Castle of Lamego

Lamego, Viseu - Portugal

Search for fortification's images

Date 1 Date 2

Medias (20)

Images (20)

O “Castelo de Lamego” localiza-se na freguesia de Lamego (Almacave e Sé), cidade e concelho de Lamego, distrito de Viseu, em Portugal.

Ex libris” da cidade, do alto de seus muros avistam-se as águas dos rios Coura, Balsemão e Varosa.

História

Antecedentes

A primitiva ocupação humana do seu sítio remonta a um castro pré-histórico. Alguns autores consideram que aqui teria habitado o povo de Lacão (c. século V a.C.), conquistado pelos romanos.

Quando da invasão romana da península Ibérica, o imperador Trajano terá ordenado a reconstrução do povoado, então denominado de “Lameca”, passando de simples “villa” a “civitas” por volta do século IV, período em que já conheceria o cristianismo.

Entre o século V e o século VIII esteve no domínio dos Visigodos, quando a povoação foi sede de bispado, da qual é testemunha a Basílica de São Pedro de Balsemão, erguida entre os séculos VI e VII, em estilo visigótico. A partir do século VIII a povoação conheceu o domínio Muçulmano.

O castelo medieval

À época da Reconquista cristã da região, a povoação foi inicialmente tomada por Ordonho II da Galiza (910). Posteriormente foi reconquistada (997) pelas forças de Almançor, califa de Córdova. Foi tomada com dificuldade aos muçulmanos por Fernando I de Leão (1037-1065) a 29 de novembro de 1057, o que demonstra o valor da sua fortificação à época: “E, pero que a cidade era mui forte, foy cercada em redor. E tantos engenhos e Castellos de madeira lhe pos e tã ryjo a cõbateo que a tomou per força.”. (Crónica Geral de Espanha, 1344).

Os domínios da povoação e seu castelo foram doados como dote a D. Teresa de Leã;o quando do seu casamento com D. Henrique de Borgonha, passando a integrar os domínios do Condado Portucalense. Com a independência de Portugal, foram doados aos Mendes, senhores de Bragança. Na campanha construtiva que se desenvolveu na segunda metade do século XII, à qual devemos a torre de menagem e a alcáçova, foram mantidas as muralhas, desprovidas de ameias, e a cisterna, erigidas pelos muçulmanos no século XI.

No reinado de Sancho II de Portugal (1223-1248), Abril Peres de Lumiares foi alcaide do castelo até 1245. Acredita-se que a partir das "Inquirições" de 1258, sob o reinado de Afonso III de Portugal (1248-1279), tenha tido lugar a ereção da cerca da vila.

Nos séculos XIV e XV a vila prosperou graças à manufatura de tecidos, com uma feira anual de expressão regional. Nesse período foram alcaides do castelo os Coutinho, entre os quais se notabilizou Gonçalo Vasques Coutinho, também alcaide do Castelo de Trancoso, que durante a crise de sucessão de 1383-1385, tomou partido pelo Mestre de Avis. Ao final do século XV, D. Francisco Coutinho, 4.° conde de Marialva, fez rasgar a meio da torre, uma janela de assento.

Após um breve período de recessão económica durante o século XVI, o comércio de vinho trouxe uma nova prosperidade à região no século XVII, o que é percetível pela construção de grande número de solares em Lamego. Data possivelmente de 1642 a feitura do nicho de Nossa Senhora da Graça, por ordem de António Soares de Castro, e de 25 de agosto de 1696 o contrato para a execução das grades da cadeia, anexa à torre, com o serralheiro António Luís, por 250$000 reis.

De acordo com uma descrição de 1730 a Porta da Vila era então formada por um arco com duas torres, onde se encontrava um sino que servia de relógio. A antiga Casa da Câmara era um antigo baluarte, sendo alpendrada, com colunas de pedra lavrada e com torre; um segundo baluarte designava-se “Castelinho”. Posteriormente, promoveu-se a limpeza da antiga cisterna (1749).

Data de 1758 uma referência ao oratório de Nossa Senhora da Graça, na parte interna do arco da Porta do Sol; neste momento a cisterna encontrava-se encerrada por questões de segurança. Em 1789 tem lugar a execução de um sino por Mateus Gomes, por ordem de Câmara da Cidade. Nesse mesmo ano, a 6 de março celebra-se contrato com os caiadores Bernardo Cardoso e Francisco de Moura para a obra da torre do castelo.

Em 1824 foi dada autorização para a construção de casas sobre a muralha. No mesmo ano executou-se um sino. Uma década mais tarde (1834) um negociante da cidade obteve licença para demolir um torreão que estava inserido na sua casa. Nesse mesmo ano a Câmara Municipal mudou de instalações.

Em 1875 um sino foi executado por Narciso António de Braga.

Do século XX aos nossos dias

Os conjuntos do “Castelo de Lamego e cisterna / Castelo e cerca urbana de Lamego” encontram-se classificados como Monumento Nacional pelo Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 136 de 23 de junho de 1910 (castelo) e pelo Decreto n.º 38.491, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 230, de 6 de novembro de 1951 (cisterna).

Por determinação da Câmara, em 1914 foi executado um sino por Adriano Loureiro. Posteriormente, em 1920 teve lugar a arrematação do relógio para a torre de menagem, substituindo o primitivo, situado na Porta da Vila.

A intervenção do poder público no monumento iniciou-se numa primeira etapa de 1940 a 1944 por iniciativa da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) dentro do Plano de Restauro dos Monumentos Nacionais empreendido pelo Estado Novo no âmbito da comemoração dos centenários da Fundação e Restauração da nacionalidade (1140, 1640), vindo as sineiras e os sinos que existiam no alto da torre a ser retiradas para lhe acrescentarem as ameias. Desse modo, entre 1940 e 1941 procedeu-se a remoção dos sinos para a Igreja de Santa Maria de Almacave.

Posteriormente, em 1949, a Câmara Municipal procedeu a reparos nos acessos. Novas campanhas de intervenção se sucederam, a cargo da DGEMN, entre 1955 e 1991, libertando o monumento de edificações adossadas, consolidando, recuperando e reconstruindo estruturas, em beneficiações diversas.

O conjunto encontra-se afeto à Câmara Municipal de Lamego, por auto de cessão de 21 de outubro de 1950.

Em 1976 o Castelo acolheu a sede do Grupo n.º 49 dos Escoteiros de Portugal e por iniciativa dos Escoteiros, com o apoio da autarquia, a Praça de Armas do castelo foi limpa e arranjada. Em 26 de maio de 1977 foi celebrado um protocolo entre a Câmara Municipal de Lamego e a Associação dos Escoteiros de Portugal, o qual confirmou que o Castelo acolhesse a sede do Grupo n.º 49, ficando a cargo destes a limpeza, conservação, bem como a sua guarda.

Em outubro de 2005 foi elaborada a Carta de Risco do imóvel pela DGEMN.

Em novembro de 2013, a Cisterna de Lamego reabriu após ter sofrido importantes obras de requalificação que a converteram num Centro de Memória.

Características

Exemplar de arquitetura militar, românico e gótico. Originalmente de montanha, ergue-se na cota de 543 metros acima do nível do mar, implantado em monte de afloramentos graníticos e de xisto, atualmente com os dois panos de muralha, interna e externamente, inseridos na malha urbana.

Apresenta planta orgânica (adaptada ao terreno em que se inscreve), dominada pela torre de menagem a oeste, de planta quadrada, com cerca de 20 metros de altura, ameada. Esta é acedida por porta em nível superior, a c. 3 metros do solo, e divide-se internamente em três pisos de madeira, comunicantes entre si por escadas do mesmo material, com as fachadas rasgadas por pequenas frestas de iluminação, algumas alteradas no século XVI para serem transformadas em janelas, por ordem do último conde de Marialva, D. Francisco Coutinho, possivelmente com o intuito de dar à torre uma função habitacional.

Compondo a alcáçova, adossa-se pela sua face interna o perímetro amuralhado, hexagonal e irregular, com adarve e porta de acesso de arco quebrado, orientada sensivelmente a leste. Um segundo pano de muralha, bastante mais extenso contorna a cidadela, prolongando-se, para sul, a cotas bastante inferiores. Para leste, entre significativos troços de muralha, rasga-se a "Porta da Vila" (também denominada dos Figos, do Aguião, do Norte ou dos Fogos), formada por dois torreões laterais e, em plano mais recuado, porta de arco apontado, sobre o qual, na sua face interna e superior, se construiu um oratório de madeira. À esquerda, dispõem-se as escadas de acesso ao balcão onde estava o sino e, no topo, a torre da antiga Câmara. Neste imóvel, onde funcionou a Câmara Municipal até 1834, altura em que se mudou para a Casa da Relação (atual Paço do Bispo), encontra-se a sede do Corpo Nacional de Escutas.

No extremo sul ergue-se a "Porta do Sol", em pano de muralha de avultadas proporções, composta por arco quebrado. Esta possui um nicho epigrafado, e que, tal como a outra, são os acessos aos dois mais importantes eixos viários do tecido urbano do perímetro muralhado. Junto a esta última encontramos uma casa brasonada que pertenceu à Ordem de Cister e mais tarde veio a ser casa da roda.

Junto a um troço de muralha, na rua com o seu nome, localiza-se a cisterna de pedra lavrada e siglada, com as dimensões aproximadas de vinte metros de comprimento por dez de largura, abobadada em cantaria de ogiva nervurada com quatro arcos apoiados em pilares laterais, no eixo dos quais se rasga uma pequena abertura para iluminação. Lateralmente a meia altura, possui uma porta de acesso, com escada interior, estando ligada a um resto de pano de muralha. Próximo, abre-se a Praça de Armas, em forma de hexágono irregular, cuja muralha, com c. 90 metros de perímetro, é dotada de adarve, acessível pelo lado norte por um lanço de escadas.

A meio da Rua do Castelo podemos ver a capela da Senhora do Socorro, em cuja parede exterior se encontra um painel de azulejos com a inscrição “N. S. do Coro 1671”. Perto desta existia outra capela de invocação a São Salvador, onde teria sido a primitiva Sé.

A lenda da moura Ardínia

De acordo com uma lenda local, ao tempo do domínio muçulmano vivia no castelo uma princesa moura, de nome Ardínia, filha do governante, que se enamorou de um cavaleiro cristão, Tedom Ramires. Tendo ambos combinado o casamento e a fuga para terras cristãs, assim o fizeram. O pai da jovem, entretanto, logrou alcançá-la na ermida de São Pedro, junto ao rio Távora, quando a jovem acabara de se converter à fé cristã, sendo pelo próprio pai afogada nas águas desse rio. O cavaleiro enamorado, ao saber destas novas, fez voto de nunca se casar, vindo a ser morto em combate com os muçulmanos, junto ao rio Tedo, que por isso tomou o seu nome. (PINHO LEAL, Portugal Antigo e Moderno, 1874)

Uma outra versão refere que, à mesma época, era senhor do castelo um rei mouro de nome Alboacém, pai de uma bela princesa de nome Ardínia. A beleza da jovem era tal que seduziu imediatamente o cavaleiro cristão Tedon, bisneto de Ramiro II de Leão, quando um dia, disfarçado, veio a Lamego. O primeiro encontro entre Tedon e Ardínia aconteceu no laranjal do castelo numa noite de luar. Com o suceder dos encontros secretos, a paixão proibida entre os dois jovens aumentou a ponto de decidirem fugir para o convento de São Pedro das Águias, onde o Abade Gelásio os casou. O pai da princesa, entretanto, ciente da fuga, procurou-a por toda a parte, vindo a encontrá-la refugiada naquele convento, onde a matou. Até hoje se afirma na região que, quando o castelo é envolvido pelo nevoeiro no Inverno, o fantasma da princesa esvoaça sobre ele.

  • Castle of Lamego


  • Castle





  • Portugal


  • Restored and Well Conserved

  • National Protection
    Os conjuntos do “Castelo de Lamego e cisterna / Castelo e cerca urbana de Lamego” encontram-se classificados como Monumento Nacional pelo Decreto de 16 de junho de 1910, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 136 de 23 de junho de 1910 (castelo) e pelo Decreto n.º 38.491, publicado no Diário do Governo, I Série, n.º 230, de 6 de novembro de 1951 (cisterna).





  • Tourist-cultural Center

  • ,00 m2

  • Continent : Europe
    Country : Portugal
    State/Province: Viseu
    City: Lamego



  • Lat: 41 -6' 4''N | Lon: 7 48' 32''W










Print the contents


Register your email to receive news on this project


Fortalezas.org > Fortification > Castle of Lamego