Castle Pilgrim

Atlit, Haifa - Israel

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

O "Château Pèlerin", também referido como "Fortaleza de Atlit", localiza-se próximo à atual aldeia de Atlit, a cerca de 13 quilómetros ao sul de Haifa, na costa norte de Israel.

Constituiu-se em uma das maiores e mais importantes fortificações da Ordem do Templo no Reino de Jerusalém, contando à época com recursos suficientes para atender às necessidades de quatro mil pessoas durante um eventual cerco.

História

Os primeiros integrantes da Quinta Cruzada, inclusive André II da Hungria, alcançaram a Palestina em 1217. Forçados a aguardar a chegada da maior parte do contingente, esses cruzados, inclusive Gauthier d'Avesnes, empreenderam diversas operações militares contra os territórios muçulmanos na Síria, porém sem resultados de vulto.

Ao mesmo tempo, contribuíram particularmente para o início de uma fortificação costeira, sobre os restos de uma antiga posição fenícia, entre 1217 e 1218. Esta fortificação foi doada aos cavaleiros da Ordem do Templo em 1220, recebendo o seu nome em homenagem aos muitos peregrinos cristãos que voluntáriamente contribuíram para a sua construção. Naquele ano, ainda em obras, a sua guarnição resistiu vitoriosa ao assalto das forças do Império Aiúbida, sob o comando de al-Malik al-Mu'azzam.

Esteve sob assédio por forças Mamelucas sob o comando do sultão Baybars em 1265, momento no qual a povoação de Atlit foi arrasada.

Ao longo de sua história nunca foi conquistado, e foi o último reduto no Reino de Jerusalém, abandonado em 14 de agosto de 1291, após a capitulação de São João d'Acre, em 28 de maio do mesmo ano.

Ocupado por forças mamelucas, ao contrário de sua prática habitual ao ocuparem um castelo Cruzado, não foi por estas desmantelado. Permenceu intacto por séculos até que o terramoto da Galileia, em 1837, causou-lhe severos danos. Este foram agravados a partir de 1840, quando Ibrahim Pasha o utilizou como fonte de pedra para as obras de Acre.

Durante o periodo do Mandato Britânico as autoridades britânicas patrocinaram uma grande campanha de prospecção arqueológica, entre 1930 e 1934, coordenada por C. N. Johns. O castelo integrou a área utilizada pelas autoridades do Mandato para abrigar refugiados ilegais no período final do Mandato.

Em nossos dias integra uma área de treinamento dos Comandos Navais do Estado de Israel.

Características

Situada em um promontório rochoso, era banhada pelas águas do Mediterrâneo em três de seus lados, o que permitia aos seus ocupantes o abastecimento marítimo. Apresentava planta retangular com as dimensões de 280 x 160 metros. O lado leste, voltado a terra, era defendido por um fosso e uma dupla cintura de muralhas amparadas por torres.

A muralha exterior, a cerca de 44 metros de distância, apresentava 15 metros de altura e 6 metros de espessura, e era reforçada por três torres de planta quadrada. Projetava-se 12 metros para o exterior, com uma plataforma elevada no topo, possívelmente para o uso de artilharia. Diante de si apresentava um fosso escavado no leito rochoso, ao nível do mar.

A muralha interior apresentava aproximadamente 30 metros de altura e 12 metros de espessura, com duas torres de planta quadrada, ao norte e ao sul, cada uma com cerca de 34 metros de altura. Como esta muralha era mais alta que a exterior, os defensores eram capazes de atingir alvos por cima da muralha exterior, o que permitia maior proteção diante dos disparos dos sitiantes. O traçado do castelo incluía um ancoradouro protegido no lado do sul do promontório. A fortificação contava com três poços de água potável em seu interior.

O castelo localizava-se na borda de uma pequena planície contendo sapais, particularidade de que os Templários souberam tirar proveito, explorando salinas. A povoação de Atlit desenvolveu-se fora da muralha exterior do castelo e foi posteriormente fortificada.

Bibliografia

Alain Demurger, "Les Templiers, une chevalerie chrétienne au Moyen Âge", Paris, Seuil, coll. "Points Histoire", 2008 (1re éd. 2005), poche, 664 p. (ISBN 978-2-7578-1122-1)

David Nicolle. "Crusader Castles in the Holy Land 1192- 1302". Osprey Publishing. 2005. ISBN 1-84176-827-8

Hugh Kennedy. "Crusader Castles". Cambridge University Press. 2001. ISBN 0-521-79913-9

Marion Melville, "La vie des templiers", Gallimard, 1974, 2e éd., 339 p.

Pierre-Vincent Claverie, "L'ordre du Temple en Terre Sainte et à Chypre au XIIIe siècle", Centre de Recherche Scientifique, coll. "Sources et études de l'histoire de Chypre", 2005, 1230p. ISBN 978-9-9630-8094-6

Contribution

Updated at 02/04/2014 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Castle Pilgrim

  • Fortaleza de Atlit

  • Castle

  • 1217 (AC)




  • France


  • Abandoned Ruins






  • Military Active Unit

  • ,00 m2

  • Continent : Asia
    Country : Israel
    State/Province: Haifa
    City: Atlit



  • Lat: 32 -43' 41''N | Lon: 34 -57' 60''E







  • Castelo templário



Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle Pilgrim