA, Elias Alexandre da Silva. "História de Angola".)

Este presídio era considerado um dos mais importantes da região, uma vez que, a partir do final do século XVII, daí provinha a quase totalidade dos escravos do interior de Angola, exportados a partir de Luanda. Complementarmente, a população de Ambaca necessitava produzir víveres destinados a alimentar as longas caravanas de escravos em trânsito, que estima-se, nos períodos de pico entre 1740-1759 e de 1790-1829, chegaram a atingir uma média de 10.000 indivíduos anualmente.

O poeta brasileiro Inácio José de Alvarenga Peixoto, implicado na Inconfidência Mineira (1789), para ali foi condenado ao degredo perpétuo, e ali vindo a falecer em 27 de agosto de 1792.

Para abertura da ligação ferroviária de Luanda a Ambaca foi constituída, em 1886 sob as Leis Portuguesas, a “The Royal Trans-African Railway Company” (Real Companhia de Caminho de Ferro Trans-Africana), designada posteriormente como Companhia de Ambaca.

Bibliografia

CORRÊA, Elias Alexandre da Silva. "História de Angola".

MENESES, Luís de. "História de Portugal Restaurado".

SILVA RÊGO. "História do Império Português".

Contribution

Updated at 02/12/2014 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.


  • Fort of Ambaca

  • Fortaleza de Ambaca

  • Fort

  • 1611 (AC)




  • Portugal











  • ,00 m2

  • Continent : Africa
    Country : Angola
    State/Province: Cuanza Norte
    City: Ambaca



  • Lat: 0 -0' 0'' | Lon: 0 -0' 0''










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort of Ambaca