Fort of Nossa Senhora da Conceição

Cascais, Lisboa - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (1)

Images (1)

O “Forte de Nossa Senhora da Conceição”, também referido como "Forte dos Inocentes", localizava-se na freguesia de União das Freguesias de Cascais e Estoril, concelho de Cascais, distrito de Lisboa, em Portugal.

Foi edificado no contexto da Guerra da Restauração da Independência (1640-1668), integrando a 1.ª linha de fortificações da barra do Tejo, que se estendia do cabo da Roca até à Torre de Belém para defesa da cidade de Lisboa. Implantado sobre uma ponta rochosa na extremidade leste da enseada de Cascais, controlava os eventuais desembarques que poderiam acontecer no areal da praia da Conceição e, a leste, em toda a linha de costa que se estendia até ao Estoril. Cruzava fogos com a Cidadela de Cascais a oeste.

História

Foi erguido por determinação do Conselho de Guerra de João IV de Portugal (1640-1656), sob a supervisão do Governador das Armas da Praça de Cascais, D. António Luís de Meneses (1642-1675), 3° conde de Cantanhede. Iniciada em 1642, estava operacional já em 1646.

Em fins do século XVII, uma planta informa: "Forte da Conceição chamado dos Inocentes / Tem guarnição artilharia, e palamenta, e nelle o pa / iol da pólvora da Praça de Cascaes, e está retificado". Regista ainda a artilharia, 6 peças de ferro, a saber: 4 do calibre 14  e 2 do calibre 9 (Acervo: Direcção dos Serviços de Fortificação e Obras Militares).

Perdida a sua função militar, na primeira metade do século XIX o forte foi desativado, iniciando-se a sua demolição.

Posteriormente, em 1868 ou 1869, D. Pero de Sousa Holstein, duque de Palmela, adquiriu o imóvel em hasta pública, prosseguindo no mesmo ano a sua demolição, para dar lugar a um chalet em estilo revivalista inglês - a Casa Palmela -, iniciado em 1873 com projeto do arquiteto Thomas Henry Wyatt, trazido especialmente para o efeito. Ao projeto inicial juntaram-se, na década de 1880, outras intervenções, ao que se pensa, da autoria do arquiteto e mestre-de-obras José António Gaspar. Este acrescentou dois corpos facetados e dois prismáticos ao alçado oeste, com o objetivo de criar um espaço destinado a capela, não consignado no projeto de Wyatt. A deficiência da obra levou a que, entre 1890 e 1895, os duques de Palmela encarregassem José Luís Monteiro de renovar esta ala, o que o arquiteto fez, subindo um piso nos corpos adossados ao edifício, e eliminando as coberturas dos dois prismas seguintes.

Na vizinha travessa da Conceição foi erguido, a partir de 1895, um edifício de apoio para cocheira e cavalariças, sob risco do arquiteto italiano Cesar Ianz.

Em redor da casa desenvolvia-se um parque, relativamente arborizado e com alguns tanques e lagos, atualmente muito reduzido na sua primitiva extensão.

O “Forte de Nossa Senhora da Conceição (restos das muralhas)” encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 129/77, publicado no Diário da República, I Série, n.º 226, de 29 de setembro. A ZEP conjunta do Chalet Faial, do Palácio Palmela e dos restos do Forte de Nossa Senhora da Conceição encontra-se definida pela Portaria n.º 740-S/2012, publicada pelo Diário da República, II Série, n.º 248 (suplemento), de 24 de dezembro.

Características

A construção da Casa Palmela destruiu por completo a estrutura do Forte de Nossa Senhora da Conceição, pelo que o que se conhece da estrutura seiscentista da fortificação baseia-se em mapas e descrições do século XVIII.

O forte apresentava planta irregular orgânica (adaptada ao terreno), com uma bateria retangular terminada em "V", sobre a escarpa. No lado oposto erguiam-se os alojamentos, a cozinha, o paiol e a casa da palamenta, dispostos na praça de armas. Sobre as edificações existia um terraço com parapeito, ao qual se acedia por uma escada disposta a partir da plataforma da bateria.

O muro ameado que atualmente se dispõe em volta da Casa Palmela não pertence ao conjunto original do forte, tendo sido edificado quando a mesma foi construída, para o caso de, em tempos de guerra, ser necessário guarnecer o local com tropas de Infantaria.

 



 Related character


 Print the Related character

Related bibliography 


 Print the Related bibliography

Contribution

Updated at 18/10/2018 by the tutor Carlos Luís M. C. da Cruz.

Contributions with medias: Carlos Luís M. C. da Cruz (1).


  • Fort of Nossa Senhora da Conceição

  • Forte dos Inocentes

  • Fort

  • 1642 (AC)

  • 1646 (AC)



  • Portugal


  • Missing

  • National Protection
    O “Forte de Nossa Senhora da Conceição (restos das muralhas)” encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 129/77, publicado no Diário da República, I Série, n.º 226, de 29 de setembro. A ZEP conjunta do Chalet Faial, do Palácio Palmela e dos restos do Forte de Nossa Senhora da Conceição encontra-se definida pela Portaria n.º 740-S/2012, publicada pelo Diário da República, II Série, n.º 248 (suplemento), de 24 de dezembro.





  • Disappeared

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Lisboa
    City: Cascais



  • Lat: 38 -43' 57''N | Lon: 9 24' 49''W




  • Séc. XVIII (fins): 6 peças antecarga de alma lisa, a saber: 4 do calibre 14 e 2 do calibre 9, todas de ferro.






Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Fort of Nossa Senhora da Conceição